Alimentação natural para cachorros (AN)

Saiba tudo sobre alimentação natural (AN) para cachorros: o que consiste, mitos e verdade, diferenças com a ração industrializada, benefícios, desvantagens e muito mais.

por — publicado 20 mar 2014 - 0:24

Alimentação natural, ou simplesmente AN, é um termo que tem sido bastante utilizado no meio pet, vem conquistando um crescente número de adeptos em todo o mundo e  parece ter vindo para ficar. Mas quando você escuta este termo, no que pensa? Conhece seu real significado e quais as suas bases?

 

Há um grupo crescente de profissionais e tutores buscando oferecer a seus pets e saber mais sobre AN. Há um início específico para essa conscientização?

A alimentação natural tem sido alvo de estudos e pesquisas pelo mundo há mais de cinqüenta anos (Fromm Family Foods, 1949 – EUA). No Brasil ela apareceu há pouco menos de dez anos, enquanto que em países europeus e norte americanos já conquistou muitos adeptos. No caso da Europa eles já somam quase a maior parte da população. Não podendo ficar de fora os australianos, principais produtores de bibliografia de qualidade sobre o assunto.

O que consiste a Alimentação Natural

Muita gente pensa que ao dar restos de comida está aderindo à AN, enquanto que a alimentação natural é muito mais do que isso e está baseada em conhecimentos anatômicos, nutricionais e fisiológicos dos animais. 

A comida que fazemos em casa para nosso consumo, por mais saudável que seja, é feita para humanos, contendo muitas vezes condimentos que podem ser tóxicos para pets, como a cebola, alho e sal (em quantidades excessivas).

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Você sabia que os gatos são originários dos desertos e, fisiologicamente, quando se alimentam da forma correta, quase não bebem água? Sim, seus alimentos são constituídos dos líquidos necessários para existência. E que doenças hoje comuns em felinos, como cálculos e obstruções urinárias, são enfermidades atuais? Recentemente relacionadas com rações secas?

E que a obesidade em pets é uma doença que preocupa há poucas décadas? Que surgiu praticamente junto com o aparecimento das rações?

Estas informações sobre as características dos animais são utilizadas para escolher e balancear ingredientes adequados de forma a suprir todas as necessidades nutricionais do seu pet.

Cada componente é avaliado individualmente quanto aos seus nutrientes e energia e adicionado aos demais de forma balanceada, resultando em uma formulação completa e saudável.

Dietas naturais consideram o estado de saúde, as doenças existentes, a condição corporal, a idade, predisposições a alterações e as preferências dos animais.

Dentre os alimentos liberados, as dietas são formuladas com os componentes que mais agradam os pets e vão sendo adaptadas conforme a aceitação ou não de alguns ingredientes.

As formulações são mutáveis para abranger ampla variação de nutrientes e sabor irresistível.

O uso de corantes, conservantes, palatabilizantes ou quaisquer tipos de aditivos químicos não são aceitos pela alimentação natural. Os complementos a serem adicionados a este tipo de dieta devem ser prescritos pelo responsável técnico que acompanha o paciente conforme a situação de saúde e fase da vida.

 

Benefícios de se oferecer Alimentação Natural

Os benefícios da AN são muitos:

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

– a segurança de sabermos a composição do produto que será ofertado aos pets (mesmo nas dietas compradas prontas, os ingredientes são especificados com clareza);

– a alta palatabilidade (o que garante grande taxa de aceitação – gatos podem exigir uma adaptação mais longa);

– possibilidade de variação de cardápio e sabores;

– redução dos problemas de pele e de alergias, pelagem sadia e brilhante além de dentes limpos e hálito fresco.

 

Desvantagens de se oferecer Alimentação Natural

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

As desvantagens existentes são poucas, como o espaço ocupado em geladeira ou freezer pelas porções, o tempo de preparo e o prévio congelamento das carnes antes da utilização; todas estas desaparecem quando se trata dos alimentos naturais.

