Cão de corrida abandonado por não poder mais competir se apaixona por gato cego

Cão foi adotado por mulher que dava lar temporário para gatos e criou um grande amor pelos pequenos animais com os quais passou a conviver

por Andrezza Oestreicher — publicado 13 abr 2016 - 13:27

Joanne Tester não sabia tudo sobre o cão da raça Greyhound (Galgo) ex-competidor que ela havia adotado. Ela sabia que o cão tinha sido utilizado em oito corridas antes de uma lesão no pé. Após o machucado, o cão não poderia mais correr e por isso ele foi deixado pelo seu próprio em um abrigo em New South Wales, na Austrália.

O cão passou seis meses no abrigo Animal Welfare League antes de ser adotado. Apesar de os voluntários do lugar estarem sempre tentando fazer o melhor para cuidar dele, o animal vivia em um constante estado de stress, o que o fez perder cerca de 10 quilos. O animal também desenvolveu úlceras de pressão por ficar deitado por tanto tempo em um piso de concreto e, além disso, estava com dentes quebrados e precisou fazer a remoção deles. Os dentes do cão estavam quebrados pelo fato de o animal, por conta do estresse, ter mastigado seu próprio canil.

O cão foi abandonado em um abrigo após sofrer uma lesão que o impediu de competir. (Foto: Joanne Tester)

O cão foi abandonado em um abrigo após sofrer uma lesão que o impediu de competir. (Foto: Joanne Tester)

Quando Joanne conheceu o cão, a quem ela deu o nome de Fastfeet (pés rápidos), em 2011, logo soube que queria adotá-lo. “Eu podia ver o que ele era um cão incrível. Ele só precisava aprender a ser um animal de estimação e não um cão de corrida”, disse ela ao site The Dodo.

O que Joanne não sabia, no entanto, era como o cão iria se comportar convivendo com outros animais. Ela já tinha três cães e três gatos e ajudava o CatRescue901, um grupo de resgate dirigida por Jenny Storaker.

Os cães do tipo Galgo, conhecidos também como galgos, costumam ser criaturas amáveis e tranquilos, porém as pessoas envolvidas na indústria de corridas de galgos na Austrália têm utilizados práticas horríveis, como a conhecida por “isca viva” ou “blooding” (sangramento) para treinar os seus cães para as corridas.

O animal foi adotado por uma mulher que tinha outros animais, mas devido ao seu treinamento, FastFeet demorou para passar a conviver com os outros animais da casa. (Foto: Joanne Tester)

O animal foi adotado por uma mulher que tinha outros animais, mas devido ao seu treinamento, FastFeet demorou para passar a conviver com os outros animais da casa. (Foto: Joanne Tester)

No ano passado, uma investigação revelou que os treinadores rotineiramente usam gambás, gatinhos, leitões e coelhos como iscas, que são lançados ao longo da pista. Para as corridas, os cães são treinados a perseguir os animais e, eventualmente, matá-los. Esse tipo de treinamento é ilegal na Austrália há décadas, mas acredita-se que a maioria dos treinadores ainda fazem uso desta técnica.

Sabendo disso, Joanne sabia que precisaria tomar ainda mais cuidado em relação a Fastfeet com seus outros animais. Quando ela mostrou Fastfeet a seus outros cachorros, todos pequenos, pela primeira vez, ela colocou uma focinheira nele. Sempre que Fastfeet iria se juntar aos outros cães da casa ele usava a focinheira. O aparato foi deixado de lado 12 meses depois, quando Fastfeet começou a agir com calma em relação aos outros cachorros. Assim que Joanne soube que podia confiar no cão completamente. Agora, os cães se dão tão bem que dividem até as camas.

Primeiro Fastfeet foi apresentado aos outros cachorros da casa. (Foto: Joanne Tester)

Primeiro Fastfeet foi apresentado aos outros cachorros da casa. (Foto: Joanne Tester)

Por um longo tempo, Joanne manteve os gatos em uma parte separada da casa, e não pensou em apresentá-los a Fastfeet. Mas depois de ver o quão bem Fastfeet ficou junto aos outros cachorros, ela decidiu tentar.

“Eu resolvi deixar um dos meus gatos sair para que Fastfeet conseguisse vê-lo e eu pudesse ver a reação dele. Assim que viu o gato, ele quis persegui-lo. Eu não sei se ele teria machucado o gato, mas ele definitivamente mostrou muito interesse por ele”, contou Joanne ao The Dodo.

A mulher começou, então, um longo processo de dessensibilização de Fastfeet em relação aos gatos, o que levou quase um ano. Após várias reuniões supervisionadas entre Fastfeet e os gatos (durante as quais o cão sempre usava sua focinheira), Joanne finalmente permitiu que os gatos chegassem perto do cão. O primeiro encontro foi muito bem. Fastfeet foi extremamente gentil com os gatos e até deixou que eles rastejassem por cima dele.

