O seu cãozinho está com problemas comportamentais?
Pergunte para o Alexandre Rossi e Cão Cidadão
MEU CÃO NÃO GOSTA DE CRIANÇAS
12 jan 2016
Comportamento: MEU CÃO NÃO GOSTA DE CRIANÇAS
Tutor(a): Kássia Nascimento, Alda Magaly e Larissy Lúcio, | O cachorro: Duke, Dryka e Simba
Acostumando o cão ao convívio com crianças

“Adotei o Duke, mix de poodle com pequinês, quando ele tinha apenas 29 dias (A mãezinha dele morreu quando ele tinha quinze dias de nascido), e desde que chegou sempre se comportou muito bem. O único (e grande problema) e que minha sobrinha de 3 anos tem MUITO medo de cachorro e sempre que ela chega aqui em casa é a maior gritaria! No começo o Duke não se importava muito, ate ignorava. Mas de três meses pra cá, ele não atura mais esses gritos, chegou a tentar ataca-la e também a criar raiva de outras crianças. Se elas estiverem paradas, tudo ok, mas se começarem a correr ou gritar ele já fica incontrolável. Fico muito triste, pois ela frequenta bastante minha casa e para não haver transtornos sou abrigada a prendê-lo na área de casa e ele fica muito estressado, chora o tempo todo! Além disso, preciso viajar daqui a dois meses, e a melhor opção pra mim seria levá-lo, já que não tenho com quem deixar, porém, a minha sobrinha vai também e tenho medo que acabe sendo um stress! Essa semana, será providenciada a castração do Duke, mas temo que isso não funcione. Eu NECESSITO de uma luz, e acredito verdadeiramente no seu trabalho e no da sua equipe. Farei o que for necessário para que essa situação seja resolvida. Desde já, obrigada pela atenção.” – Kássia Nascimento, Duke, de onze meses e quinze dias.

“A Dryka, não é sociável com visitas, e principalmente com crianças, quando chega alguém em casa, logo tem q colocá-la em algum ambiente separado, pq já aconteceu até dela morder! Ela é uma fofa, mas só com a nossa família ( menos as crianças ). Nem na rua ela fica mansa, pois fica querendo pegar nos pés das pessoas q passam por perto. A amo demais, muitas vezes deixo de levá-la aos lugares por causa desse temperamento! O q devo fazer ???” – Alda Magaly M Campos, dona da Dryka, de dois anos.

“Olá, Alexandre e equipe do Cão Cidadão! Meu cachorrinho, Simba, é um Pequinês de 6 meses. Ele é muito carinhoso com as pessoas em casa, aprendeu certinho o lugar de fazer as necessidades e o comando “Não”. Porém ele tem um grande problema de socialização com os outros cachorros e com crianças. Inicialmente achei que o problema com crianças era por ciúme que ele possui de mim, tanto que evitava ficar perto das crianças e nenéns, quando ele estava no ambiente, ele lidava razoavelmente bem com isso, então achei que estava dando certo. Até o momento em que ele mordeu o rostinho do meu sobrinho de apenas 1 ano enquanto ele, o cão, estava no colo do meu cunhado e o neném fazendo carinho nele pelas “costas”. Isso foi um choque para mim, pois pretendo ser mãe em breve e não sei como o Simba poderá reagir. O que eu poderia fazer para adestrá-lo com relação a isso? Outro problema que ele tem é que ele não pode ver outros cachorros de maneira alguma, que ele quer avançar! Isso é muito difícil também, pois ele é muito pequeno e qualquer cachorro um pouco maior que ele o estrangularia em uma mordida só. Também gostaria muito da ajuda de vocês com isso! Agradeço pela atenção. Beeijos” – Larissy Lúcio, dona do Simba, de seis meses. Ver resposta

