Natação canina

Saiba o que fazer para manter seu cão seguro na água

por Samantha Kelly — publicado 18 fev 2013 - 0:29

A natação canina pode ser uma ótima alternativa para o seu cão enfrentar o calor, relaxar e se exercitar de uma maneira divertida. Existem terapias na água para cães com problemas de quadril, de ligamentos e que trabalham com cachorros que estão recuperando de uma cirurgia.

Cachorros nadando. Foto: Reprodução

Os pontos positivos são vastos, a questão é que nem todos os cães sabem ou podem nadar. Essa afirmação pode surpreender alguns donos, já que para muitos seria praticamente um fato consumado no inconsciente coletivo das pessoas que os cães são nadadores natos. A verdade é que algumas raças têm sim dificuldade.

Se você colocar qualquer cão na água, ele vai imediatamente começar a nadar naquele movimento que nós comumente conhecemos como “nadar cachorrinho”, porém alguns não vão conseguir sair do lugar ou flutuar e podem afundar como uma pedraSaiba como garantir que o seu cão tenha uma experiência agradável na água.

 

Raças que podem nadar

 

Natação canina. Foto: Reprodução

Raças que foram criadas para realizar resgates e caçar em ambientes com água, geralmente se sentem muito confortáveis quando podem nadar.  O corpo dessas raças, com seus membros fortes, faz com que elas nadem com mais naturalidade.

Exemplo de raças que podem ser ótimos natadores: Labrador Retriever, Golden Retriever, Terra Nova, Cão de água Irlandês, Cão d’Água Português, Setters, etc.

OBS: Deve-se levar em consideração que a descrição da raça é uma propensão, não uma regra absoluta. Muitos cães que fisicamente são perfeitamente capazes de nadar, simplesmente não gostam da água. O seu cão é um indivíduo com gostos particulares que cabem ao dono serem lidos e compreendidos. Não é porque você tem um cão da raça Golden Retriever, que ele vai com certeza gostar de nadar.

 

Cães que podem ter dificuldade de nadar

 

O Buldogue Inglês possui dificuldade de nadar. Foto: Reprodução

A dificuldade para nadar de alguns cães está mais associada à seu corpo, sua anatomia e fisiologia, do que propriamente a uma incapacidade de se mexer debaixo d’água.

Abaixo listamos alguns motivos que dificultam o seu cão na hora da natação:

Cães braquicefálicos (que possuem a famosa “cara amassada”. ex.: Buldogue, Pug, boxer, etc) possuem mais  dificuldade para nadar já que para respirar, eles precisam manter a boca e o nariz acima do nível da água, deixando-os praticamente em posição vertical, o que faz com que afundem.

Quanto mais “amassado” o focinho, mais dificuldade o cão terá para nadar.

Cães com cabeças desproporcionais ao seu corpo, assim como uma densa massa muscular, o que significa que quando o cão estiver flutuando, ele irá naturalmente afundar para frente, tornando difícil manter a cabeça para fora da água e a flutuabilidade.

Cães com pernas pequenas e desproporcionais ao seu corpo, como o Dachshund ou o Basset Hound, já que suas patas não são grandes o suficiente para manter o corpo e a flutuabilidade.

Cães com pelagem densa podem encontrar dificuldade para nadar já que uma vez que estiverem molhados, o peso da pelagem aumenta, significando uma força afundar o cão.

Cães que possuem alguma deficiência física. Cabe ao dono analisar se o tipo de deficiência física vai impedir ou dificultar a natação do cão a ponto de colocar a sua saúde em perigo.

 

O site Pets4Homes listou algumas raças com dificuldades para nadar:

 

Raças que possuem dificuldade de nadar. Foto: Reprodução

Buldogue Inglês: Por seu um cão com uma cabeça desproporcional e ser braquicefálico, ele pode afundar rapidamente. O  caso do Buldogue Inglês é tão sério que algumas ONGS e criadores quando vão realocá-lo em um novo local checam se os cães irão ter acesso à água para informar o novo dono.

Pug: Porque o Pug é braquicefálico e seu focinho é exageradamente amassado, ele possui ainda mais dificuldade para nadar.

Pequinês: Braquicefálico, o Pequinês não consegue manter o focinho acima da água em posição para nadar.

Boxer: Também um cão braquicefálico. Alguns com o focinho mais longo ainda conseguem nadar.

Stafforshire Bull Terrier: No geral não conseguem nadar devido ao tamanho da cabeça em proporção ao corpo.

American Bull Terrier e Buldogue Americano: Com físico similar ao do Sttafordshire Bull Terrier, não conseguem manter a cabeça acima da água e flutuar.

Basset Hound: Pernas curtas e estrutura óssea pesada que dificultam a natação.

Dachshund: Pernas muito curtas em relação ao corpo.

 

Mantendo seu cão seguro na água

 

Como já citamos anteriormente, o dono nunca deve deixar o cachorro sozinho na água sem supervisão. Até mesmo o mais experiente dos cães pode ficar nervoso ou perder o controle e afundar. Os afogamentos podem acontecem muito rápido e em questão de minutos que você não está olhando uma tragédia pode acontecer.

No geral, o dono sempre deve estar supervisionando enquanto o cão está na água, de preferência de perto para poder auxiliá-lo em qualquer dificuldade.

Fique atento para sinais de cansaço e excitação extrema.

 

Produtos: 

 

Colete salva vidas é uma peça fundamental para os cães que vão nadar. Foto: Reprodução

Na seção “Dica de Compra” do Portal do Dog, indicamos duas possibilidades que podem ajudar passeios que incluem diversão na água.

A primeira é um colete salva vidas feito especificamente para cachorros. É importante para que o seu cão tenha mais segurança ao nadar (veja aqui).

A segunda é uma piscininha de plásticos do tipo infantil, para que o seu cão possa se exercitar e se refrescar, mesmo que não esteja acostumado com piscinas fundas. Verifique a quantidade de água, pois para raças do tipo Toy e filhotes, até mesmo uma piscina rasa pode ser grande (veja aqui).

 

Treinando seu cão para um dia de natação

 

Dicas para uma natação canina agradável. Foto: Reprodução

Para alguns cães, o difícil não é fazer com que eles entrem na piscina, e sim fazê-los sair! Eles amam a água e não perdem uma oportunidade de nadar e se divertir.

Entretanto, se o seu cão têm medo, treme e evita chegar perto da piscina, é necessário paciência e atenção do dono.

Primeiramente, é importante transmitir tranquilidade. Quando ele estiver a caminho da água, encoraje-o com recompensas e elogios.

Para cães que gostam de brincar de Fetch, jogue um brinquedinho perto, e progressivamente mais longe, acostumando o  animal a nadar e se mover dentro da água.

Se o seu cão for nadar na piscina, é necessário que haja uma escada para que o cão saia quando quiser.

O mar ou um lago podem ser mais fáceis para o cão entrar já que há um declínio natural no terreno e o cão pode ir sentindo o cheio natural no chão.

Não deixar que o cão nade em lugares com correnteza.

Sempre cheque se o seu cão está cansado.

Coreia do Sul não vai parar de servir carne de cachorro durante Olimpíadas de Inverno

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 fev 2018 - 18:40

Sabendo que o consumo de carne de cachorro é muito grande na Coreia do Sul, onde se acredita que este tipo de carne é uma rica fonte de energia e são abatidos cerca de 2 milhões de cães todos os anos, ativistas animais intensificaram ainda mais as campanhas para tentar dar fim a esta prática.

Além de diversos protestos realizados em Seul, capital da Coreia do Sul, também foram feitas petições on-line pedindo o boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang 2018,

 » Read more about: Coreia do Sul não vai parar de servir carne de cachorro durante Olimpíadas de Inverno  »

Homem encontra cachorro perdido em frente a portão de fazenda

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 fev 2018 - 9:34

Edi Paulo Dalbosco, policial aposentado, logo percebeu quando um cãozinho apareceu, no dia 13 de fevereiro, do lado de fora de uma fazenda localizada na região da zona rural de São Francisco de Paula, na Serra do Rio Grande do Sul, região onde vive.

De acordo com o Sr. Edi, ele até chegou a tentar levar o cachorro perdido para a sua casa, onde tem outros dois cães, mas o animal não quis sair de jeito nenhum de onde estava.

 » Read more about: Homem encontra cachorro perdido em frente a portão de fazenda  »

Mãe e filha escolhem o mesmo presente uma para outra e família ganha dois cachorros

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 fev 2018 - 9:33

No dia 14 de fevereiro é comemorado o Valentine’s Day (ou dia de São Vallentin) em muitos países do mundo. A data é como o Dia dos Namorados para nós brasileiros, porém ainda mais amplo, pois, além de casais e romance, também são celebradas as relações de amor de amizade e entre familiares, como mães e pais e seus filhos.

Nos Estados Unidos, um vídeo que mostra o momento em que mãe e filha trocam presentes acabou viralizando nas redes sociais.

 » Read more about: Mãe e filha escolhem o mesmo presente uma para outra e família ganha dois cachorros  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Coreia do Sul não vai parar de servir carne de cachorro durante Olimpíadas de Inverno

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 fev 2018 - 18:40

Sabendo que o consumo de carne de cachorro é muito grande na Coreia do Sul, onde se acredita que este tipo de carne é uma rica fonte de energia e são abatidos cerca de 2 milhões de cães todos os anos, ativistas animais intensificaram ainda mais as campanhas para tentar dar fim a esta prática.

Além de diversos protestos realizados em Seul, capital da Coreia do Sul, também foram feitas petições on-line pedindo o boicote aos Jogos Olímpicos de Inverno de Pyeongchang 2018, evento que teve sua abertura no dia 9 de fevereiro e segue até o dia 25 deste mesmo mês.

Ativistas fizeram protestos e intensificaram campanhas para acabar com o consumo de carne de cachorro. (Foto: Reprodução / AFP / Arquivos)

As próprias autoridades locais até tentaram intervir e evitar que carne de cachorro fosse servida por restaurantes na cidade sede das Olimpíadas de Inverno durante os dias em que o evento estivesse sendo realizado.

Porém, mesmo sendo oferecidos subsídios em troca dessa breve paralisação nas vendas de carne de cachorro, o oficial do governo de Pyeongchang, Lee Yong-Bae, informou que apenas dois, de um total de 12 restaurantes, acataram a solicitação.

Para evitar “uma impressão ruim dos estrangeiros”, os restaurantes substituíram os anúncios que mostram pratos feitos com carne de cachorro por pratos considerados “mais neutros”, como o yeomsotang (sopa de cabra).

Felizmente, de acordo com informações locais, à medida que os cães passam a ser vistos como animais de estimação, o consumo de carne de cachorro está diminuindo, principalmente entre a população mais jovem.

Fonte: Diário Catarinense / Agence France-Presse

Homem encontra cachorro perdido em frente a portão de fazenda

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 fev 2018 - 9:34

Edi Paulo Dalbosco, policial aposentado, logo percebeu quando um cãozinho apareceu, no dia 13 de fevereiro, do lado de fora de uma fazenda localizada na região da zona rural de São Francisco de Paula, na Serra do Rio Grande do Sul, região onde vive.

De acordo com o Sr. Edi, ele até chegou a tentar levar o cachorro perdido para a sua casa, onde tem outros dois cães, mas o animal não quis sair de jeito nenhum de onde estava. Ele afirmou ainda que conversou com vizinhos para saber se alguém conhecia o animal, mas nenhum deles sabia de quem era o cachorro.

O cachorro não quer sair da frente deste portão que dá acesso a uma fazenda. (Foto: Reprodução / G1 / Edi Paulo Dalbosco)

O homem não pensa que o animal tenha sido abandonado. Ele acredita que o cachorro vive na fazenda ou deve ser dos proprietários do local. Ainda de acordo com o Sr. Edi, os donos do sítio vão até lá apenas nos finais de semana.

“Tem um pessoal que tem um sítio, fazenda, que vem no fim de semana e volta para a cidade. Provavelmente o cachorro se perdeu, seguiu o rastro até o portão e ficou ali esperando. Tentei chamar ele aqui para a minha morada, onde tenho mais dois, mas ele preferiu ficar”, contou o homem, que ficou preocupado com o cão e levou comida e água para ele.

Ainda na noite da última quinta-feira, dia 15 de fevereiro, o cão continuava no mesmo local. O Sr. Edi espera que os proprietários da fazenda visitem o local neste fim de semana e que o animal seja mesmo deles.

Caso alguém tenha informações que ajudem a encontrar os tutores do cachorro, é só entrar em contato através do número (54) 99954-9644.

Fonte: G1