O seu cãozinho está com problemas comportamentais?
Pergunte para o Alexandre Rossi e Cão Cidadão
Agressividade por transferência
29 set 2017
Comportamento:
Tutor(a): Renata Ricomini, | O cachorro: Hannah
Agressividade por transferência

“Quando adotei a Hannah, da raça Pitbull, ela tinha um mês. Um ano depois resgatei quatro SRDs da rua, recém-nascidos, deixados em uma caixa de papelão. Duas fêmeas foram castradas, vacinadas, vermifugadas e doadas. Comigo ficou um casal que cresceu junto com a Pitbull, que os adotou.

Quando a SRD fez um ano e meio, mais ou menos, os três estavam brincando juntos de correr um atrás do outro, como faziam todos os dias, até que o SRD macho, com a brincadeira, machucou a SRD fêmea. No instante que ela gritou a Pitbull avançou na fêmea e a atacou com muita violência.

Gostaria de saber o porquê dessa atitude, já que sempre brincaram e nunca haviam se desentendido. Hoje separei a Pitbull deles, mas tenho dó, porque quando solto os dois ela fica olhando como se quisesse ir junto.”

Por Camila Mello, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Olá, Renata.

Cães que convivem juntos desde pequenos podem, vez ou outra, apresentar comportamentos parecidos com o citado por você. Entretanto, é importante avaliar se esta situação ocorreu por um algum motivo isolado. Não podemos rotular a Hannah como um cão agressivo apenas por este fato.

É preciso analisar a situação como um todo. Neste caso específico, se o estresse aconteceu durante uma brincadeira é possível que os cães estivessem com um nível de excitação elevado e isso pode fazer com que os limites da brincadeira sejam ultrapassados e desencadeiem em uma briga.

Podemos considerar como um tipo de agressividade isolada, por transferência, o fato de a Hannah ter avançado na SRD, com base no que você descreveu. É possível que ela tenha querido defender o cão que foi machucado, mas, com a excitação da brincadeira, transferiu essa defesa para o indivíduo errado.

É importante fazer uma reaproximação supervisionada dos três cães, com o auxílio de associações positivas entre eles para que possam voltar a conviver. Outro ponto importante é supervisionar também as brincadeiras, para que não haja excesso, caso haja, é preciso interromper a brincadeira imediatamente.

Casos de agressividade podem resultar em acidentes, se o treinamento não for correto e com muita paciência. Conte com a ajuda de um adestrador profissional nesta missão!