Canine Freestyle é um esporte canino que envolve dança e muita criatividade

As performances coreografadas permitem que o relacionamento e sintonia entre a dupla realmente ganhe forma.

por Samantha Kelly — publicado 31 mar 2015 - 15:08

O Canine Freestyle é um esporte canino que envolve cachorro e treinador em rotinas de dança que são possíveis graças a técnicas de obediência, truques e muita criatividade.

As performances coreografadas permitem que o relacionamento e sintonia entre a dupla realmente ganhe forma, além de expor a beleza e disciplina de um cão atlético e bem treinado que é capaz de fazer movimentos artísticos e precisos.

Mesmo que o cão seja treinado, se não houver companheirismo e sintonia com o treinador, não há freestyle, o que torna esse esporte ainda mais especial. Diferente das outras rotinas, como o agility, os competidores de freestyle estão constantemente preparando novos passos. Para que esse dinamismo funcione, o cão precisa estar o tempo inteiro atento ao treinador, seja aos comandos verbais ou físicos.

Com seu início no final da década de 80 em países como Estados Unidos, Canadá, Inglaterra e Holanda, o esporte começou com uma linha muito sólida que o dava personalidade, contando principalmente com as as demonstrações de treinamento de obediência sendo apresentadas com música, assim inovando as performances e emprestando elementos do esporte equino Kur.

O primeiro grupo oficial de Canine Freestyle foi o canadense Musical Canine Sports International, que teve sua estreia em 1991.

Criada desde 1995, a The Canine Freestyle Federation é uma organização sem fins lucrativos que foi muito importante no desenvolvimento do esporte e até hoje é peça primordial na regulamentação e manutenção do esporte nos Estados Unidos.

Em 1999, a World Canine Freestyle Organization (WCFO) foi criado e já começou a oferecer competições mundiais no ano seguinte.

Hoje, há diversos campeonatos e grupos de aficionados pela prática em todo o mundo.

 

 

O que é preciso para participar de rotinas de Canine Freestyle

O treinamento de obediência é fundamental para o Freestyle, já que será base para que o cão obedeça aos comandos e desenvolva seu potencial atlético.

Após a primeira etapa de obediência, diferente do que normalmente é feito, o cachorro irá aprender a ficar junto em ambos os lados do treinador, dessa forma trabalhando melhor seu equilíbrio e músculos. Nesse caso, comandos ajudam ao cão a diferenciar os movimentos e para qual lado ele deve seguir.

Passado esse ponto, o cão irá aprender também outros movimentos mais incomuns e que não são explorados em competições de obediência, porém que já darão uma ótima iniciação ao Freestyle, como andar em linha reta ou caminhar de costas.

Uma vez que o cão souber diversos movimentos, é hora de selecionar uma música que combine com o animal e começar a acostumá-lo ao ritmo.

No começo, músicas de no máximo 4 minutos são melhores para as primeiras rotinas. Antes de trazer seu cachorro, repita a coreografia diversas vezes para que saiba exatamente em que posições deve estar, aonde estarão a plateia e os juízes.

Quando iniciar o treinamento do cachorro, anime-o para que esteja com vontade de participar. Geralmente, treinadores vão ensinando a coreografia por partes, para depois que o cão estiver bem acostumado com a rotina de forma fragmentada, juntar tudo e formar um elemento.

O objetivo principal é criar uma rotina fluida sem nunca esquecer que o foco é no cachorro. O interessante é ensinar o cachorro e com isso mostrar toda sua beleza e atletismo, não apenas truques e acrobacias.

 

 

Quem pode ser um atleta canino de Canine Freestyle

O Canine Freestyle é bem democrático e basicamente todos os cães podem fazer parte, independente da idade ou raça, portanto que estejam bem de saúde e aptos fisicamente.

Apesar de vermos mais cães da raça Border Collie e Golden Retriever, cães com e sem raça definida marcam presença nas competições.

 

 

Tipos de Canine Freestyle

Hó duas categorias de Canine Freestyle: Freestyle Heeling e a Musical Freestyle.

Freestyle Heeling

Na Freestyle Heeling, o cachorro é testado em sua habilidade de ficar junto ao treinador enquanto o humano dança. Nessa categoria, cão e tutor permanecem juntos durante toda a rotina.

Movimentos importantes para a rotina: Mover-se diagonalmente, para frente e para trás.

Movimentos que não fazem parte do Heeling: Pular, rolar e passar entre as pernas do treinador (trança).

Musical Freestyle

Nessa categoria, a habilidade de ficar junto precisa ser combinada com outros truques, como pular, girar, rolar, passar entre as pernas do treinador (trança), mover-se a distância e outros movimentos mais dramáticos.

 

Critérios de avaliação

Apesar dos critérios variarem dependendo da competição e do país, as performances são julgadas levando em consideração os méritos artísticos, a técnica, entrosamento, a escolha da música e quão bem a dupla segue o ritmo.

Não há o uso de coleiras ou outros acessórios, a não ser em competições para iniciantes.

 

Fonte: The Canine Freestyle Federation

Angélica lamenta nas redes sociais a morte do novo filhotinho de sua família

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 jul 2017 - 9:37

Nós contamos para vocês aqui sobre o mais novo filhotinho do casal de apresentadores Angélica e Luciano Huck. O animal, da raça Rhodesian Ridgeback, ou Leão da Rodésia, foi presente do médico veterinário e adestrador de cães Henrique Perdigão.

