Série “Criadas por Animais” investiga criança criada como bicho

por Samantha Kelly — publicado 14 set 2012 - 8:13

Oxana (à esq.), ucraniana criada por cães, em entrevista à antropóloga Mary Ann Ochota, da série “Criadas por Animais”. (Divulgação)

 

Por trás de histórias como as de Tarzan e de Rômulo e Remo existem casos reais e atuais de crianças que cresceram sem contato humano, apenas com outros animais.

A nova série em três episódios “Criadas por Animais” no Animal Planet investiga e mostra casos verídicos e seus personagens.

A apresentadora Mary Ann Ochota, antropóloga britânica, viaja até lugares como Uganda, Ucrânia e Fiji em busca de testemunhas oculares, imagens e explicações.

Em entrevista coletiva concedida por teleconferência, Mary Ann disse que “é difícil saber quantos casos existem. Muitos são antigos e outros mantidos em segredo”. Por isso é que filmou apenas três programas. “São raros os casos em que é possível saber a história real, genuína.”

O primeiro episódio é sobre John, um menino que viveu com macacos nas florestas de Uganda. O segundo episódio mostra o drama de Oxana, uma garota ucraniana que, abandonada por sua mãe alcoólatra, achou companhia entre cães. O último episódio exibe a história de Sujit, em Fiji, que viveu trancado com galinhas.

Em todos os casos, o desenvolvimento da fala, do andar, do comer, do convívio e da confiança nos outros é gravemente comprometido devido à falta de estimulação em períodos críticos. “Isso mostra o quão vulneráveis são as crianças”, afirma Mary Ann.

A psicóloga e especialista em comportamento animal Nancy Segal, da Universidade Estadual da Califórnia (EUA), acrescenta dois casos. “Um é o de Genie, que foi criada pelos pais em isolamento social. O outro é o de Victor, um francês que cresceu em ambiente selvagem.” Ela explicou à Folha que ambos adquiriram algum vocabulário, sem apresentar gramática.

A dificuldade dessas crianças com a fala ocorre porque há um período crítico, influenciado pelo instinto, para que uma habilidade como a linguagem possa se desenvolver com a ajuda de um estímulo. Se esse período passa, a aprendizagem é dificultada ou pode até não ocorrer.

“A resposta geral das crianças reencontradas é confusão e medo”, disse Mary Ann. “O garoto de Uganda fugiu várias vezes do orfanato para voltar para a floresta.”

As crianças só mostraram progresso na reabilitação após criarem vínculos com alguém em especial.

A psicóloga e etóloga Vera Bussab, especialista em vinculação mãe-bebê da USP, salienta que “a predisposição natural humana para a vinculação afetiva está presente desde antes do nascimento”.

“A motivação para a interação, o reconhecimento precoce da mãe e a expressão de emoções positivas frente à proximidade dela são indicadores dessa predisposição instintiva ao vínculo.”
Mary Ann destaca “o quanto os animais foram importantes para as crianças sobreviverem emocionalmente”.

Para ela, “os macacos em Uganda estão acostumados com humanos e até toleraram John no seu grupo, mas não cuidaram dele ativamente”.

Vera diz que “a própria adoção de filhotes de uma espécie por outra mostra uma abundância de instintos de cuidar. E a aceitação de condições substitutivas, nas quais os filhotes aproveitam ao máximo essa maternidade, supre dificuldades emocionais no crescimento”.

 

Ficção e Realidade

O tema de crianças criadas por animais é comum em histórias e filmes. Mary Ann diz que isso ocorre “porque nos mostra do que precisamos como humanos”.

“Os estereótipos dessas histórias são compreensíveis, mas não se trata de uma volta romanceada ao jardim do Éden. Na realidade, elas passam fome, frio e se esforçam ao máximo para sobreviver.”

Segundo Vera, não é por acaso que a sobrevivência de crianças pequenas sob os cuidados de outros animais intriga a todos nós. “Há um reconhecimento implícito da dependência especial que o recém-nascido humano tem dos cuidados fornecidos pelo pai e pela mãe.”

 

Fonte

Cachorro adota nove patinhos filhotes e se torna um ótimo papai para os pequenos órfãos

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 maio 2018 - 20:05

Cachorros costumam se dar muito bem com animais de diferentes espécies e fazer uma incrível amizade e dar amor para muitos bichinhos. O fofo cãozinho Fred, um Labrador de 10 anos de idade, mostra bem isso.

Fred mora no Mountfitchet Castle, um castelo que foi todo reconstruído em madeira como o seu original, de 1066, e hoje funciona como local de visitação onde se conhecer um pouco da sua história, localizado em Essex,

 » Read more about: Cachorro adota nove patinhos filhotes e se torna um ótimo papai para os pequenos órfãos  »

Seis dias depois de cair em ribanceira, cachorro é resgatado por bombeiros

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 maio 2018 - 14:22

Mais uma vez bombeiros foram os grandes heróis na vida de um cachorrinho que precisava há dias de uma ajuda mais especializada.

O cãozinho tinha caído de uma ribanceira e estava preso há seis dias em uma área de mata localizada em Ituporanga, um município de Santa Catarina. O Corpo de Bombeiros foi chamado para fazer as buscas e o resgate do animal, pois ele estava em uma local onde o acesso era bastante complicado.

