Castração não garante a inibição no caso de comportamentos já adquiridos

Só a castração não resolve problemas comportamentais pré-adquiridos

por Olivier Soulier — publicado 10 abr 2014 - 1:18

Só a castração não resolver problemas pré-adquiridos. Foto: Reprodução

Só a castração não resolve problemas comportamentais pré-adquiridos. Foto: Reprodução

Por mais que deixe de produzir testosterona, hormônio atuando nos caracteres secundários masculinos, o machinho não vai sofrer de amnésia seletiva.

Em alguns casos a castração pode resolver, quando o aspecto hormonal tem influência no comportamental.

No caso de um animal novo não tendo descoberto os sinais sexuais na puberdade ou até num animal não tão novo, mas com o caráter bastante submisso, infelizmente medroso, com um comportamento consequentemente menos definido ou firmado, o simples desaparecimento da testosterona aos poucos elimina o comportamento de marcação territorial.

Agora se ele marcar por razões de estresse ou por submissão e/ou agitação, a influência hormonal geralmente é bem próxima do zero, outra razão pela qual a castração está longe de resolver todos os casos de marcação.

Sem falar de razões patológicas que podem provocar ou favorecer as marcações como, por exemplo, infecções urinárias, doenças endócrinas e alterações digestivas. Daí a importância de uma consulta geral e alguns exames de sangue e de urina do seu animal, se for o caso.

É claro que nesses casos patológicos a castração não deve ajudar também.

A monta assexuada ou aparente da parte de machos em outros, por liderança ou dominância, também não deve desaparecer somente com a castração, pois ela não é ligada a sexualidade, nem somente a produção de hormônios, mas sim a tentativa de autoafirmação hierárquica.

Somente nos casos de animais novos ou de temperamento muito submisso, medroso, a castração pode surtir efeitos. Embora nos casos de animais muito submissos tal comportamento é muito raro ou jamais aparece.

Nos dois casos, marcação ou monta assexuada, a educação e o controle da parte dos tutores são os meios mais eficientes de evitar, reduzir e eliminar esses comportamentos.

Sou a favor da castração por razões medicinais ou de controle de natalidade, não como solução milagrosa a comportamentos indesejados.

Alguém iria castrar o seu filho humano quando, no inicio da adolescência, começa a delimitar e controlar o acesso do seu quarto e pertences ou a disputar com colegas eventual autoridade, capacidade ou hierarquia nos grupos que frequenta?

Não seria mais lógico, natural e eficiente educá-lo e ensiná-lo limites e autocontrole desde sempre?

 

Matéria atualizada 11/02/2014, 00:02

De casa ao trabalho, Ana Maria Braga tem sempre a gostosa companhia de seus cachorros

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 18:45

Tem muito tutor por aí que seria muito mais feliz no trabalho se pudesse ter a companhia do seu animal de estimação durante o tempo que precisa ficar fora de casa se dedicando a sua profissão.

Aqui no Brasil ainda são poucas as empresas que permitem a presença dos pets de seus funcionários. Mas algumas pessoas têm bastante sorte de poder ter a companhia de seus amados peludos em todo lugar, e uma delas é a querida apresentadora Ana Maria Braga.

 » Read more about: De casa ao trabalho, Ana Maria Braga tem sempre a gostosa companhia de seus cachorros  »

Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 9:00

Durante consultas ou até mesmo em avaliações simples, médicos veterinários podem ser capazes de identificar se um animal está sendo vítima de maus-tratos ou de alguma negligência.

Pensando nisso e em ajudar a diminuir o número de animais maltratados pelos próprios tutores em nosso país, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou proposta que prevê a obrigação de médicos veterinários comunicarem imediatamente à Polícia Judiciária quando constatarem indícios de maus-tratos naqueles animais nos quais prestarem atendimentos médicos.

 » Read more about: Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia  »

Através de anúncio na internet mulher descobre que cachorro desaparecido estava com vizinhos

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 abr 2018 - 15:24

Só quem tem um cachorrinho desaparecido sabe o desespero que é o momento das buscas, de não saber como o animal está, e a tristeza que toma conta quando a esperança de encontrar o amado animal vai se acabando.