No último domingo, dia 16 de julho, Angélica publicou uma foto em homenagem ao cãozinho Babbo, que passou cerca de 18 dias com a família da apresentadora e, com apenas dois meses, acabou falecendo.

 » Read more about: Angélica lamenta nas redes sociais a morte do novo filhotinho de sua família  »

Rainha Elizabeth adota cachorro de funcionário que faleceu

por Samantha Kelly — publicado 19 jul 2017 - 21:18

A Rainha Elizabeth é conhecida por seu amor por cães, especialmente da raça Corgi. Desde pequena ela sempre teve pelo menos um grupinho de Corgis em sua vida, correndo felizes com aquelas perninhas curtas pelos palácios do Reino Unido.

Porém, nos últimos anos, ela diminuiu o número de pets e ficou apenas com 3 – Willow, o Corgi, e Vulcan e Candy, dois mixes de Dachshund com Corgi.

O motivo da mudança se deu por causa de possíveis riscos de queda e o medo do futuro de seus pets,

 » Read more about: Rainha Elizabeth adota cachorro de funcionário que faleceu  »

Luisa Mell relata conversa emocionante com seu filho sobre a partida de Marley

por Samantha Kelly — publicado 19 jul 2017 - 20:15

A inocência das crianças é sempre um alento poderoso, mesmo quando a vida ganha tons de tristeza e saudade. No caso de Luisa Mell, que há poucos dias perdeu seu companheiro canino Marley, o momento difícil também tem sido compartilhado com sua família.

A ativista relatou uma conversa emocionante que teve com seu filho sobre a partida do pet.

O que vc tá fazendo mamãe? Tô chorando filho… pq mamãe? Tô triste… o Mamá foi morar lá no céu com Deus…

 » Read more about: Luisa Mell relata conversa emocionante com seu filho sobre a partida de Marley  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Angélica lamenta nas redes sociais a morte do novo filhotinho de sua família

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 jul 2017 - 9:37

Nós contamos para vocês aqui sobre o mais novo filhotinho do casal de apresentadores Angélica e Luciano Huck. O animal, da raça Rhodesian Ridgeback, ou Leão da Rodésia, foi presente do médico veterinário e adestrador de cães Henrique Perdigão.

No último domingo, dia 16 de julho, Angélica publicou uma foto em homenagem ao cãozinho Babbo, que passou cerca de 18 dias com a família da apresentadora e, com apenas dois meses, acabou falecendo.

Um cometa de amor em nossas vidas❤️ #babboksyvickishuck #descanseempaz #rodhesianridgeback 💔

A post shared by @angelicaksy on

Apesar de ficar pouco tempo com a família, todos já estavam bastante apegados a Babbo, que também já fazia sucesso nas redes sociais de seus papais humanos.

Para anunciar o falecimento do animal, Angélica publicou uma linda foto em que ela aparece com o cãozinho e escreveu: “Um cometa de amor em nossas vidas❤”. Junto da frase a apresentadora colocou as hashtags: #babboksyvickishuck #descanseempaz #rodhesianridgeback.

Sem filtro …, so com amor , gratidao e saudade 🙏

A post shared by @angelicaksy on

Depois, a apresentadora também publicou uma imagem do pôr do sol no Stories e escreveu: “para meu Babbo com amor”. No seu perfil do Instagram, a foto do pôr do sol aparece com a legenda: “Sem filtro …, so com amor , gratidao e saudade”.

Não foi divulgada nenhuma informação sobre a causa da morte do cão, que também pegou os fãs de Angélica e Luciano Huck de surpresa.

Fonte: UOL

Rainha Elizabeth adota cachorro de funcionário que faleceu

por Samantha Kelly — publicado 19 jul 2017 - 21:18

A Rainha Elizabeth é conhecida por seu amor por cães, especialmente da raça Corgi. Desde pequena ela sempre teve pelo menos um grupinho de Corgis em sua vida, correndo felizes com aquelas perninhas curtas pelos palácios do Reino Unido.

Porém, nos últimos anos, ela diminuiu o número de pets e ficou apenas com 3 – Willow, o Corgi, e Vulcan e Candy, dois mixes de Dachshund com Corgi.

O motivo da mudança se deu por causa de possíveis riscos de queda e o medo do futuro de seus pets, caso acontecesse algo com sua saúde, apesar de acharmos que haveria literalmente um população inteira disposta a adotá-los.

Mesmo assim, o destino ainda reservava mais um pequeno para a rainha. Quando a saúde de Bill Fenwick, funcionário do palácio de Sandringham, se deteriorou, a Rainha Elizabeth passou a levar o pet de Bill em seus passeios.

Com o tempo, ela e o cachorro de nome Whisper formaram um verdadeiro laço e, após a morte de Bill no começo desse ano, a Rainha Elizabeth pediu autorização para a família Fenwick para que pudesse adotá-lo.

Depois do pedido especial, ele passou a oficialmente fazer parte da realeza britânica.

 

Foto: Annie Leibovitz. Willow, Candy, Vulcan e Holly (falecida em outubro de 2016).