O seu cãozinho está com problemas comportamentais?
Pergunte para o Alexandre Rossi e Cão Cidadão
Agressividade canina
26 out 2017
Comportamento:
Tutor(a): Cinthia Nair, | O cachorro: Alvim
Dessensibilização ao toque

“Tenho um Poodle. Ele é o único aqui em casa, não tenho filhos. Mas estou em prantos, pois ele ataca todos os meus sobrinhos. E quando os trago para dormirem aqui, o Alvim rosna caso eles se aproximem. Aí já fico de olho. O último caso foi com o meu sobrinho de 11 meses que estava engatinhando, foi para o lado dele e puxou seu pelo, aí ele atacou e mordeu o rosto do bebê. Foi horrível, estou em choque, pois ele não deixa as pessoas se aproximarem de mim e nem eu do meu esposo. Enfim, eu tenho vários sobrinhos e sobrinhas, dois quais ele já mordeu quatro. Não aguento mais.”

Dessensibilização ao toque

Por Camila Mello, adestradora e franqueada da Cão Cidadão

Oi Cinthia. Não são raros relatos como o seu! Muito embora não notemos, de alguns anos para cá tem havido uma forte humanização dos pets, o que significa que cada vez mais nossos peludos se tornam as “crianças” da família, ou seja, temos uma relação muito próxima com eles e isso pode desencadear ciúmes quando sentem seu território ameaçado.

Por ser um cão adulto, o Alvim já deve estar habituado com as rotinas da casa e da família. Alterações nessas rotinas podem deixá-lo ansioso e estressado, levando-o a estes comportamentos inesperados.

É importante lembrar que os cães se expressam da forma que sabem, e em caso de desagrado podem se manifestar com rosnado, uma mordida ou simplesmente se afastar daquilo que lhes causa incomodo.

Lembre-se também de que as crianças muito pequenas têm uma forma peculiar de se expressar e, muitas vezes, pode não ser uma maneira delicada. O fato de ter tido o pelo puxado pode ter causado incomodo ou dor no Alvim, fazendo com que o peludo se manifestasse avançando.

Para casos em que cães convivem com crianças, a primeira orientação é de que a convivência seja sempre supervisionada por uma questão de segurança do pet e da criança.

Em termos comportamentais, é preciso trabalhar a autoconfiança do cão e ainda a questão de limites. É preciso fazer com que o cão perceba que a aproximação, tanto de crianças como de qualquer outra pessoa, é vantajosa e que ele não corre riscos. Seriam treinos baseados em aproximações positivas.

Isso significa dizer que toda vez que seus sobrinhos ou seu marido se aproximarem, o Alvin deverá ganhar muito carinho e um petisco bem gostoso. Com isso, ele perceberá que quando uma criança ou qualquer outra pessoa se aproximar dele ou de você, algo bacana vai acontecer.

É importante também fazer um trabalho de dessensibilização ao toque com o Alvim: condicioná-lo a tolerar o toque nos pelos, orelhas, patas e rabo. Esse treinamento é muito importante para cães que convivem com crianças.

Por fim, é preciso conscientizar as crianças desde cedo de que a interação com cães deve ser delicada, e ensinar que alguns gestos podem causar incomodo no cão.

Para que a paz volte a reinar na sua casa, conte com a ajuda de um de nossos profissionais.