Como surgiram os cachorros que conhecemos hoje.

por Samantha Kelly — publicado 1 ago 2012 - 1:49

Como surgiram os cachorros que conhecemos hoje.

 

Fim da última Era Glacial, 15 mil anos atrás. O Homo sapiens começava uma vida nova. Depois de passar mais de 100 mil anos vagando por todo canto, em busca de animais para caçar e vegetais para catar, aprendeu a plantar. Era o início da agricultura. Agora os homens se juntavam em vilas. Eram as primeiras cidades do mundo. E, como toda cidade do mundo, elas eram rodeadas por lixo: restos de comida, frutas podres, ossos…Mas o que a gente via como dejeto era almoço grátis para vários bichos. Entre os ratos e baratas que se aproveitavam dos restos estavam os lobos – que até hoje frequentam lixões, tanto que os fotógrafos de natureza selvagem vão a esses lugares quando querem conseguir imagens dos animais (tirando os detritos do enquadramento, claro). Só que o lobo tende a fugir quando pessoas se aproximam. Um comportamento antissocial que não ajuda. Desse jeito, o bicho não conseguia ficar muito tempo perto de uma vila para comer nossas sobras. Isso até a lógica da evolução entrar em cena.

Os poucos lobos que nasciam sem ter medo de gente começaram a se alimentar melhor, já que não fugiam toda hora. Quem come melhor fica mais saudável, vive mais e faz mais sexo. Quem faz mais sexo deixa mais descendentes, passa seus genes para a frente. De carona, vão as características que fizeram o animal ter mais sucesso que os outros. No caso dos lobos comedores de lixo, a característica mais vital era uma só: não ter medo de gente.

Com o tempo (pouco tempo), já havia duas classes de lobos: os totalmente selvagens e os que viviam perto de pessoas, e que ficaram dependentes das aglomerações humanas para sobreviver. Além de ficarem mais amigáveis, esses bichos foram ganhando uma aparência bem distinta da dos lobos. Estes últimos têm corpo forte e cérebro relativamente avantajado. São duas coisas essenciais para um predador que come búfalos e prepara estratégias de caça em grupo, mas são uma bagagem inútil para um bicho que se profissionalizou em comer restos. Corpo e cérebro grandes eram desvantagem para ele, já que exigem bastante energia para funcionar. Muita energia significa muita comida (como nós, cabeçudos, sabemos bem). E quem precisava de muito mais que os outros para viver acabava morto de fome. Roer osso, afinal, é bem menos nutritivo que abocanhar um filé de bisão. Quem levou mais vantagem, então, foram os mais mirrados e de cérebro menor.

E a transformação desse novo bicho não parou por aí. Continuou firme, e agora se aproveitando de uma fraqueza nossa: adorar filhotes. Qualquer filhote de mamífero parece agradável para nós. Pode olhar no Google Images: até os morcegos nenéns são uma fofura só. Os olhos grandes e os traços delicados dos recém-nascidos de outras espécies nos fazem identificar neles as características dos nossos bebês. Afinal, todos nós, mamíferos, temos um único tataravô, um ancestral comum parecido com um rato que viveu há 60 milhões de anos. Já que somos praticamente irmãos de qualquer coisa que dê de mamar, gostamos naturalmente dos filhotes deles.

E eles de nós também. Se você pegar para criar um filhote de leão, de urso ou de lobo, ele vai ser uma graça no início da vida; tão brincalhão e inofensivo quanto uma criança humana. Por isso mesmo muita gente cria filhotes de animais selvagens como bicho de estimação. O problema é quando ele virar bicho grande: sempre vai parecer (e ser) algo ameaçador. Você não vai querer um leão adulto no seu apartamento com a boca escancarada, cheia de dentes, esperando você chegar. Nem ele vai querer estar lá.

Mas aqueles lobos amigáveis queriam. Então aconteceu com eles uma coisa inédita no mundo animal. Os que tiveram mais sucesso – os mais bem alimentados, mais sexualmente ativos e com mais decendentes – foram os que continuaram com jeitão de filhote mesmo depois de adultos. Eram, afinal, os que mais agradavam os humanos. Nós enxotamos os lobos mais ferozes e paparicamos os mais dóceis, que passaram a receber comidinha na boca a vida inteira. Assim eles enganaram nossos instintos.

