Estudo diz que cachorros podem agir com os humanos de acordo com os seus interesses

De acordo com a pesquisa, os cães podem manipular os seres humanos para alcançar seu objetivo, que pode ser mais comida, mais petiscos, mais carinho

por Andrezza Oestreicher — publicado 4 maio 2018 - 15:49

Se o cachorro de estimação da sua família sempre faz mais a sua carinha de coitadinho com olhos de pidão para certas pessoas do que para outras, saiba que ele está agindo de acordo com os interesses dele.

De acordo com um estudo realizado por pesquisadores da Suíça e publicado na revista Animal Cognition, os cachorros sabem quem vai lhes dar aquilo que eles querem e quem é mais durão, e dificilmente vai fazer a vontade do pet.

(Foto: Reprodução / Pets 4 homes)

Para chegar a essa conclusão de forma objetiva, os pesquisadores fizeram testes com 27 cães de raças diferentes entre as idades de 1,5 e 14 anos.

Antes de iniciar os testes, todos os animais foram treinados para diferenciar duas mulheres pela sua generosidade em relação à comida, uma mais aberta a fazer as vontades dos animais e outra mais durona.

A pessoa mais aberta, “cooperativa”, deu um petisco para os cães. Já a durona, “competitiva”, mostrou o petisco, mas não entregou para os peludos. Mais tarde, testes revelaram que os cachorros preferiam a pessoa cooperativa.

Em seguida, os animais viram uma salsicha (petisco muito desejado por eles) e biscoitos serem colocados dentro de duas caixas idênticas, enquanto uma terceira do lado continuava vazia. Depois, eles foram treinados para levar uma pessoa até a caixa que tinha comida.

(Foto: Reprodução / Ur Dogs)

Depois veio o teste de fato. Eles deveriam levar a pessoa até uma das caixas que estivesse com comida dentro. Eles foram testados duas vezes com uma pessoa “cooperativa” e duas vezes com uma pessoa “competitiva”.

Já no primeiro dia de teste, os cães foram mais propensos a levar a pessoa cooperativa para as caixas de comida do que a competitiva. Ao levar as duas pessoas para as caixas com comida, a cooperativa deu a comida para os cães, enquanto a competitiva mostrou e guardou de volta na caixa.

A percepção dos cães de que uma pessoa os agradava mais do que a outra ficou ainda mais perceptível no segundo dia de testes, quando um maior número de animais levou a pessoa cooperativa até a caixa que tinha seu petisco favorito e levou a pessoa competitiva para a caixa vazia.

(Foto: Reprodução / Eye Care for Animals)

“Em ambos os dias de teste, os cães estavam mais propensos a guiar o parceiro cooperativo do que o competitivo para a caixa contendo o alimento preferido, e este efeito foi mais forte no segundo dia do que no primeiro dia de teste”, disseram os responsáveis pelo teste.

Ainda de acordo com os pesquisadores, mais da metade dos cachorros percebeu que levar a pessoa competitiva até a caixa de salsichas não os beneficiaria nem um pouco, por isso eles preferiam levá-las para a caixa vazia.

Para a treinadora de cães Elisha Stynchula, com o seu trabalho e convivência pessoal com cachorros em casa já foi possível perceber que eles são inteligentes ao ponto de fazer o que lhes interessa mais. Para ela, eles manipulam inteligentemente o cenário em seu benefício.

(Foto: Reprodução / Cesar’s Way)

A principal autora da pesquisa, Marianne Heberlein, afirma que os cães continuam sendo um “companheiro leal e adorável”, mas que o estudo mostrou que eles tentam otimizar seus próprios lucros. “Eles parecem saber o que querem e também podem manipular os seres humanos para alcançar seu objetivo”, explica ela.

É exatamente isso o que eles fazem quando nos olham com aquela carinha mais fofa de coitadinho, nos manipulam para conseguir mais comida, mais petisco e mais carinho.

Fonte: Broadly

Tutora de dois cachorros, Thalita Rebouças afirma se sentir uma mãe

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 maio 2018 - 9:31

Antes de ter um cachorrinho, nós não temos noção do tamanho do amor que eles podem nos dar e também despertar em nossos corações. E é justamente por isso que muitos tutores se sentem pais e tratam seus pets como verdadeiros filhos, pois é um amor incondicional.

É exatamente assim que a jornalista, escritora e, agora também, apresentadora Thalita Rebouças se sente com seus dois fofos e amados cachorros de estimação, Lindão e Babete.

 » Read more about: Tutora de dois cachorros, Thalita Rebouças afirma se sentir uma mãe  »

Cachorros com doença em fase terminal se tornam amigos e aproveitam seus últimos meses juntos

por Andrezza Oestreicher — publicado 19 maio 2018 - 9:36

Receber a notícia de que nosso cãozinho está com uma grave doença em fase terminal e que lhe resta apenas poucos meses de vida é muito difícil. Porém, apesar da tristeza, o ideal é aproveitar ao máximo esses dias e tentar deixar o animal o mais confortável possível, além de mimá-lo bastante.

É exatamente isso o que os tutores dos cães Harley Bruiser, um Buldogue de 10 anos de idade, e Buckeye, um Golden Retriever de 15 anos de idade,

 » Read more about: Cachorros com doença em fase terminal se tornam amigos e aproveitam seus últimos meses juntos  »

Cachorro fica com medo de trovões e acaba indo parar em telhado de mercado

por Andrezza Oestreicher — publicado 19 maio 2018 - 9:27

Não é tão difícil encontrar pessoas que têm medo de trovões. Os fortes barulhos o forte barulho, que é causado por descargas elétricas na atmosfera, conseguem assustar muita gente.

Com sua audição extremamente desenvolvida, os cachorros também sofrem bastante com os trovões. Se para nós os barulhos já são fortes, imaginem para eles.

O cãozinho Thor é acostumado a ficar com seus irmãos caninos na cobertura da casa onde vive, em Caxias do Sul,

 » Read more about: Cachorro fica com medo de trovões e acaba indo parar em telhado de mercado  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Tutora de dois cachorros, Thalita Rebouças afirma se sentir uma mãe

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 maio 2018 - 9:31

Antes de ter um cachorrinho, nós não temos noção do tamanho do amor que eles podem nos dar e também despertar em nossos corações. E é justamente por isso que muitos tutores se sentem pais e tratam seus pets como verdadeiros filhos, pois é um amor incondicional.

É exatamente assim que a jornalista, escritora e, agora também, apresentadora Thalita Rebouças se sente com seus dois fofos e amados cachorros de estimação, Lindão e Babete.

O desconfiado Lindão, um gostoso peludão da raça Coton de Tulear, foi um presente que Thalita ganhou do seu ex-marido há cerca de três anos. A tutora conta que ele é um cão muito carente que, para que ele não ficasse sozinho, ela acabou adotando outro animal para fazer companhia para Lindão.

Na hora de adotar, a escolhida para fazer parte da família de Thalita foi a cadelinha Babete, uma fofa, alegre e hiperativa vira-lata que, segundo a tutora, tem uma personalidade bem diferente de seu irmão mais velho.

Porém, apesar das diferenças, a mamãe afirma que seus filhos peludos convivem muito bem juntos.

Thalita contou que sempre teve cachorros em casa, mas eles eram de seus pais e que ela queria ter seus próprios animais. Agora, com Lindão e Babete ela não só realizou o seu sonho de ter seus cachorros como se sente uma verdadeira mãe dos pets.

“Agora me sinto mãe! A melhor coisa da vida é ter cachorro, só quem tem sabe que é um amor muito louco e maravilhoso. Você se sente a pessoa mais amada e especial do mundo”, afirma ela.

Acho , só acho, que A Babete tá meio irritada com esse laço. 😂😂😂😂 Não guento a cara dessa cachorrinha !!!

A post shared by thalitareboucas (@thalitareboucas) on

A escritora, que é idolatrada pelos jovens por conta de seus livros, ainda incentiva seus fãs a adotarem um animal de estimação: “Adote um cachorrinho. Adote um bichinho de estimação, porque é amor em estado bruto”.

Fonte: Gshow

Cachorros com doença em fase terminal se tornam amigos e aproveitam seus últimos meses juntos

por Andrezza Oestreicher — publicado 19 maio 2018 - 9:36

Receber a notícia de que nosso cãozinho está com uma grave doença em fase terminal e que lhe resta apenas poucos meses de vida é muito difícil. Porém, apesar da tristeza, o ideal é aproveitar ao máximo esses dias e tentar deixar o animal o mais confortável possível, além de mimá-lo bastante.

É exatamente isso o que os tutores dos cães Harley Bruiser, um Buldogue de 10 anos de idade, e Buckeye, um Golden Retriever de 15 anos de idade, estão fazendo por seus animais. Os médicos deram apenas cerca de 4 a seis meses de vida para ambos os cachorros.

Posted by Ashley McElfresh on Monday, May 14, 2018

Mas, além de muito amor de seus tutores, os cães também estão ganhando muito carinho um do outro. Os pets se conheceram depois de receber o triste diagnóstico e logo ficaram amigos.

Para aproveitar o fim de suas vidas como merecem, como muito amor, mimo e alegria, cada um ganhou de seus tutores uma lista de desejos que estão realizando, em maior parte, juntos.

Os cães já aproveitaram um dia de compras em uma loja de animais e ganharam muitas guloseimas e muitos carinhos até agora. E ainda tem mais por vir. “Eu acho que é realmente importante continuar dando ao seu animal a melhor qualidade de vida até o final”, afirma a veterinária Grace Kemp, tutora de Buckeye.

O Golden Retriever foi adotado por Grace ainda bem jovem e após ser resgatado. Além de membro da família, ele também é um companheiro de trabalho da tutora e sempre a acompanha no hospital veterinário.

Posted by Grace Kemp on Friday, May 18, 2018

Depois de anos dando muito amor para a sua família, o cãozinho Harley, que está mais próximo da estimativa que seu veterinário lhe deu, está ganhando ainda mais amor e sendo mais mimado do que já era normalmente.

O fofo Buldogue também aproveitou um gostoso picolé ao pôr do sol e um passeio com seus tutores em uma Harley Davidson.

Ashley McElfresh, tutora de do cãozinho, está publicando todas as aventuras do animal, que está fazendo uma viagem de carro com sua família, em um grupo no Facebook chamado “Bucket List Adventures of Harley Bruiser”, onde Buckeye frequentemente aparece realizando desejos da lista junto com seu amigo canino.

Posted by Ashley McElfresh on Monday, April 30, 2018

A intenção dos tutores com essa lista de desejos é que os cães, mesmo com todas as suas condições, aproveitem seu restinho de vida e sintam que são muito amados e que têm uma grande importância para toda a família.

Fonte: People