PROBLEMAS NO PASSEIO
6 jan 2016
Comportamento: Problemas no Passeio
Tutor(a): Márcia, Dalla e Cristiane Santin, | O cachorro: Kuka, Oscar e Kiko
Dicas para lidar com problemas durante os passeios

“Adotei a Kukinha numa Ong, onde a mãe dela havia sido recolhida, com 50 dias. É uma vira latinha linda de 3 aninhos, com 5kg 500gr. Sem muita experiência com cães e sabendo que enquanto não tivesse todas as vacinas não deveria conviver com outros cães, mantive-a em casa até os 4 meses. Não sei se por não ter sido sociabilizada, Kuka até hoje tem horror de sair de casa!!! Some e se esconde embaixo da cama quando vê a guia. Se forço em leva-la, treme muito, fica extremamente amedrontada e o coração acelerado. Puxa em direção ao prédio e fica de plantão na porta do elevador. Em casa pula, corre, brinca feliz. Devo força-la a sair? Ficar só em casa feito um gato não fará mal para sua saúde? São 3 anos que tento sair e volto estressada da tanto que ela puxa e treme. Obrigada” – Márcia, dona da Kuka, de três anos.

“O Oscar é um cão extremamente dócil, interativo, obediente dentro de casa, não é territorialista, brinca com meus outros dois cães (um border-irmão de 3 anos, e um lhasa). Não tem ciúme de comida, brinquedos, MASSSSSS na rua, avança em cachorros e pessoas, sai muito excitado de casa (não falo nada, nem solto som para não contribuir com o estado dele), e grita muito na rua se está feliz, como se tivesse sendo atropelado (rsrs), sou famosa no bairro. Por exemplo, no Museu do Ipiranga, brinca comigo, me segue, mas se um cachorro se aproximar… aiaiai… Gostaria muito de tentar algo, com vocês, para que ele tenha qualidade de vida, com menos excitação, e não ofereça risco às pessoas e cachorros. Obrigada.” – Dalla, dona do Oscar, de três anos.

“Boa Tarde!! Adotei o Kiko com aproximadamente 2 meses de idade, e em vista de ter que tomar as três doses da vacina só consegui leva-lo para passear com quatro meses, e no início ele passeava direitinho!! Aqui perto da minha casa tem um portão de ferro com um espaço de grades embaixo e uns três cachorros grandes vieram correndo dos fundos e pularam nesse portão fazendo um enorme estrondo (parecia uma explosão), eu levei um baita susto, imagina o Kikinho!! Bom, a partir daí ele ficou extremamente agitado nos passeios, quando ele vê outro cão mesmo de rua ele grita, late e se debate!! Fizemos um treinamento com um adestrador que nos ensinou a usar o enforcadorzinho de pano como correção, ele melhorou um pouco, mas ainda temos que tirá-lo da “zona de confronto”, pois ele fica bem agitado!! E além desse problema ele desenvolveu um verdadeiro pânico de estouros e foguetes, no último Natal/Ano Novo, fiquei desesperada, pois ele não para quieto, fica caminhando pelas peças da casa, querendo subir (moramos em um sobrado), se sobe quer descer, tenta subir nos móveis, tive que dar maracujina e outro calmantezinho fraco receitado pela Veterinária dele!!Ele toma florais, belladona…enfim, foi depois desse “trauma” com os cachorros do vizinho!!Não sei mais o que fazer, mas gostaria muito de socializa-lo e amenizar o medo de foguetes! O que devo fazer?” – Cristiane Santin, dona do Kiko, de dois anos. Ver resposta

NECESSIDADES NO LUGAR ERRADO
20 dez 2015
Comportamento: NECESSIDADES NO LUGAR ERRADO
Tutor(a): Carolina, Rubia Leme e Giovana Cardoso, | O cachorro: Gandalf, Preta e Theo
Como mostrar ao cão o local correto do banheirinho

