2 fev 2014 - 4:07

Por que meu cachorro se lambe, morde ou coça compulsivamente?

Descubra as possíveis causas do comportamento e o que fazer nessas situações

Escrito por Samantha Kelly
Jornalista do Portal do Dog

O que fazer quando seu cão está se mordendo, lambendo ou coçando compulsivamente? Foto: Reprodução

O que fazer quando seu cão está se mordendo, lambendo ou coçando compulsivamente? Foto: Reprodução

Muitos tutores já devem ter presenciado seus cachorros passando diversos minutos lambendo a pata, coçando a orelha compulsivamente ou mordendo uma parte específica do corpo.

Saiba que esses comportamentos são muito comuns de acontecer em cães e as causas são variadas.

Além de ser desconfortável para o cão, a persistência do comportamento também pode representar um perigo a saúde do animal, principalmente nos casos mais graves e persistentes.

Descubra quais podem ser as possíveis causas desses comportamentos e o que fazer se o seu cão apresentar um deles.

 

Possíveis causas

 

Alergias: O seu cão pode ter desenvolvido uma irritação na pele ou uma dermatite ao entrar em contato com uma substância específica. A alergia pode ser um resultado de uma comida ou ambiental.

Tédio e/ou ansiedade: Do tédio e ansiedade o cão pode desenvolver um transtorno compulsivo obsessivo que se manifesta através de mordidas e lambidas incessantes.

Pele seca: A mudança no clima ou deficiência em ácidos graxos na alimentação do animal (que auxiliam na proteção e hidratação da pele) pode deixar o cão com pele seca. O animal pode responder ao desconforto coçando o local.

Desequilíbrios hormonais: Em casos de desequilíbrio nos hormônios produzidos pela tireóide ou excesso de cortisol, o corpo pode reagir com infecções de pele superficiais, causando coceira.

Dor: Excessiva coceira, lambidas ou mordidas pode significar que o cão está com dor em determinado local do corpo. Verifique o local que o cachorro está focando para checar se não há algo errado. É comum, por exemplo, que espinhos se prendam entre os dedos, e as mordidas na verdade sejam uma forma do animal de remover o objeto. Mordidas e lambidas compulsivas na pata também podem indicar possíveis problemas ortopédicos.

Parasitas: Uma das causas mais comuns para mordidas e lambidas excessivas pode sim vir da presença de parasitas, como ácaros, pulgas e carrapatos. Mesmo que você não possa ver a olho nu, como no caso dos ácaros, ou as pulgas que muitas vezes passam despercebidas, não significa que este não seja um caso de infestação.

 

O que fazer com as incansáveis mordidas, lambidas e coceiras do meu cão?

 

– Como visto acima, há diversos motivos para o cão morder, lamber ou coçar incessantemente um local no corpo. Primeiro é importante determinar o que pode ser a causa do comportamento para então partir para um tratamento;

– Primeiro cheque em busca de sinais de ferimento ou então se há algum tipo de infecção. Nesse caso é bom que o veterinário analise e então trate a área;

– Se encontrar um objeto embutido no pata do cão, remova-o e então passe antisséptico no local;

– Mantenha a alimentação do seu cão equilibrada e garanta que ele esteja recebendo todos os nutrientes necessários;

– Evite colocar químicos nas áreas que seu cão tem acesso;

– Todos os produtos usados no cachorro (ex. shampoos, perfumes, condicionadores) devem ser de uso aprovado por veterinários. Não utilize produtos para humanos no seu cão;

– Se o cão estiver frustrado ou entediado, garanta que ele esteja ganhando a atenção que precisa e praticando exercícios suficientes. Ao observar que o cachorro está mordendo repetidamente uma área, redirecione a atenção do animal com um brinquedo. O auxílio de comportamentalistas e adestradores pode ser uma boa ideia para lidar com a situação;

– Se houver a presença de parasitas, consulte o veterinário para descobrir que o melhor remédio para o problema.

– Se não houver nenhuma causa aparente e mesmo assim seu cão estiver continuando o comportamento, o melhor a se fazer é levar ao médico veterinário.

 

Referências: Petadviser e Webmd

 

 


  • Compartilhe


  • Receba as notícias do
    Portal do Dog no seu email!
    É gratuito!


    Deixe seu comentário
    • https://www.facebook.com/lucimara.gerbasi Luci mara Gerbasi

      Olá, tenho uma lhasa de 10 anos que sofre de compulsão de mordedura nas patas a mais de 6 anos, já a tratei com vários antialérgicos, antibióticos, florais, homeopatia, hidroterapia, acupuntura, adotei outro cão mais novo para equilibrar as energias e ter companhia, mudei rações, passeamos mais vezes e nada resolveu.
      A ultima alternativa foi um antialérgico de depósito a base de corticóide que resolveu o problema por 5 anos. Corri o risco e ela acabou desemvolvendo diabetes por conta do corticóide. Ficou cega, toma insulina 2 vezes por dia e não pode mais tomar o antigo medicamento.
      O veterinário recomendou antidepressivo, já faz um mes e meio que está em tratamento e também usando colar elizabetano, mas é o tempo de tirar o colar que ela avança nas próprias patas.
      Estou recorrendo a todos meios de comunicação para tentar saber se existe alguma solução para o problema da minha Mel, pois ela ainda tem muitos anos de vida e não está tendo uma boa qualidade na mesma.
      Me sinto muito triste pois sou ativista da causa animal e resgato animais de maus tratos, abandonados doentes. e não consigo resolver o problema da minha cachorra.
      Me chamo Luci Mara gerbasi, moro em Presidente Prudente – SP e peço por favor se tiverem alguma novidade sobre o assunto me informem pelo e-mail:- [email protected].
      Desde já agradeço de coração.

      • fabíola

        Me permita perguntar, vc já fez tratamento c infervac, um tipo de vacina auto imune, onde mistura o medicamento c o próprio sangue ?

      • Pipa S

        é só uma sugestão, espero que a esta altura já tenha a situação resolvida. Qual a função / missão / trabalho para que foi criada essa raça? Pode ser falta de identificar uma “missão” para ela e incentivá-la a isso. Normalmente, as raças são criadas com um propósito, é descobrir e ver se é isso. Pode ser procurar objetos, pessoas, ratos, coelhos, pastorear, sei lá… Se não descobrirem, “saiam da caixa” e sejam criativos em procurar atividades que a possam motivar e afastar progressivamente desse comportamento (e deixar os comprimidos e afins…). Acho que se é do foro psicológico (já que escreveu que é uma compulsão), em vez do veterinário, o melhor caminho é alguém que entenda de comportamento e treino canino… esses duvido que vão encher o animal de químicos para abafar o problema em vez de o tentar resolver.