Foi com essa angústia e tristeza que a tutora Silmara Ribeiro do Amaral e sua filha, uma menina de oito anos, viveram durante um ano após o desaparecimento do amado cachorro da família, um Pug de três anos chamado Gordo.

 » Read more about: Através de anúncio na internet mulher descobre que cachorro desaparecido estava com vizinhos  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

De casa ao trabalho, Ana Maria Braga tem sempre a gostosa companhia de seus cachorros

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 18:45

Tem muito tutor por aí que seria muito mais feliz no trabalho se pudesse ter a companhia do seu animal de estimação durante o tempo que precisa ficar fora de casa se dedicando a sua profissão.

Aqui no Brasil ainda são poucas as empresas que permitem a presença dos pets de seus funcionários. Mas algumas pessoas têm bastante sorte de poder ter a companhia de seus amados peludos em todo lugar, e uma delas é a querida apresentadora Ana Maria Braga.

Família ❤️ #maisvoce

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

⚫⚪ #lookdodia

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Ana Maria está sempre com o cenário do seu programa recheado de peludos, pois seus cachorros têm liberdade total para circular pelo local.

Já tão famosos quanto sua mamãe humana, os cães também possuem fãs e o público do programa matinal “Mais Você” até estranha e se preocupa quando os cachorros não aparecem.

Peppa pedindo carinho… quem aguenta? 🐶💗

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

#crystal 💞🐶

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Bastante coruja, Ana Maria não esconde sua paixão pelos pets e sempre aparece no programa com algum (ou alguns) deles no colo e alisando os animais enquanto conversa com o público de casa ou com seus convidados, que também não resistem aos cães da apresentadora e fazem muito carinho nos peludos.

Assim como todos os apaixonados por seus animais, a tutora também costuma publicar muitas fotos dos seus cãezinhos no seu perfil oficial nas redes sociais.

Duas cachorras e só uma cadeira. Como faz? 💛 #ciumes #vidadecao

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Feliz Páscoa ✨

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Para quem há acompanha a Ana Maria Braga e o “Mais Você” há mais tempo, se lembra bem da pet que abriu as portas e a primeira a ganhar espaço no estúdio do programa. A fofa e peludinha Belinha foi adotada pela apresentadora com dois meses de idade e foi para o céu dos cachorros aos 12 anos de idade, em janeiro de 2015.

Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 9:00

Durante consultas ou até mesmo em avaliações simples, médicos veterinários podem ser capazes de identificar se um animal está sendo vítima de maus-tratos ou de alguma negligência.

Pensando nisso e em ajudar a diminuir o número de animais maltratados pelos próprios tutores em nosso país, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou proposta que prevê a obrigação de médicos veterinários comunicarem imediatamente à Polícia Judiciária quando constatarem indícios de maus-tratos naqueles animais nos quais prestarem atendimentos médicos.

(Foto: Reprodução / Wide Open Pets)

O texto aprovado se insere na Lei 5517/68, que trata da profissão de médico veterinário.

De acordo com o relator, deputado Ricardo Izar (PP-SP), “é justo e necessário que essa comunicação seja realizada pelo estabelecimento, porém, o texto deixa dúvidas de como será feita e quem será responsável pela fiscalização dos estabelecimentos. Com a vinculação do dispositivo à Lei 5517/68, caberá aos Conselhos Federal e Regional de Medicina Veterinária, autarquia já constituída, a exercer a fiscalização do profissional e do estabelecimento para verificar o efetivo cumprimento da legislação”.

Ainda de acordo com o deputado, o governo não terá nenhum novo custo, pois a estrutura existente nos conselhos absorveria essa fiscalização como rotina.

De acordo com o texto aprovado, os comunicados de maus-tratos feitos pelos médicos veterinários para a polícia devem conter relatório assinado com algumas informações mínimas específicas como:
– nome, endereço e contato do acompanhante do animal no momento do atendimento;
– informações do atendimento prestado, contendo a espécie, raça e características físicas do animal, descrição de sua situação de saúde na hora do atendimento e os respectivos procedimentos adotados.

(Foto: Reprodução / Animal Lawyers)

Porém, foi retirada do texto a pena que previa interdição do estabelecimento para quem descumprir a medida.

A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Esperamos que esse passo ajude a diminuir os casos de violência contra animais de estimação no Brasil.

Fonte: Agência Câmara Notícias