Na Índia, cães de rua são uma ameaça

por Samantha Kelly — publicado 8 ago 2012 - 11:25

Vítimas de ataques surpresa mancam para dentro de um dos maiores hospitais públicos da cidade. Recentemente, entre as centenas estavam crianças encurraladas em suas casas, estudantes emboscados no caminho para a escola e pessoas de idade saindo do trabalho.

Todos contaram a mesma história assustadora: foram mordidos por cães de rua.

Deepak Kumar, 6, apresentava um corte em suas costas causado por um cachorro que atacou o casebre de sua família.

“Nós por fim fechamos os portões para nossa vila e batemos no cachorro até ele morrer”, disse o pai de Deepak, Rajinder.

Nenhum país tem tantos cachorros de rua como a Índia, e nenhum país sofre tanto com eles. Os cachorros de rua são dezenas de milhões e mordem milhões de pessoas anualmente, incluindo um grande número de crianças. Cerca de 20 mil pessoas morrem todos os anos infectadas pela raiva – mais de um terço da estatística global da raiva.

Bandos de cães de rua se escondem em parques públicos, guardam vielas e esquinas e uivam à noite nos bairros e vilarejos. Pessoas que correm carregam pedaços de bambu para bater nos cães, e ciclistas enchem os bolsos com pedras para jogar naqueles que os seguem. Andar com um cachorro de estimação aqui pode ser equivalente a nadar com tubarões.

Uma lei de 2001 proíbe a matança de cães, e a população de rua aumentou tanto que funcionários de todo o país expressaram alerta.

Em Mumbai, onde mais de 80 mil pessoas reportaram ser mordidas no ano passado, o governo planeja realizar um censo dos cães de rua usando motos para segui-los e tingindo seus pelos com tinta spray. Um membro da Assembleia Legislativa de Punjab propôs em junho mandar os cães para a China – onde às vezes se comem cães – depois que mais de 15 mil pessoas no estado disseram ter sido mordidas no ano passado. Em Nova Déli, funcionários anunciaram recentemente uma campanha intensiva de esterilização.

A posição da índia como um centro global para cães com raiva é antiga: o primeiro cachorro infectado com raiva provavelmente era indiano, diz o Dr. Charles Rupprecht, chefe do programa de raiva nos Centros para Controle e Prevenção de Doenças em Atlanta. As mordidas de cães causam 99% das mortes de seres humanos por raiva.

De fato, acompanhar a raiva no subcontinente é desafiador porque as relações que os cães indianos mantém com os seres humanos são ancestrais. O cão pária indiano, a raça dominante nas ruas, é provavelmente descendente de um antigo imigrante chinês, diz Peter Savolainen, professor de genética evolucionária no Instituto Real de Tecnologia em Estocolmo. Com orelhas pontudas, uma cabeça triangular e um rabo que se enrola sobre as costas, o pária se parece com outros cães pré-históricos como o dingo australiano.

 

 

Por milhares de anos, a relação dos cães com os seres humanos foi semelhante à do peixe piloto com os tubarões, diz John Bradshaw, diretor do Instituto de Antrozoologia da Universidade de Bristol na Inglaterra.

“Os cães essencialmente começaram se alimentado de carniça”, diz Bradshaw. “Eles evoluíram para andar em torno das pessoas em vez de ser úteis para elas.”

Embora essa relação tenha desaparecido em grande parte no mundo desenvolvido, ela continua sendo a relação dominante na Índia, onde os cães de rua sobrevivem dos montes de lixo onipresentes. Alguns são alimentados e usam coleiras de moradores que os valorizam como cães de guarda e companheiros, embora distantes. Os hindus são contra matar muitos tipos de animais.

Malini Jadeja, que mora em Déli parte do tempo, diz que estava andando com seu amado cachorro Fudge Cake há alguns anos não muito longe do Jardim Lodi quando “dois cachorros surgiram do nada e atacaram”, Fudge Cake estava na coleira, então não conseguiu fugir.

“Eu tentei agarrar os cães e puxá-los para longe, mas quando eu conseguia pegar um, o outro atacava”, disse Jadeja. “Eles mataram Fudge Cake na minha frente.”

Ela se culpa pela morte do cachorro e ainda vive aterrorizada pelos cães de rua.

“É muito difícil levar um cão para passear aqui por causa dos ataques dos cães de rua”, diz Radhey S. Sharma, presidente da Associação Veterinária Indiana.

 

 

Entretanto, a crescente classe média indiana começou a adotar ideias ocidentais para cuidar dos animais, comprando cães com pedigree e levando animais para dentro de casa. Mas muitos cachorros com pedigree acabam na rua, abandonados por criadores mal sucedidos ou donos que se cansam da experiência.