“Olá! Adotei um daschund, o Gandalf, há 4 meses. Eu e meu marido somos apaixonados por ele, trouxe alegria à nossa casa depois que nosso primeiro cachorro morreu, há um ano e meio. Já tenho uma fêmea da mesma raça de 12 anos, que adotei quando já tinha 3 anos. Porém, estamos tendo muita dificuldade de educá-lo a fazer xixi e cocô no lugar e a não destruir os móveis. Moramos em apartamento. Ele chegou a ficar em uma área forrada com jornais, que fui tirando aos poucos até ficarem apenas no lugar determinado. Hoje ele fica solto, mas quando volto do trabalho é sempre uma surpresa: xixi ou cocô fora do lugar, sofá que ele cavou, até as caminhas dele e da cadela ele destruiu. Já comprei sprays antimordida, spray pode -não pode, pipi-dog, saio com ele todos os dias… Gostaria de saber o que eu poderia fazer para resolver esse problema. Obs: Gandalf foi castrado há quase 3 meses. Muito obrigada pela orientação!” – Carolina, dona do Gandalf, de um ano e oito meses.

“Olá! Morava no Japão lá minha poodle toy fazia xixi naqueles tapetes próprios! Agora viemos p o Brasil aqui ensinei ela a fazer só no quintal de casa no chão, ela aprendeu não fazia dentro de casa! Recentemente, ela começou a fazer xixi dentro de casa, um dia ate fez no colo do meu pai! Eu acho q deve ser pq tem uma criança em casa de 2 anos em casa e ela deve estar com ciúmes! Ela e muito apegada a mim gosta muito de ficar no meu colo! ela não gosta dele! Pq ele fica correndo atrás dela com o carrinho dele! quando ela faz dentro ela sabe q não pode pq faz e fica com medo fica de longe tremendo! oque devo fazer para ensina-la a fazer no quintal novamente?? muito obrigada! admiro muito seu trabalho e adoro a estopinha?” – Rubia Leme, dona da Preta, de cinco anos.

O Théo é um Golden retriever de 2 anos que adotamos no início de 2014. Já éramos sua 3ª família. Ele veio bem maltratado e vivia preso onde morava. Estava infestado de carrapato e bem abatido. Ele só fazia xixi e cocô na grama, mas passou a urinar no quintal inteiro, inclusive na calçada e no pneu da moto. Meu quintal é pequeno (20m², incluindo entrada da garagem) e o levo para passear próximo de casa todos os dias, porém tem dias que não dá tempo e ele fica sem passear. Minha rua é cheia de cachorros, então ele acaba mijando no portão de casa também. Gostaria de separar um pedacinho do quintal para ele fazer suas necessidades, mas não sei como ensiná-lo. Ele é inteligente e mesmo já sendo adulto acho que aprenderia. Por causa do pouco espaço, já até pensei em doá-lo para alguém que tivesse um espaço maior para ele, mas fico com dó porque ele adora as crianças e vice-versa, ele é apegado comigo (eu que cuido, dou banho, comida, escovo) então tem horas que fico dividida entre querer o melhor pra ele e o sentimento de carinho e apego que já temos. Por favor, nos ajude! Realmente tem horas que não sei o que fazer! – Giovana Cardoso, dona do Theo, de dois anos e quatro meses. Ver resposta

BURACOS NO JARDIM
9 dez 2015
Comportamento: BURACOS NO JARDIM
Tutor(a): Marta Lucila de Castro e Andressa, | O cachorro: Rek e Rocambole
Como lidar com os buracos no jardim

“Ele fura muito buraco e ainda carrega as coisas.” – Marta Lucila de Castro, dona do Rek, de um ano.

