Família transforma lar em santuário de pets especiais e compartilha seu dia a dia online

Eles têm como missão a adoção de animais especiais e a família reflete a personalidade de cada um.

por Samantha Kelly — publicado 15 maio 2017 - 16:50

Steve Greig dedica sua vida para adotar pets especiais, aqueles que normalmente esperam a vida inteira por uma família, mas por motivos como idade, deficiência física ou espécie, ficam no final da fila.

Essa linda missão começou em homenagem a sua falecida cadelinha Wolfgang, uma Pinscher que o marcou profundamente.

Munido com amor e o desejo de ajudar, ele foi ao abrigo e procurou o animal que tinha menos chances de ser adotado. Foi então que ele encontrou Eeyore, de 12 anos.

A partir daí sua missão de auxiliar animais idosos e necessitados começou. Hoje sua casa conta com a presença de 8 cachorros (Waylon, Edsel, Josh, Englebert, Eeyore, Edna, Loretta, Phyllis e Enoch), o porco Bikini, o coelho Stuart e a galinha Oprah.

Para a nossa sorte, Steve compartilha através da conta Wolfgang2242 o dia a dia dessa família super especial e com isso incentiva a adoção.

Ele possui um site que vende camisas com sua turminha de pets e o lucro é todo revertido para a luta contra os cachorros que ainda vivem nas ruas.

 

Phyllis is home and although still very weak she is eating and recovering. Yesterday she wasn’t feeling well and by the time I got out of the shower she was almost completely unresponsive. I rushed her to the ER where they determined she had very low blood pressure and she was anemic. She has been going through chemo treatments for six months now and until this last one she has weathered them incredibly well. But now her body has had enough and I’m stopping the last two treatments that were planned. She appears to be cancer-free so now it’s time to heal from the chemo. Thank you sincerely for all the prayers. Just hearing her snore in my ear again last night was the best sound in the world. #featherweightchampion

A post shared by Steve (@wolfgang2242) on

Waiting just inside my front door… While I would love to take credit for taking this picture I can’t, it was taken by @shainafishman one of New York’s finest pet photographers. We were introduced a couple years ago at a get-together and she took a picture for me of Englebert that I love so much I framed it and hung it on the wall. I was excited that we were recently able to coordinate our schedules and she came to the house to take pictures of the entire gang. (She also generously shared a few professional tips that will hopefully increase my photo taking skills, but don’t hold your breath. 😁) I have a few more photos of hers to share in the next few weeks, including one of Edna that is absolutely priceless. From top to bottom: Waylon, Edsel, Josh, Englebert, Eeyore, Edna, Loretta, Phyllis, Enoch, and Bikini, peeking around the corner. She just had to see what she was missing.

A post shared by Steve (@wolfgang2242) on

I’m one of those people that rarely get sick. This week I got so sick I couldn’t get out of bed to feed everyone and that has never happened. The dogs seemed to know something was wrong and didn’t want to leave my side. Englebert decided sitting on my head would be the best way to protect me and I was just too tired to move him. Luckily my housekeeper came in and took over the daily chores. When my friend took me to the hospital on Thursday we left the house to 9 mournfuly howling dogs clawing at the front door. (I’m sure Bikini was upset too but she’s probably just one of those that hold it in…… 😀) I’m home now and starting to feel back to normal, and I’m very thankful for the healing comfort these guys bring me, day in and day out.

A post shared by Steve (@wolfgang2242) on

Okay, this picture might be a slight exaggeration, but I swear it seems like this is what I have to make my way through every time I run up the stairs to get something or to go to the bathroom; loving obstacles at every step. Waylon is the best at this. He has a keen sense for knowing exactly which direction your next step will be and he strongly feels the need to get there first, just to check it out. (I have a handyman that like to say Waylon was named very appropriately because he’s always in the Way…lon). I’m not complaining. I honestly wouldn’t have it any other way. I mean, it sharpens my agility skills and keeps my mind alert and at some point I’m sure all of that will come in handy. 😀 And no, Bikini wouldn’t pose for this picture. Her window of cooperation has a very small opening and it doesn’t include group poses on the stairway. #gettingoutofthewaylon

A post shared by Steve (@wolfgang2242) on

A group throwback picture in honor of Hercules’s (and Madeline’s) recent passing. I get asked a lot about how I managed to cope with the inevitable heartbreak that comes with senior dog adoption. I think that the heartbreak is offset by the increased appreciation I have for life specifically because I have a house full of seniors. When you are young or when your pets are young its easy to take them (and everything else) for granted. The end is so far away that you don’t even think about it and it’s easy to overlook the intricate beauty of the daily dance. It happens to all of us; life is busy, you wake up, you go to work, you go to bed and before you know it a year or two has gone by. Having senior pets helps to change that pattern and slow everything down. I watch them so closely. I help them with things that younger pets can do for themselves and so I get to celebrate the ordinary; days when everyone eats all their food, the nights we are able to go for a walk, the times they don’t need any medicine, or the times when the medicine they do need cures them. Those little things make me stop and feel that everything is right in the world at that moment. It makes me look around and take stock of all the love in my life, and smile about the love that has been there before. #slowdance Picture by @senior_dogs_across_america

A post shared by Steve (@wolfgang2242) on

Veterinários são enviados para tratar cães de rua que vivem próximo de Chernobyl

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 ago 2017 - 11:00

A explosão e o incêndio na fábrica de Chernobyl em 26 de abril de 1986 foi o pior acidente nuclear civil do mundo e deixou altos níveis de radioatividade nas áreas ao redor da fábrica.

