O seu cãozinho está com problemas comportamentais?
Pergunte para o Alexandre Rossi e Cão Cidadão
REPULSA A BANHO
15 set 2015
Comportamento: REPULSA A BANHO
Tutor(a): Silvia Paixão, Vanessa e Márcia Chiara., | O cachorro: Brad, Blade e Marley.
Dicas para lidar com pets que têm medo de banho

“Olá, tenho um cachorro de seis anos chamado Brad (SRD), sempre cuidei dele e nunca tive problemas, até um veterinário me disse uma vez que Brad confia muito em mim. Só que, no mês de julho/2015, fui surpreendida nas duas vezes em que fui lhe dar banho, pois ele cismou de me morder. Levei um susto enorme, ele nunca havia tido tal comportamento, tive que pegar um pedaço de mangueira e ameaçar dar umas lambadas nele, de mentirinha, é claro, pois nunca lhe bati, mas ele morre de medo da mangueira. Assim, pude terminar o banho. Fiquei muito triste porque amo muito o Brad, me senti traída, por um pouco de tempo. Será que tenho sufocado o Brad com tanto carinho e ele está pensando que quem manda na casa é ele? Estou tentando mostrar a ele que eu mando, mas confesso que não resisto e abraço e beijo muito ele e pior, estou com medo de dar banho nele de novo…” – Silvia Paixão Machado, dona do Brad, de seis anos.

“Meu cachorro não gosta de banho e nem deixa escovar os dentes dele, se tento fazer, ele ataca. É difícil levá-lo ao veterinário pois ele não aceita nenhum comando. Tentei distraí-lo com petisco mas não deu certo. Nas atividades normais como brincar e passear ele se torna mais calmo. Ele também é super carinhoso comigo e gosta de chamar atenção.” – Vanessa, dona do Blade, de seis anos.

“O Marley, meu filhote de nove meses não gosta de tomar banho, ele pula, dá cambalhota, quer morder! Levamos no petshop para tomar banho, a veterinária teve que dar remédio para ele se acalmar, e só assim conseguiu dar banho nele. O que posso fazer?” –  Márcia Chiara da Silva Costa, dona do Marley, de nove meses. Ver resposta

REPULSA A GATOS
8 set 2015
Comportamento: REPULSA A GATOS
Tutor(a): Silvana Ramos, Marina Bianchi e Renata Afonso., | O cachorro: XuXa, Thor e Humi.
Relacionamento entre cães e gatos

“Tenho 3 cachorros e há cerca de um mês adotei uma gatinha de 2 meses que se chama Chloe, o poodle Nicky até que está adaptando-se bem à gata, mas o problema é a dachshund (XuXa ) e a Lady (SRD), pois acho que odeiam gatos. A XuXa fica muito ansiosa, farejando muito, talvez nem vá morder a gatinha mas os movimentos bruscos em direção a ela nos deixa em alerta e com medo de que possa machucar a gatinha. Todos aqui em casa estão apaixonados pela gatinha, gostaríamos de poder ficar com ela. Beijos, sou sua fã!” – Silvana Cozer Ramos, dona da XuXa, de onze anos.

“Recentemente adotei um lindo vira-latinha que trouxe muita felicidade para casa. Comprei seu livro “Adestramento Inteligente”  e ele me ajudou muito! Porém, o Thor tem um problema comportamental que não sei como resolver. Além dele, eu tenho três gatinhos: 2 fêmeas e 1 macho. Com as fêmeas, o Thor não tem tantos problemas, pois elas colocam limite. Já com o macho, ele brinca porém de um jeito bastante “grosso”. Seriam brincadeiras normais se fossem com outro cachorro, porém com um gato não dá certo. O pior é que o gato não reage, não tenta sair, ou então parar, e fico muito preocupada em acabar machucando. Por favor, o que posso fazer? Já tentei com o esguicho de água, bronca, deixar sem atenção mas nada disso funcionou!” – Marina Bianchi, dona do Thor, de três meses.

“Olá Alexandre, boa tarde. Bom, tenho 2 cachorras adultas (10 anos e 7 anos) e 2 gatas adultas (9 e 10 anos) e agora adotei mais uma fêmea, a Humi, agora com 7 meses. Ocorre que ela não dá paz para as gatas, pula em cima, dá mordidinhas e, às vezes, até avança. Minhas gatas não querem mais ir para o quintal por isso. Com as outras cachorras o convívio é tranquilo, até se gostam. Percebi que a Humi é muito territorialista (tudo é dela) e também ciumenta (avança se as outras chegarem perto de mim). Sei que isso é normal pois ela ainda é bebê, mas gostaria de corrigir a tempo, para que as gatas tenham paz e o convívio seja tranquilo. Olha a foto da danada aí. Obrigada e um abraço!” – Renata Afonso, dona da Humi, de sete meses.
Ver resposta

Pulo em excesso
1 set 2015
Comportamento: Pulo em excesso
Tutor(a): Roseli Morelli, Mara Joseane e Amelia Wonsik., | O cachorro: Paollo, Babi e Galileu.
Cães que pulam nas pessoas: como agir?

“Ele é hilário… kkkk, pula demais até o alto quando a gente sai para o quintal… não tem como passar a mão, fazer carinho… ele é hiperativo… rssss, se der te mando um vídeo… gostaria de alguma resposta… obrigada! Adoro vocês, de coração, e o acompanho desde sempre! Beijuuuus” – Roseli Morelli, dona do Paollo, de três anos.

“Olá Alexandre, eu tenho uma linda peluda mestiça com cocker, eu a adotei com 3 meses, ela é um amor e a razão da minha vida. Só que, quando chega visita na minha casa, ela fica pulando nas pernas da pessoa e querendo lamber o rosto. Como eu devo agir diante dessa situação para que ela entenda que é errado fazer isso?” – Mara Joseane Fachini de Simas, dona da Babi, de 1 ano e 5 meses.

“Galileu é meu dálmata de quase um ano (nasceu em 23 de junho de 2014). É um cão muito ativo e muito carinhoso todavia pula nas pessoas e, como está ficando forte, quase as derrruba. Tenho outros dois cães de porte médio SRD, adotados e recém-desmamados. Já estão com dois anos e, seguindo o exemplo de Galileu, também começaram a pular nas pessoas. Gostaria de uma orientação de como proceder no comportamento de meus cães. Um abraço e agradeço a atenção.” – Amelia Wonsik, dona do Galileu, de onze meses. Ver resposta

Medos
25 ago 2015
Comportamento: Medos
Tutor(a): Simeão Sanches, Berenice Dettmer e Márcia Costa., | O cachorro: Karina, Toky e Marley.
Cães medrosos: como agir?

“Nossa cadela Karina é uma Border Colie muito querida. Nossa preocupação com ela é que tem pavor a fogos, trovoadas e início de temporal. Fica tão estressada querendo invadir a casa. Sabemos que ela está sofrendo. Quando compramos ela, com 45 dias, parecia normal, e nunca passou por medo aqui em casa. Tem alguma coisa que poderíamos fazer sobre esse sintoma? Aguardo ansiosa sua resposta. Um brande abraço.” – Simeão Sanches, dono da Karina, de 7 anos e 7 meses.

“Ele, quando passa carros, motos e até pessoas, late muito. Cachorros ou cadelas, nunca mordeu ninguém, mas tem esse comportamento, que não consegui ainda ver uma forma de repreender. Adotei uma cachorra de 5 anos, para ver se ele melhora, convivendo bem com ela, a Lillica, pode até ver no meu facebook. Ele só falta falar sabe, tudo ensinei. Sempre digo  “não faz isso”, “sem auauau” e ele até para, e me olha. Mas está difícil. Será que, com a idade dele, tenho como adestrar esse problema?” – Berenice Vieira Dettmer, dono do Toky, de 11 anos.

“O Marley, meu filhote de nove meses, não gosta de tomar banho… ele pula, dá cambalhota e quer morder! Levamos ao petshop para ele tomar banho e a veterinária teve que dar remédio para ele se acalmar, e só assim, conseguiu dar banho nele! O que posso fazer?” – Márcia Chiara da Silva Costa, dona da Marley, de 9 meses.

Por Carol Fraga, adestradora da equipe Cão Cidadão.

Olá Simeão, Berenice e Márcia, tudo bem? O tema que vamos abordar hoje é, com certeza, um dos mais delicados e abrangentes do comportamento animal: o medo. O medo aparece, às vezes, de maneira muito sutil, quando o cão tenta simplesmente evitar uma situação, da maneira mais comum, quando o cão se encolhe em algum canto da casa, com o rabo entre as pernas, ou da maneira mais extrema, que é rosnando ou até mesmo mordendo pessoas, os próprios donos ou outros cães.

Ao contrário do que muita gente pensa, o medo não precisa estar obrigatoriamente relacionado a um evento ruim. Para ter medo de cães, por exemplo, um cão não precisa ter sido atacado, ou se ele tem medo de vassoura, não quer dizer que ele tenha apanhado com uma. É claro que, se de fato algo ruim acontece, pode sim gerar um trauma, mas, esse não é o único motivo para um cão ter medo de alguma coisa.

Na maioria das vezes, a causa do medo é o desconhecido. Isso mesmo, medo do desconhecido. Até para nós, humanos, nem sempre é fácil lidar com o desconhecido, não é verdade? Por isso, é bastante comum que os cães mais sensíveis tenham medo de fogos, de trovões, de motos, de caminhões, de ônibus e de barulhos em geral. Os peludos não entendem qual a origem desses sons e os interpretam como ameaça. E nessa situação, instintivamente, eles recorrerão a duas alternativas: fuga ou ataque. Ou seja, ao ser exposto a esse determinado estímulo, alguns tentarão fugir, outros poderão empacar durante o passeio, outros latirão muito ou até tentarão morder o ‘objeto’ do medo.

O mesmo acontece com os cães que têm medo de pessoas desconhecidas, visitas, outros cães, de tomar banho, visitar o veterinário, andar de carro etc. Tanto a fuga como o ataque são reações normais, nas quais os cães estão demonstrando que estão inseguros e não sabem como reagir nesses momentos!

A razão para tudo isso é que, provavelmente, esses cães não tiveram um bom período de socialização, que é quando o animal tem de dois a três meses e meio de idade, e deve ser exposto, de maneira gradual e positiva, aos estímulos aos quais os mascotes serão expostos durante a vida. Mas nem tudo está perdido! Agora que você já sabe porque seu melhor amigo tem esse tipo de reação, comece já a treiná-lo!

A socialização tardia é, sim, mais difícil, pois o cão, depois desse período, já se preocupa bem mais com a sua sobrevivência, mas não quer dizer que essa situação não possa ser revertida. Você vai precisar de sensibilidade e dedicação, mas, ao final, valerá a pena. Depois de identificar o que deixa seu cão desconfortável, a ideia é diminuir esse estímulo,  apresentar aquilo que o incomoda de forma gradual, fazendo uma associação positiva.

É importante encontrar o ponto que demonstre que ele ainda não está no limite. Por exemplo, verifique a qual distância ele ainda não reage a outros cães, ou no caso dos sons, tente reproduzir de maneira abafada, em um cômodo distante da casa. Se ele reagir bem, recompense-o, fazendo bastante festa, elogie, ofereça um petisco ou seu brinquedo favorito. Pare enquanto ele ainda estiver bem e curtindo o momento, para que ele sempre mantenha o interesse.

