Doença renal crônica e diagnóstico precoce

por islenelimaverde — publicado 29 out 2012 - 16:33

Olá a todos!! Sou médica veterinária, formada pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), com interesse especial em nefrologia e urologia veterinária. Mas, nesse espaço, não vou estar abordando somente os temas relacionados aos problemas em rins e bexiga, mas falar dos problemas gerais relacionados aos cães, chamando a atenção para alguns cuidados que os proprietários devem ter com os seus cães para que tenham uma vida mais saudável e com qualidade.

No entanto, nesse nosso primeiro contato, não poderia deixar de escolher um tema que considero de enorme importância: o diagnóstico precoce e o acompanhamento continuado de cães com doença renal.
A doença renal crônica manifesta-se, na maioria das vezes, em cães idosos, acima de 7 anos de idade. Entretanto, ela pode afetar animais de qualquer idade. Animais pertencentes às raças predispostas e aqueles que apresentam doenças que podem causar doença renal crônica (como, erliquiose, leishmaniose, piometra) podem desenvolver doença renal crônica em idades mais precoces.

A maioria dos cães que apresenta doença renal desenvolve a doença de forma crônica, ou seja, ao longo de muito tempo, podendo o processo de lesão renal ter se iniciado meses ou até mesmo anos antes do surgimento dos sinais clínicos que despertam os proprietários para que algo está errado com o seu cão. Esse é o primeiro grande desafio da doença renal. A doença renal crônica é silenciosa e progressiva!!!
Isto significa que, algo (como determinadas infecções, neoplasia) agride os rins e, dependendo do grau das lesões, as células renais podem sofrer danos irreversíveis, sem possibilidade de regeneração, diminuindo a funcionalidade desses órgãos. Em alguns casos, como, por exemplo, em infecções, mesmo havendo a resolução do processo que desencadeou a agressão renal (no exemplo dado, resolução do processo infeccioso) e, consequente, melhora clínica do animal, o processo inflamatório desencadeado pela agressão renal promove danos progressivos aos rins.
Apesar dos rins estarem em sofrimento, eles conseguem manter sua função e manter o organismo compensado, sem sinais clínicos evidentes que despertem os proprietários para o que está acontecendo no interior do corpo de seu cão. Com a progressão das lesões renais, os rins se tornam cada vez mais comprometidos e incapazes de dar conta de sua “tarefa”, surgindo então os sinais clínicos clássicos de doença renal: vômito, falta de apetite, fezes moles e escurecidas, apatia, emagrecimento, pelagem opaca. Esse é o segundo grande desafio da doença renal. Nesse momento, o grau de lesão renal já pode estar muito elevado, podendo o cão estar em risco de vida.
No entanto, alguns sinais clínicos, como aumento da ingestão de água e aumento da produção de urina, se mostram precocemente, mas muitas vezes os proprietários não percebem essa alteração. Portanto, importante enfatizar: os cães que desenvolvem doença renal crônica geralmente passam a beber mais água e a urinar com mais frequência, apresentando uma urina bem clara, quase incolor.

Dessa modo, o diagnóstico precoce é a melhor alternativa. Seguindo essa orientação, avaliações clínicas, laboratoriais e de imagem uma vez por ano, a partir de 5 anos de idade do cão é a melhor forma de se tentar detectar alterações renais, antes mesmo de ocorrer a descompensação do organismo e o surgimento dos sinais clínicos agudos da doença renal. Lembrar que, uma vez que se observou alteração renal, as lesões não regridem. Portanto, esse cão deve ser acompanhado por veterinário, com realização de exames periódicos pelo resto da vida, objetivando assim a intervenção veterinária o mais precoce possível, mesmo que as alterações renais ainda não estejam tão evidentes nos exames bioquímicos.

Apesar de ser uma doença progressiva, o diagnóstico precoce permite ao veterinário iniciar o tratamento quando as alterações não são ainda tão avançadas, retardando a evolução da doença renal. O diagnóstico tardio, por sua vez, torna o tratamento veterinário muito limitado e muitas vezes frustrante.

A doença renal não tem cura, mas tem como retardar a sua progressão. Para isso é fundamental a comunicação próxima entre proprietário e veterinário. A doença renal evolui mais rapidamente principalmente por três fatores: 1) pelas características das alterações renais (fator esse que infelizmente não temos até o momento como intervir); 2) pela falta de cuidado adequado do proprietário com as exigências do tratamento; e 3) pela falta de acompanhamento regular com o médico veterinário. Nesses dois últimos fatores, podemos atuar de forma direta e fazermos toda a diferença no tempo e na qualidade de vida do cão.
Em suma, desse nosso primeiro contato, queria que ficasse gravado os seguintes pontos:

♦ A doença renal crônica é silenciosa e progressiva.
♦ A doença renal crônica não tem cura, mas tem como retardar a sua progressão.
♦ Avaliações clínicas, laboratoriais e de imagem uma vez por ano, a partir de 5 anos de idade, são importantes para o diagnóstico precoce da doença renal crônica.
♦ O engajamento do proprietário no tratamento do seu cão com doença renal crônica é um dos fatores determinantes para o retardo da evolução da doença.
♦ O acompanhamento continuado com médico veterinário desde os primeiros sinais clínicos ou desde as primeiras alterações laboratoriais ou de imagem é peça chave para a sobrevida do cão.

Abraço a todos e até o nosso próximo contato.

deixe seu comentário: