Coronavirose em cães

Coronavirose ou Gatrointerite Contagiosa Canina ganhou esse nome devido a forma em que o vírus se apresenta na célula, assemelhando-se com uma coroa

por George Augusto — publicado 28 fev 2014 - 22:44

A Coronavirose ou Gatrointerite Contagiosa Canina, foi nomeada assim, devido a forma em que o vírus se apresenta na célula, assemelhando-se com uma coroa. Essa enfermidade acomete animais independente do sexo, raça e idade, e até mesmo animais de outra espécies, como: felinos, bovinos, aves, dentre vários outros animais. A doença é extremamente contagiosa, afetando o trato intestinal dos animais e levando a grande maioria à óbito.

A incubação da doença é extremamente rápida, sendo em média de 1 a 3 dias. Alguns animais demoram a serem sintomáticos (aparecimento dos sintomas da doença), porém já disseminam a doença para outros animais. Ela é bastante confundida com a parvovirose canina (mais sobre parvovirose aqui), por apresentar sinais clínicos semelhantes.

 

Coronavirose em cães. Foto: Repodução

Coronavirose em cães. Foto: Repodução

 

Transmissão da Coronavirose

A transmissão da doença ocorre principalmente através do contato de um animal sadio com as fezes contaminada de um outro animal. Essa transmissão pode ocorrer através de alimentos, brinquedos, ambientes que foram contaminados anteriormente com as fezes que continham a doença. Nesse caso, até mesmo no ato de se lamber o animal pode ser contagiado, caso seu pelo tenha entrado em contato com as fezes.

 

Sinais clínicos da coronavirose

Os sinais clínicos da coronavirose canina, como dito anteriormente, podem ser facilmente confundido com a parvovirose canina. O diagnóstico só pode ser fechado com o exame laboratorial, indicando a presença ou não do vírus no animal.

Os principais sinais clínicos, são:

– Vômitos;

– Diarréia em forma de jato, com cor alaranjada sem mal odor;

– Anorexia (perda do apetite);

– Febre;

– Lacrimejamento;

– Desidratação;

– Anemia;

– Cólicas;

Depressão.

Como qualquer doença, os animais podem ter variações na sintomatologia.

 

Diagnóstico da Coronavirose

O diagnóstico deve ser feito por um profissional médico veterinário, onde o mesmo irá avaliar seu sintomas e quadro clinico. Muitos profissionais utilizam testes laboratoriais para ficar ciente do vírus que o animal possui e assim o diagnóstico poderá ser mais preciso. Também pode ser solicitado um hemograma, para a verificação das células do sangue.

 

Tratamento da Coronavirose

Atualmente não existe tratamento específico para o vírus da gastrointerite contagiosa canina. Os médicos veterinários utilizam terapia de apoio para combater a sintomatologia que o animal está apresentando no momento. Os fármacos que o profissional administra são para cessar e impedir que o animal desidrate e piore o quadro. Não medique seu animal sem um médico veterinário, pois um remédio errado pode ser fatal.

 

Prevenção 

A melhor prevenção da coronavirose canina é a vacinação preventiva anual do seu animal. O cão deve ser imunizado da doença a partir dos seus 45 dias de vida. A vacinação atualmente, imuniza o animal de mais de 10 vírus em uma única vacinação. Caso o animal não esteja vacinado e apresentar qualquer sintoma anormal, é recomendado que retire o animal do contato com os outros. Como já citado, a gatrointerite contagiosa canina é facilmente disseminada por um único animal. É sempre necessário que o animal seja examinado anualmente por um médico veterinário.

Não se deve tomar decisões precipitadas e nem descaso em relação ao sintoma que o animal está apresentando, acione um profissional para avaliar o caso. Uma doença diagnosticada no começo, pode evitar uma disseminação maior para outros animais e também aumenta de forma significante a probabilidade de um tratamento bem sucedido.

 

Por: George Augusto von Schmalz Portella de Macedo

Ocupação: Acadêmico de Medicina Veterinária

Contato: [email protected]

De casa ao trabalho, Ana Maria Braga tem sempre a gostosa companhia de seus cachorros

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 18:45

Tem muito tutor por aí que seria muito mais feliz no trabalho se pudesse ter a companhia do seu animal de estimação durante o tempo que precisa ficar fora de casa se dedicando a sua profissão.

Aqui no Brasil ainda são poucas as empresas que permitem a presença dos pets de seus funcionários. Mas algumas pessoas têm bastante sorte de poder ter a companhia de seus amados peludos em todo lugar, e uma delas é a querida apresentadora Ana Maria Braga.