Vá aumentando a dificuldade aos poucos, sempre recompensando, mostrando que está tudo bem, mas, ao mesmo tempo, respeitando o tempo do seu cão. Caso, em algum ponto, ele não reagir bem, é porque você adiantou demais o treino. É importante nunca recompensar o cão quando ele agir de maneira inapropriada, para que o mau comportamento não aumente, certo?

Se isso parecer um pouco complexo e você quiser ajuda profissional, não hesite em chamar um profissional da Cão Cidadão para te ajudar. Boa sorte!

Filhotes
18 ago 2015
Comportamento: Filhotes
Tutor(a): Nara Grilo, Mireli e Anyssa., | O cachorro: Luna, Zeus e Paçoca.
Dicas para lidar com o comportamento dos filhotes

“Olá, pessoal! Minha Luna é uma SRD que vai fazer 1 aninho mês que vem. Desde pequena ela é bem bravinha, resmungona e de personalidade forte. A gente falava “não” e ela respondia com resmungos virando o rosto. Mas o problema mesmo é a mania dela de morder e cavar. Morder é como carinho para ela, pois quando ela está com saudades ou muito feliz, já era braços, pernas e até o rosto, se deixar ela chegar perto. Não consigo tirar essa mania dela e nem sei porque ela acha que isso é carinho. Sobre cavar, Luna é o terror. Não podemos tocar na caminha dela que ela fica olhando como quem diz “dá licença?!” e se você não sai ela começa a cavar o lugar desesperadamente e a morder/puxar a cama pra tentar tirar de perto de você e mesmo quando a gente sai, ela continua a cavar a cama por horas. Dormir na cama com ela é impossível pois ela também não para de cavar. Li uma vez que cachorros cavam para esquentar ou esfriar o lugar, mas não faz sentido pra mim, pois a Luna só cava e não deita onde ela cava. Tem algum motivo para isso ou ela só é meio doidinha mesmo? Obrigada!” – Nara Grilo, dona da Luna, de um ano.

“Como meu cachorro ainda é filhote e não tomou todas suas vacinas. Ele dorme na sala, mas na madrugada ele chora muito e me aconselharam a deixar ele chorar. Isso é a melhor forma de fazer ele aprender a parar de chorar?” – Mireli, dona do Zeus, de 50 dias.

Oii, tudo bom? Eu ganhei um cãozinho recentemente, uma mistura de poodle com maltes. Nos primeiros dias ele super se comportou, quietinho e tal. Mas a dois dias ele vem querendo destruir tudo que vê pela frente, e assim já foram dois pares de havaianas e dois carregadores de celular. Queria muito saber como faço para ajudá-lo a se comportar e não sair comendo essas coisas.  E tbm queria ensiná-lo a fazer cocô e xixi num canto específico, no caso seria num jornal que coloquei num catinho. Obrigada pela atenção. – Anyssa, dona da Paçoca, de 3 meses. Ver resposta

Cão x Cama
11 ago 2015
Comportamento: Cão x Cama
Tutor(a): Mateus Felipe, Elenice Muller e Rosangela Botura., | O cachorro: Pepa, Strogonoff e Argos
Como habituar o cão à caminha

“Minha cachorra tem 4 meses e desde que ela cegou aqui em minha casa ela não dormi do lado de fora. O que eu posso fazer pra ela dormir do lado de fora?” –  Mateus Felipe, dono da Pepa, de 4 meses.

“Olá Alexandre, mora em minha casa eu Elenice e minhas 2 filhas (Bruna e Kauany) e nosso principe q amamos demais q é o Strogonoff ou bebê, (ele atende pelos dois nomes), foi adotado com um mes de vida, e sempre ficou dentro de casa, cheio de mimos, carinho e atençao. Adotei ele pq minha filha mais nova era mto nervosa e revoltada, e ele nos trouxe mta paz, e mudou totalmente o comportamento de minha filhota, hoje ela é mto mais feliz. No principio ele dormia na sua caminha, mas com o tempo, minha filha levou ele pra dormir na cama por uma noite, e a partir desse dia ele nunca mais dormiu no chao, e eu nao consigo tirar ele da cama, primeiro pq tenho dó dele, e segundo pq ele é o primeiro a ir pra cama rsrsrsrrs. Só q enfrento problemas com isso, pq nem todos pensam como eu, e qdo saio a algum lugar, ele nao pode dormir comigo, aí deixo de sair pra nao ver ele chorar a noite toda. Gostaria se possivel uma orientaçao de como proceder nesse caso, pra q ele volte a dormir em sua caminha, sem q ele sofra. Obs: Strogonoff é um cachorro vira lata, mas é td pra nós…. Obg pela atençao, agradeço se for atendida.” – Elenice Muller, dona do Strogonoff, de 6 anos.

“Bom o argos ele é muito brincalhao, faz xixi e coco no lugar certo , mas para dormir ele dorme na cama e no sofá e ele nao gosta de dormi no chao , ele é do tipo que nao late muito , é carinhoso, dengoso , nao gosta de ficar sozinho. Preocupacao maior é tirar ele do sofá e da cama.” – Rosangela Botura, dona do Argos, de 11 meses. Ver resposta

Problemas no Passeio
4 ago 2015
Comportamento: Problemas no Passeio
Tutor(a): Angélica da Costa, Ana Paula Zanelli e Mateus Felipe., | O cachorro: Baby, Benny, Rara e Pepa.
Dicas para lidar com problemas durante os passeios

“A Baby é uma cachorrinha SRD, muito amável, comportada, carinhosa e não late quando está em casa. Nossa dificuldade é na hora do passeio, costumamos passear com ela, mas é sempre estressante pois ela puxa a gente, late para pessoas e não fica quieta. É impossível ficar sentada com ela em uma praça. Se ela ver algum de nós se afastar ela chora. Gostaríamos muito de fazer um passeio tranquilo com ela.” – Angélica da Costa, dona da Baby, de 2 anos.

“Tenho um casal de Shitz-Tzu, e sofro toda vez que vou passear com eles na rua. Todas vez que eles se deparam com outro cão, começam a latir desesperadamente, chegando ate a querer brigar. Fico sem total controle sobre eles. Devido a este problema, tenho deixado de ir a rua com eles. Pois fico constrangida com esse comportamento. dentro de casa , não posso mais receber visitas, pois acontece o mesmo comportamento.” – Ana Paula Zanelli, dona da Benny e da Rara, de 6 anos e 2 anos, respectivamente.

“Minha cachorra é uma rottweiler com vira-lata tem 4 meses e toda vez que eu levo ela pra passear ela fica com medo de tudo o que eu devo fazer. Porque eu queria que ela passeasse normalmente como os outros cachorros.” – Mateus Felipe, dono da Pepa, de 4 meses. Ver resposta

Destruição
30 jul 2015
Comportamento: Destruição
Tutor(a): Adriana, Taline Tossi e Anderson Correa., | O cachorro: Jujuba e Paçoca.
Meu cachorro destrói tudo o que vê: como agir?

“Boa noite Alexandre Rossi, tenho uma cachorra da raça pastor alemão, ela tem 2 anos e 4 meses mas o comportamento dela é de filhote, tivemos que fazer várias mudanças na casa por causa dela, não posso deixar nada no quintal que ela destrói, o carro então está todo riscado, será que ela vai ser sempre assim? Será que ela vai ser sempre essa bebezona e nunca vai aprender o que pode e o que não pode? Segue uma foto dela, a pequena é a minha outra cachorrinha a Hanna de 3 anos e 3 meses, essa não dá um pingo de trabalho. Obrigada” – Adriana.

