Visitas em domicílio de veterinários é uma tendência que está voltando

por Samantha Kelly — publicado 27 ago 2012 - 8:38

Visitas em domicílio de veterinários é uma tendência que está voltando.

 

Há uma tendência crescente entre os 85,000 veterinários norte-americanos quanto as visitas em domicílio aos pacientes, segundo a Dr Bonnie Beaver.

Pelo menos para McCarthy e seu gatinho Duke, que tinha tanto medo de ir ao veterinário que precisava de um tranquilizante para sair de casa, a visita em domicílio foi um salva vidas. Com o tempo, e com a adição da cadelinha Pooch (raça Shih Tzu), eles acharam uma veterinária que fazia visitas em casa, Elisabetta Coletti.

“Quando Pooch comeu uma tortinha de hortelã na semana passada, a veterinária chegou rápido com conselhos, o que nos tranquilizou durante a noite”, disse McCarthy, professora no Brooklyn, em Nova York.

A tendência é uma tradição que está voltando, segundo Beaver “Nós costumávamos chamá-las de visitas à fazenda. Enquanto o veterinário cuidava das vacas e cavalos, aproveitava a viagem e também cuidava dos cachorros e gatos da família.”

“Visitas em casa costumavam ser o pão e a manteiga do nosso negócio.” continua a Dr. Margarita Abalos.

E então as clínicas e os hospitais, onde ficavam os raios X e o ambiente para cirurgia, se tornaram a norma.

Agora as visitas em domicílio estão voltando a ser comuns, pelo menos em cidades grandes e em áreas com um poder aquisitivo maior, segundo Dr. Abalos.

Os veterinários acreditam que visitar um animal em sua casa aumenta o laço entre o veterinário, o bichinho de estimação e seu dono.

Começando pelo estresse que diminui, disse Lisa Beagan. Não há espera e o tempo de chegar ao local.

“Para muitos animais, é estressante ir em um hospital estranho com os mais variados tipos de odores. Como cachorros e gatos são muito sensitivos quanto ao cheiro, é como ser bombardeado com um caleidoscópio de cores. Em casa, eles nem percebem que estão sendo examinados ou recebendo remédios”, afirma Lisa.

As visitas em casa podem ajudar em problemas comportamentais.

Beagan tinha um cliente que não conseguia entender porque seu gato não estava fazendo xixi dentro da caixa. Parece que a caixa estava perto da portinha do gato e quando ele passava pela porta e ia para a caixa, a aba da porta batia atrás da caixa, empurrando-a. Foi só tirar a aba e o problema foi resolvido, disse Beagan.

Em outros casos, alguns donos de pet precisam de uma dose de realidade.

“Eu tive uma cliente que tinha esses gatos muito, muito gordos. Eu acompanhei o caso por muitos anos para lidar com o problema do excesso de peso. Ela continuava dizendo que eles só comiam a medida certa de comida. Então eu resolvi fazer uma visita a casa dela de surpresa. Havia tigelas com comida em todo canto. Só então conseguimos começar a tratar o problema”, disse Abalos.

Outra parte do público são donos de pets idosos que têm dificuldade em sair de casa.

Visitas em casa podem custar o dobro do que as convencionais na clínica, pois os veterinários incluem no preço o tempo gasto na viagem.

Em Nova York, por exemplo, visitas em casa podem ser necessárias pela conveniência, diz Coletti, já que muitos motoristas de taxi não param para pessoas que estão com um cachorro ou gato, e também pelo fato de Nova Yorkinos não constumarem andar de carros.

Os veterinários que fazem visitas dizem que a eutanásia em casa é uma das partes mais importantes para os pacientes. “Foi tão importante. Nós estávamos de coração partido. Nós pudemos ter nosso último momento com nosso gato sem sermos apressados ou puxados em várias direções. Ela estava tão interessada em respeitar o animal quanto nós.” disse Dirks Amodeo.

 

 

Texto traduzido por Portal do Dog. Fonte Washington Post.

 

Veterinários são enviados para tratar cães de rua que vivem próximo de Chernobyl

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 ago 2017 - 11:00

A explosão e o incêndio na fábrica de Chernobyl em 26 de abril de 1986 foi o pior acidente nuclear civil do mundo e deixou altos níveis de radioatividade nas áreas ao redor da fábrica.

Hoje, 31 anos depois, ainda existem áreas de contaminação radioativa na região e muitos cães abandonados vivem por essa região sem receber nenhum tipo de cuidado.

De acordo com o grupo Four Paws, centenas de descendentes de cães abandonados na área de Chernobyl estão vagando por dentro e ao redor do reator destruído.

 » Read more about: Veterinários são enviados para tratar cães de rua que vivem próximo de Chernobyl  »

Tata Werneck adota cãozinho deficiente da Ampara Animal

por Samantha Kelly — publicado 23 ago 2017 - 8:41

A musa do humor brasileiro mais uma vez deixou claro que o seu talento é proporcional ao seu coração.

