Grandes mitos da saúde canina

por Fabio Sakita — publicado 23 set 2012 - 14:36

– “Focinho quente é sinal de doença.”
A temperatura dos focinhos costuma subir durante o sono do cão, daí ele acordar de nariz quente, o que é normal. Só haverá problema se, além de quente, o focinho do bicho estiver seco e o cão mostrar grandes alterações de comportamento.

– “Cães não precisam ser vermifugados quando não saem à rua.”
Como se vermes tocassem campainha ou pagassem pedágio… Mesmo no recesso do lar os caninos podem contrair micróbios trazidos por mosquitos. Prudência, canja de galinha (cuidado com os ossinhos! Mais sobre isso daqui a pouco) e vermifugação não fazem mal ao canino são ou doente.

– “Cães avisam quando estão doentes.”
Na verdade, eles conseguem esconder as doenças, para não se mostrarem vulneráveis ao “inimigo”, e os sintomas só costumam aparecer quando a doença ou incômodo estiverem bem avançados, dando então a impressão de que o bicho está chamando a atenção para o problema.

– “Cães castrados engordam.”
Na verdade, eles podem acumular gordura por falta de exercício e excesso de calorias durante o pós-operatório, mas não devido à castração em si. Aliás, a castração está cercada de tantos mitos que eles já foram reunidos numa matéria desta série sobre ela.

– “Cães só enxergam em preto e branco.”
Eles apenas vêem menos cores que o ser humano, pois seus olhos têm menor quantidade de celular cônicas, que permitem distinguir as cores.

– “Cadelas devem ter ninhada antes de serem esterilizadas.”
Do ponto de vista de saúde e bem-estar do bicho, castração (para machos) e esterilização (para fêmeas) são benéficas, diminuindo o risco de tumores em mama, testículos e próstata e de infecções urinárias.

– “Vira-latas são mais saudáveis que cães de raças puras.”
Não é bem isso. Vira-latas costumam estar menos sujeitos a enfermidades ou problemas comuns a certas raças, mas nem por isso são invulneráveis ou mais imunes a doenças que outros cães.

– “Um ano canino equivale a sete anos humanos.”
Um cão com 20 anos equivaleria a uma pessoa com 140. Bom, nenhum ser humano vive tanto. E o envelhecimento (ou melhor, amadurecimento) canino não é linear como o humano; com um ano de idade cães (assim como gatos) já são maduros o suficiente para procriarem. E raças de grande porte, como os buldogues e mastifes, costumam viver menos que as pequenas, como dachsunds e pequineses.

– “Pessoas são imunes a determinadas bactérias que atacam os cães e vice-versa e a saliva canina é poderoso antisséptico.”
A noção de cães lambendo as próprias feridas para se curarem virou até provérbio, mas o poder curativo da saliva não é tudo isso. E cães podem ser mais suscetíveis a determinados problemas de saúde que pessoas e vice-versa, mas os mesmos microorganismos podem atacar a ambos.

Fonte

deixe seu comentário: