Doença renal crônica e diagnóstico precoce

por islenelimaverde — publicado 29 out 2012 - 16:33

Olá a todos!! Sou médica veterinária, formada pela Universidade Estadual do Ceará (UECE), com interesse especial em nefrologia e urologia veterinária. Mas, nesse espaço, não vou estar abordando somente os temas relacionados aos problemas em rins e bexiga, mas falar dos problemas gerais relacionados aos cães, chamando a atenção para alguns cuidados que os proprietários devem ter com os seus cães para que tenham uma vida mais saudável e com qualidade.

No entanto, nesse nosso primeiro contato, não poderia deixar de escolher um tema que considero de enorme importância: o diagnóstico precoce e o acompanhamento continuado de cães com doença renal.
A doença renal crônica manifesta-se, na maioria das vezes, em cães idosos, acima de 7 anos de idade. Entretanto, ela pode afetar animais de qualquer idade. Animais pertencentes às raças predispostas e aqueles que apresentam doenças que podem causar doença renal crônica (como, erliquiose, leishmaniose, piometra) podem desenvolver doença renal crônica em idades mais precoces.

A maioria dos cães que apresenta doença renal desenvolve a doença de forma crônica, ou seja, ao longo de muito tempo, podendo o processo de lesão renal ter se iniciado meses ou até mesmo anos antes do surgimento dos sinais clínicos que despertam os proprietários para que algo está errado com o seu cão. Esse é o primeiro grande desafio da doença renal. A doença renal crônica é silenciosa e progressiva!!!
Isto significa que, algo (como determinadas infecções, neoplasia) agride os rins e, dependendo do grau das lesões, as células renais podem sofrer danos irreversíveis, sem possibilidade de regeneração, diminuindo a funcionalidade desses órgãos. Em alguns casos, como, por exemplo, em infecções, mesmo havendo a resolução do processo que desencadeou a agressão renal (no exemplo dado, resolução do processo infeccioso) e, consequente, melhora clínica do animal, o processo inflamatório desencadeado pela agressão renal promove danos progressivos aos rins.
Apesar dos rins estarem em sofrimento, eles conseguem manter sua função e manter o organismo compensado, sem sinais clínicos evidentes que despertem os proprietários para o que está acontecendo no interior do corpo de seu cão. Com a progressão das lesões renais, os rins se tornam cada vez mais comprometidos e incapazes de dar conta de sua “tarefa”, surgindo então os sinais clínicos clássicos de doença renal: vômito, falta de apetite, fezes moles e escurecidas, apatia, emagrecimento, pelagem opaca. Esse é o segundo grande desafio da doença renal. Nesse momento, o grau de lesão renal já pode estar muito elevado, podendo o cão estar em risco de vida.
No entanto, alguns sinais clínicos, como aumento da ingestão de água e aumento da produção de urina, se mostram precocemente, mas muitas vezes os proprietários não percebem essa alteração. Portanto, importante enfatizar: os cães que desenvolvem doença renal crônica geralmente passam a beber mais água e a urinar com mais frequência, apresentando uma urina bem clara, quase incolor.

Dessa modo, o diagnóstico precoce é a melhor alternativa. Seguindo essa orientação, avaliações clínicas, laboratoriais e de imagem uma vez por ano, a partir de 5 anos de idade do cão é a melhor forma de se tentar detectar alterações renais, antes mesmo de ocorrer a descompensação do organismo e o surgimento dos sinais clínicos agudos da doença renal. Lembrar que, uma vez que se observou alteração renal, as lesões não regridem. Portanto, esse cão deve ser acompanhado por veterinário, com realização de exames periódicos pelo resto da vida, objetivando assim a intervenção veterinária o mais precoce possível, mesmo que as alterações renais ainda não estejam tão evidentes nos exames bioquímicos.

Apesar de ser uma doença progressiva, o diagnóstico precoce permite ao veterinário iniciar o tratamento quando as alterações não são ainda tão avançadas, retardando a evolução da doença renal. O diagnóstico tardio, por sua vez, torna o tratamento veterinário muito limitado e muitas vezes frustrante.

A doença renal não tem cura, mas tem como retardar a sua progressão. Para isso é fundamental a comunicação próxima entre proprietário e veterinário. A doença renal evolui mais rapidamente principalmente por três fatores: 1) pelas características das alterações renais (fator esse que infelizmente não temos até o momento como intervir); 2) pela falta de cuidado adequado do proprietário com as exigências do tratamento; e 3) pela falta de acompanhamento regular com o médico veterinário. Nesses dois últimos fatores, podemos atuar de forma direta e fazermos toda a diferença no tempo e na qualidade de vida do cão.
Em suma, desse nosso primeiro contato, queria que ficasse gravado os seguintes pontos:

♦ A doença renal crônica é silenciosa e progressiva.
♦ A doença renal crônica não tem cura, mas tem como retardar a sua progressão.
♦ Avaliações clínicas, laboratoriais e de imagem uma vez por ano, a partir de 5 anos de idade, são importantes para o diagnóstico precoce da doença renal crônica.
♦ O engajamento do proprietário no tratamento do seu cão com doença renal crônica é um dos fatores determinantes para o retardo da evolução da doença.
♦ O acompanhamento continuado com médico veterinário desde os primeiros sinais clínicos ou desde as primeiras alterações laboratoriais ou de imagem é peça chave para a sobrevida do cão.

Abraço a todos e até o nosso próximo contato.

Paolla Oliveira aproveita tempinho livre para relaxar com cachorro

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 out 2017 - 9:36

A atriz Paolla Oliveira é uma amante de cachorros assumida e nós já demos muitas provas disso aqui no Portal do Dog.

Tutora de três cachorros (dois deles adotados) e 11 gatos, Paolla também é madrinha da ONG Paraíso dos Focinhos e sempre está participando de campanhas para ajudar a instituição, além de incentivar a adoção.

Pronta pra semana… Só que no horário de verão. 😂🙆

 » Read more about: Paolla Oliveira aproveita tempinho livre para relaxar com cachorro  »

Walt Disney World irá permitir a presença de cães em seus hotéis pela primeira vez

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 out 2017 - 18:24

Pela primeira vez os hotéis e resorts do complexo Disney passaram a aceitar famílias hospedem também seus cachorros de estimação.

O Disney’s Yacht Club Resort, Disney Port Orleans Resort – Riverside, Disney’s Art of Animation Resort e o Disney’s Fort Wilderness Resort, todos localizados em Orlando, na Flórida, abriram suas portas ontem, dia 15 de outubro, para receber também hóspedes caninos.

Os animais não podem circular por todas as áreas dos hotéis e os quartos onde eles podem se hospedar com suas famílias ficam em andares específicos,

 » Read more about: Walt Disney World irá permitir a presença de cães em seus hotéis pela primeira vez  »

Instituto Luisa Mell recebe a visita da estrela teen Larissa Manoela

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 out 2017 - 9:33

Depois do resgate dos 135 cães feito por Luisa Mell, com o apoio da polícia e de uma superequipe, em um canil de Osasco, o Instituto Luisa Mell recebeu o apoio e visita de diversas celebridades que ficaram tocados com a situação dos animais.

Na última sexta-feira, dia 13 de outubro, mais uma celebridade foi até o Instituto. Dessa vez foi a atriz e cantora Larissa Manoela que esteve no local conhecendo as instalações e todos os animais que são ajudados por lá.

 » Read more about: Instituto Luisa Mell recebe a visita da estrela teen Larissa Manoela  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Paolla Oliveira aproveita tempinho livre para relaxar com cachorro

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 out 2017 - 9:36

A atriz Paolla Oliveira é uma amante de cachorros assumida e nós já demos muitas provas disso aqui no Portal do Dog.

Tutora de três cachorros (dois deles adotados) e 11 gatos, Paolla também é madrinha da ONG Paraíso dos Focinhos e sempre está participando de campanhas para ajudar a instituição, além de incentivar a adoção.

Pronta pra semana… Só que no horário de verão. 😂🙆

A post shared by Paolla Oliveira (@paollaoliveirareal) on

Paolla também parece ser do time daqueles que adoram passar qualquer tempo que tem livre com seus animais. Na reta final das gravações da novela a “A Força do Querer”, onde interpreta a policial Jeiza, a atriz curtiu a manhã da última segunda-feira, dia 16 de outubro, relaxando com um de seus cachorros e publicou uma imagem no seu perfil oficial no Instagram.

Junto da foto, que mostra a atriz deitada com um de seus cães em uma rede Paolla escreveu: “Pronta pra semana… Só que no horário de verão.”

Algumas horas depois, Paolla publicou mais uma foto com outro animal, dessa vez com o cachorro Iron, um cão policial da raça Pastor Belga Malinois com quem ela divide a cena na novela.

“Ganhando um carinho nas últimas gravações com meu fiel escudeiro em #AForçaDoQuerer. Vou sentir muita saudade do Iron. E vocês?”, escreveu a atriz, que parece bastante apegada ao animal, na legenda da foto.

Ganhando um carinho nas últimas gravações com meu fiel escudeiro em #AForçaDoQuerer. Vou sentir muita saudade do Iron. E vocês? 😢😘

A post shared by Paolla Oliveira (@paollaoliveirareal) on

Nós já falamos aqui que Paolla até demonstrou certo interesse em adotar o cão, que atualmente pertence ao Batalhão de Ações com Cães da Polícia Militar do Rio de Janeiro, mas que está pertinho de se aposentar.

Nós continuamos torcendo para que a atriz acabe ficando mesmo com Iron e lhe dê muito amor e a aposentadoria que ele merece, assim como ela faz como todos os seus animais.

Walt Disney World irá permitir a presença de cães em seus hotéis pela primeira vez

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 out 2017 - 18:24

Pela primeira vez os hotéis e resorts do complexo Disney passaram a aceitar famílias hospedem também seus cachorros de estimação.

O Disney’s Yacht Club Resort, Disney Port Orleans Resort – Riverside, Disney’s Art of Animation Resort e o Disney’s Fort Wilderness Resort, todos localizados em Orlando, na Flórida, abriram suas portas ontem, dia 15 de outubro, para receber também hóspedes caninos.

Cães já podem se hospedar em quatro hotéis do complexo Disney em Orlando. (Foto: Reprodução / Petcha / Disney Parks Blog)

Os animais não podem circular por todas as áreas dos hotéis e os quartos onde eles podem se hospedar com suas famílias ficam em andares específicos, tudo para que tanto os cães quanto pessoas que possuem alergia ou outros problemas tenham mais comodidade e tranquilidade durante sua estadia.

Cada quarto poderá hospedar no máximo dois cachorros por vez e os animais serão muito bem recebidos nos resorts. No momento do check-in, os cães receberão um kit de boas-vindas do Pluto que inclui: esteira e tigelas para comida e água, uma etiqueta de identificação, sacolas descartáveis ​​de plástico, almofadas de cachorro, e mapas de locais para caminhar com os cachorros e uma etiqueta para porta indicando que tem um animal de estimação no quarto.

A taxa cobrada pela presença de cada animal será de 75 dólares por noite no Disney Yacht Club e 50 dólares por noite nos outros três resorts Disney abertos para cães. Essas taxas destinam-se a cobrir os custos de limpeza.

Os cães irão receber um kit de boas-vindas do Pluto no momento do check-in. (Foto: Reprodução / Petcha / Disney Parks Blog)

No complexo Disney você encontra ainda a Best Friends Pet Care, uma instalação de serviço completo para animais de estimação. O Local funciona como creche, onde os cães podem ficar durante o dia enquanto seus tutores estão nos parques, e também funciona como hotel pet, onde os animais podem ficar hospedados por uma semana direto.

Para se hospedar nos hotéis Disney o cachorro deve estar com as vacinas em dia e espera-se que o animal seja bem comportado e que os tutores respeitem as áreas proibidas para pets.

Fonte: Disney Parks / Petcha