Entrevista com Vicente Define, departamento de comunicação da ONG Cão Sem Dono

por Samantha Kelly — publicado 14 jan 2013 - 12:36

A Cão Sem Dono é uma ONG de referência nacional e seu trabalho já foi reconhecido por diversas mídias. Aproximadamente 200 cachorros vivem em abrigos da instituição e buscam um novo lar para recomeçar.

Entrevistamos Vicente Define do departamento de comunicação da ONG Cão Sem Dono. Confira como foi e conheça mais o trabalho da ONG:

Sítio da ONG Cão Sem Dono em Itapecerica da Serra.

Como surgiu a Ong e qual o trabalho realizado atualmente?

A ONG surgiu oficialmente em 2005 da vontade do seu atual presidente, Rafael Miranda, em ajudar os animais das ruas. Ele já atuava como voluntário em alguns locais, mas sentiu necessidade de fazer mais. Reuniu um grupo de amigos e resolveu criar a ONG CÃO SEM DONO DE PROTEÇÃO ANIMAL.

Atualmente abrigamos 220 cães/mês. Na mesma proporção que doamos, resgatamos, mas não qualquer animal, e sim os que estão correndo risco de morte ou em que precisem atendimento veterinário de urgência. Todos os resgates são estudados e passam por uma comissão.

Nossos cães ficam em 2 canis, um em Itapecerica da Serra (sede) e outro na cidade de Paraibuna, ambos em São Paulo.

Além de abrigar animais, tratá-los e levá-los para nossas feiras diárias de adoção, realizamos mutirões de atendimento veterinário, organizamos visitas de escolas em nossos abrigos com palestras para estudantes, prestamos orientação jurídica, fazemos parte de várias ações que envolvam proteção a animais como o Crueldade Nunca Mais, além de integrarmos comissões de trabalho diversas como a que propôs à Secretaria Estadual do Meio Ambiente campanha nos parques públicos estaduais contra o abandono de animais.

Fotos do mutirão organizado pelo Cão Sem Dono – Cidade Tiradentes – São Paulo:
[nggallery id=273]
Vocês utilizam bastante as redes sociais. Como essa influência digital tem afetado o dia a dia?

As diversas redes sociais (Facebook, Twitter, Orkut, Youtube, etc) são hoje grande aliados dos animais, pois é através delas que chegam as denúncias, são adotados animais e são feitos os muitos pedidos de ajuda também.
Nós, como todas as outras ONGs, usamos muito as redes e estamos aos poucos investindo no crescimento de nossos contatos. Nossos números hoje são:

Twitter – 130.874 seguidores
Facebook – 2 página: Uma com 5 mil amigos e 6.723 assinantes de nossas notícias. A outra página conta com 11.848 curtidas.
Youtube 387.707 exibições.
Site do Cão Sem Dono: Cerca de 1.000 visitas por dia.

Fotos da visita do público ao sítio de Itapecerica da Serra – São Paulo:
[nggallery id=274]
A campanha “Cachorro na lixeira”, na nossa opinião, instiga o observador de uma maneira criativa quanto ao problema de abandono de animais e a relação quase descartável que alguns pseudo donos possuem com os pets. Como foi o início dessa ideia e qual a repercussão?

O vídeo “Cachorro na Lixeira” foi idealizado pela agência NewStyle para que pudessemos alertar sobre a questão do abandono. A repercussão foi imediata, inclusive com comentários em veículos ligados à propaganda em outros países.

Lamentavelmente precisaríamos de uma ação dessas por dia para inibir a questão do abandono de animais. O índice ainda é grande. As pessoas não entendem que é crime, e não há punição para isso também por parte das autoridades. Só no Estado de São Paulo acreditamos que há cerca de 2 milhões de animais nas ruas.

Abandonar um animal é o mesmo que cometer maus-tratos, e deveria ser punido com rigor.

Confira abaixo o vídeo “Cachorro na Lixeira”:


O problema de abandono e negligência de animais no nosso país é alarmante. Quais medidas precisam ser tomadas para que haja uma mudança?

É preciso que haja punição. As leis precisam ser aplicadas com rigor e a polícia e justiça precisam agir com mais integração para esses casos. Uma das boas alternativas é começar a trabalhar na conscientização de crianças nas escolas. Está na hora de mudarmos a questão “animais racionais e irracionais”. Campanhas diversas ajudam bastante também.
Porque adotar é a melhor opção?