Os cães de rua são perigosos não só por causa de seus dentes mas também porque abrigam carrapatos e outros parasitas. Mas os defensores do bem-estar dos animais rejeitam veementemente a eutanásia; e alguns alertam que reduzir a população de cães de rua e não fazer nada com os montes de lixo do país pode ser perigoso porque os ratos podem se proliferar no lugar dos cães.

“A primeira coisa para começar a reduzir a população de cães de rua é administrar melhor o lixo”, diz Arpan Sharma, diretor-executivo da Federação de Organizações Indianas para a Proteção Animal. “E a segunda coisa é uma esterilização agressiva, castrando e vacinando os animais.”

Jaipur reduziu sua população de animais de rua, mas é uma exceção solitária que superou desafios enormes não só logísticos mas também culturais.

“As pessoas de fato não querem que nós tiremos os cães das ruas, particularmente nas áreas pobres”, diz o Dr. Jack Reece, veterinário de Jaipur que ajudou a liderar a iniciativa na cidade. “Em outras áreas, especialmente muçulmanas, eles não nos deixam soltar os cachorros novamente. Eu já fui cercado por grandes multidões de jovens irritados dizendo que eu não podia soltar os cães lá, embora eles tivessem sido tirados do mesmo local dois dias antes.”

 

 

Mais de uma dúzia de especialistas entrevistados disseram que o problema dos cães de rua da Índia só piorará até que uma vacina contraceptiva canina, ainda no laboratório, torne-se amplamente disponível e barata.

O Dr. Rosário Menezes, pediatra de Goa, diz que a Índia não pode esperar tanto. Os cães precisam ser retirados das ruas mesmo que isso signifique matá-los, diz ele.
“Sou a favor do direito das pessoas andar na rua sem medo de serem atacadas por bandos de cachorros”, diz ele.

Arshpreet Kaur tinha três anos quando um cão de rua entrou pela porta da frente de sua casa e mordeu ela e o avô. Em uma semana, Arshpreet teve dor de cabeça e depois febre. Seus pais a levaram para um hospital, mas ela entrou em coma, estado no qual permaneceu por nove anos antes de morrer.

“Há cães de rua por toda parte em Déli”, disse a mãe de Arshpreet, Jasmeen Kaur, numa entrevista por telefone. “Temos mais medo de mordidas de cachorro do que de qualquer outra coisa.”

 

Fonte

Califórnia proíbe a venda de animais provenientes de “fábricas de filhotes”

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 out 2017 - 18:31

O governador da Califórnia, nos Estados Unidos, deu um enorme passo para o fim da comercialização de animais de estimação. A partir do ano que vem, será proibida a venda de cães, gatos e coelhos provenientes de criadores ilegais e de fábrica de filhotes no estado norte-americano.

De acordo com uma nova lei, que foi assinada pelo governador Jerry Brown no dia 13 de outubro e entrará em vigor no dia 1º de janeiro de 2019,

 » Read more about: Califórnia proíbe a venda de animais provenientes de “fábricas de filhotes”  »

Paolla Oliveira aproveita tempinho livre para relaxar com cachorro

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 out 2017 - 9:36

A atriz Paolla Oliveira é uma amante de cachorros assumida e nós já demos muitas provas disso aqui no Portal do Dog.

Tutora de três cachorros (dois deles adotados) e 11 gatos, Paolla também é madrinha da ONG Paraíso dos Focinhos e sempre está participando de campanhas para ajudar a instituição, além de incentivar a adoção.

Pronta pra semana… Só que no horário de verão. 😂🙆

 » Read more about: Paolla Oliveira aproveita tempinho livre para relaxar com cachorro  »

Walt Disney World irá permitir a presença de cães em seus hotéis pela primeira vez

por Andrezza Oestreicher — publicado 16 out 2017 - 18:24

Pela primeira vez os hotéis e resorts do complexo Disney passaram a aceitar famílias hospedem também seus cachorros de estimação.

O Disney’s Yacht Club Resort, Disney Port Orleans Resort – Riverside, Disney’s Art of Animation Resort e o Disney’s Fort Wilderness Resort, todos localizados em Orlando, na Flórida, abriram suas portas ontem, dia 15 de outubro, para receber também hóspedes caninos.

Os animais não podem circular por todas as áreas dos hotéis e os quartos onde eles podem se hospedar com suas famílias ficam em andares específicos,

 » Read more about: Walt Disney World irá permitir a presença de cães em seus hotéis pela primeira vez  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Califórnia proíbe a venda de animais provenientes de “fábricas de filhotes”

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 out 2017 - 18:31

O governador da Califórnia, nos Estados Unidos, deu um enorme passo para o fim da comercialização de animais de estimação. A partir do ano que vem, será proibida a venda de cães, gatos e coelhos provenientes de criadores ilegais e de fábrica de filhotes no estado norte-americano.