Alimentos naturais balanceados (que respeitam a fisiologia da espécie, aproximando à nutrição dos ancestrais selvagens), sem adição de substâncias químicas, aliados a exercício físico prometem longevidade, qualidade de vida, diminuição de doenças crônicas além de maior disposição e saúde geral dos pets. Contudo, geralmente a alimentação natural tem custo mais elevado que as rações premium, despendem de tempo de preparo, estudos e um profissional qualificado. Jamais a alimentação do pet deve ser alterada sem prévio consentimento de um veterinário de confiança. A nutrição é pilar parte fundamental para a saúde e deve ser tratada se forma responsável e séria.

 

Opções de Alimentação Natural

Para quem quer evitar a cozinha e procura uma alternativa saudável e prática, existe a empresa Panela do Pet, que oferece veterinários capacitados para produzir os alimentos específicos para as necessidades do seu pet e entrega em todo o Brasil.

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

O segmento da indústria voltado para a alimentação pet vem crescendo e oferecendo uma gama cada vez maior de opções.

Hoje, existem várias empresas especializadas em alimentação natural que oferecem dietas balanceadas e completas, cozidas ou cruas (com ou sem ossos), resfriadas, congeladas e até mesmo desidratadas, como o caso da comida caseira produzida pela Panela do Pet. Profissionais especializados em nutrição de cães e gatos, médicos veterinários e zootecnistas têm buscado capacitação nesta área e são aptos a formular com segurança receitas apropriadas para o seu mascote.

Assim como para os seres humanos, a alimentação é um dos pilares mais importantes da saúde do seu pet. Por isso procure sempre estar amparado por profissionais da área antes de optar por um tipo de dieta para o seu mascote.

 

Mitos/Verdades

Ainda existe o mito de que as rações comerciais são os únicos alimentos completos e aptos a suprir as necessidades nutricionais dos animais. 

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Este pensamento existe devido ao tipo de alimento que era oferecido aos nossos mascotes nos primórdios da domesticação, antes da  ração aparecer nas prateleiras dos supermercados e que baseava-se em restos de comida humana ou em uma dieta sem acompanhamento veterinário e pobre de variedades e nutrientes.

A nossa alimentação não deve ser oferecida aos nossos pets em hipótese alguma. Alguns ingredientes, comuns em nossos pratos, como a cebola e o chocolate, podem ser fatais para os mascotes. Ambos têm substâncias que podem intoxicar e levar o animal de estimação ao óbito.

No que diz respeito às fezes, nos animais alimentados exclusivamente com alimentação natural, ao contrário do que se pensa, são secas e possuem odor reduzido. Este fato se deve a bio-disponibilidade dos nutrientes, quase que em sua totalidade, no trato digestivo. Não havendo grandes volumes e quantidades de fezes para serem eliminadas.

Relata-se também uma diminuição do odor característico dos cães. Segundo alguns tutores,  o “cheiro de cachorro”, como é conhecido popularmente, reduz consideravelmente. Os banhos, que eram semanais enquanto os animais eram alimentados com rações e, em alguns casos, tiveram sua frequência reduzida a banhos mensais.

 

A transição da ração para a Alimentação Natural

Animais alimentados com rações tradicionais podem começar a ser alimentados com dieta natural em qualquer etapa da vida. Após tomar a decisão, o primeiro passo é levar o seu pet a um médico veterinário de sua confiança para um check-up completo.

A principal razão para a adoção desta medida preventiva é que algumas doenças são silenciosas. Com uma avaliação, é possível afastar possíveis surpresas desagradáveis e descartar a AN como causadora da futura enfermidade.

Caso seu pet já apresente alguma doença não significa que ele não possa alimentar-se de forma natural e saudável. Nestes casos, uma avaliação individual deve ser realizada a fim de formular um alimento que leve em consideração o estado geral do mascote. Hoje já existem diversos profissionais habilitados para realizar esta tarefa. Lembrando que, para qualquer que seja a modificação alimentar do seu pet,esta deve ser implantada de forma gradual e esta adaptação leva de 7 a 10 dias. Sempre introduzindo aos poucos o novo alimento e reduzindo a ração que queremos abandonar. Durante este período de adaptação, pode acontecer o que chamamos de desintoxicação, fase em que o corpo expulsa as substancias tóxicas.

A maioria não apresenta sinais, contudo saiba reconhecê-los:

-aparecimento de coceiras,

-espinhas,

-fezes amolecidas com muco,

-hálito forte e odor corporal.

Esta etapa dura entre 1 a 10 dias e simplesmente desaparece. Pronto, seu mascote está desintoxicado.

 

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

 

Diferenças cruciais entre a alimentação natural e a ração (ração de boa qualidade)

A alimentação natural balanceada elaborada com a supervisão de um profissional habilitado, seja ela comprada pronta ou preparada em casa, tem composição equivalente em nutrientes às rações super Premium disponíveis no mercado. 

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

No entanto, a alimentação natural apresenta qualidade superior indiscutível por ser elaborada com ingredientes frescos e fontes protéicas de alta qualidade.

Ao contrário da ração industrial, não são utilizadas carnes mecanicamente separadas, penas ou outros tipos de ingredientes de má qualidade.

Também ficam fora das formulações palatabilizantes, conservantes e quaisquer outros componentes químicos e elementos transgênicos.

Você já prestou atenção nos rótulos das rações? Já observou a quantidade de vitaminas, de aminoácidos e de sais minerais como ferro, zinco, fósforo entre outros que são adicionados? Já se perguntou por que é necessário complementar tanto estes alimentos?

A indústria de rações, geralmente, utiliza ingredientes de menor custo e, consequentemente, de baixa qualidade. Isso faz com que se torne necessária a adição de uma quantidade quase infindável de compostos químicos.

No caso da alimentação natural, alguns suplementos são utilizados. O aminoácido taurina, nas formulações específicas para gatos, e o cálcio em formulações destinadas a cães e gatos, faz-se necessária somente se o alimento for cozido. No caso de alimentação natural crua, somente o cálcio é obrigatoriamente adicionado à fórmula com o fim de repor o cálcio, quando esta não possui ossos.

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Alimentação saudável para cães. Foto: Reprodução

Outra observação que se faz indispensável é a durabilidade. Como é possível fazer com que uma ração dure um ano ou mais? Isto só é possível devido à utilização de grandes quantidades de conservantes (BHT e BHA), que hoje são considerados vilões na alimentação humana e inclusive vêm sendo estudados como possíveis responsáveis por diversas alterações celulares (câncer).

E as cores dos grãos de ração? Será que são realmente de vegetais? As tonalidades vistas nas rações não passam de corantes, que representam as principais causas de alergias em humanos e animais.

A indústria de rações vem perdendo um espaço considerável para a alimentação natural nos países europeus e norte-americanos. Os investimentos para manter e conquistar mais adeptos nos países “em desenvolvimento” ou em “subdesenvolvidos” têm aumentado muito nos últimos anos e uma das estratégias utilizadas é simplesmente atacar a dieta natural de uma forma confusa e sem embasamento. Até o momento, nenhum dado real contrário a adoção da dieta natural supervisionada por especialista foi encontrado pela comunidade científica.

 

panela-petDra. Fabíola Monteiro (CRMV/RS 12470) é a médica veterinária autora do artigo “Alimentação saudável para cachorros”, exclusivo para o Portal do Dog.

Uma das responsáveis pela Panela do Pet, a única empresa do Brasil a oferecer uma linha de comidas caseiras cozidas a vapor e desidratadas. Seus ingredientes são selecionados e sua forma de apresentação garante qualidade, praticidade e durabilidade. É a opção mais prática para quem busca alimentação natural, já que não ocupa espaço, além de ser uma excelente opção durante viagens.

Você pode comprar de qualquer lugar do Brasil através do endereço www.paneladopet.com.br, por telefone (51) 34855958 ou consultar no site as lojas credenciadas. Para maiores esclarecimentos, envie e-mail para [email protected] e fale diretamente com nossa veterinária responsável.

 

panela-pet-alimentacao-saudavel-natural-

Cãozinho tem duas patas amputadas por causa da falta de cuidados com seus pelos

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 abr 2018 - 9:20

Apesar de dar muito amor, algumas pessoas não têm condições financeiras para manter e cuidar de um cachorro da forma que eles precisam para ter uma boa saúde e até demoram para pedir ajuda quando os pets precisam. Porém, é importante lembrar que até a falta de cuidados básicos, como banho e tosa, podem causar problemas de saúde graves.

O cãozinho Bobb, um Poodle Toy, vivia com tutores sem teto. Por não terem condições financeiras para cuidar do cão,

 » Read more about: Cãozinho tem duas patas amputadas por causa da falta de cuidados com seus pelos  »

Homem mata cachorro do vizinho e tenta servir o animal como jantar para o tutor

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 abr 2018 - 18:21

A crueldade humana contra os animais está atingindo níveis que nem conseguimos acreditar que possa ser verdade. Na Coreia do Sul, um homem matou o cachorro do vizinho, cozinhou o animal e convidou o próprio tutor para jantar.

Este caso terrível e absurdo de violência contra animais se tornou público depois que a família do cachorro assassinado publicou um pedido on-line pedindo apoio para garantir que o responsável pela morte do pet fosse severamente punido.

 » Read more about: Homem mata cachorro do vizinho e tenta servir o animal como jantar para o tutor  »

Rainha Elizabeth fica de coração partido ao perder seu último Corgi Galês

por Andrezza Oestreicher — publicado 19 abr 2018 - 19:58

Apaixonada por cachorros da raça Corgi desde que seu pai introduziu esses animais na família, em 1933, a Rainha Elizabeth está de coração partido após a morte de seu último Corgi Galês.

No seu aniversário de 18 anos, a então Princesa Elizabeth ganhou o seu primeiro Corgi de presente de seu pai. A cadelinha Susan foi a matriarca de 14 gerações de Corgi Galês que a rainha manteve por muitos anos em suas quatro casas reais.

 » Read more about: Rainha Elizabeth fica de coração partido ao perder seu último Corgi Galês  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Cãozinho tem duas patas amputadas por causa da falta de cuidados com seus pelos

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 abr 2018 - 9:20

Apesar de dar muito amor, algumas pessoas não têm condições financeiras para manter e cuidar de um cachorro da forma que eles precisam para ter uma boa saúde e até demoram para pedir ajuda quando os pets precisam. Porém, é importante lembrar que até a falta de cuidados básicos, como banho e tosa, podem causar problemas de saúde graves.

O cãozinho Bobb, um Poodle Toy, vivia com tutores sem teto. Por não terem condições financeiras para cuidar do cão, o animal passou cerca de 10 anos sem receber uma tosa sequer. Durante todo esse tempo, os pelos do cachorro foram crescendo e formando vários nós até se tornar um enorme emaranhando que passou a afetar a sua saúde.

Cãozinho viveu cerca de 10 anos sem ser tosado nem uma vez. (Foto: Reprodução / Facebook Amaze-Bobb)

No final de 2015, Bobb foi encontrado e levado pelo controle de animais, em Los Angeles, por conta das condições em que ele estava sendo mantido. Em seguida, o cachorro foi resgatado pelo grupo de resgate e cuidados Synergy Animal Rescue, que o levou para receber os cuidados específicos que precisava.

A primeira coisa feita foi tosar o animal e livrá-lo de todo aquele excesso de pelos que o estava mantendo preso e em um estado terrível. Porém a situação era mais grave do que todos imaginavam.

O cãozinho tinha tantos nós, que alguns simplesmente cortaram sua circulação em duas de suas patas, a esquerda de trás e a direita da frente, que estava praticamente pendurada, presa apenas pelos nós. Ambas as patas tiveram que ser amputadas.