Já mãe de 14 pets, ela abriu as portas de sua casa novamente, agora para um cachorro especial que foi regatado através do incrível trabalho que a Ampara Animal realiza.

Meu novo filho! Doida pra chegar e te dar todo amor que vc não recebeu! Pra cuidar de todas as feridas que pessoas maldosas fizeram com vc!

 » Read more about: Tata Werneck adota cãozinho deficiente da Ampara Animal  »

Adolescentes gravam símbolo da suástica na cabeça de um Chihuahua e assustam família

por Andrezza Oestreicher — publicado 22 ago 2017 - 18:23

No Arizona, Estados Unidos, um cãozinho com um símbolo da suástica pintado na cabeça deixou uma família bastante aterrorizada.

Uma mulher ficou chocada quando o animal, que é de um vizinho, apareceu na porta de sua casa. O medo que ela sentiu é fácil de explicar.

A suástica é como uma marca da raça ariana e foi muito utilizada pela Alemanha Nazista, período em que os alemães acreditavam que sua raça era a pura e havia muito preconceito com outros povos.

 » Read more about: Adolescentes gravam símbolo da suástica na cabeça de um Chihuahua e assustam família  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Veterinários são enviados para tratar cães de rua que vivem próximo de Chernobyl

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 ago 2017 - 11:00

A explosão e o incêndio na fábrica de Chernobyl em 26 de abril de 1986 foi o pior acidente nuclear civil do mundo e deixou altos níveis de radioatividade nas áreas ao redor da fábrica.

Hoje, 31 anos depois, ainda existem áreas de contaminação radioativa na região e muitos cães abandonados vivem por essa região sem receber nenhum tipo de cuidado.

Os cães que vivem por lá são alimentados por trabalhadores da usina. (Foto: Reprodução / Daily Mail / Getty Images)

De acordo com o grupo Four Paws, centenas de descendentes de cães abandonados na área de Chernobyl estão vagando por dentro e ao redor do reator destruído. Ainda segundo informações, muitos destes animais vivem em áreas com contaminação radioativa.

Pensando nestes cachorros, um grupo internacional de bem-estar animal com base nos Estados Unidos, disse que está enviando uma equipe de médicos veterinários para a Ucrânia para cuidar destes cães.

O grupo, que irá se juntar a uma turma de outros especialistas que já estão na região, vai oferecer tratamentos médicos, como vacinas contra a raiva e serviços de castração, para os cachorros que vivem dentro da área conhecida como “zona de exclusão”.

“Devido a animais selvagens que também vivem dentro da zona de exclusão, os cães abandonados são frequentemente infectados com raiva, representando um risco para as pessoas que trabalham na usina”, informaram representantes do grupo Four Paws.

Os cachorros irão receber cuidados médicos e vacinas. (Foto: Reprodução / Daily Mail / Getty Images)

Ainda de acordo com o grupo, após o desastre nuclear, aconteceu o que ficou conhecido como “temporada aberta”, quando soldados foram autorizados a caçar os animais que viviam pela região atingida. Alguns cães sobreviveram a esse período e acabaram fugindo para bosques próximos.

Porém, a presença de outros animais e a falta de comida fez com que esses cachorros voltassem para a cidade abandonada e para a usina nuclear ainda ativa. “Lá, os trabalhadores começaram a alimentar os cães e eles ficaram desde então”, explicou Julie Sanders, diretora internacional de animais de companhia da Four Paws.

Fonte: Radio Free Europe/Radio Liberty

Tata Werneck adota cãozinho deficiente da Ampara Animal

por Samantha Kelly — publicado 23 ago 2017 - 8:41

A musa do humor brasileiro mais uma vez deixou claro que o seu talento é proporcional ao seu coração.

Já mãe de 14 pets, ela abriu as portas de sua casa novamente, agora para um cachorro especial que foi regatado através do incrível trabalho que a Ampara Animal realiza.

Meu novo filho! Doida pra chegar e te dar todo amor que vc não recebeu! Pra cuidar de todas as feridas que pessoas maldosas fizeram com vc! E juntos seremos mto felizes! E obrigada @amparanimal ! Por todo cuidado que tem com os bichos que (não consigo entender) algumas pessoas não têm capacidade de ter!

Foto: Reprodução/Instagram

Nino já aparece muito confortável e se familiarizando com sua nova moradia em vídeos postados nas redes por Tata e seu companheiro Rafael Vitti.

O fato dele não ter uma perna não muda em nada sua disposição e capacidade de amar e só prova que todos merecem uma segunda chance.

Nino tá feliz 😁 @amparanimal @tatawerneck

A post shared by Rafael Vitti (@rafaavitti) on

Deitei no tapete mesmo esperando mamãe chegar 😍❤️

A post shared by Tata Werneck (@tatawerneck) on