Hoje, 31 anos depois, ainda existem áreas de contaminação radioativa na região e muitos cães abandonados vivem por essa região sem receber nenhum tipo de cuidado.

De acordo com o grupo Four Paws, centenas de descendentes de cães abandonados na área de Chernobyl estão vagando por dentro e ao redor do reator destruído.

 » Read more about: Veterinários são enviados para tratar cães de rua que vivem próximo de Chernobyl  »

Tata Werneck adota cãozinho deficiente da Ampara Animal

por Samantha Kelly — publicado 23 ago 2017 - 8:41

A musa do humor brasileiro mais uma vez deixou claro que o seu talento é proporcional ao seu coração.

Já mãe de 14 pets, ela abriu as portas de sua casa novamente, agora para um cachorro especial que foi regatado através do incrível trabalho que a Ampara Animal realiza.

Meu novo filho! Doida pra chegar e te dar todo amor que vc não recebeu! Pra cuidar de todas as feridas que pessoas maldosas fizeram com vc!

 » Read more about: Tata Werneck adota cãozinho deficiente da Ampara Animal  »

Adolescentes gravam símbolo da suástica na cabeça de um Chihuahua e assustam família

por Andrezza Oestreicher — publicado 22 ago 2017 - 18:23

No Arizona, Estados Unidos, um cãozinho com um símbolo da suástica pintado na cabeça deixou uma família bastante aterrorizada.

Uma mulher ficou chocada quando o animal, que é de um vizinho, apareceu na porta de sua casa. O medo que ela sentiu é fácil de explicar.

A suástica é como uma marca da raça ariana e foi muito utilizada pela Alemanha Nazista, período em que os alemães acreditavam que sua raça era a pura e havia muito preconceito com outros povos.

 » Read more about: Adolescentes gravam símbolo da suástica na cabeça de um Chihuahua e assustam família  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Veterinários são enviados para tratar cães de rua que vivem próximo de Chernobyl

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 ago 2017 - 11:00

A explosão e o incêndio na fábrica de Chernobyl em 26 de abril de 1986 foi o pior acidente nuclear civil do mundo e deixou altos níveis de radioatividade nas áreas ao redor da fábrica.

Hoje, 31 anos depois, ainda existem áreas de contaminação radioativa na região e muitos cães abandonados vivem por essa região sem receber nenhum tipo de cuidado.

Os cães que vivem por lá são alimentados por trabalhadores da usina. (Foto: Reprodução / Daily Mail / Getty Images)

De acordo com o grupo Four Paws, centenas de descendentes de cães abandonados na área de Chernobyl estão vagando por dentro e ao redor do reator destruído. Ainda segundo informações, muitos destes animais vivem em áreas com contaminação radioativa.

Pensando nestes cachorros, um grupo internacional de bem-estar animal com base nos Estados Unidos, disse que está enviando uma equipe de médicos veterinários para a Ucrânia para cuidar destes cães.

O grupo, que irá se juntar a uma turma de outros especialistas que já estão na região, vai oferecer tratamentos médicos, como vacinas contra a raiva e serviços de castração, para os cachorros que vivem dentro da área conhecida como “zona de exclusão”.

“Devido a animais selvagens que também vivem dentro da zona de exclusão, os cães abandonados são frequentemente infectados com raiva, representando um risco para as pessoas que trabalham na usina”, informaram representantes do grupo Four Paws.

Os cachorros irão receber cuidados médicos e vacinas. (Foto: Reprodução / Daily Mail / Getty Images)

Ainda de acordo com o grupo, após o desastre nuclear, aconteceu o que ficou conhecido como “temporada aberta”, quando soldados foram autorizados a caçar os animais que viviam pela região atingida. Alguns cães sobreviveram a esse período e acabaram fugindo para bosques próximos.

Porém, a presença de outros animais e a falta de comida fez com que esses cachorros voltassem para a cidade abandonada e para a usina nuclear ainda ativa. “Lá, os trabalhadores começaram a alimentar os cães e eles ficaram desde então”, explicou Julie Sanders, diretora internacional de animais de companhia da Four Paws.

Fonte: Radio Free Europe/Radio Liberty

Tata Werneck adota cãozinho deficiente da Ampara Animal

por Samantha Kelly — publicado 23 ago 2017 - 8:41

A musa do humor brasileiro mais uma vez deixou claro que o seu talento é proporcional ao seu coração.

Já mãe de 14 pets, ela abriu as portas de sua casa novamente, agora para um cachorro especial que foi regatado através do incrível trabalho que a Ampara Animal realiza.

Meu novo filho! Doida pra chegar e te dar todo amor que vc não recebeu! Pra cuidar de todas as feridas que pessoas maldosas fizeram com vc! E juntos seremos mto felizes! E obrigada @amparanimal ! Por todo cuidado que tem com os bichos que (não consigo entender) algumas pessoas não têm capacidade de ter!

Foto: Reprodução/Instagram

Nino já aparece muito confortável e se familiarizando com sua nova moradia em vídeos postados nas redes por Tata e seu companheiro Rafael Vitti.

O fato dele não ter uma perna não muda em nada sua disposição e capacidade de amar e só prova que todos merecem uma segunda chance.

Nino tá feliz 😁 @amparanimal @tatawerneck

A post shared by Rafael Vitti (@rafaavitti) on

Deitei no tapete mesmo esperando mamãe chegar 😍❤️

A post shared by Tata Werneck (@tatawerneck) on