Cãozinho hoje tem 13 anos e se adaptou muito bem a sua condição. (Foto: Reprodução / Facebook Amaze-Bobb)

O pequeno cachorro também precisou arrancar vários dentes, que estavam podres e em péssimo estado.

Depois de todo esse tratamento, Bobb era um cãozinho completamente diferente, tanto por fora quanto por dentro. Ele estava mais leve e mais feliz.

Uma mulher chamada Megan Lundberg se ofereceu para dar lar temporário para o pequeno animal. Porém, ela e seu marido se apaixonaram por Bobb e decidiram adotá-lo de vez.

Ele é muito feliz com sua nova família, que o ama muito. (Foto: Reprodução / Facebook Amaze-Bobb)

Hoje com 13 anos de idade, Bobb vive muito feliz com seus pais humanos, irmãos caninos e irmãos felinos em um lar cheio de amor. Ele passou por fisioterapia, se adaptou muito bem a sua nova condição e se acostumou a andar de um lado para o outro com duas patas, o que faz com muita facilidade e rapidez.

Fonte: The Animal Rescue Site / Facebook Amaze-Bobb

Homem mata cachorro do vizinho e tenta servir o animal como jantar para o tutor

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 abr 2018 - 18:21

A crueldade humana contra os animais está atingindo níveis que nem conseguimos acreditar que possa ser verdade. Na Coreia do Sul, um homem matou o cachorro do vizinho, cozinhou o animal e convidou o próprio tutor para jantar.

Este caso terrível e absurdo de violência contra animais se tornou público depois que a família do cachorro assassinado publicou um pedido on-line pedindo apoio para garantir que o responsável pela morte do pet fosse severamente punido.

De acordo com a polícia local, o homem responsável pela morte do animal, um fazendeiro de 62 anos que não teve seu nome divulgado, confessou o crime e disse que matou o cachorro do vizinho por estar irritado com os constantes latidos do pet, que tinha dois anos de idade.

O criminoso contou que jogou uma pedra no cãozinho, um pequeno Corgi, e quando percebeu que o animal estava inconsciente o matou estrangulado. Em seguida, ele cozinhou o cachorro e chamou alguns vizinhos para dividir a “refeição”, incluindo o tutor do animal.

A família do cãozinho não tinha ideia do que tinha acontecido com o animal. Eles achavam que o pet estava desaparecido e chegaram a distribuir panfletos pedindo informações e oferecendo recompensas para quem encontrasse e devolvesse o cachorro.

Homem matou cachorro por estar irritado com os latidos do animal. (Foto: Reprodução / pets4homes)

De acordo com a filha dos tutores do cão, ela chegou a ir até a casa do responsável pela morte do animal, que fica três casas distante de onde o pet vivia. Ela disse que o homem a recebeu bem e foi simpático. “Quando cheguei à casa do homem, que fica a apenas três portas da nossa, ele expressou simpatia, prometendo nos informar se encontrasse o cachorro”, disse ela.

Ninguém desconfiava de nada. Porém, ela acredita que nessa época o fazendeiro já estava em posse do cão, vivo ou morto, em seu celeiro.

O criminoso ainda chegou a beber com o tutor do animal e confortá-lo sobre o sumiço do cão. Em seguida, ele convidou alguns vizinhos, inclusive o tutor, para comer carne de cachorro em sua casa.

O tutor não aceitou, pois não consome carne de cachorro. Porém, foi só depois deste convite que outro vizinho contou para a família o que realmente tinha acontecido com o pet.

Depois disso, o fazendeiro confessou seu crime para a polícia.

Apesar de o consumo de carne de cachorro ter diminuído bastante, ela ainda faz parte da culinária de uma parte dos sul-coreanos e mais de 1 milhão de cães ainda são consumidos na Coreia do Sul por ano.

O número está diminuindo graças à geração mais jovem, que está vendo cada vez mais os cães como animais de estimação e tornando o consumo da carne desses animais um verdadeiro tabu.

Fonte: The Guardian