A China que não come carne de cachorros

A cultura milenar entra em choque com valores relativamente novos e que em um passado recente não pertenciam a maior população do mundo.

por Samantha Kelly — publicado 17 jun 2015 - 20:32

Apesar de ser muito mais comum escutar falar sobre o consumo de carne canina na China, o que leva muitos a chegarem a conclusão que todos os chineses comem carne de cachorro, existe um grande número de pessoas que não são adeptas a essa prática e lutam para que haja uma mudança de hábitos nesse país milenar.

Para nós que fazemos parte de uma cultura que além de não comer cães, deposita na espécie um papel emocional grande, a ideia de um cachorro servir de comida é chocante e totalmente tabu.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Mesmo que em regiões como o sul e nordeste da China, muitos considerem a carne canina uma iguaria e escolham persistir com a tradição que data há milhares de anos, houve claramente uma mudança significativa de pensamento a partir do século 21, com o consumo geral caindo em um terço em comparação com 2013.

Três fatores são cruciais nessa mudança: o primeiro sendo o governo local implementando regras mais rígidas; o segundo a pressão da comunidade internacional e uma própria mudança no comportamento de muitos chineses que passaram a possuir cães como animais de estimação; e a terceira sendo o incentivo à atenção com a procedência das carnes, com muitos animais de estimação sendo roubados para o consumo posterior utilizando até mesmo técnicas como o envenenamento.

Em casos específicos no país, como o de Hong Kong, é proibido o consumo de carne canina desde seus tempos como colônia britânica em 1950, penalizando para os que forem contra a norma multa ou empresionamento.

Mais recente, restaurantes renomados, como o Sunshine, em Guangzhou, que primeiro abriu suas portas em 1963, se vêem obrigados a fechar as portas por que a demanda pela carne canina está caindo. Outros estabelecimentos das redondezas não fecharam as portas ainda, mas escolheram retirar as carnes caninas e felinas de seus cardápios em resposta a crescente preocupação com o bem estar animal.

Protetores de animais param um caminhão que carregava 500 cães para o mercado em Beijing. Foto: AFP

Protetores de animais param um caminhão que carregava 500 cães para o mercado em Pequim. Foto: AFP

Com a globalização e a influência dos países ocidentais, as grandes cidades da China estão cada vez mais suscetíveis à mudança. Um exemplo de como a opinião internacional tem sido fundamental na questão é o caso das Olimpíadas de Pequim, em 2008, quando os oficiais ordenaram que os 112 restaurantes credenciados retirassem itens que envolvessem carne de cachorros de seus menus para não gerar comoção com os turistas.

Iniciativas locais como a Chinese Animal Protection Network (CAPN) e outros grupos de protetores estrangeiros, como a norte-americana Duo Duo Animal Welfare, lutam para que o consumo seja abolido. A briga é grande e as dificuldades não ficam só com a tradição, mas com o fato de ser tecnicamente legal comer um cachorro ou gato no país e com o argumento dos que consomem e vendem carne canina, que chamam de hipocrisia a ideia de que alguns animais podem ser comidos e outros não.

Para adicionar mais pressão de fora, movimentos online ganham força graças as redes sociais e contam com o peso de nomes famosos no entretenimento, como o do comediante Ricky Gervais. Vimos uma grande movimentação contra o Festival de carne canina que comemora o Solstício de Verão em Yulin, na região de Guangxi, este possuindo uma estimativa de abate de mais de 10 mil cães. A hashtag #stopyulin2015 foi usada milhares de vezes no Twitter e uma petição contra o evento no site Change.org teve mais de 200 mil assinaturas. Apesar de tanto o Twitter quanto o Facebook serem proibidos na China, a discussão dentro do país segue viva e utilizando a rede social Weibo, 350 mil pessoas participaram de um forum debatendo sobre o tema, com argumentos tanto contra quanto a favor.

A força da mudança é sentida na prática, até mesmo causando o fim do festival em Qianxi, na província da Zhejiang, que era similar ao de Yulin e já existia há 600 anos.

Foto: Flickr/Animals Asia

Foto: Flickr/Animals Asia

No geral, apesar de a China não ser um exemplo quando o assunto é o direito nos animais, vários países como um todo não o são, incluindo o Brasil. No caso dos chineses, a cultura milenar entra em choque com valores relativamente novos e que em um passado recente não pertenciam a maior população do mundo. A mudança envolve economia, tradição, hábitos alimentares arraigados através de dezenas de gerações e muita história. Segundo uma investigação de quatro anos da  NGO Animals Asia, apesar de ser um mercado em sua grande maioria sem regulamentação, estima-se que 10 milhões de cães sejam consumidos na China todo ano.

Especificamente quanto ao consumo da carne canina, os motivos vão desde o afastamento de má sorte à fatores afrodisíacos. Ainda há registros de consumo da carne em diversos países no mundo, seja por parcelas grandes da população ou por minorias. A mudança real é mais complexa e fragmentada, já que cada região possui suas próprias leis e culturas e vive de acordo com o que julgam ser o certo.

De casa ao trabalho, Ana Maria Braga tem sempre a gostosa companhia de seus cachorros

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 18:45

Tem muito tutor por aí que seria muito mais feliz no trabalho se pudesse ter a companhia do seu animal de estimação durante o tempo que precisa ficar fora de casa se dedicando a sua profissão.