De acordo com uma nova lei, que foi assinada pelo governador Jerry Brown no dia 13 de outubro e entrará em vigor no dia 1º de janeiro de 2019, as lojas de animais e pet shops de toda a Califórnia só poderão oferecer animais vindos de abrigos ou provenientes de resgates.

Os locais conhecidos como “fábricas de filhotes”, na maioria das vezes, não possuem a estrutura certa para manter os animais. (Foto: Reprodução / Gaikphotos)

As lojas que forem flagradas vendendo animais vindos de criadores ilegais ou de fábricas de filhotes poderão receber multas de até 500 dólares.

Essa proibição tem como objetivo acabar com as chamadas “fábricas de filhotes”, locais onde animais são confinados apenas com a finalidade de reproduzir para que os donos tenham lucro financeiro com a venda dos filhotes. E tudo isso em larga escala, ou seja, em grandes quantidades.

A preocupação com este tipo de comércio é muito grande, pois esses locais não oferecem a estrutura e nem os cuidados que os animais precisam, tanto matrizes (como são conhecidas as cadelas reprodutoras, as mamães) quanto filhotes.

Nesses locais, as cadelas matrizes, as mães, não recebem nenhum tipo de cuidado e são bastante negligenciadas. (Foto: Reprodução / One Green Planet)

Essa falta de cuidados e condições pode causar doenças e até traumas nos animais. Além disso, na maioria das vezes as pessoas que compram animais provenientes destes lugares nem imaginam como os bichinhos viviam antes de serem levados para o novo lar.

36 cidades da Califórnia, incluindo Los Angeles, San Francisco e San Diego, já proíbem a criação em massa, em grande quantidade. Agora, a proibição da venda é em todo o estado. Porém, criadores particulares ainda poderão vender animais de forma independente.

Nas “fábricas de filhotes” os animais vivem amontoados e muitas vezes em meio a muitas sujeiras. (Foto: Reprodução / schnauzerfriendsza)

“Quando os consumidores compram cachorros e gatinhos nas lojas de animais, desconhecem, muitas vezes, a origem dos animais e contribuem para uma indústria triste e de sofrimento”, disse Deborah Howard, presidente da Companion Animal Protection Society (CAPS), que acredita que a mudança irá ajudar a quebrar um ciclo de crueldade e maus-tratos, principalmente com as cadelas utilizadas apenas para procriar e que acabam sendo descartadas quando não podem mais ter filhotes.

Fonte: The Telegraph / Jornal de Notícias

Paolla Oliveira aproveita tempinho livre para relaxar com cachorro

por Andrezza Oestreicher — publicado 17 out 2017 - 9:36

A atriz Paolla Oliveira é uma amante de cachorros assumida e nós já demos muitas provas disso aqui no Portal do Dog.

Tutora de três cachorros (dois deles adotados) e 11 gatos, Paolla também é madrinha da ONG Paraíso dos Focinhos e sempre está participando de campanhas para ajudar a instituição, além de incentivar a adoção.

Pronta pra semana… Só que no horário de verão. 😂🙆

A post shared by Paolla Oliveira (@paollaoliveirareal) on

Paolla também parece ser do time daqueles que adoram passar qualquer tempo que tem livre com seus animais. Na reta final das gravações da novela a “A Força do Querer”, onde interpreta a policial Jeiza, a atriz curtiu a manhã da última segunda-feira, dia 16 de outubro, relaxando com um de seus cachorros e publicou uma imagem no seu perfil oficial no Instagram.

Junto da foto, que mostra a atriz deitada com um de seus cães em uma rede Paolla escreveu: “Pronta pra semana… Só que no horário de verão.”

Algumas horas depois, Paolla publicou mais uma foto com outro animal, dessa vez com o cachorro Iron, um cão policial da raça Pastor Belga Malinois com quem ela divide a cena na novela.

“Ganhando um carinho nas últimas gravações com meu fiel escudeiro em #AForçaDoQuerer. Vou sentir muita saudade do Iron. E vocês?”, escreveu a atriz, que parece bastante apegada ao animal, na legenda da foto.

Ganhando um carinho nas últimas gravações com meu fiel escudeiro em #AForçaDoQuerer. Vou sentir muita saudade do Iron. E vocês? 😢😘

A post shared by Paolla Oliveira (@paollaoliveirareal) on

Nós já falamos aqui que Paolla até demonstrou certo interesse em adotar o cão, que atualmente pertence ao Batalhão de Ações com Cães da Polícia Militar do Rio de Janeiro, mas que está pertinho de se aposentar.

Nós continuamos torcendo para que a atriz acabe ficando mesmo com Iron e lhe dê muito amor e a aposentadoria que ele merece, assim como ela faz como todos os seus animais.