E suprimiram os deles: essa nova espécie, que 15 mil anos depois ganharia o nome de Canis familiaris, se separou totalmente do Canis lupus (o lobo propriamente dito). Desaprendeu a caçar para comer e se especializou em ganhar a comida de seres humanos. Em vez de formar matilhas, preferiu virar membro das nossas famílias. Desenvolveu o latido para chamar nossa atenção. E os instintos que sobraram foram os que parecem mais agradáveis para a gente. Por exemplo: sabe quando o cachorro vai lamber a cara do dono? É porque as lobas regurgitam comida para seus filhotes. Os cachorros não comem da boca de suas mães, mas mantiveram esse traço de comportamento selvagem-infantil com os humanos, já que para nós a coisa parece uma tentativa de beijo – não de comer vômito. Bom, na verdade sobraram mais instintos de lobo. Para caçar, por exemplo, o lobo combina várias habilidades inatas, que estão escritas em seus genes: procurar a presa, cercá-la, matar e trazer carne para o resto da matilha. Cada uma é um instinto independente. E todos precisam estar em sintonia para a caçada dar certo. Mas os cães não precisam caçar. Eles conseguem sua comida com as pessoas. Então alguns dos genes que eles herdaram dos lobos acabaram desligados. É por isso que alguns cães adoram perseguir e intimidar outros animais, por exemplo, mas não têm o instinto de matá-los. Isso também explica o comportamento daqueles cachorros que ficam correndo atrás dos carros, mas não sabem o que fazer quando um automóvel para.

À primeira vista, essas crises de identidade podem parecer inúteis. Mas aprendemos a usá-las a nosso favor. Primeiro na caça: nada mais eficiente para o homem pré-histórico que sair para caçar com um bicho que sabe perseguir presas como se fosse um lobo, mas que, em vez de comê-las, só “traz a carne de volta para a matilha” – no caso, para os homens.

Por volta de 9000 a.C. surgiria aquela que provavelmente é a maior revolução na história da economia mundial até hoje: a criação de gado – que permitiu o acesso a quantidades antes inimagináveis de comida. E os instintos tortos dos cachorros foram fundamentais nesse mundo novo. Os que tinham mais jeito para cercar presas foram usados para conduzir rebanhos. Os mais agressivos eram ensinados a proteger as ovelhas e bois como se fossem sua própria matilha, defendendo-os inclusive de lobos.

A partir daí, essas habilidades viraram o grande critério de seleção entre os cães – os que mais se davam bem entre as pessoas eram os que trabalhavam melhor em suas áreas. Com mais comida e abrigo que os outros, esses eram os que passavam seus genes adiante com mais facilidade. Depois o homem acelerou o processo por conta própria, colocando os indivíduos mais eficientes (ou mais elegantes ou mais fofos) para se reproduzir entre si. Isso dividiu a espécie dos cães em tipos bem distintos, coisa que hoje chamamos de “raça”. Na Roma antiga, por exemplo, já havia raças de cães de guarda, de pastores, de cachorrinhos de colo… E o bicho deixava definitivamente de ser mais um animal para se tornar membro da humanidade. Mas a história dos cachorros como os conhecemos hoje ainda nem tinha começado.

 

Fonte

Gregório Aparecido, mais uma celebridade canina para você ficar de olho nas redes sociais

por Andrezza Oestreicher — publicado 25 set 2017 - 9:20

Pesquisa aponta que brasileiros gastam quase R$ 200 por mês com animais de estimação

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 set 2017 - 18:22

De acordo com uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com usuários da intenert, cerca de 76% dos internautas brasileiros possuem um animal de estimação em casa. Destes animais, 79% são cães.

A pesquisa, que buscava saber o comportamento dos tutores em relação ao gasto financeiro com seus animais, mostrou que as famílias brasileiras gastam uma média de R$ 189 por mês com seus animais de estimação.

 » Read more about: Pesquisa aponta que brasileiros gastam quase R$ 200 por mês com animais de estimação  »

Câmeras flagram momento em que cadela é abandonada por tutor, mas história tem final feliz

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 set 2017 - 9:27

A cidade de Dallas, no Texas, Estados Unidos, sofre com o grave problema de abandono de animais. Os abrigos locais fazem tudo o que podem. Resgatam, cuidam e encontram lares para os bichinhos, mas o abandono continua.

Pensando em minimizar ao máximo isso, autoridades locais colocaram câmeras de segurança em um ponto da cidade conhecido por ser um local onde muitos animais são abandonados. E parece que essa ajuda já está trazendo efeitos.

O primeiro caso flagrado pelas câmeras,

 » Read more about: Câmeras flagram momento em que cadela é abandonada por tutor, mas história tem final feliz  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Gregório Aparecido, mais uma celebridade canina para você ficar de olho nas redes sociais

por Andrezza Oestreicher — publicado 25 set 2017 - 9:20

No dia 2 de setembro do ano passado, nós contamos para vocês a história de Pérola Carolline, cadelinha brasileira que faz muito sucesso nas redes sociais e que é nossa musa fitness do Instagram.

Nós contamos como Pérola foi adotada por sua família, que foi muito bem escolhida por ela mesma.

Agora, a família da cadelinha está maior, e hoje nós vamos contar a história de Gregório Aparecido, irmãozinho de Pérola que na última sexta-feira, dia 22 de setembro, comemorou um ano de adotado com sua nova família.

De acordo com Neila Caputo, tutora da Pérola, em setembro do ano passado ela estava mexendo nas redes sociais da cadelinha quando viu algumas fotos de cachorros para adoção. Ao ver as fotos do Gregório, que na época se chamava Fred, Neila e seu marido imediatamente se encantaram, mas eles não estavam pretendendo aumentar a família.

Como os perfis de Pérola nas redes sociais possuem um grande número de visualizações, ela tem mais de 14 mil seguidores no Instagram e mais de 900 amigos no Facebook, Neila também usa essas páginas para divulgar animais que estão precisando de ajuda e de adoção. Assim, ela entrou em contato a protetora que havia feito a postagem daquele cãozinho que encantou sua família.

Segundo informações da protetora, uma mulher que trabalhava próximo ao local onde o animal estava contou que um carro passou pela rodovia e abandonou o cachorrinho lá. No local já havia duas outras cadelas, e Gregório, por ser o macho, passou a agir como o protetor do pequeno bando. Ele começou a avançar em outros cães que passavam por ali no intuito de defender as cadelas. Essa moça, então, pediu ajuda para que os animais fossem resgatados.

Esse resgate demorou para acontecer, pois pois a protetora estava sem espaço para novos cães. Por conta da falta de espaço, Gregório acabou tendo que ir para o sítio, onde outros cachorros viviam. Lá, o pequeno novato estava apanhando muito dos outros cães, maiores do que ele.

Ao saber da história, Neila e seu marido não resistiram e foram buscar o cachorro, que então recebeu o nome de Greório, já no dia seguinte. Ele estava desnutrido, fraco e todo machucado e foi rapidamente levado ao veterinário, onde recebeu todos os cuidados que precisava, inclusive teve que tosar o pelo todo para tratar as feridas.

Os irmãozinhos se dão muito bem e até aprontam juntos. (Foto: Reprodução / Instagram @perolacarolline)

Aos poucos ele foi melhorando, porém apresentava crises asmáticas com frequência. Foi aí que Neila decidiu começar a levá-lo para as suas corridas pela manhã junto com nossa musa fitness Pérola.

Gregório está quase chegando pertinho de sua irmã peluda, que corre 6 km. Ele já completa 4 km de exercícios, sendo 2 km caminhando e 2 km correndo. Com isso a asma está bastante controlada e ele nem precisa mais de medicamentos.

E como Pérola se comportou com a chegada do irmãozinho? “Ah! a Pérola amouuuu, recebeu muito bem o irmãozinho”, nos contou Neila.

Hoje, as fotos das redes sociais de Pérola são ainda mais divertidas, pois contam com a participação do levado e divertido Gregório Aparecido, que além de não deixar a cadelinha em paz, apronta todas em casa e até rouba comida da mesa se derem bobeira.

Pesquisa aponta que brasileiros gastam quase R$ 200 por mês com animais de estimação

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 set 2017 - 18:22

De acordo com uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com usuários da intenert, cerca de 76% dos internautas brasileiros possuem um animal de estimação em casa. Destes animais, 79% são cães.

A pesquisa, que buscava saber o comportamento dos tutores em relação ao gasto financeiro com seus animais, mostrou que as famílias brasileiras gastam uma média de R$ 189 por mês com seus animais de estimação.

Quando falamos de famílias das classes A e B esse gasto sobe para de R$ 224 mensais.

A maioria dos tutores tem seus animais com membros da família. (Foto: Reprodução / Porticopharmacy)

O fato de serem considerados como membros da família por grande parte dos tutores, cerca de 61% dos entrevistados pensam assim, faz com que as pessoas não pensem em seus animais como gasto e tentem oferecer os melhores produtos para os seus pets.

Ainda de acordo com a pesquisa, entre os principais serviços que os tutores buscam seus pets estão rações (88%), shampoos e condicionadores (57%), petiscos (52%), medicamentos e vitaminas (50%) e brinquedos (44%). Mais da metade dos tutores entrevistados, 52%, afirmaram que buscam sempre a melhor ração para seus animais e que as mais escolhidas são as chamadas premium.

Apesar da crise financeira, a pesquisa mostrou que 21% dos tutores não deixam de comprar algo para seus bichinhos por falta de dinheiro.

Entre os principais gastos com os animais está a ração. Boa parte dos tutores busca oferecer a melhor ração para o seu pet. (Foto: Reprodução / Pet MD)

Também pôde ser vista na pesquisa a preocupação dos tutores (99%) quanto à saúde de seus animais de estimação. Prova disso é que o item que a maioria dos tutores respondeu ser um desejo oferecer para o seu animal é um plano de saúde específico. 33% dos tutores afirmaram que, apesar de terem muita vontade, não fizeram plano de saúde para o seu animal por conta do dinheiro.

Os peludos merecem ser muito amados e ter tutores tenham sempre um cuidado especial com sua saúde.

Fonte: G1