Cão que perdeu uma perna salvando animal na África se recusa a parar de trabalhar

O cão, que passou por duas cirurgias, se adaptou muito bem a sua nova condição, segue fazendo tudo o que fazia antes e parece não saber que agora possui uma perna a menos

por Andrezza Oestreicher — publicado 27 ago 2016 - 11:07

Shaya é um cão da raça Pastor Belga que trabalha no continente africano prestando serviços em duas organizações criadas por Craig Spencer (a Transfrontier Africa e a Black Mamba Anti-Poaching Unit) que ajudam a proteger rinocerontes, elefantes e outras espécies ameaçadas em uma reserva natural da África do Sul.

Shaya consegue farejar chifre de rinoceronte, marfim, armas e munições e até caçadores que estejam pelas matas das reservas, além de ser treinado para proteger Craig quando ele está realizando pesquisas em aldeias locais e bloqueios de estradas. Para o Craig, Shaya é mais do que um cão de trabalho, ele é o “braço direito” de Spencer e um grande companheiro.

Shaya é um cão que trabalha ajudando a salvar a vida de animais selvagens na África. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

Shaya é um cão que trabalha ajudando a salvar a vida de animais selvagens na África. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

Em um dia de trabalho, enquanto corria pela mata procurando um rinoceronte ferido, Shaya saltou por cima de algumas rochas e prendeu uma de suas quatro patas em uma fenda. Ele tentou continuar a correr, mas a perna estalou e acabou quebrando o osso em fragmentos. O cão caiu sentindo muita dor.

Ao ver o cão sofrendo de dor, Craig fez tudo o que podia para ajudá-lo. Após o acidente o animal foi imediatamente levado de helicóptero para a cidade. O primeiro veterinário que viu Shaya disse que ele precisaria amputar a perna, mas Craig não aceitou e pediu uma segunda opinião.

Um dia, enquanto procurava um rinoceronte ferido, o cão saltou em umas rochas e acabou quebrando a perna. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

Um dia, enquanto procurava um rinoceronte ferido, o cão saltou em umas rochas e acabou quebrando uma perna. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

Ao levar o cão para uma clínica veterinária em Joanesburgo, Craig teve a resposta que queria. Seria possível manter a perna de Shaya, porém o cão teria que ter muita calma, pois levaria meses para que o osso se recuperasse completamente. A cirurgia foi feita e Shaya continuou com sua perna, mas, mesmo com todos os cuidados de Craig, o cão se recusou a ficar quieto como deveria e acabou quebrando a perna novamente, desta vez afetando alguns nervos. Dessa vez não teve jeito, foi realmente preciso amputar a perna de Shaya.

O cão passou por duas cirurgias e precisou amputar a perna machucada. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

O cão passou por duas cirurgias e precisou amputar a perna machucada. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

Craig ficou inconsolável, pois, assim como outras pessoas, o homem achava que aquele animal tão incrível e que adorava brincar e trabalhar não iria mais ter a vida animada que levava antes. Craig acreditava que não teria mais a companhia de Shaya, com quem ele estava acostumado a trabalhar e confiava cegamente.

Após a segunda cirurgia, o cão passou quatro meses se recuperando na clínica em Joanesburgo. Quando Craig foi buscar Shaya, o animal, como todos já sabiam, estava sem uma perna, porém ele parecia estar bastante normal. Para testar como o cachorro estava, no meio do caminho de volta para casa Craig parou o carro e escondeu algumas cápsulas de balas nos arbustos. Para a surpresa do homem, Shaya se apresentou como se ele não tivesse passado por nenhum trauma.

Todos ficaram receosos com a amputação, porém o cão se adaptou muito bem a sua nova condição e segue fazendo tudo o que fazia antes. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

Todos ficaram receosos com a amputação, porém o cão se adaptou muito bem a sua nova condição e segue fazendo tudo o que fazia antes. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

Além de conseguir farejar as cápsulas de bala, o cão parecia ter a mesma energia física de antes. Parecia que nem o próprio animal percebia que ele agora estava com uma perna a menos. O tempo de adaptação a sua nova condição foi muito rápido. No começo ele até batia em algumas coisas e tinha alguns pequenos desequilíbrios, mas ele logo aprendeu como se movimentar da forma correta para se manter sempre firme. Em pouco tempo Shaya já estava correm e pulando.

Shaya continua o seu trabalho de ajudar os animais e ainda é o grande companheiro e braço direito de Craig. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

Shaya continua o seu trabalho de ajudar os animais e ainda é o grande companheiro e braço direito de Craig. (Foto: Reprodução / Transfrontier Africa)

Apesar de precisar de cuidados mais especiais em relação ao seu peso, para que ele não coloque tensão indevida sobre as pernas restantes, Shaya está com a sua saúde excelente, o que deixa Craig muito feliz. “Shaya é meu amigo e companheiro, minha muleta emocional e inspiração para continuar salvando a vida selvagem, mesmo quando eu sinto que é impossível”, diz o homem emocionado.

Para viajar na cabine dos aviões da Delta, cachorros deverão comprovar que são bem comportados

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 jan 2018 - 18:36

A companhia aérea Delta Airlines informou que a partir de 1º de março, algumas normas irão mudar para que alguns animais possam voar na cabine de suas aeronaves junto dos tutores.

Em anuncio feito na última sexta-feira, dia 19 de janeiro, a empresa vai exigir dos tutores, além de toda a documentação que já é exigida atualmente, algumas garantias extras de que o animal é capaz de se comportar dentro da cabine do avião durante todo o tempo de voo.