“Oi! Bom dia, eu tenho dois cachorros: uma tem dois anos e pouco e, o outro, é o filho dela de nove meses. Dois cocker spainel inglês. Eu estava tentando montar um jardim, mas ele cavuca tudo e também come todas as plantas, come até a grama e o vermífugo deles. As vacinas estão todas em dia, e mesmo assim ele come todas as plantas que vê!!! O que eu faço para ele parar de comer as plantas??? – Andressa, dona do Rocambole, de nove meses. Ver resposta

DESTRUIÇÃO
1 dez 2015
Comportamento: AgressividadeDestruição
Tutor(a): Denise, Aline Santolin e Sonia, | O cachorro: Maia, Pandora e Nina
Como lidar com cães destruidores

“Olá Alexandre. Primeiramente, quero dizer que minha família e eu admiramos muito seu trabalho. Maia é uma garotinha bastante ativa, saudável, brincalhona, inteligente e carinhosa. Embora já tenha 1 ano, uma de suas principais diversões é destruir todos os brinquedos que oferecemos, o que não seria nada anormal se tratando de um golden retriever. O problema é que ela destrói e tenta engolir os pedacinhos destruídos. Impossível deixá-la brincando sem supervisão. Átia, nossa labrador fêmea de 1 ano e meio, gosta de correr atrás de bolas, bastões etc, mas a Maia prefere ‘capturar’ o brinquedo, se esconder num cantinho para apressadamente destruí-los e saboreá-los como se fossem comida! Pelo menos uma vez por dia temos que tirar pedaços dos brinquedos de sua boca, para que ela não os engula, e é claro que ela não facilita em nada nosso trabalho e, mesmo assim, de vez em quando, suas fezes vêm acompanhadas de fragmentos ‘estranhos’. Ela se alimenta bem, oferecemos ração superpremium, e somos rigorosos com vacinação e vermifugação. Já não sabemos como agir nessa situação. Espero que você possa nos ajudar! Antecipadamente agradeço sua atenção.” – Denise, dona da Maia, de 1 ano.

“Alexandre! Tudo bem?! Tenho uma Beagle de 1 ano e 7 meses que é terrível! Moro de aluguel num apartamento. Como o apartamento é grande, reservamos um quarto só pra ela! Ela é totalmente destruidora. Enquanto eu e meu marido trabalhamos, ela fica no quarto (tem até um portãozinho, parece um quintal) e quando chegamos soltamos, a levamos para passear e enquanto estamos acordados, ela fica solta com a gente. Ela é cega, porque tem problemas genéticos. Já destruiu porta, guarda-roupa e agora tá fazendo um buraco na parede! Por que ela age assim? Teria alguma forma de ensiná-la que deve não raspar a parede? O quarto dela é grande, tem muitos brinquedos e uma casinha, sempre damos aqueles ossinhos de couro pra ela se distrair. O que podemos fazer?” – Aline Santolin, dona da Pandora, de 1 ano e 7 meses.

“Minha Nina detesta quando toca a campainha. Ela fique a mil com o estresse e pega logo minhas almofadas e sai mordendo. Nem preciso falar quantas almofadas já foram destruídas….rsrs . A última está com a capa toda rasgada. Não sei mais o que fazer. Já tentei algumas dicas que vi em seus programas na tv, mas nada funcionou.” – Sonia, dona da Nina, de 11 anos. Ver resposta

AGRESSIVIDADE
26 nov 2015
Comportamento: Agressividade
Tutor(a): Jacqueline Silva, Aída Tanajura, Gerson Fiscina e Lais Vicari , | O cachorro: Totó, Izzy e Lola
Dicas para lidar com cães que apresentam comportamento agressivo

