Doença renal crônica e diagnóstico precoce

por islenelimaverde — publicado 29 out 2012 - 16:33

Olá a todos!! Sou médica veterinária, formada pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), com interesse especial em nefrologia e urologia veterinária. Mas, nesse espaço, não vou estar abordando somente os temas relacionados aos problemas em rins e bexiga, mas falar dos problemas gerais relacionados aos cães, chamando a atenção para alguns cuidados que os proprietários devem ter com os seus cães para que tenham uma vida mais saudável e com qualidade.

No entanto, nesse nosso primeiro contato, não poderia deixar de escolher um tema que considero de enorme importância: o diagnóstico precoce e o acompanhamento continuado de cães com doença renal.
A doença renal crônica manifesta-se, na maioria das vezes, em cães idosos, acima de 7 anos de idade. Entretanto, ela pode afetar animais de qualquer idade. Animais pertencentes às raças predispostas e aqueles que apresentam doenças que podem causar doença renal crônica (como, erliquiose, leishmaniose, piometra) podem desenvolver doença renal crônica em idades mais precoces.

A maioria dos cães que apresenta doença renal desenvolve a doença de forma crônica, ou seja, ao longo de muito tempo, podendo o processo de lesão renal ter se iniciado meses ou até mesmo anos antes do surgimento dos sinais clínicos que despertam os proprietários para que algo está errado com o seu cão. Esse é o primeiro grande desafio da doença renal. A doença renal crônica é silenciosa e progressiva!!!
Isto significa que, algo (como determinadas infecções, neoplasia) agride os rins e, dependendo do grau das lesões, as células renais podem sofrer danos irreversíveis, sem possibilidade de regeneração, diminuindo a funcionalidade desses órgãos. Em alguns casos, como, por exemplo, em infecções, mesmo havendo a resolução do processo que desencadeou a agressão renal (no exemplo dado, resolução do processo infeccioso) e, consequente, melhora clínica do animal, o processo inflamatório desencadeado pela agressão renal promove danos progressivos aos rins.
Apesar dos rins estarem em sofrimento, eles conseguem manter sua função e manter o organismo compensado, sem sinais clínicos evidentes que despertem os proprietários para o que está acontecendo no interior do corpo de seu cão. Com a progressão das lesões renais, os rins se tornam cada vez mais comprometidos e incapazes de dar conta de sua “tarefa”, surgindo então os sinais clínicos clássicos de doença renal: vômito, falta de apetite, fezes moles e escurecidas, apatia, emagrecimento, pelagem opaca. Esse é o segundo grande desafio da doença renal. Nesse momento, o grau de lesão renal já pode estar muito elevado, podendo o cão estar em risco de vida.
No entanto, alguns sinais clínicos, como aumento da ingestão de água e aumento da produção de urina, se mostram precocemente, mas muitas vezes os proprietários não percebem essa alteração. Portanto, importante enfatizar: os cães que desenvolvem doença renal crônica geralmente passam a beber mais água e a urinar com mais frequência, apresentando uma urina bem clara, quase incolor.

Dessa modo, o diagnóstico precoce é a melhor alternativa. Seguindo essa orientação, avaliações clínicas, laboratoriais e de imagem uma vez por ano, a partir de 5 anos de idade do cão é a melhor forma de se tentar detectar alterações renais, antes mesmo de ocorrer a descompensação do organismo e o surgimento dos sinais clínicos agudos da doença renal. Lembrar que, uma vez que se observou alteração renal, as lesões não regridem. Portanto, esse cão deve ser acompanhado por veterinário, com realização de exames periódicos pelo resto da vida, objetivando assim a intervenção veterinária o mais precoce possível, mesmo que as alterações renais ainda não estejam tão evidentes nos exames bioquímicos.

Apesar de ser uma doença progressiva, o diagnóstico precoce permite ao veterinário iniciar o tratamento quando as alterações não são ainda tão avançadas, retardando a evolução da doença renal. O diagnóstico tardio, por sua vez, torna o tratamento veterinário muito limitado e muitas vezes frustrante.