Um animal quando vem das ruas, geralmente ele é mais resistente a doenças, por exemplo, e quando encontram um pouco de carinho e um lugar quentinho para passarem suas noites, além de água e comida, tornam-se mais amigáveis, carinhosos e fieis, mesmo porque não querem voltar para o local de onde vieram.
Recorda de alguma história em especial que marcou vocês?

São muitos os casos que nos chamam a atenção, mas um em especial foi a história do Ariel, resgatado doente das ruas. Após seu tratamento e resgate, reparamos que ele não aceitava a presença de humanos por perto. Tremia de medo cada vez que um de nossos tratadores entravam em seu canil para alimentá-lo ou até mesmo para limpar o local. Durante mais de um ano viveu assim, sem aceitar contato humano, até que uma pessoa de Salvador-BA se apaixonou por ele e veio buscá-lo, em uma negociação que demorou 3 meses.

Ariel ganhou um vídeo. Hoje está super bem, é amado e sabe retribuir isso com muito carinho também.

Confira o vídeo de Ariel:

Como as pessoas podem doar e ajudar o trabalho da Cão Sem Dono?

Gastamos cerca de R$ 150,00/mês com cada cão que abrigamos, incluindo salários de tratadores, luz, água, ração, veterinário, transporte para as feiras de adoção, entre outras despesas.

Para nos ajudar basta acessar nosso site. http://www.caosemdono.com.br

Toda ajuda é sempre bem vinda. Também retiramos doações na cidade de São Paulo como ração, remédios, produtos para venda em bazares, etc.
Cão Sem Dono nas redes:

Twitter – https://twitter.com/@caosemdono
Facebook – http://www.facebook.com/caosemdono
YouTube – http://www.youtube.com/user/vicsp1
Site – http://www.caosemdono.com.br/

Cachorro fica em incêndio e protege rebanho de cabras da família

por Andrezza Oestreicher — publicado 18 out 2017 - 9:21

Quanto mais nós conhecemos novos cachorros e ficamos sabendo das diferentes histórias envolvendo estes animais pelo mundo todo, mais nós nos encantamos e nos surpreendemos com a quantidade de amor e lealdade que eles são capazes de oferecer.

No condado de Sonoma, na Califórnia, um cachorro se arriscou durante um grande incêndio para proteger o rebanho de cabras de sua família.

De acordo com Roland Hendel, proprietário do lugar, ele não teve tempo de salvar todos os membros de sua família do fogo.

 » Read more about: Cachorro fica em incêndio e protege rebanho de cabras da família  »

Califórnia proíbe a venda de animais provenientes de “fábricas de filhotes”

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 out 2017 - 18:31

O governador da Califórnia, nos Estados Unidos, deu um enorme passo para o fim da comercialização de animais de estimação. A partir do ano que vem, será proibida a venda de cães, gatos e coelhos provenientes de criadores ilegais e de fábrica de filhotes no estado norte-americano.

De acordo com uma nova lei, que foi assinada pelo governador Jerry Brown no dia 13 de outubro e entrará em vigor no dia 1º de janeiro de 2019,

 » Read more about: Califórnia proíbe a venda de animais provenientes de “fábricas de filhotes”  »

Paolla Oliveira aproveita tempinho livre para relaxar com cachorro

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 out 2017 - 9:36

A atriz Paolla Oliveira é uma amante de cachorros assumida e nós já demos muitas provas disso aqui no Portal do Dog.

Tutora de três cachorros (dois deles adotados) e 11 gatos, Paolla também é madrinha da ONG Paraíso dos Focinhos e sempre está participando de campanhas para ajudar a instituição, além de incentivar a adoção.

Pronta pra semana… Só que no horário de verão. 😂🙆

 » Read more about: Paolla Oliveira aproveita tempinho livre para relaxar com cachorro  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Cachorro fica em incêndio e protege rebanho de cabras da família

por Andrezza Oestreicher — publicado 18 out 2017 - 9:21

Quanto mais nós conhecemos novos cachorros e ficamos sabendo das diferentes histórias envolvendo estes animais pelo mundo todo, mais nós nos encantamos e nos surpreendemos com a quantidade de amor e lealdade que eles são capazes de oferecer.

No condado de Sonoma, na Califórnia, um cachorro se arriscou durante um grande incêndio para proteger o rebanho de cabras de sua família.

A propriedade ficou completamente destruída. (Foto: Reprodução / Facebook Roland Tembo Hendel)

De acordo com Roland Hendel, proprietário do lugar, ele não teve tempo de salvar todos os membros de sua família do fogo. Além de seus filhos, ele tem ainda dois cães e oito cabras. Quando percebeu o fogo se aproximando de sua casa, ele só teve tempo de salvar as crianças e um dos cães, Tessa.

