A China que não come carne de cachorros

A cultura milenar entra em choque com valores relativamente novos e que em um passado recente não pertenciam a maior população do mundo.

por Samantha Kelly — publicado 17 jun 2015 - 20:32

Apesar de ser muito mais comum escutar falar sobre o consumo de carne canina na China, o que leva muitos a chegarem a conclusão que todos os chineses comem carne de cachorro, existe um grande número de pessoas que não são adeptas a essa prática e lutam para que haja uma mudança de hábitos nesse país milenar.

Para nós que fazemos parte de uma cultura que além de não comer cães, deposita na espécie um papel emocional grande, a ideia de um cachorro servir de comida é chocante e totalmente tabu.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Mesmo que em regiões como o sul e nordeste da China, muitos considerem a carne canina uma iguaria e escolham persistir com a tradição que data há milhares de anos, houve claramente uma mudança significativa de pensamento a partir do século 21, com o consumo geral caindo em um terço em comparação com 2013.

Três fatores são cruciais nessa mudança: o primeiro sendo o governo local implementando regras mais rígidas; o segundo a pressão da comunidade internacional e uma própria mudança no comportamento de muitos chineses que passaram a possuir cães como animais de estimação; e a terceira sendo o incentivo à atenção com a procedência das carnes, com muitos animais de estimação sendo roubados para o consumo posterior utilizando até mesmo técnicas como o envenenamento.

Em casos específicos no país, como o de Hong Kong, é proibido o consumo de carne canina desde seus tempos como colônia britânica em 1950, penalizando para os que forem contra a norma multa ou empresionamento.

Mais recente, restaurantes renomados, como o Sunshine, em Guangzhou, que primeiro abriu suas portas em 1963, se vêem obrigados a fechar as portas por que a demanda pela carne canina está caindo. Outros estabelecimentos das redondezas não fecharam as portas ainda, mas escolheram retirar as carnes caninas e felinas de seus cardápios em resposta a crescente preocupação com o bem estar animal.

Protetores de animais param um caminhão que carregava 500 cães para o mercado em Beijing. Foto: AFP

Protetores de animais param um caminhão que carregava 500 cães para o mercado em Pequim. Foto: AFP

Com a globalização e a influência dos países ocidentais, as grandes cidades da China estão cada vez mais suscetíveis à mudança. Um exemplo de como a opinião internacional tem sido fundamental na questão é o caso das Olimpíadas de Pequim, em 2008, quando os oficiais ordenaram que os 112 restaurantes credenciados retirassem itens que envolvessem carne de cachorros de seus menus para não gerar comoção com os turistas.

Iniciativas locais como a Chinese Animal Protection Network (CAPN) e outros grupos de protetores estrangeiros, como a norte-americana Duo Duo Animal Welfare, lutam para que o consumo seja abolido. A briga é grande e as dificuldades não ficam só com a tradição, mas com o fato de ser tecnicamente legal comer um cachorro ou gato no país e com o argumento dos que consomem e vendem carne canina, que chamam de hipocrisia a ideia de que alguns animais podem ser comidos e outros não.

Para adicionar mais pressão de fora, movimentos online ganham força graças as redes sociais e contam com o peso de nomes famosos no entretenimento, como o do comediante Ricky Gervais. Vimos uma grande movimentação contra o Festival de carne canina que comemora o Solstício de Verão em Yulin, na região de Guangxi, este possuindo uma estimativa de abate de mais de 10 mil cães. A hashtag #stopyulin2015 foi usada milhares de vezes no Twitter e uma petição contra o evento no site Change.org teve mais de 200 mil assinaturas. Apesar de tanto o Twitter quanto o Facebook serem proibidos na China, a discussão dentro do país segue viva e utilizando a rede social Weibo, 350 mil pessoas participaram de um forum debatendo sobre o tema, com argumentos tanto contra quanto a favor.

A força da mudança é sentida na prática, até mesmo causando o fim do festival em Qianxi, na província da Zhejiang, que era similar ao de Yulin e já existia há 600 anos.

Foto: Flickr/Animals Asia

Foto: Flickr/Animals Asia

No geral, apesar de a China não ser um exemplo quando o assunto é o direito nos animais, vários países como um todo não o são, incluindo o Brasil. No caso dos chineses, a cultura milenar entra em choque com valores relativamente novos e que em um passado recente não pertenciam a maior população do mundo. A mudança envolve economia, tradição, hábitos alimentares arraigados através de dezenas de gerações e muita história. Segundo uma investigação de quatro anos da  NGO Animals Asia, apesar de ser um mercado em sua grande maioria sem regulamentação, estima-se que 10 milhões de cães sejam consumidos na China todo ano.

Especificamente quanto ao consumo da carne canina, os motivos vão desde o afastamento de má sorte à fatores afrodisíacos. Ainda há registros de consumo da carne em diversos países no mundo, seja por parcelas grandes da população ou por minorias. A mudança real é mais complexa e fragmentada, já que cada região possui suas próprias leis e culturas e vive de acordo com o que julgam ser o certo.

Homem morde animal que estava atacando seu cachorro de estimação e salva pet

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 fev 2018 - 18:29

Quando passamos pela situação de ver nossos animais de estimação sofrendo, sempre tentamos fazer o possível para minimizar essa dor. Muitas vezes, alguns tutores chegam a tomar atitudes por impulso, tudo para salvar a vida de seus animais.

E foi exatamente isso o que aconteceu com John Wood, um homem de 65 anos que não pensou duas vezes antes de se colocar em risco para salvar a vida do seu cachorro de estimação, um Jack Russell de 11 anos de idade chamado Bobby.

 » Read more about: Homem morde animal que estava atacando seu cachorro de estimação e salva pet  »

Tatá Werneck filma noivo ajudando cãozinho a nadar e não perde a piada

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 fev 2018 - 15:31

Tutora de 13 gatos resgatados das ruas e sete cachorros que foram adotados de abrigos, animais que cuida com a ajuda do noivo, o ator Rafael Vitti, na casa onde eles moram, Tatá Werneck sempre costuma publicar vídeos e imagens de seus pets nas redes sociais.

Um dos vídeos mostra Rafael Vitti com o cachorro Nino na piscina. O ator fica muito surpreso e feliz ao perceber que o cãozinho, que é deficiente físico e não tem uma das patinhas dianteiras,

 » Read more about: Tatá Werneck filma noivo ajudando cãozinho a nadar e não perde a piada  »

Cachorro deixado trancado em casa enquanto tutores viajavam é resgatado pela polícia

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 fev 2018 - 9:21

Antes de levar um cachorrinho para casa é importante saber que, além de todos os cuidados que devemos ter com ele, um animal também pode significar ter que abrir mão de algumas coisas, como viagens, por exemplo.

Porém, parece que nem todos os tutores param para pensar nisso e nem se programam em relação ao animal quando surge um passeio. É isso o que mostra o caso do cachorro que ficou trancado por dias sozinho em casa,

 » Read more about: Cachorro deixado trancado em casa enquanto tutores viajavam é resgatado pela polícia  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Homem morde animal que estava atacando seu cachorro de estimação e salva pet

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 fev 2018 - 18:29

Quando passamos pela situação de ver nossos animais de estimação sofrendo, sempre tentamos fazer o possível para minimizar essa dor. Muitas vezes, alguns tutores chegam a tomar atitudes por impulso, tudo para salvar a vida de seus animais.

E foi exatamente isso o que aconteceu com John Wood, um homem de 65 anos que não pensou duas vezes antes de se colocar em risco para salvar a vida do seu cachorro de estimação, um Jack Russell de 11 anos de idade chamado Bobby.

O cãozinho Bobby foi atacado por dois cachorros durante um passeio com seu tutor. (Foto: Reprodução / Deadline News)

De acordo com o tutor, ele estava caminhando com o cãozinho por Ferrybridge, em West Yorkshire, na Inglaterra, quando apareceram dois cachorros, um Rottweiler e outro branco, também grande e que ele acredita ser sem raça definida.

“O Rottweiler veio correndo e começou a atacar Bobby pelas costas. Bobby então tentou se defender, mas o cachorro branco pulou e agarrou Bobby pela garganta. Ele iria matá-lo, então eu comecei a bater na cabeça dele com uma vara. Ele ainda não o soltava”, contou John.

Foi então que o tutor, com o instinto de salvar seu pet, se jogou nos cachorros e começou a morder o animal que estava atacando Bobby. “Eu mordi e mordi, só continuei mordendo por cerca de dez segundos, até que o cachorro finalmente soltou Bobby”, explicou John, que disse ainda que nesse momento os cachorros que estavam atacando finalmente recuaram.

O cãozinho foi salvo por seu tutor, mas ficou bastante machucado. (Foto: Reprodução / Deadline News)

Porém, infelizmente, Bobby ficou bastante machucado e sofreu lesões muito graves na área do pescoço. O animal foi imediatamente levado para uma clínica veterinária, onde fez procedimentos, colocou um dreno no pescoço e levou pontos. Até agora, o tratamento do animal já chegou ao valor de mil Libras, cerca de R$ 4.500 mil.

Bobby já está em casa e segue se recuperando. Enquanto isso, John busca pelos tutores dos cachorros responsáveis pelo ataque para que eles paguem por todo o tratamento de Bobby.

Fonte: Daily Mail UK

Tatá Werneck filma noivo ajudando cãozinho a nadar e não perde a piada

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 fev 2018 - 15:31

Tutora de 13 gatos resgatados das ruas e sete cachorros que foram adotados de abrigos, animais que cuida com a ajuda do noivo, o ator Rafael Vitti, na casa onde eles moram, Tatá Werneck sempre costuma publicar vídeos e imagens de seus pets nas redes sociais.

Um dos vídeos mostra Rafael Vitti com o cachorro Nino na piscina. O ator fica muito surpreso e feliz ao perceber que o cãozinho, que é deficiente físico e não tem uma das patinhas dianteiras, consegue nadar direitinho.

Ao ver a reação do noivo, Tatá não se segura e, claro, que faz uma piadinha. “@rafaavitti feliz acreditando que estava ensinando Nino a nadar. Mal sabe que Nino já sabia nadar antes de conhecer Rafa. Não vamos contar. Deixa ele ficar feliz.”, escreve ela junto com o vídeo publicado no seu perfil do Instagram.

Muito bom ver quando um casal divide o amor pelos animais.