 » Read more about: Para viajar na cabine dos aviões da Delta, cachorros deverão comprovar que são bem comportados  »

Pequeno gatinho ajuda cachorro a superar dor após perder seu melhor amigo

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 jan 2018 - 9:30

Nós sempre falamos das diversas formas como os cães podem ajudar a nós e a outros animais. Porém, às vezes são eles que precisam de ajuda, como aconteceu com Forsberg quando ele perdeu o seu melhor amigo.

Forsberg, um cachorro da raça Golden Retriever, era muito apegado ao gato Ginger. Eles eram melhores amigos, faziam tudo juntos e eram muito felizes com a amizade que tinham.

Porém, depois de oito anos e meio de uma linda amizade,

 » Read more about: Pequeno gatinho ajuda cachorro a superar dor após perder seu melhor amigo  »

Cachorros encontrados em estado de negligência em um condomínio de luxo são resgatados

por Andrezza Oestreicher — publicado 19 jan 2018 - 9:38

Após denúncias de vizinhos, 14 cachorros foram resgatados de uma casa localizada em um condomínio de alto padrão em Mogi das Cruzes, São Paulo.

De acordo com informações dadas pelos vizinhos e registradas em boletim de ocorrência, todos os moradores da casa estavam viajando e os animais estavam, ou deveriam estar, sendo cuidados por uma funcionária. Porém, o que se via no local era uma cena de completo abandono. Os animais estavam vivendo em meio a muita sujeira e fezes.

 » Read more about: Cachorros encontrados em estado de negligência em um condomínio de luxo são resgatados  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Para viajar na cabine dos aviões da Delta, cachorros deverão comprovar que são bem comportados

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 jan 2018 - 18:36

A companhia aérea Delta Airlines informou que a partir de 1º de março, algumas normas irão mudar para que alguns animais possam voar na cabine de suas aeronaves junto dos tutores.

Em anuncio feito na última sexta-feira, dia 19 de janeiro, a empresa vai exigir dos tutores, além de toda a documentação que já é exigida atualmente, algumas garantias extras de que o animal é capaz de se comportar dentro da cabine do avião durante todo o tempo de voo.

Os tutores deverão assinar uma declaração afirmando que o animal sabe se comportar. (Foto: Reprodução / The Vacation Times)

Entre essas exigências estão provas de saúde ou vacinação pelo menos 48 horas antes do voo.

De acordo com a companhia aérea, essas medidas foram tomadas para que a segurança de todos durante os voos seja ainda maior.

O motivo que levou a Delta a tomar essas medidas foi o aumento no número de reclamações de animais que, além de urinar e defecar no avião, mordem outros passageiros, como o caso que aconteceu em junho do ano passado, onde um passageiro foi mordido diversas vezes no rosto pelo cachorro de outra pessoa e precisou ir para o hospital.

Essas exigências valem, principalmente, para animais de serviço, que viajam fora das gaiolas, como cães-guia, que ajudam pessoas algum tipo de limitação, e animais de apoio emocional, que muitas vezes não são treinados. Nestes casos os tutores deverão assinar uma declaração afirmando que o animal sabe se comportar.

As novas exigências valem, principalmente, para animais de serviço. (Foto: Reprodução / The Vacation Times)

Para os animais que viajam em gaiolas nada muda.

De acordo com John Laughter, vice-presidente sênior de segurança da Delta, a empresa está buscando um equilíbrio entre “a necessidade legítima dos passageiros de terem esses animais” e a segurança durante os voos.

Fonte: O Globo

Pequeno gatinho ajuda cachorro a superar dor após perder seu melhor amigo

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 jan 2018 - 9:30

Nós sempre falamos das diversas formas como os cães podem ajudar a nós e a outros animais. Porém, às vezes são eles que precisam de ajuda, como aconteceu com Forsberg quando ele perdeu o seu melhor amigo.

Forsberg, um cachorro da raça Golden Retriever, era muito apegado ao gato Ginger. Eles eram melhores amigos, faziam tudo juntos e eram muito felizes com a amizade que tinham.

Quando faleceu, o gato Ginger deixou seu amigo canino bastante deprimido. (Foto: Reprodução / Instagram @jenphilion)

Porém, depois de oito anos e meio de uma linda amizade, Ginger faleceu aos 15 anos por conta de um câncer de tireoide e deixou seu amigo canino sem os seus aconchegos.

O cãozinho Forsberg ficou completamente devastado com a falta do amigo. No começo, sem entender o que tinha acontecido, o cachorro chegou a passar dias procurando por Ginger, chegando a ficar bastante deprimido.

Para ajudar o cão, a tutora Jen Philion decidiu levar um novo animal para casa, e optou por um fofo gatinho preto chamado Maxwell.

Forsberg voltou a ser feliz depois que um novo gatinho entrou para a família. (Foto: Reprodução / Instagram @jenphilion)

Ela até ficou com medo da reação do cão e de que ele viesse a ficar estressado com o novo animal, mas, felizmente, Forsberg e Maxwell se deram muito bem rapidamente.

De acordo com Jen, a preseça do novo gatinho fez com que Forsberg deixasse a tristeza de lado e voltasse a mostrar sua real essência novamente. Maxwell era a companhia que o cão precisava para ter com quem se aconchegar. Já o gatinho adorou ter o amigão como caminha.

Things must be happening outside.

A post shared by Jen Philion (@jenphilion) on

O tempo passou e a amizade e o amor entre eles cresceu bastante e hoje, dois anos depois, mesmo Maxwell tendo se transformado em um gato muito folgado, Forsberg ainda adora ficar na presença do amigo que lhe ajudou no momento mais triste de sua vida.

Fonte: The Holidog Times