Hospitais veterinários terão de oferecer ambulâncias e salas cirúrgicas mais bem equipadas

Nova resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV) traz melhorias referentes as salas cirúrgicas e transporte de animais em estado grave.

por Fabio Sakita — publicado 6 fev 2013 - 8:03

Foto: Reprodução

Hospitais veterinários que oferecem o transporte de animais em estado grave terão 180 dias para se adaptarem a nova resolução do Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), divulgada no dia 31, quinta-feira.

Para os Hospitais Veterinários que transportam animais em estado grave, como em casos de atropelamento, deverá haver ambulância veterinárias (estas podem ser veículos adaptados), com veterinário presente e sistema de aplicação de soro e outros fluidos, sistema de provisão de oxigênio e aparelhos de monitoramento,

A obrigatoriedade do serviço de ambulância fica para os casos graves. Veículos comuns ainda poderão ser usados para o transporte simples.

As salas cirúrgicas em clínicas e hospitais veterinários deverão conter equipamentos como desfibrilador, bomba de infusão (usada para aplicação de remédios) e outros.

O setor cirúrgico deverá ser dividido em salas de acordo com a sua função:

Outra exigência é a divisão do setor cirúrgico em salas, de acordo com a função: uma sala de preparo do animal, outra de higienização hospitalar, outra de lavagem e esterilização dos materiais cirúrgicos, uma sala de operação propriamente dita e uma unidade de recuperação anestésica.

“Onde mais houve alteração é no setor cirúrgico. A resolução visa um melhor atendimento dos animais e uma atualização da resolução anterior, que era de 2000”, afirma Roza.

O conselheiro, que também é médico veterinário, ressalta que a nova resolução visa seguir a legislação sanitária no país e também o surgimento de novas tecnologias.

Segundo o CFMV, a fiscalização do cumprimento das normas será realizada pelos conselhos regionais de medicina veterinária, que podem ser consultados pelos hospitais e clínicas, no caso de dúvidas.

 

Fonte G1

deixe seu comentário: