O seu cachorro acabou de chegar ou está chegando à sua casa e você não preparou nada?

Ajudando um filhote a se acostumar com a nova casa

por Olivier Soulier — publicado 22 ago 2013 - 16:27

Em função do caráter próprio, ele pode ficar de pouco a muito inibido durante os primeiros momentos, às vezes, somente umas horas, outras, alguns dias.

Acostumando um filhote a nova casa. Foto: Reprodução

Acostumando um filhote a nova casa. Foto: Reprodução

Ao deixar a mãe e os irmãos, ele vai perder todas as referências e vai precisar de um tempo para se adaptar e se socializar com os membros do novo grupo, ou seja, você e a sua família.

Ele vai ter que se adaptar a todos, ao novo ambiente, às condições e regras de convivência que vai encontrar e isso pode ser bastante impressionante e até desesperador para o filhote.

Nesta fase é primordial a ajuda, a solicitude, a proteção e o carinho, quase que constante, dos proprietários, tanto para ele ganhar confiança no novo contexto e ambiente, como para a socialização inter espécies, mais que saudável para o futuro relacionamento com a família e a sociedade humana em geral.

Logo em seguida, se torna necessário instaurar o que chamamos de novo período de desligamento. Como a mãe o faz em condições naturais, os familiares começam a impor ao filhote, que durma no local reservado a ele e não mais ficar colado à mãe ou ao pai adotivo, deixando de ser o neném, quase que constantemente superprotegido, e sim, começar a ter sempre mais atividades próprias ou com os “irmãos” humanos e encontrar uma forma de participação mais ativa dentro do grupo.

A mais, de necessário para o amadurecimento, isso vai amenizando e até eliminando rapidamente qualquer reação de estresse devido a “angústia de separação” que nossos pets apresentam tão frequentemente em nossos lares, justamente pela hiperdependência, consequência da forma superprotetora e inibidora mantida tempo demais por nós, humanos-corujas.

Os comportamentos desagradáveis, até insuportáveis, devido aos importantes estresses por angústia de separação, são acentuados pelos desequilíbrios consecutivos tanto da falta de regras, limites e restrições como da escassez de atividades e ocupações por ser criado sem mais ter que lutar por alimentos, água, espaços, parceiros, se defendendo, se protegendo de catástrofes naturais ou outros predadores.

Depois desse primeiro tempo de avaliação, de ganho de confiança e de encaixamento (posicionamento) hierárquico e afetuoso dentro da família, ele vai começar a explorar sistematicamente todos os ambientes do novo território, todos os móveis, todos os objetos comestíveis ou não que ele vier a aproximar durante essas novas experiencias.

Nesse segundo tempo, depois de alguns dias, quando o filhote estiver mais à vontade, ambientado, deve se ensinar todos os perigos, as regras e os limites da casa.

Como as crianças humanas e, ainda mais, por não possuir dedos preênseis, essa exploração se faz com a boca e, evidentemente, eles não nascem sabendo o bom, o ruim, o saudável, os perigos, o que podem ou o que não podem.

Aliás, a imaginação, a energia e a insistência que podem empregar para atingir, mastigar, destruir e ingerir o que estiver ao alcance deles, são quase sempre inesgotáveis.

São os proprietários, os tutores humanos, que têm o papel de ensiná-los, de assisti-los, de preservá-los.

É também nesse momento que deve se ensinar o local do banheiro, os objetos que o filhote pode e deve mordiscar, o respeito aos pertences, ambientes, móveis e pessoas.

 

Sem mais por enquanto, espero que você também encontre um novo equilíbrio e uma convivência muito mais agradável com o seu filhote.

Um grande abraço para todos!

PS: Meus textos são usados em seminários, palestras e cursos e juntados para confecção de livros sobre o assunto. Agradeço para não repassar sem minha autorização expressa e escrita.

 

Voluntários resgatam cão que ficou 24h preso em tubulação em Santos

por Andrezza Oestreicher — publicado 11 dez 2017 - 18:31

Durante um passeio com seu tutor, um pequeno cãozinho da raça Chihuahua se soltou de sua coleira e fugiu. Porém, o animal acabou caindo em um canal e ficando preso em tubulação da rede pluvial de Santos, no litoral de São Paulo, que coleta água da chuva de bueiros e a despeja no Canal 6.

“Eu estava passeando com ele de tarde quando ele se soltou da coleira, saiu correndo e caiu no canal”,

 » Read more about: Voluntários resgatam cão que ficou 24h preso em tubulação em Santos  »

Bruno Gagliasso faz parceria com Ibama e constrói casa de recuperação para animais silvestres

por Andrezza Oestreicher — publicado 11 dez 2017 - 9:30

O ator Bruno Gagliasso e sua esposa, a também atriz Giovanna Ewbank, são apaixonados por cachorros. O casal é, atualmente, tutor de sete cães e já ajudou animais abandonados a encontrarem novas famílias.

Porém, o amor que a família tem pelos animais não se restringe somente aos cachorros. E prova disso é o que Bruno está fazendo para ajudar a milhares de animais silvestres em nosso país.

Quando a felicidade invade o coração e alma….

 » Read more about: Bruno Gagliasso faz parceria com Ibama e constrói casa de recuperação para animais silvestres  »

Cadelinha mantida presa por usuários de droga é resgatada por agentes da Polícia Federal

por Andrezza Oestreicher — publicado 9 dez 2017 - 18:38

As drogas podem ser as causadoras de graves problemas, como furtos, roubos, podem causar ainda a destruição de famílias e até morte, principalmente dos seus usuários.

No Paraná, mais um grave problema que tem as drogas como causa foi descoberto pela Polícia Federal. Usuários de drogas, mais especificamente de crack, estavam prendendo cachorros para que eles fossem abatidos e comidos, como churrasco.

Mãezinha é um dos animais que teve a sua vida salva pelos policiais.

 » Read more about: Cadelinha mantida presa por usuários de droga é resgatada por agentes da Polícia Federal  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Voluntários resgatam cão que ficou 24h preso em tubulação em Santos

por Andrezza Oestreicher — publicado 11 dez 2017 - 18:31

Durante um passeio com seu tutor, um pequeno cãozinho da raça Chihuahua se soltou de sua coleira e fugiu. Porém, o animal acabou caindo em um canal e ficando preso em tubulação da rede pluvial de Santos, no litoral de São Paulo, que coleta água da chuva de bueiros e a despeja no Canal 6.

“Eu estava passeando com ele de tarde quando ele se soltou da coleira, saiu correndo e caiu no canal”, contou Luiz Skitnevsky, tutor do animal.

O resgate do animal foi feito por voluntários, que contaram com a ajuda da equipe da Coordenadoria de Defesa da Vida Animal. (Foto: Reprodução / Prefeitura de Santos / Isabela Carrari)

No mesmo dia em que seu cachorro caiu no canal, os bombeiros foram chamados para fazer o resgate. Porém, como o animal, que se chama Junior, estava muito assustado, cada vez que via os soldados se aproximando, ele se afastava.

O trabalho teve de ser suspenso durante toda a noite e madrugada e foi retomado no dia seguinte ao acidente. “À noite, pedi para um morador de rua ficar monitorando e, se caso o cachorro saísse da tubulação, ele pegaria pra mim”, disse Luiz.

No outro dia, voluntários voltaram para tentar resgatar o cãozinho Junior e dessa vez contaram com a ajuda da equipe da Coordenadoria de Defesa da Vida Animal (Codevida). “Como havia um banco de areia que impedia de chegarmos até o cachorro, conseguimos maquinário para abrir caminho”, explicou Leila Abreu, coordenadora do órgão.

O cãozinho estava bastante sujo, mas não apresentava ferimentos. (Foto: Reprodução / Prefeitura de Santos / Isabela Carrari)

Leila Abreu também explicou que a família do animal acompanhou o resgate e negou que Junior fosse vítima de maus-tratos. O cãozinho foi devolvido para o seu tutor logo depois que um voluntário conseguiu retirá-lo da tubulação.

Junior, que estava bastante sujo, mas não apresentava ferimentos, foi imediatamente levado para uma clínica veterinária, onde foi examinado e logo liberado para voltar para casa. “Estávamos nervosos e desde ontem acompanhamos tudo. Foi um alívio e agora estamos felizes”, disse o tutor do animal.

Fonte: G1

Bruno Gagliasso faz parceria com Ibama e constrói casa de recuperação para animais silvestres

por Andrezza Oestreicher — publicado 11 dez 2017 - 9:30

O ator Bruno Gagliasso e sua esposa, a também atriz Giovanna Ewbank, são apaixonados por cachorros. O casal é, atualmente, tutor de sete cães e já ajudou animais abandonados a encontrarem novas famílias.

Porém, o amor que a família tem pelos animais não se restringe somente aos cachorros. E prova disso é o que Bruno está fazendo para ajudar a milhares de animais silvestres em nosso país.

O ator firmou uma parceria com o Ibama e o Instituto Vida Livre e transformou o seu rancho pessoal em um centro de recuperação e área de soltura de animais silvestres que sofreram e foram resgatados do tráfico de animais.

“Você sabia que o Rio de Janeiro é a principal rota do tráfico de animais silvestres? Por isso há tanto bicho sofrendo”, explica o ator.

No rancho, que fica localizado em Secretário, na Serra Fluminense, está sendo construída uma casa que servirá como hospital, onde os animais receberão os cuidados e tratamentos necessários antes de serem recolocados na natureza.

“Acabamos de libertar um veado e estamos cuidando de um lobo-guará. Montei ainda um viveiro para reensinar pássaros machucados a voar”, conta Bruno.

Os custos da construção da casa, que já está sendo feita e será toda sustentável, com placas solares, reuso d’água, teto verde e cortinas automáticas para preservar a temperatura ambiente conforme o deslocamento do sol, devem chegar aos 3 milhões de reais.

A obra deverá ficar pronta no primeiro semestre de 2018, porém, animais recuperados já estão sendo soltos no terreno.

Fonte: Veja Rio