A doença renal não tem cura, mas tem como retardar a sua progressão. Para isso é fundamental a comunicação próxima entre proprietário e veterinário. A doença renal evolui mais rapidamente principalmente por três fatores: 1) pelas características das alterações renais (fator esse que infelizmente não temos até o momento como intervir); 2) pela falta de cuidado adequado do proprietário com as exigências do tratamento; e 3) pela falta de acompanhamento regular com o médico veterinário. Nesses dois últimos fatores, podemos atuar de forma direta e fazermos toda a diferença no tempo e na qualidade de vida do cão.
Em suma, desse nosso primeiro contato, queria que ficasse gravado os seguintes pontos:

♦ A doença renal crônica é silenciosa e progressiva.
♦ A doença renal crônica não tem cura, mas tem como retardar a sua progressão.
♦ Avaliações clínicas, laboratoriais e de imagem uma vez por ano, a partir de 5 anos de idade, são importantes para o diagnóstico precoce da doença renal crônica.
♦ O engajamento do proprietário no tratamento do seu cão com doença renal crônica é um dos fatores determinantes para o retardo da evolução da doença.
♦ O acompanhamento continuado com médico veterinário desde os primeiros sinais clínicos ou desde as primeiras alterações laboratoriais ou de imagem é peça chave para a sobrevida do cão.

Abraço a todos e até o nosso próximo contato.

Cachorro que teve as patas cortadas com uma espada ganha próteses

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 18:39

A cada caso de violência que tomamos conhecimento ficamos mais impressionados em como os cães são seres evoluídos e como eles são capazes de se adaptar. O cachorro Cola é uma prova disso.

Cola é um cão SRD (sem raça definida, vira-lata) que vivia nas ruas de Bangkok, rodando sempre pela mesma região. Um dia, o cão teve suas patas dianteiras cortadas com uma espada por um homem que morava no mesmo bairro em que o cão costumava ficar.

 » Read more about: Cachorro que teve as patas cortadas com uma espada ganha próteses  »

Cadelinha adotada é seguida por ovelhas da família e se torna a líder dos animais

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 9:30

A cadelinha Lady é da raça Basset Hound, que foi resgatada por um abrigo e adotada por sua família há três anos. Por conta de seu passado, que não é tão conhecido, a cadelinha tinha muito medo e chegava até a ser agressiva com outras pessoas, porém, as companhias certas fizeram com que Lady se abrisse mais para a sua nova família e ficasse mais tranquila e leve.

Na nova casa, os tutores Michael Jobson e Fiona Morton não conseguiam levá-la para passear no parque,

 » Read more about: Cadelinha adotada é seguida por ovelhas da família e se torna a líder dos animais  »

No Rio de Janeiro será proibido utilizar animais para testes de produtos cosméticos

por Andrezza Oestreicher — publicado 15 dez 2017 - 9:29

E a causa animal teve mais uma vitória no Brasil. Nos próximos dias, será promulgada uma lei que proíbe o uso de animais para testes de produtos cosméticos.

Em uma votação feita na última terça-feira, dia 14 de dezembro, a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) derrubou, por 40 votos a favor e nenhum contra, o veto do governador Luiz Fernando Pezão e sancionará lei proibindo o uso de animais para cosméticos.

A lei irá valer em todo o estado do Rio de Janeiro e,

 » Read more about: No Rio de Janeiro será proibido utilizar animais para testes de produtos cosméticos  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Cachorro que teve as patas cortadas com uma espada ganha próteses

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 18:39

A cada caso de violência que tomamos conhecimento ficamos mais impressionados em como os cães são seres evoluídos e como eles são capazes de se adaptar. O cachorro Cola é uma prova disso.

Cola é um cão SRD (sem raça definida, vira-lata) que vivia nas ruas de Bangkok, rodando sempre pela mesma região. Um dia, o cão teve suas patas dianteiras cortadas com uma espada por um homem que morava no mesmo bairro em que o cão costumava ficar.

Cachorro teve suas patas dianteiras mutiladas com uma espada. (Foto: Reprodução / Lillian Suwanrumpha / AFP)

Cola foi mutilado depois que mordeu os sapatos do responsável pela violência.

O cão foi resgatado e cuidado por um britânico, chamado Johm Dalley, que vive na Tailândia há alguns anos. Cola foi levado para viver com seu salvador em Phuket, um balneário localizado no sul do país, onde o homem decidiu criar uma associação dedicada aos cães de ruas chamada “Soi Dogs” (soi significa rua em tailandês).

Hoje, um ano depois, Cola já consegue correr e se divertir bastante novamente. O cachorro recebeu próteses parecidas com as utilizadas por atletas paraolímpicos. O cão ganhou o aparato depois que Johm recorreu a uma empresa é especializada em próteses humanas e tudo foi feito sob medida para Cola.

Hoje, o cão está bem adaptado e muito feliz com suas novas próteses. (Foto: Reprodução / Lillian Suwanrumpha / AFP)

“Queríamos conseguir uma prótese que não fosse muito pesada, um pouco flexível ao nível do pé”, contou Teddy Fagerstrom, diretor do laboratório de ortopedia responsável pelas próteses de Cola.

Essa foi a primeira prótese feita pela empresa para cães e, segundo Teddy Fagerstrom, Cola é o primeiro animal a usar próteses parecidas com as de atletas paralímpicos.

Johm garante que Cola se adaptou muito bem com as suas novas próteses e hoje é um cão muito feliz.

Fonte: Correio Braziliense

Cadelinha adotada é seguida por ovelhas da família e se torna a líder dos animais

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 9:30

A cadelinha Lady é da raça Basset Hound, que foi resgatada por um abrigo e adotada por sua família há três anos. Por conta de seu passado, que não é tão conhecido, a cadelinha tinha muito medo e chegava até a ser agressiva com outras pessoas, porém, as companhias certas fizeram com que Lady se abrisse mais para a sua nova família e ficasse mais tranquila e leve.

Na nova casa, os tutores Michael Jobson e Fiona Morton não conseguiam levá-la para passear no parque, pois eles tinham receio de que ela viesse a avançar em alguém. Como eles moram em uma fazenda com bastante espaço, eles deixaram que a cadela ficasse livre pelo espaço enquanto cuidavam de alguma coisa na área externa.

Lady sempre é seguida pelas ovelhas da fazenda. (Foto: Reprodução / Metro UK / Mercury)

Porém, em um desses dias em que a cadela acompanhava seu tutor no trabalho da fazenda, por descuido, Michael deixou Lady se misturar com as ovelhas e ficou surpreso com o que aconteceu.

“Elas simplesmente começaram a seguí-la em todos os lugares. Isso certamente me fez rir. Ela [Lady] estava completamente inconsciente, mas estava fazendo um trabalho brilhante”, contou o tutor orgulhoso.

De cara a cadelinha se sentiu bastante à vontade no meio das ovelhas. Lady não se incomoda com os animais, fica tranquila entre eles e muitas vezes nem chega a perceber que é seguida pelas ovelhas.

A cadela acabou se tornando a líder do rebanho. (Foto: Reprodução / Metro UK / Mercury)

Os tutores ficaram impressionados com o talento que Lady tem para cão de pastoreio. Sempre que ela está perambulando pelo campo as ovelhas passam a seguir a cadelinha, apesar de Lady parecer estar mais preocupada em cheirar o mato e seguir seu tutor.

“Lady normalmente está atrás de mim me seguindo, mas às vezes ela sai sozinha e, de alguma forma, ela se torna a líder das ovelhas”, conta Michael.

De acordo com os tutores, eles estão até pensando em usar os talentos de Lady para ajudar o real cão de pastoreio da família, Tom.

Fonte: Metro UK