“Olá, Alexandre!! Moro em Búzios e amo animais. Tenho uma cachorra vira-lata e 3 gatos. Todos vieram da rua. Há alguns meses chegou outro vira-lata. O Totó é um cachorro de rua que apareceu foi ficando. Aparecia um dia e sumia quatro. Quando começou a ficar doente tratamos dele e hoje vive grande parte do tempo aqui na rua. Resolvemos então adotá-lo como cachorro comunitário. Arranjamos uma linda casinha e damos comida, remédios e água. O grande problema é que ele é muito desconfiado. Não aceita coleira (foge se vê uma) e não deixa ninguém segurá-lo. Já tentamos várias abordagens mas, sem sucesso. Por ser tão arisco e desconfiado ainda não conseguimos pegá-lo para castrar e dar as vacinas. Estamos querendo dopá-lo para tais procedimentos. Mas isso não é o grande problema. Ele tem uma fixação por motos e bicicletas. Avança latindo e assusta as pessoas. Se ele continuar a fazer isso, tem pessoas que vão denunciá-lo. Não queremos que ele vá embora pois é um crianção. Na verdade gostaria que vc um dia pudesse vir aqui para doutriná-lo (rsrs). O que posso fazer para que ele pare de latir e correr atrás de carros, motos, bicicletas e até pessoas? Se ele se comportar poderá viver com a gente até o final de sua vidinha!! Não queremos que ele se vá!!!!!Ele é muito querido pela maioria da rua!!!!” – Jacqueline Pereira da Silva, dona do Totó, de mais ou menos 1 ano e meio.

“Ganhamos a Izzy com 45 dias já bem desenvolvida e com personalidade forte. Mordia tudo e todos como também chorona. Foi filha única. Os pais já de idade avançada. Depois dela, a mãe não pariu mais. Ficamos com ela até os 8 meses criando mais na corrente porque estávamos p/ nos mudar e a casa que morávamos não tinha canil. Como trabalho meio turno, quanto chegava em casa procurava dá atenção o máximo que podia. Foi ai que não deu certo a mudança de casa e fizemos o canil. E só saímos mesmo com ela andando na rua depois de 6 meses de idade. Resultado: A Izzy teve displasia coxofemural que hoje graças a Deus está controlada, e tem uns repentes que nos dá medo. Ela não se aquieta. Está deitada e se de repente alguma coisa ou zoada chama a atenção dela ela morde quem está perto e corre a procura do que tirou ou chamou a atenção dela. O mesmo ocorre se estamos na rua com ela e passa um carro, bicicleta ou moto, ela parte p/ nos morder e depois tenta correr atrás do veículo. E por conta disso muitas mordidas feias e perigosas já aconteceu. As pessoas dizem que somos doidos por manter ela conosco. Sabemos que se doamos ela, com certeza vai apanhar muito por contas dessas atitudes dela. Assisti seu curso, Alexandre sobre adestramento e consegui a fazer sentar cada vez que preciso. Consegui (algumas vezes) dela focar os “repentes” dela em um ursinho de pelúcia (o Titinho) que ela tem. Então quando por exemplo ela escuta um barulho do nada que (acho) incomoda ou a assuste ela já corre (procuro deixa o Titinho sempre junto dela) e morde o pobre do ursinho, e balança a cabeça numa fúria danada. Ela não é nada carinhosa, bruta que só. As brincadeira muito pesadas e não é um caso colocar remédio nela. Não admiti olharmos as patas e nem que pegamos nada dela. Agora não pode nos ver sentados ou deitados que vem para junto da gente e quer sentar ou deitar no nosso colo como se fosse um bebê. Amamos muito nossa “Zoldinha”. Com todas as mordidas, brutalidades estamos com ela e a manteremos conosco. Se você puder nos ajudar seria maravilhoso! Sempre que posso estou assistindo seu programa em Eliana. Queríamos castrá-la, mais por conta dessa brutalidade ficamos com medo por conta dos pontos e da dificuldade em ela deixar colocar a medicação. Não criamos cães para guarda ou procriação, mais por amor, por companheirismo, para ser um membro da nossa família. Tínhamos outra rottweiler antes dela que vivia aqui dentro de casa normalmente. Muito educada (não foi adestrada), uma natureza maravilhosa. Faleceu de câncer e foi muito sofrido para mim e meu marido. Adoraria poder ter ela aqui dentro de casa, andando, deitando onde ela achasse melhor e não em um canil (mesmo sendo grande o espaço) lá no quintal longe da gente. De tarde solto ela em toda a área do fundo e deixo a porta da cozinha aberta p/ ela ficar nos vendo. Vez e outra a deixo entrar dentro de casa deita no tapete da sala e fico lá com ela. Às vezes deita na minha cama, + ai começa a morde uma coisa, a futuca outra … Enfim, se vocês puderem nos ajudar ficaremos muito, muito mesmo agradecidos. Um abraço e um “xero” na Estopinha e no Bartô!”– Aída Tanajura e Gerson Fiscina, dona da Izzy, 2 anos e 9 meses.

“A Lola foi abandonada no campus da USP de Pirassununga e foi adotada por mim e meu namorado faz pouco mais de 3 anos. Ela aprontou muito por um tempo, como qualquer outro cachorro, mas recentemente ela tem apresentado um comportamento agressivo com outros animais e crianças. Não é sempre que ela apresenta esse comportamento, mas a frequência tem aumentado. Isso me preocupa pois agora temos crianças na família, com quem ela eventualmente se encontra e não me sinto mais a vontade para leva-la a lugares onde encontraremos outros animais (e que ela sempre frequentou!!) e mesmo para brincar ou caminhar no campus, pois fico apreensiva com seu comportamento, que é imprevisível. Hoje mesmo, viemos embora de um churrasco pois outros cães que ela não conhecia foram convidados e ela não parou de brigar com os animais… Não sei o que faço para evitar esse comportamento. Por favor, me ajudem antes que aconteça algum acidente!?” – Lais Vicari de Figueiredo Pessôa, dona da Lola, de mais ou menos 4 anos. Ver resposta

HIPERATIVIDADE
18 nov 2015
Comportamento: Hiperatividade
Tutor(a): Tatiane, Daniela De Angelis e Luciano Iamamura, | O cachorro: Madona e Thor
Como amenizar problemas de hiperatividade

“Na verdade, o cãozinho não é meu, é da minha sogra. Ela o pegou na rua bebezinho ainda, e ele sempre foi o xodó dela, mas o problema é que ele é muito espuleta, pula demais parece que ele tem muita energia (mesmo levando ele pra passear todos os dias), e ele é meio gordinho, já rasgou minha perna com esses pulos, e agora eu adotei uma cachorrinha do canil e ele até aceitou dividir o mesmo espaço, porém, ele come a ração dela (é uma vida, pq tem que colocar ela dentro de casa e esperar ela comer), ele faz xixi dentro de casa (sendo que nunca fez), ele está destruindo o cobertor dela e já destruiu todos os dele kkkkk não sabemos o que fazer mais. Ele se chama Simba, parece que é SRD com salsichinha, tem aproximadamente 6 anos.” – Tatiane.

“Ninguém suporta minha bull terrier “Madona”…Gente, adorei a ideia do portal do dog!! Tenho uma linda bull terrier ‘Madona’, que é o xodó da família. No entanto, ela sempre fica isolada… Quando em contato com a casa (interior) e membros da família ela: pula, morde (de brincadeira) todos, derruba as pessoas, derruba e mexe em todos os objetos da casa, destrói…. Tudo por brincadeira e pra chamar atenção… Seu comportamento é insuportável… rsrsrs. Mesmo assim a amamos, mas, gostaríamos de saber como lidar com este tipo de comportamento e fazê-la parar, pois ela não para, mesmo após vários comandos… Temos que mantê-la isolada pra evitar problemas… Esse comportamento já está até se tornando um mal a ela mesma… Que por sua vez fica isolada, ninguém quer chegar perto pra não ser machucado… =/ Nos ajudem?????” – Daniela De Angelis, dona da Madona, de 9 meses.

Boa noite Alexandre, ganhei o Thor (Pit Bull) de minha tia, fui a casa dela algumas vezes e vi que ele era mal tratado, até tinha a liberdade de entrar dentro da casa e tudo mais, porém não educavam, mt menos davam carinho, creio que até comida. Ele veio pra casa com 6 meses, mas está fazendo muita bagunça, atenção, comida, carinho e amor não falta, sou eu, minha esposa e sogra. Geralmente a bagunça dele é nas horas que estou fora de casa, sei que é um pedido de atenção, tenho feito é colocar comida, dar atenção e quando ele vai comer eu saio, no quesito a entrar dentro de casa ele também está me confrontando muito, ele até (Discute) amo meu menino, mas estou perdido em ganhar o respeito dele… minha esposa até que consegue muito respeito dele, porém quando ele quer bagunçar, não há nada que possamos fazer a não ser prender ele por alguns momentos… Vejo que ele perde o foco nas coisas muito rápido, não consegue se concentrar…” – Luciano Yoshio Iamamura, dono do Thor, de oito meses.
Ver resposta

REPULSA A RAÇÃO
10 nov 2015
Comportamento: REPULSA A RAÇÃO
Tutor(a): Alexandra, Emanuel Campos e Regiani., | O cachorro: Nina, Mel e Liz.
Como agir com pets que rejeitam a ração

“Alexandre Rossi, tudo bem? Somos fãs de vocês e está de parabéns pelo seu trabalho que tanto ajuda os animais! Uma cachorrinha que morava na rua, teve os seus filhotinhos no lote de uma vizinha e nós ficamos um deles. É a Nina, nossa alegria. Espoleta tipo a Estopinha. rsrsr Adora dar jump rsrsr O problema que ela não fica querendo comer ração e, às vezes, quando come algo diferente, o pelo fica feio e começa cair. O que pode ser feito para ela acostumar somente com a ração? Muito obrigada e um beijão a todos!” – Alexandra.

“Olá doutor Alexandre, tudo bem? Ótimo. Doutor, tenho uma cadelinha da raça poodle, ela tem uma grande dificuldade para comer, principalmente ração (olha que compro ração boa, pedigree) pois bem, ela é muito ruim para comer a ração desde recém-nascida, quando eu a comprei, gosta muito de frango e carne bovina e outros, há um tempo eu a levei para o veterinário, foi feito alguns exames, não deu nada de mais, ele recomendou que eu desse pra ela, um estimulante de apetite (apevitin), remédio para humano, criança, então, ela toma esse remédio duas vezes por dia, assim, depois de alguns minutos, ela acaba comendo um pouco da ração, muito pouco, e além disso, ela dorme muito durante o dia, mais ama passear, brincar correr, ela não gorda, bem magrinha o pelo deixa ela bem cheia, em casa sem fazer nada só dorme, a região que moramos é muito quente, não sei se tem algo a ver com isso, doutor o que você me diria, como faço para mudar essa situação, fazer com que ela tenha mais interesse na ração dela. desde já muito grato.” – Emanuel Campos, dono da Mel, de 1 ano e 3 meses.

“Liz é uma mini maltês de 3 quilos, saudável, elétrica e brincalhona. muito brava. Chega a me morder quando sou eu quem da banho nela. No pet, ela se comporta melhor. Ultimamente, não come ração de jeito nenhum, mesmo que eu a deixe por dias sem outro alimento. Só come presunto, patezinho de carne (que tenho que dar na boca dela) e carne assada. Quando sai pra passear, late muito e corre, o que faz com que não aproveite o passeio calmamente. Tenho que usar duas coleira porque da peitoral ela escapa. Fico preocupada por essa alimentação errada dela. Sei que a culpa é minha, mas confesso que não lembro como essa situação se desenrolou pra chegar nesse grau. Estou muito aflita. Por favor me ajudem a corrigir os erros e a educá-la.” – Regiani, dona da Liz, de 2 anos e 8 meses. Ver resposta