 » Read more about: Seis dias depois de cair em ribanceira, cachorro é resgatado por bombeiros  »

Senhor com doença terminal tem como último desejo ver seu cachorro mais uma vez

por Andrezza Oestreicher — publicado 22 maio 2018 - 20:23

O cãozinho Shep, um fofo Border Collie, e seu tutor, um senhor chamado Peter Robson eram melhores amigos e muito apegados um ao outro desde que o peludo entrou na vida do homem.

Shep foi um presente dado para Peter por sua família logo após sua esposa falecer. Com a chegada do cachorro, o homem voltou a sorrir. Os dois se tornaram grandes companheiros e viveram juntos por oito anos. Até que Peter ficou bastante doente e precisou ser internado.

 » Read more about: Senhor com doença terminal tem como último desejo ver seu cachorro mais uma vez  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Cachorro adota nove patinhos filhotes e se torna um ótimo papai para os pequenos órfãos

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 maio 2018 - 20:05

Cachorros costumam se dar muito bem com animais de diferentes espécies e fazer uma incrível amizade e dar amor para muitos bichinhos. O fofo cãozinho Fred, um Labrador de 10 anos de idade, mostra bem isso.

Fred mora no Mountfitchet Castle, um castelo que foi todo reconstruído em madeira como o seu original, de 1066, e hoje funciona como local de visitação onde se conhecer um pouco da sua história, localizado em Essex, na Inglaterra. Por lá, vivem outros animais junto com Fred.

Os funcionários do lugar ficaram bastante preocupados quando viram os mais novos visitantes que passeavam pelo local, eram nove filhotes de pato que estavam sem a sua mamãe. A equipe do castelo procurou bastante, mas a pata mãe não foi encontrada. Os patinhos eram órfãos.

Foi aí que Fred, mascote do castelo, resolveu ele mesmo dar um jeito na situação. O cachorro simplesmente adotou os nove patinhos e passou a cuidar, com muita calma e tranquilidade, de todos eles.

Os patinhos também parecem ter se dado muito bem com o cão e estão adorando ficar com o grande peludo. “Os patinhos o adoram e ele agora é um pai que fica em casa cuidando dos nove patinhos. Eles estão ficando muito travessos, até pegando carona nas costas dele e seguindo Fred até a água para nadar no fosso do castelo”, informou a equipe do castelo através de um comunicado.

Quando estiverem maiores e não precisarem mais de uma babá ou de um pai adotivo, os patos serão bem-vindos a permanecer no castelo, que abriga diversos outros animais, muitos deles até resgatados.

Impossível não se derreter com esse fofo cachorrão cuidando dos pequenos patinhos.

Fonte: BuzzFeed

Seis dias depois de cair em ribanceira, cachorro é resgatado por bombeiros

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 maio 2018 - 14:22

Mais uma vez bombeiros foram os grandes heróis na vida de um cachorrinho que precisava há dias de uma ajuda mais especializada.

O cãozinho tinha caído de uma ribanceira e estava preso há seis dias em uma área de mata localizada em Ituporanga, um município de Santa Catarina. O Corpo de Bombeiros foi chamado para fazer as buscas e o resgate do animal, pois ele estava em uma local onde o acesso era bastante complicado.

Três bombeiros encontraram e salvaram um cãozinho que estava há dias preso em uma rocha. (Foto: Reprodução / Facebook Corpo de Bombeiros Militar de Ituporanga)

Os socorristas começaram a procurar o cão no domingo, dia 20 de maio, mas só conseguiram encontrá-lo no dia seguinte. O animal estava a aproximadamente 50 metros do pico do penhasco, e para conseguirem realizar o resgate os bombeiros precisaram fazer um rapel no meio da mata.

De acordo com informações do Corpo de Bombeiros, o cachorro foi encontrado em uma fenda de uma rocha. Ele estava bastante assustado, debilitado e muito fraco, pois estava há seis dias sem comer e beber água.

O resgate foi bastante complicado e os bombeiros precisaram fazer um rapel para chegar até o animal. (Foto: Reprodução / Facebook Corpo de Bombeiros Militar de Ituporanga)

Os bombeiros utilizaram diversos equipamentos de segurança para fazer o rapel e, com muito cuidado, resgatar o cãozinho.

Os responsáveis pelo resgate do animal publicaram um vídeo mostrando como tudo aconteceu e também mostraram o cachorro bem e se alimentando após o salvamento.

🚒 🐕 🐕 🚒.Trechos do vídeo do resgate do cão que havia caído em ribanceira. Ele estava a 50 metros do ponto de ancoragem em uma fenda. Foi resgatado com sucesso pela equipe do Corpo de Bombeiros Militar de Ituporanga 💪🏻 🐕 ..#cbmsc #cbmituporanga #firedepartment #bombeirosdomundo #ituporanga #cbmscoficial #imbuia #eucurtocbmsc #rescue #bombeiros #chiefmiller #bombeiro @portalg1 #firefighter #floripa #chapeco #resgate #pompiers #bomberos #dog #cachorro #florianopolis #мчсроссии #blumenau #santacatarina #sapeurspompiers @cbmscoficial @redeglobo @recordtvoficial @band #riodosul #thedodo

Posted by Corpo de Bombeiros Militar de Ituporanga on Tuesday, May 22, 2018

Quando os bombeiros viram que o cãozinho estava realmente bem, o pet foi devolvido para os tutores.

Fonte: Folhapress