O cachorro Odin estava com as cabras. Ele poderia ter fugido e Roland não conseguia entender qual o motivo do cão ter continuado onde estava.

Roland perdeu absolutamente tudo, mas sua maior dor era em relação seu grande amigo Odin e as cabras que tinham ficado no incêndio. Ele estava se sentindo bastante culpado por não ter conseguido salvar os animais. “Eu tinha certeza de que os tinha condenado a uma morte horrível e agonizante”, escreveu ele em uma rede social.

Apesar de bastante exausto e sujo, o cão Odin foi encontrado vivo junto com as cabras. (Foto: Reprodução / Facebook Roland Tembo Hendel)

Quando o fogo acabou e ele teve permissão de voltar ao local onde ficava sua casa, Roland e sua família tiveram uma surpresa maravilhosa. Em meio à devastação total da casa, oito de suas cabras resgatadas e o cachorro Odin continuavam na área, vivos, apesar de visivelmente cansados.

Odin estava bastante exausto e sujo por conta da fumaça, mas parecia estar bem. O reencontro com a família, principalmente com a cadela Tessa, deixou o cão bem animado.

“Ele parece estar ficando mais forte, e a presença de sua irmã seguramente ajudará a levantar seus espíritos e tirar um pouco do peso de seus ombros gigantes”, afirmou Roland.

O reencontro com sua família deixou Odin muito animado. (Foto: Reprodução / Facebook Roland Tembo Hendel)

Todos acreditam que o cão tenha ficado no local para cuidar das cabras, pois ele sabia que isso era sua responsabilidade no momento em que aconteceu o incêndio. Porém, como eles conseguiram se salvar continua sendo um grande mistério.

Fonte: Life With Dogs

Califórnia proíbe a venda de animais provenientes de “fábricas de filhotes”

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 out 2017 - 18:31

O governador da Califórnia, nos Estados Unidos, deu um enorme passo para o fim da comercialização de animais de estimação. A partir do ano que vem, será proibida a venda de cães, gatos e coelhos provenientes de criadores ilegais e de fábrica de filhotes no estado norte-americano.

De acordo com uma nova lei, que foi assinada pelo governador Jerry Brown no dia 13 de outubro e entrará em vigor no dia 1º de janeiro de 2019, as lojas de animais e pet shops de toda a Califórnia só poderão oferecer animais vindos de abrigos ou provenientes de resgates.

Os locais conhecidos como “fábricas de filhotes”, na maioria das vezes, não possuem a estrutura certa para manter os animais. (Foto: Reprodução / Gaikphotos)

As lojas que forem flagradas vendendo animais vindos de criadores ilegais ou de fábricas de filhotes poderão receber multas de até 500 dólares.

Essa proibição tem como objetivo acabar com as chamadas “fábricas de filhotes”, locais onde animais são confinados apenas com a finalidade de reproduzir para que os donos tenham lucro financeiro com a venda dos filhotes. E tudo isso em larga escala, ou seja, em grandes quantidades.

A preocupação com este tipo de comércio é muito grande, pois esses locais não oferecem a estrutura e nem os cuidados que os animais precisam, tanto matrizes (como são conhecidas as cadelas reprodutoras, as mamães) quanto filhotes.

Nesses locais, as cadelas matrizes, as mães, não recebem nenhum tipo de cuidado e são bastante negligenciadas. (Foto: Reprodução / One Green Planet)

Essa falta de cuidados e condições pode causar doenças e até traumas nos animais. Além disso, na maioria das vezes as pessoas que compram animais provenientes destes lugares nem imaginam como os bichinhos viviam antes de serem levados para o novo lar.

36 cidades da Califórnia, incluindo Los Angeles, San Francisco e San Diego, já proíbem a criação em massa, em grande quantidade. Agora, a proibição da venda é em todo o estado. Porém, criadores particulares ainda poderão vender animais de forma independente.

Nas “fábricas de filhotes” os animais vivem amontoados e muitas vezes em meio a muitas sujeiras. (Foto: Reprodução / schnauzerfriendsza)

“Quando os consumidores compram cachorros e gatinhos nas lojas de animais, desconhecem, muitas vezes, a origem dos animais e contribuem para uma indústria triste e de sofrimento”, disse Deborah Howard, presidente da Companion Animal Protection Society (CAPS), que acredita que a mudança irá ajudar a quebrar um ciclo de crueldade e maus-tratos, principalmente com as cadelas utilizadas apenas para procriar e que acabam sendo descartadas quando não podem mais ter filhotes.

Fonte: The Telegraph / Jornal de Notícias