“Olá pessoal. Primeiramente, parabéns pelo trabalho lindo de vocês. Bom, sou mamãe de uma Boxer de aproximadamente 9 meses que adotamos de uma empresa que estava doando os filhotinhos dos cães de guarda. O nome dela é Jujuba, como o doce, porque ela é meu xodó rsrs.
A Jujuba é muito ansiosa, ela destrói todos os brinquedos q damos a ela e se saímos e não voltamos nos horários de costume ela fica maluca… outro dia ela arrancou um dos lados do telhado da casa dela (de madeira) e roeu. Fico preocupada de ela engolir alguma coisa que a machuque. Passeio com ela todos os dias e procuro brincar sempre q posso, mas como eu e meu marido trabalhamos o dia todo nunca temos muito tempo. E ela não tem melhorado. O que posso fazer para acalmá-la e ajudá-la a ser menos apavorada e ansiosa? Ai vai uma fotinha da Jujuba pra vocês se apaixonarem. E também uma foto da nossa família 🙂 Desde já, muito obrigada. Att, Taline Tossi. De Maringá, Paraná.” – Taline Tossi, dona da Jujuba, de nove meses.

“Olá Alexandre! Tenho minha SRD, a paçoca há 1 ano. Eu a peguei depois de ela passar por maus bocados (ela era de outra pessoa que a numa sacola de lixo, e iam matá-la com pedradas, pesando que era um rato, a peguei já com quase 2 meses quando ela estava com as duas patas quebradas ) ficou mais 2 meses com a pata imobilizada e estava mto debilitada por vermes e pulgas. Mas enfim, hoje ela está muito linda.No entanto, o comportamento dela é beeeem difícil. Apesar de agora está melhor em algumas coisas, por exemplo, obedece o comando de sentar e às vezes o de ficar. Ela não é agressiva, muito pelo contrário, é extremamente carinhosa e dócil.

Dentre todos os problemas, os que mais me incomodam e, por mais q eu tente aplicar o que já li e assisti sobre o assunto, parece não estar funcionando, são 2: O primeiro: Ela tem destruído meus móveis, arrancou vários tacos do apto, a ponto de eu chegar e encontrar aquele moooonte de areia q ela cavou depois de arrancar os tacos. Além disso, ela arranca, leva pra cima do sofá e morde. Semana passada, arrancou o pé do armário da cozinha, agora já tá arrancando o outro, correndo o risco do armário cair com tudo em cima dela e eu não estar em casa, já q passo o dia todo no trabalho. há duas semanas atrás, a maior tristeza pra mim…eu fui dormir e ela ficava solta pela casa, acordei com o barulho dela fazendo um buraco no estofamento do sofá… Desde então, restringi o acesso dela somente à cozinha e área de serviço. Só fica solta pela casa quando eu estou. O outro é que gosto muito de receber os amigos e família em casa. apesar de todos serem loucos por ela, é um caos… não há quem consiga ficar tranquilo. ela pula em cima das visitas q estão em pé, q estão sentadas…se caminham ela gruda nos sapatos, puxa a barra da calça…Quando eu dou ordem para parar, ela para. Mas é só virar q começa tudo outra vez.

Ela fica o dia inteiro sozinha. Passeio com ela durante a noite, quando chego, por pelo menos 1:30hrs ( no mínimo ) e, sempre que possível, também a levo para dar um passeio rápido pela manhã, antes de sair para o trabalho, em média 0h30min a 0h40min pela manhã. Deixo alguns brinquedos com ela, e sempre uma peça de roupa recém-usada (uma meia geralmente). Quando chego em casa, não dou atenção direta, espero sempre passar uns 10 a 15 min, até dar atenção para ela. Não sei mais o que fazer….vou ter q trocar todos os tacos da sala e corredor, além de reformar o sofá e trocar armários da cozinha.. e as visitas em casa, não consigo aproveitar direito, pq tenho q estar sempre de olho e dando ordens pra ela… Me ajuuuudaaaaaaa!!!! Obrigado!” – Anderson Correa, dono da Paçoca, de um ano.   Ver resposta

Siga o Portal do Dog