Depois de ser apresentado aos gatos, o cão fez uma amizade especial com o gatinho cego que se recuperava em sua casa. (Foto: Joanne Tester)

Depois de ser apresentado aos gatos, o cão fez uma amizade especial com o gatinho cego que se recuperava em sua casa. (Foto: Joanne Tester)

Entre todos os animais de Joanne foi um gato em particular – um gato adotivo chamado Indi – que fez Fastfeet se apaixonar. Indi tinha sido resgatado após ser encontrado vagando pelas ruas de Sydney com uma grave gripe do gato. Ele tinha desenvolvido uma infecção tão ruim da gripe que seus olhos tiveram que ser removidos.

Quando Joanne trouxe Indi casa para lhe dar um lar temporário, ela o manteve isolado para que ele pudesse se recuperar de sua operação. Mas quando Fastfeet entrou sorrateiramente no quarto de Indi, os dois animais tiveram uma ligação instantânea. Eles acabaram passando quase o dia inteiro juntos, e todos os outros dias depois disso. Eles dormiram juntos e abraçados. Após estar recuperado e liberado para passear na área externa da casa, Indi foi passear ao redor do jardim com Fastfeet. Eles se deitaram juntos no sol e quando o gato se assustou com o barulho de um carro, ele logo correu para Fastfeet procurando proteção.

Fastfeet e Indi se tornaram inseparáveis. (Foto: Joanne Tester)

Fastfeet e Indi se tornaram inseparáveis. (Foto: Joanne Tester)

Quando chegou a hora de Indi ser adotada por uma nova família, Joanne sabia Fastfeet sentiria muita falta dela. Mas o amor de Fastfeet por gatos não parou com Indi, ele formou um vínculo com todos os gatos resgatados que ficam na casa de Joanne. “Ele só quer estar no quarto com eles. Ele se senta em seu cobertor e os gatos rastejam em cima dele. Estou começando a pensar que ele acredita que ele é um gato”, diz Joanne.

Fastfeet também é muito protetor com os gatos adotivos quando outras pessoas vêm para vê-los. “Sempre que as pessoas vêm para ver os gatos, ele sempre sabe e quer ser parte da apresentação. Se ele não está na sala, ele fica triste e chora na porta”, contou Joanne.

Após Indi ser adotada, Fastfeet passou a distribuir o seu amor com todos os gatos que passam pela sua casa. (Foto: Joanne Tester)

Após Indi ser adotada, Fastfeet passou a distribuir o seu amor com todos os gatos que passam pela sua casa. (Foto: Joanne Tester)

Infelizmente, a corrida de cães ainda é uma grande indústria no mundo todo. De acordo com organizações de salvamento de cães da raça galgo em Minnesota, entre 3.000 e 9.000 galgos morrem sozinhos a cada ano só nos Estados Unidos. Joanne espera que a história de Fastfeet possa inspirar outras pessoas a adotar cães que participavam de competições, assim como aconteceu com Fastfeet. “Adotar Fastfeet foi a melhor coisa que eu já fiz e eu não consigo mais imaginar esta casa sem ele”, completa Joanne.

 

Fonte: The Dodo

Sharon Stone aumenta a família com um novo filhotinho

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 13:23

Coisa boa é aumentar a família e levar um cachorrinho novo para casa. Além de todo o amor que eles sempre estão prontos para nos dar, esses animais conseguem trazer ainda mais luz, vida e alegria para o lar.

Quem está vivendo esse momento de muita alegria com um novo cãozinho em casa é Sharon Stone.

Joe and I welcome his new pal Bandit. #JoeStone #BanditStone #family ❤️

 » Read more about: Sharon Stone aumenta a família com um novo filhotinho  »

Cadela surfa com crianças com Atrofia Muscular Espinhal e proporciona muita felicidade aos pacientes

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 9:23

A Atrofia Muscular Espinhal, bastante conhecida também como AME, é uma doença degenerativa genética que afeta o sistema nervoso e leva à redução das funções motoras. Ela resulta em fraqueza e atrofia muscular caracterizada por problemas nos movimentos voluntários.

A AME afeta os movimentos das pernas e braços, muitos pacientes perdem esses movimentos, e afeta também os músculos que atuam na deglutição de alimentos e na respiração.

Por conta disso tudo, pessoas com Atrofia Muscular Espinhal acabam não vivendo uma série de experiências que para aqueles que não sofrem com a doença seria tão simples. 

 » Read more about: Cadela surfa com crianças com Atrofia Muscular Espinhal e proporciona muita felicidade aos pacientes  »

Cachorros da raça Galgo Italiano são encontrados vivendo em terríveis condições em São Paulo

por Andrezza Oestreicher — publicado 25 abr 2018 - 13:00

Mais uma vez, a ganância do ser humano, chamado de racional, transformou seres tão amáveis como os cachorros em máquinas de reproduzir filhotes e em fonte de lucro e de dinheiro. É exatamente isso o que criadouros clandestinos fazem.

Na última sexta-feira, dia 20 de abril, a Polícia Militar Ambiental (PMA) encontrou em uma residência em Praia Grande, no litoral de São Paulo, cachorros da raça Galgo Italiano, considerada rara no Brasil, em um estado terrível e em visíveis condições de grave negligência.

 » Read more about: Cachorros da raça Galgo Italiano são encontrados vivendo em terríveis condições em São Paulo  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Sharon Stone aumenta a família com um novo filhotinho

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 13:23

Coisa boa é aumentar a família e levar um cachorrinho novo para casa. Além de todo o amor que eles sempre estão prontos para nos dar, esses animais conseguem trazer ainda mais luz, vida e alegria para o lar.

Quem está vivendo esse momento de muita alegria com um novo cãozinho em casa é Sharon Stone.

Joe and I welcome his new pal Bandit. #JoeStone #BanditStone #family ❤️

A post shared by Sharon Stone (@sharonstone) on

Já tutora de um cachorro da raça Buldogue Francês chamado Joe, a atriz decidiu aumentar sua família e levou para casa um fofo filhotinho. O cãozinho também é da raça Buldogue Francês, porém em cores diferentes do seu irmão canino mais velho, e recebeu o nome de Bandit Stone.

Goodnight. ❤️ #BanditStone

A post shared by Sharon Stone (@sharonstone) on

Sharon apresentou o novo membro de sua família para seus fãs e seguidores através de seu perfil oficial no Instagram. Em uma série de duas fotos, uma em que ela aparece muito feliz segurando o novo filhote e outra em que Joe aparece debaixo das pernas da tutora, a atriz escreveu: “Joe e eu demos boas-vindas ao seu novo amigo Bandit”.

Depois da apresentação, Sharon Stone já começou a encher seu perfil na rede social de fotos do novo filhote, assim como toda tutora apaixonada e mamãe coruja.

Joe and Bandit! ❤️ #puppylove #JoeStone #BanditStone #bigbrother

A post shared by Sharon Stone (@sharonstone) on

A atriz também compartilhou um vídeo em que aparecem os dois cachorros, onde o pequeno Bandit tenta chamar a atenção de Joe, que prefere se coçar um pouquinho.

Entre as fotos que mostra o fofo filhote dormindo, Sharon postou uma em que aparece com Bandit no colo e confessou que Joe parece estar com um pouquinho de ciúmes do novo irmãozinho. Porém, apesar disso, ela afirmou que eles estão se dando bem.

Bandit é realmente uma fofura de cãozinho.

Fonte: People

Cadela surfa com crianças com Atrofia Muscular Espinhal e proporciona muita felicidade aos pacientes

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 9:23

A Atrofia Muscular Espinhal, bastante conhecida também como AME, é uma doença degenerativa genética que afeta o sistema nervoso e leva à redução das funções motoras. Ela resulta em fraqueza e atrofia muscular caracterizada por problemas nos movimentos voluntários.

A AME afeta os movimentos das pernas e braços, muitos pacientes perdem esses movimentos, e afeta também os músculos que atuam na deglutição de alimentos e na respiração.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Por conta disso tudo, pessoas com Atrofia Muscular Espinhal acabam não vivendo uma série de experiências que para aqueles que não sofrem com a doença seria tão simples. Porém, um grupo de pacientes nos Estados Unidos contou com uma ajuda para lá de especial para ter uma experiência diferente e muito feliz.

Juntamente com o Cure SMA, um grupo que financia pesquisas relacionadas à doença, a cadelinha surfista Ricochet proporcionou muita diversão a esses pacientes, que tiveram a oportunidade de entrar no mar e surfar com a peluda.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Ricochet é o único SURFice dog® do mundo que fornece assistência terapêutica enquanto cria experiências únicas de surfe e outras atividades que reduzem a ansiedade social e capacitam crianças com necessidades especiais, pessoas com deficiências, soldados feridos e veteranos com TEPT.

As crianças eram as mais animadas do grupo de pacientes, todas queriam ser a primeira a surfar com Ricochet, cadela que tem treinamento extensivo como cão de serviço.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Como muitas das crianças que participaram da atividade não conseguem manter a cabeça erguida sozinha, uma cadeira de banho foi adaptada e fixada na prancha de surf para deixar os pequenos seguros e confortáveis.

O passeio contou com a participação e ajuda de uma incrível equipe de voluntários qualificados que fez com que a experiência fosse um sucesso e muito feliz para todos.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Apesar de todas as dificuldades e trabalho que deu colocar a ideia do surf com os pacientes em prática, todos, tanto crianças quanto adultos, se divertiram bastante e não queriam que aquele dia acabasse.

Fonte: 3 Million Dogs / Diário Catarinense