Entrevista com a médica veterinária Paloma Bosso sobre enriquecimento ambiental

Saiba como o enriquecimento ambiental pode oferecer uma melhor qualidade de vida para o seu animal de estimação.

por Samantha Kelly — publicado 18 set 2015 - 8:01

Em um entrevista especial com a médica veterinária Paloma Bosso, integrante da Comissão de Ética, Bioética e Bem-estar Animal do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), conversamos sobre enriquecimento ambiental, e como esse conjunto de técnicas pode melhorar a qualidade de vida dos animais de estimação.

 

PdD) O que é o enriquecimento ambiental?

Enriquecimento ambiental pode ser definido como um conjunto de técnicas que visam melhorar a qualidade de vida de diferentes espécies de animais sejam elas domésticas ou silvestres. Na prática, a técnica, bastante oferecida aos animais mantidos em zoológicos, consiste em oferecer estímulos nos ambientes dos animais de forma a torná-los mais atrativos e dinâmicos. Este tipo de atividade visa então contribuir com o bem-estar dos animais, pois proporciona uma maior oportunidade de escolha, bem como estimula a exibição de comportamentos naturais.

 

PdD) Quais os principais benefícios?

Os principais benefícios decorrentes do oferecimento de itens de enriquecimento na rotina de espécies animais é oferecer gradualmente um ambiente mais complexo e interativo que proporcione desafios e estímulos mentais, sem os quais as mais variadas espécies podem encontrar-se entediadas ou até apresentarem comportamentos anormais. Ao contribuir com o aumento do bem-estar animal, o enriquecimento ambiental também promove benefícios a saúde física dos animais, pois reduz quadros indesejáveis de estresse na rotina destes bichos. Assim como os humanos, os animais estressados estão mais suscetíveis ao surgimento de doenças. Proporcionar uma boa qualidade de vida aos animais é então uma forma de garantir indiretamente uma boa saúde física também.

 

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

 

PdD) Qual o papel do médico veterinário no processo de enriquecimento ambiental?

O médico veterinário está diretamente envolvido na promoção do bem-estar dos animais. Sua atuação inclui além do atendimento clínico já conhecido, o estudo e monitoramento do comportamento destes animais. Este tipo de atuação médico-veterinária contribui com a melhora da qualidade de vida de pacientes mantidos nos mais variados cenários: em ambientes residenciais, fazendas, zoológicos e aquários.

 

PdD) Qual a melhor maneira para os tutores iniciantes em enriquecimento ambiental poderem adaptar seus lares e oferecer diferentes estímulos para cães e gatos?

Há diversas formas de enriquecer o ambiente de um animal, sendo cinco delas as principais: físico, social, sensorial, alimentar e cognitivo.

  1. Físico – consiste em inserir itens que possam promover um melhor conforto ambiental aos animais, como espaços para deitar, se aninhar, se esconder; 2. Social – consiste em promover uma interação social harmônica entre espécies diferentes ou entre indivíduos de mesma espécie; 3. Sensorial – este tipo de enriquecimento está relacionado aos cinco órgãos sentidos. Assim, podemos oferecer estímulos olfativos, auditivos, táteis, visuais ou gustativos, atendendo as necessidades individuais das espécies com as quais estivermos trabalhando; 4. Alimentar – a técnica de enriquecimento ambiental alimentar pode ser baseada na alteração no modo convencional de oferecimento de alimentos aos animais e 5. Cognitivo – consiste em estimular a capacidade cognitiva dos animais, através da manipulação de objetos que se assemelham a “quebra-cabeças” para obtenção de recompensas alimentares ou não.

 

Assim, a melhor maneira dos tutores iniciarem o oferecimento de diferentes estímulos para cães e gatos não precisa ser necessariamente voltada para a adaptação física dos seus lares; afinal há outros diversos estímulos, mas fáceis/simples e práticos, que podem ser primariamente oferecidos. Mais do que um ambiente demasiadamente equipado e uma variedade imensa de itens para brincadeiras a disposição dos animais, é a possibilidade de escolha que deve ser frequentemente presente, pois é exatamente esta condição que tende a proporcionar aos animais um maior grau de bem-estar animal.

Em outras palavras, costumo dizer que os lares não precisam ser exclusivos dos animais, afinal é importante existir uma convivência harmônica em um ambiente que seja tanto agradável para os seres humanos quanto os animais, mas manter uma rotina que permita manter os animais entretidos é um aspecto bastante desejável! Mais do que oferecer uma quantidade grande de itens para brincadeiras de uma única vez, e mantê-los de forma frequente no ambiente dos animais, é importante manter uma frequência de novidades.

 

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

 

PdD) Seria possível começar uma mudança e estimular os animais com materiais comumente encontrados em residências e simples mudanças de atitudes (como por exemplo, a forma que se oferece comida). Se sim, quais são as suas dicas?

É perfeitamente possível e extremamente desejável tanto utilizar materiais comumente encontrados em residência quanto modificar atitudes habituais que desfavorecem a promoção do bem-estar animal!

Costumo dizer que não necessariamente precisamos investir grandes recursos financeiros para as atividades de enriquecimento pois muitos materiais existentes em nossas residências, e/ou rotineiramente utilizados em outros ambientes podem enriquecer a vida de nossos animais. Rolos de papelão podem ser utilizados, por exemplo, para esconder alimentos secos (como rações) em seu interior.

Um outro exemplo são os blocos de gelo com alimentos que podem ser oferecidos no período do verão com parte de um alimento preferido do seu animal. Nesta atividade ele pode não só gastar tempo na obtenção deste alimento, mas também para se refrescar.

Num sentido amplo, as dicas gerais que costumo fazer para o oferecimento de itens de enriquecimento são:

  • Comece com estímulos gradativos, especialmente em tamanhos e graus de dificuldade, para evitar que os animais se assustem com os novos itens e por outro lado possam se sentir constantemente motivados a interagir;
  • Por outro lado é fundamental que se ofereça no mínimo um item por animal (em alguns casos mais de um) para permitir que todos tenham a possibilidade de inteiração e evitar possíveis disputas por um único item;
  • Optar por itens mais naturais possíveis é importante especialmente para evitar a ingestão de materiais artificiais que podem ocasionar corpos estranhos nos animais – este critério também vale para itens comercialmente adquiridos. Assim evitar objetos com partes artificialmente coloridas, ou com fios/cordas que podem promover um enforcamento ou aprisionamento de um membro, ou itens muito pequenos que possam se soltar e ser ingeridos é bastante recomendado;
  • Considerar o histórico de cada animal é fundamental. O que pode ser interessante para um animal nem sempre é desejável para o seu. Na dúvida sempre consulte um médico veterinário que atue nesta área.

 

Variar a forma como se oferece o alimento é, portanto, uma ideia sim de fácil implementação e que tende a estimular nos animais a busca por alimento, comportamento este tão corriqueiro no ambiente de vida livre. O forrageio, definido com o ato de explorar o ambiente na busca por alimento, é uma prática importante no repertório comportamental das mais variadas espécies, porém bastante reduzido quando os animais já recebem seus alimentos muitas vezes na forma de ração, ou ainda sem cascas ou sementes, cortados, e a disposição em seus comedouros e em horários fixos.

NãO havendo necessidade de busca pelo alimento o animal pode mostrar se entediado. Tanto que diversos estudos comprovam que animais que recebem simultaneamente parte de suas dietas de modo convencional e a outra de modo enriquecido, ou seja, com acesso dificultado, preferem trabalhar para obter seus alimentos. Este tipo de enriquecimento tende a ser o mais utilizado quando comparado com os demais pelo baixo custo, pela facilidade de oferecimento que proporciona e por ser considerado altamente motivador para os animais. No entanto não se trata de superalimentar os animais nem obrigá-los a desempenhar um certo tipo de comportamento para se alimentar. O objetivo é motivar, por exemplo, um cão a retirar sua ração de um tubo de PVC, com furos caso ele tenha interesse em fazê-lo.

 

PdD) Como o enriquecimento ambiental pode transformar a vida do pet moderno, que por vezes precisa enfrentar desafios em seu cotidiano, como a solidão por algumas horas do dia, o tédio e a falta de estímulos não só físicos, mas mentais?