Aqui no Brasil ainda são poucas as empresas que permitem a presença dos pets de seus funcionários. Mas algumas pessoas têm bastante sorte de poder ter a companhia de seus amados peludos em todo lugar, e uma delas é a querida apresentadora Ana Maria Braga.

 » Read more about: De casa ao trabalho, Ana Maria Braga tem sempre a gostosa companhia de seus cachorros  »

Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 9:00

Durante consultas ou até mesmo em avaliações simples, médicos veterinários podem ser capazes de identificar se um animal está sendo vítima de maus-tratos ou de alguma negligência.

Pensando nisso e em ajudar a diminuir o número de animais maltratados pelos próprios tutores em nosso país, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou proposta que prevê a obrigação de médicos veterinários comunicarem imediatamente à Polícia Judiciária quando constatarem indícios de maus-tratos naqueles animais nos quais prestarem atendimentos médicos.

 » Read more about: Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia  »

Através de anúncio na internet mulher descobre que cachorro desaparecido estava com vizinhos

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 abr 2018 - 15:24

Só quem tem um cachorrinho desaparecido sabe o desespero que é o momento das buscas, de não saber como o animal está, e a tristeza que toma conta quando a esperança de encontrar o amado animal vai se acabando.

Foi com essa angústia e tristeza que a tutora Silmara Ribeiro do Amaral e sua filha, uma menina de oito anos, viveram durante um ano após o desaparecimento do amado cachorro da família, um Pug de três anos chamado Gordo.

 » Read more about: Através de anúncio na internet mulher descobre que cachorro desaparecido estava com vizinhos  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

De casa ao trabalho, Ana Maria Braga tem sempre a gostosa companhia de seus cachorros

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 18:45

Tem muito tutor por aí que seria muito mais feliz no trabalho se pudesse ter a companhia do seu animal de estimação durante o tempo que precisa ficar fora de casa se dedicando a sua profissão.

Aqui no Brasil ainda são poucas as empresas que permitem a presença dos pets de seus funcionários. Mas algumas pessoas têm bastante sorte de poder ter a companhia de seus amados peludos em todo lugar, e uma delas é a querida apresentadora Ana Maria Braga.

Família ❤️ #maisvoce

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

⚫⚪ #lookdodia

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Ana Maria está sempre com o cenário do seu programa recheado de peludos, pois seus cachorros têm liberdade total para circular pelo local.

Já tão famosos quanto sua mamãe humana, os cães também possuem fãs e o público do programa matinal “Mais Você” até estranha e se preocupa quando os cachorros não aparecem.

Peppa pedindo carinho… quem aguenta? 🐶💗

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

#crystal 💞🐶

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Bastante coruja, Ana Maria não esconde sua paixão pelos pets e sempre aparece no programa com algum (ou alguns) deles no colo e alisando os animais enquanto conversa com o público de casa ou com seus convidados, que também não resistem aos cães da apresentadora e fazem muito carinho nos peludos.

Assim como todos os apaixonados por seus animais, a tutora também costuma publicar muitas fotos dos seus cãezinhos no seu perfil oficial nas redes sociais.

Duas cachorras e só uma cadeira. Como faz? 💛 #ciumes #vidadecao

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Feliz Páscoa ✨

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Para quem há acompanha a Ana Maria Braga e o “Mais Você” há mais tempo, se lembra bem da pet que abriu as portas e a primeira a ganhar espaço no estúdio do programa. A fofa e peludinha Belinha foi adotada pela apresentadora com dois meses de idade e foi para o céu dos cachorros aos 12 anos de idade, em janeiro de 2015.

Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 9:00

Durante consultas ou até mesmo em avaliações simples, médicos veterinários podem ser capazes de identificar se um animal está sendo vítima de maus-tratos ou de alguma negligência.

Pensando nisso e em ajudar a diminuir o número de animais maltratados pelos próprios tutores em nosso país, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou proposta que prevê a obrigação de médicos veterinários comunicarem imediatamente à Polícia Judiciária quando constatarem indícios de maus-tratos naqueles animais nos quais prestarem atendimentos médicos.

(Foto: Reprodução / Wide Open Pets)

O texto aprovado se insere na Lei 5517/68, que trata da profissão de médico veterinário.

De acordo com o relator, deputado Ricardo Izar (PP-SP), “é justo e necessário que essa comunicação seja realizada pelo estabelecimento, porém, o texto deixa dúvidas de como será feita e quem será responsável pela fiscalização dos estabelecimentos. Com a vinculação do dispositivo à Lei 5517/68, caberá aos Conselhos Federal e Regional de Medicina Veterinária, autarquia já constituída, a exercer a fiscalização do profissional e do estabelecimento para verificar o efetivo cumprimento da legislação”.

Ainda de acordo com o deputado, o governo não terá nenhum novo custo, pois a estrutura existente nos conselhos absorveria essa fiscalização como rotina.

De acordo com o texto aprovado, os comunicados de maus-tratos feitos pelos médicos veterinários para a polícia devem conter relatório assinado com algumas informações mínimas específicas como:
– nome, endereço e contato do acompanhante do animal no momento do atendimento;
– informações do atendimento prestado, contendo a espécie, raça e características físicas do animal, descrição de sua situação de saúde na hora do atendimento e os respectivos procedimentos adotados.

(Foto: Reprodução / Animal Lawyers)

Porém, foi retirada do texto a pena que previa interdição do estabelecimento para quem descumprir a medida.

A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Esperamos que esse passo ajude a diminuir os casos de violência contra animais de estimação no Brasil.

Fonte: Agência Câmara Notícias