Entrevista com Gustavo Silva, vice-presidente da UPAC

por Fabio Sakita — publicado 9 dez 2012 - 20:40

Gustavo Silva. Foto. Fabio Sakita

 

Nesse sábado (8) aconteceu mais uma Feira de Adoção de Cães e Gatos da União Protetora dos Animais Carentes (UPAC) em Fortaleza e o Portal do Dog esteve lá para acompanhar o evento.

É válido e necessário divulgar este belo trabalho sendo feito no auxílio de animais e na educação do público. Por ano, cerca de 600 animais são atendidos pela UPAC.

O que observamos é que o bem estar dos animais sempre é  a prioridade, desde o resgate das ruas, à busca de tratamento e recolocação em lares saudáveis até o acompanhamento pós-adoção.

Os interessados na adoção passam por uma entrevista, na qual os voluntários avaliam criteriosamente com o intuito de definir se o candidato interessado tem o perfil adequado ou poderá suprir todas as necessidades do animal.

Para nos falar um pouco mais sobre a UPAC, conversamos com Gustavo Silva, vice-presidente da ONG.

Confira a entrevista:

 

Como surgiu a UPAC?

A UPAC nasceu de um grupo de pessoas que tinham um interesse em comum, o cuidado com os animais e a preocupação com os animais que estavam na rua. Essas pessoas se uniram, são amigos de escola e amigos de faculdade, e fundaram a UPAC.

Com o tempo, até por conta de precisar tornar a coisa mais específica, eles foram avançando, juntando mais pessoas, dividindo atividades e formando um grupo mais organizado.

Até para lidar com as doações, a gente sentiu necessidade de tornar formal, então deixou de ser um grupo para virar uma ONG, a gente tem CNPJ, tem conta em banco, etc.

 

Foto. Fabio Sakita

 

Como é o trabalho hoje?

Hoje a UPAC trabalha com três vias:

A primeira que a gente faz e não tem como fugir, é o resgate de animais, a UPAC começou assim e vai continuar fazendo esse resgate de animais na rua. Tratamos os animais, se for necessário levamos para o abrigo direto ou para uma clínica veterinária para passar por uma quarentena, recebendo todo o tratamento.

A segunda parte está vinculada com a doação, são os eventos de feira e doação pelo site. Hoje a gente recebe muito mais por meio do facebook e do site do que pela feira. Na feira a gente expõe o nosso trabalho para as pessoas que não conhecem, mas a UPAC mesmo acontece na internet.

E a terceira vertente é a educação, não pode ficar só tirando cachorro da rua sem que o público não saiba que isso é errado. Então a gente trabalha com a educação, hoje temos uma parte que está ativa em empresas e escolas , a gente faz palestras, eventos e acaba reunindo pessoas novas que querem ajudar e não tem todo esse conhecimento. Nós damos todo o treinamento.

 

Foto. Fabio Sakita

 

Vocês têm um programa chamado fiel doador, como ele funciona?

Nós temos um gasto muito grande, são 25 cães e 350 gatos. Nós temos dois abrigos, um próximo de Messejana e o outro na Sabiaguaba. O gasto não é só de ração, que seria o básico, mas principalmente a parte clínica. Como os animais são pegos na rua, eles não estão bem e o tratamento pode ser pesado e as vezes eles ficam internados.

Com o tempo a gente foi vendo que as pessoas até se interessam pelo trabalho, ajudam, mas é uma coisa que não prende. Ajuda hoje, amanhã, mas acaba deixando.

Nós criamos esse programa para tentar trazer uma pessoa fixa, pode ser com R$ 10,00 por mês, com 1 kg de ração, mas que se possa contar com essa doação.

Em troca a gente acaba dando benefícios, indica clínicas com desconto, tem kits com camisetas e chaveiros, a pessoa tem um retorno e não importa o valor da doação, portanto que a gente possa conta com essa pessoa. (Visite o Link do Fiel Doador no site da UPAC)

 

Foto. Fabio Sakita

 

Para as pessoas que admiram o trabalho da UPAC e querem colocar a mão na massa, como ser um voluntário?

A gente precisa de voluntários. Hoje no grupo, de efetivos, aquelas pessoas que estão ajudando, que podemos contar e que têm poder de voto na ONG são em torno de 12. Mas 12 pessoas para cuidar de 25 cães, sendo que todo mundo trabalha e estuda, é complicado. Em uma feira como essa, é preciso muitos voluntários e a gente está aberto a recebe-los.

Nós já lançamos um edital que explica todos os cargos e funções da UPAC, desde tratar direto com o animal, que é o mais requisitado, até pessoas que têm uma habilidade maior com a computação, com a escrita, que têm habilidade artística e podem fazer um folder da UPAC, por exemplo. Aproveitamos todas as habilidades que possam aparecer.

Estamos tentando ser o mais correto possível, treinando o pessoal para também fazer com que se sintam parte do grupo com palestras. Nós estamos estudando a possibilidade de fazer um certificado de um curso de 40 horas.

 

Foto. Fabio Sakita

 

Para os que estão lendo essa entrevista, como funciona a doação?

Doação nós aproveitamos basicamente tudo. Dinheiro, ração, medicamento, tem gente que conhece um petshop e tem um banho de graça, nós levamos e damos o banho lá. A gente recebe doações de roupas e objetos usados.

A fonte de renda hoje da UPAC é o bazar e a lojinha. A lojinha são produtos nossos, com a logo da UPAC e o bazar são as doações que a gente divide entre bazar e brechó.

O brechó é mais popular e o bazar tem peças com mais qualidade, são objetos novos que a gente recebe.

Para doar, entre em contato com a UPAC por email ou pelo site, avise que tem a doação que a gente pode buscar na casa da pessoa (Fortaleza e arredores).

 

Como pessoas de outros estados podem doar?

Como a gente tem status de ONG, a gente tem uma conta da UPAC. De outros estados a gente recebe ajuda em forma de dinheiro, que é mais fácil.

 

 

Doações:

Banco do Brasil
Nome: União Protetora dos Animais Carentes
Agência: 1295-5
Conta: 42.417-x
CNPJ: 106477890001-20

 

Doações via Boleto Bancário ou Cartão de Crédito, podem ser feitas via site do Vakinha:
http://www.vakinha.com.br/Vaquinha.aspx?e=122454

 

Site Oficial: http://upacfortaleza.wordpress.com

Facebook: www.facebook.com/ongupac

Twitter: http://twitter.com/upacfortaleza

 

 

Nós do Portal do Dog agradecemos a UPAC por terem sido tão solícitos, nos recebendo com toda disposição, mesmo com a correria da Feira.

Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 9:00

Durante consultas ou até mesmo em avaliações simples, médicos veterinários podem ser capazes de identificar se um animal está sendo vítima de maus-tratos ou de alguma negligência.

Pensando nisso e em ajudar a diminuir o número de animais maltratados pelos próprios tutores em nosso país, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou proposta que prevê a obrigação de médicos veterinários comunicarem imediatamente à Polícia Judiciária quando constatarem indícios de maus-tratos naqueles animais nos quais prestarem atendimentos médicos.

 » Read more about: Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia  »

Através de anúncio na internet mulher descobre que cachorro desaparecido estava com vizinhos

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 abr 2018 - 15:24

Só quem tem um cachorrinho desaparecido sabe o desespero que é o momento das buscas, de não saber como o animal está, e a tristeza que toma conta quando a esperança de encontrar o amado animal vai se acabando.

Foi com essa angústia e tristeza que a tutora Silmara Ribeiro do Amaral e sua filha, uma menina de oito anos, viveram durante um ano após o desaparecimento do amado cachorro da família, um Pug de três anos chamado Gordo.

 » Read more about: Através de anúncio na internet mulher descobre que cachorro desaparecido estava com vizinhos  »

Cãozinho tem duas patas amputadas por causa da falta de cuidados com seus pelos

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 abr 2018 - 9:20

Apesar de dar muito amor, algumas pessoas não têm condições financeiras para manter e cuidar de um cachorro da forma que eles precisam para ter uma boa saúde e até demoram para pedir ajuda quando os pets precisam. Porém, é importante lembrar que até a falta de cuidados básicos, como banho e tosa, podem causar problemas de saúde graves.

O cãozinho Bobb, um Poodle Toy, vivia com tutores sem teto. Por não terem condições financeiras para cuidar do cão,

 » Read more about: Cãozinho tem duas patas amputadas por causa da falta de cuidados com seus pelos  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 9:00

Durante consultas ou até mesmo em avaliações simples, médicos veterinários podem ser capazes de identificar se um animal está sendo vítima de maus-tratos ou de alguma negligência.

Pensando nisso e em ajudar a diminuir o número de animais maltratados pelos próprios tutores em nosso país, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou proposta que prevê a obrigação de médicos veterinários comunicarem imediatamente à Polícia Judiciária quando constatarem indícios de maus-tratos naqueles animais nos quais prestarem atendimentos médicos.

(Foto: Reprodução / Wide Open Pets)

O texto aprovado se insere na Lei 5517/68, que trata da profissão de médico veterinário.

De acordo com o relator, deputado Ricardo Izar (PP-SP), “é justo e necessário que essa comunicação seja realizada pelo estabelecimento, porém, o texto deixa dúvidas de como será feita e quem será responsável pela fiscalização dos estabelecimentos. Com a vinculação do dispositivo à Lei 5517/68, caberá aos Conselhos Federal e Regional de Medicina Veterinária, autarquia já constituída, a exercer a fiscalização do profissional e do estabelecimento para verificar o efetivo cumprimento da legislação”.

Ainda de acordo com o deputado, o governo não terá nenhum novo custo, pois a estrutura existente nos conselhos absorveria essa fiscalização como rotina.

De acordo com o texto aprovado, os comunicados de maus-tratos feitos pelos médicos veterinários para a polícia devem conter relatório assinado com algumas informações mínimas específicas como:
– nome, endereço e contato do acompanhante do animal no momento do atendimento;
– informações do atendimento prestado, contendo a espécie, raça e características físicas do animal, descrição de sua situação de saúde na hora do atendimento e os respectivos procedimentos adotados.

(Foto: Reprodução / Animal Lawyers)

Porém, foi retirada do texto a pena que previa interdição do estabelecimento para quem descumprir a medida.

A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Esperamos que esse passo ajude a diminuir os casos de violência contra animais de estimação no Brasil.

Fonte: Agência Câmara Notícias

Através de anúncio na internet mulher descobre que cachorro desaparecido estava com vizinhos

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 abr 2018 - 15:24

Só quem tem um cachorrinho desaparecido sabe o desespero que é o momento das buscas, de não saber como o animal está, e a tristeza que toma conta quando a esperança de encontrar o amado animal vai se acabando.

Foi com essa angústia e tristeza que a tutora Silmara Ribeiro do Amaral e sua filha, uma menina de oito anos, viveram durante um ano após o desaparecimento do amado cachorro da família, um Pug de três anos chamado Gordo.

Esses sentimentos deram lugar novamente para a esperança depois que Silmara viu um anúncio na internet que buscava uma “namorada” para um pequeno Pug em Itapetininga, município de São Paulo onde a mulher mora. Imediatamente a tutora reconheceu seu animal desaparecido e entrou em contato com as pessoas que fizeram a publicação no intuito de ter seu cachorrinho de volta.

Porém, ter o animal de volta em sua casa não foi tão fácil assim e a tutora precisou da ajuda da Justiça para que isso acontecesse.

Cachorro foi encontrado através de anúncio na internet. (Foto: Reprodução / G1 / Silmara Ribeiro do Amaral)

Apesar de os responsáveis pelo anúncio terem passado informações erradas para Silmara, a tutora não desistiu de encontrar seu cãozinho e continuou pesquisando na internet. Até que ela descobriu que as pessoas que estavam com o cachorro eram praticamente seus vizinhos e moravam apenas a uma quadra de distância.

“Não quiseram me informar o endereço, mas como sabia o bairro consegui descobrir que a casa onde meu cachorro estava ficava uma quadra da minha. Fui até lá e os moradores me contaram várias histórias. Uma hora disseram que tinham ganhado o cachorro ainda filhote, outra hora que o irmão de um deles quem achou. Eu falei que era meu e que tinha criança pequena que sofria pelo animal. Mas não quiseram devolver”, contou Silmara ao G1.

Como as pessoas que estavam com o animal se negaram várias vezes devolvê-lo, a tutora foi até o 2º Distrito Policial, onde registrou um boletim de ocorrência por apropriação de coisa achada.

Segundo Marcus Tadeu, delegado responsável pelo caso, as pessoas que estavam com o cachorro alegaram que não queriam devolvê-lo por já estarem muito apegados ao animal.

Família ficou muito feliz com o retorno do animal para casa. (Foto: Reprodução / G1 / Silmara Ribeiro do Amaral)

A tutora só conseguiu ter seu cãozinho de volta depois que um mandado de busca e apreensão foi expedido pela Justiça e os policiais conseguiram resgatar o cachorro da casa onde estava.

De acordo com o delegado, o caso vai ser investigado cuidadosamente e o casal que estava em posse do animal irá responder pelo crime de apropriação de coisa achada.

Após tanta tristeza, a família está muito feliz com a volta do amado cachorrinho para casa. “Foi algo de Deus eu ter visto aquele anúncio. Dias antes tínhamos perdido nossa cachorrinha. E o Gordo estava sumido. Minha filha estava tão triste com a morte da cachorrinha e com o desaparecimento do Pug. Até que vi o anúncio e encontrei nosso animal. Estamos muito felizes. Não tem nem o que dizer”, contou Silmara.

Fonte: G1