Provavelmente as questões que requerem mais cuidados e atenção dos proprietários quanto à vida moderna dos pets são justamente estes mencionados que consistem em suportar as condições de um ambiente adverso em que muitos deles são mantidos. Digo adversos, pois muitos dos ambientes em que cães e gatos são mantidos atualmente são amplamente restritos em estímulos próprios para os animais e limitam-se a um contato de poucas horas com o ser humano. Tanto que na ausência de estímulos mentais, cognitivos ou ainda táteis e auditivos, muitos animais podem apresentar-se entediados e/ou estressados e apresentar comportamentos atípicos das espécies, como se lamber compulsivamente, dormir e comer em excesso ou ingerir fezes. O oferecimento dos itens de enriquecimento ambiental visa justamente promover esta oportunidade de interagir com itens variados sempre que os mesmos estiverem disponíveis a ele e sempre que o mesmo tenha este interesse. Promover aos animais um maior controle do ambiente em que eles vivem é a chave do sucesso para promover o bem-estar animal. Ainda que o bicho não queira interagir com o item no momento exato em que ele foi inserido, é fundamental que ele possa sentir esta oportunidade de interagir caso queira e no momento em que queira.

 

Foto: Paloma Bosso

Foto: Paloma Bosso

Cachorrinho não sai de perto de irmã morta e nem deixa ninguém se aproximar

por Andrezza Oestreicher — publicado 18 dez 2017 - 9:31

A fidelidade dos cães é algo impressionante, eles sempre ficam do lado daqueles que amam, independente de serem humanos ou outros animais.

Em Palmas, um caso que prova essa enorme fidelidade tocou o coração de muitas pessoas que passavam pela Avenida Palmas Brasil.

Os irmãos caninos Bebel e Bob aproveitaram o momento em que seu tutor estava com a garagem aberta saindo com o carro para fugir de casa. A tutora Ana Paula Rodrigues não se desesperou,

 » Read more about: Cachorrinho não sai de perto de irmã morta e nem deixa ninguém se aproximar  »

Cachorro que teve as patas cortadas com uma espada ganha próteses

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 18:39

A cada caso de violência que tomamos conhecimento ficamos mais impressionados em como os cães são seres evoluídos e como eles são capazes de se adaptar. O cachorro Cola é uma prova disso.

Cola é um cão SRD (sem raça definida, vira-lata) que vivia nas ruas de Bangkok, rodando sempre pela mesma região. Um dia, o cão teve suas patas dianteiras cortadas com uma espada por um homem que morava no mesmo bairro em que o cão costumava ficar.

 » Read more about: Cachorro que teve as patas cortadas com uma espada ganha próteses  »

Cadelinha adotada é seguida por ovelhas da família e se torna a líder dos animais

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 9:30

A cadelinha Lady é da raça Basset Hound, que foi resgatada por um abrigo e adotada por sua família há três anos. Por conta de seu passado, que não é tão conhecido, a cadelinha tinha muito medo e chegava até a ser agressiva com outras pessoas, porém, as companhias certas fizeram com que Lady se abrisse mais para a sua nova família e ficasse mais tranquila e leve.

Na nova casa, os tutores Michael Jobson e Fiona Morton não conseguiam levá-la para passear no parque,

 » Read more about: Cadelinha adotada é seguida por ovelhas da família e se torna a líder dos animais  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Cachorrinho não sai de perto de irmã morta e nem deixa ninguém se aproximar

por Andrezza Oestreicher — publicado 18 dez 2017 - 9:31

A fidelidade dos cães é algo impressionante, eles sempre ficam do lado daqueles que amam, independente de serem humanos ou outros animais.

Em Palmas, um caso que prova essa enorme fidelidade tocou o coração de muitas pessoas que passavam pela Avenida Palmas Brasil.

Cachorro não sai de perto de cadelinha que morreu atropelada. (Foto: Reprodução / G1 / Nice Regina)

Os irmãos caninos Bebel e Bob aproveitaram o momento em que seu tutor estava com a garagem aberta saindo com o carro para fugir de casa. A tutora Ana Paula Rodrigues não se desesperou, pois isso já tinha acontecido antes e os cachorros logo voltaram para casa.

Porém, dessa vez algo muito triste aconteceu. Bebel, cadelinha que já fazia parte da família há 10 anos, foi atropelada e acabou falecendo no canteiro central da Avenida Palmas Brasil, em Palmas, no Tocantins.

Bob, como um ótimo exemplo de cão fiel e companheiro, não saiu de perto de sua irmãzinha e também não deixava ninguém se aproximar.

Tocada com a situação, gerente comercial Nice Regina Santos ficou por cerca de 10 minutos tentando se aproximar dos animais e chamando o cão que estava vivo, ela ainda fez um vídeo mostrando que Bob não se afastava de sua irmã.

“O que mais me emocionou foi ele não abandoná-la, proteger e não querer sair de perto”, contou Nice, que publicou o vídeo nas redes sociais.

Além de não abandonar a irmã canina, o cãozinho não deixava ninguém se aproximar. (Foto: Reprodução / G1 / Nice Regina)

Foi através da publicação do vídeo que Ana Paula descobriu o motivo pelo qual seus cães não tinham voltado para casa. “O atropelamento aconteceu à tarde, quando foi às 22h30, eu estava nas redes sociais e vi o vídeo. Já vi que eram eles. Eu entrei em desespero, peguei o carro e fui buscá-la para fazer o enterro”, contou a tutora, explicando que Bob tinha voltado sozinho para casa apenas um pouco antes disso.

“Tudo o que ele fazia era com ela. Depois da morte da Bebel, ele ficou triste, fica uivando à noite chamando ela. Durante o dia, fica só deitado na cadeira. A família também sentiu muito. Na minha casa eu nunca estava sozinha, porque onde eu ia, a Bebel me acompanhava”, disse a tutora emocionada afirmando que os animais eram muito companheiros e viviam grudados.

Fonte: G1

Cachorro que teve as patas cortadas com uma espada ganha próteses

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 18:39

A cada caso de violência que tomamos conhecimento ficamos mais impressionados em como os cães são seres evoluídos e como eles são capazes de se adaptar. O cachorro Cola é uma prova disso.

Cola é um cão SRD (sem raça definida, vira-lata) que vivia nas ruas de Bangkok, rodando sempre pela mesma região. Um dia, o cão teve suas patas dianteiras cortadas com uma espada por um homem que morava no mesmo bairro em que o cão costumava ficar.

Cachorro teve suas patas dianteiras mutiladas com uma espada. (Foto: Reprodução / Lillian Suwanrumpha / AFP)

Cola foi mutilado depois que mordeu os sapatos do responsável pela violência.

O cão foi resgatado e cuidado por um britânico, chamado Johm Dalley, que vive na Tailândia há alguns anos. Cola foi levado para viver com seu salvador em Phuket, um balneário localizado no sul do país, onde o homem decidiu criar uma associação dedicada aos cães de ruas chamada “Soi Dogs” (soi significa rua em tailandês).

Hoje, um ano depois, Cola já consegue correr e se divertir bastante novamente. O cachorro recebeu próteses parecidas com as utilizadas por atletas paraolímpicos. O cão ganhou o aparato depois que Johm recorreu a uma empresa é especializada em próteses humanas e tudo foi feito sob medida para Cola.

Hoje, o cão está bem adaptado e muito feliz com suas novas próteses. (Foto: Reprodução / Lillian Suwanrumpha / AFP)

“Queríamos conseguir uma prótese que não fosse muito pesada, um pouco flexível ao nível do pé”, contou Teddy Fagerstrom, diretor do laboratório de ortopedia responsável pelas próteses de Cola.

Essa foi a primeira prótese feita pela empresa para cães e, segundo Teddy Fagerstrom, Cola é o primeiro animal a usar próteses parecidas com as de atletas paralímpicos.

Johm garante que Cola se adaptou muito bem com as suas novas próteses e hoje é um cão muito feliz.

Fonte: Correio Braziliense