 » Read more about: De casa ao trabalho, Ana Maria Braga tem sempre a gostosa companhia de seus cachorros  »

Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 9:00

Durante consultas ou até mesmo em avaliações simples, médicos veterinários podem ser capazes de identificar se um animal está sendo vítima de maus-tratos ou de alguma negligência.

Pensando nisso e em ajudar a diminuir o número de animais maltratados pelos próprios tutores em nosso país, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou proposta que prevê a obrigação de médicos veterinários comunicarem imediatamente à Polícia Judiciária quando constatarem indícios de maus-tratos naqueles animais nos quais prestarem atendimentos médicos.

 » Read more about: Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia  »

Através de anúncio na internet mulher descobre que cachorro desaparecido estava com vizinhos

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 abr 2018 - 15:24

Só quem tem um cachorrinho desaparecido sabe o desespero que é o momento das buscas, de não saber como o animal está, e a tristeza que toma conta quando a esperança de encontrar o amado animal vai se acabando.

Foi com essa angústia e tristeza que a tutora Silmara Ribeiro do Amaral e sua filha, uma menina de oito anos, viveram durante um ano após o desaparecimento do amado cachorro da família, um Pug de três anos chamado Gordo.

 » Read more about: Através de anúncio na internet mulher descobre que cachorro desaparecido estava com vizinhos  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

De casa ao trabalho, Ana Maria Braga tem sempre a gostosa companhia de seus cachorros

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 18:45

Tem muito tutor por aí que seria muito mais feliz no trabalho se pudesse ter a companhia do seu animal de estimação durante o tempo que precisa ficar fora de casa se dedicando a sua profissão.

Aqui no Brasil ainda são poucas as empresas que permitem a presença dos pets de seus funcionários. Mas algumas pessoas têm bastante sorte de poder ter a companhia de seus amados peludos em todo lugar, e uma delas é a querida apresentadora Ana Maria Braga.

Família ❤️ #maisvoce

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

⚫⚪ #lookdodia

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Ana Maria está sempre com o cenário do seu programa recheado de peludos, pois seus cachorros têm liberdade total para circular pelo local.

Já tão famosos quanto sua mamãe humana, os cães também possuem fãs e o público do programa matinal “Mais Você” até estranha e se preocupa quando os cachorros não aparecem.

Peppa pedindo carinho… quem aguenta? 🐶💗

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

#crystal 💞🐶

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Bastante coruja, Ana Maria não esconde sua paixão pelos pets e sempre aparece no programa com algum (ou alguns) deles no colo e alisando os animais enquanto conversa com o público de casa ou com seus convidados, que também não resistem aos cães da apresentadora e fazem muito carinho nos peludos.

Assim como todos os apaixonados por seus animais, a tutora também costuma publicar muitas fotos dos seus cãezinhos no seu perfil oficial nas redes sociais.

Duas cachorras e só uma cadeira. Como faz? 💛 #ciumes #vidadecao

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Feliz Páscoa ✨

A post shared by Ana Maria Braga (@anamaria16) on

Para quem há acompanha a Ana Maria Braga e o “Mais Você” há mais tempo, se lembra bem da pet que abriu as portas e a primeira a ganhar espaço no estúdio do programa. A fofa e peludinha Belinha foi adotada pela apresentadora com dois meses de idade e foi para o céu dos cachorros aos 12 anos de idade, em janeiro de 2015.

Médicos Veterinários poderão ser obrigados a informar indícios de maus-tratos a animais para a polícia

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 abr 2018 - 9:00

Durante consultas ou até mesmo em avaliações simples, médicos veterinários podem ser capazes de identificar se um animal está sendo vítima de maus-tratos ou de alguma negligência.

Pensando nisso e em ajudar a diminuir o número de animais maltratados pelos próprios tutores em nosso país, a Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável aprovou proposta que prevê a obrigação de médicos veterinários comunicarem imediatamente à Polícia Judiciária quando constatarem indícios de maus-tratos naqueles animais nos quais prestarem atendimentos médicos.

(Foto: Reprodução / Wide Open Pets)

O texto aprovado se insere na Lei 5517/68, que trata da profissão de médico veterinário.

De acordo com o relator, deputado Ricardo Izar (PP-SP), “é justo e necessário que essa comunicação seja realizada pelo estabelecimento, porém, o texto deixa dúvidas de como será feita e quem será responsável pela fiscalização dos estabelecimentos. Com a vinculação do dispositivo à Lei 5517/68, caberá aos Conselhos Federal e Regional de Medicina Veterinária, autarquia já constituída, a exercer a fiscalização do profissional e do estabelecimento para verificar o efetivo cumprimento da legislação”.

Ainda de acordo com o deputado, o governo não terá nenhum novo custo, pois a estrutura existente nos conselhos absorveria essa fiscalização como rotina.

De acordo com o texto aprovado, os comunicados de maus-tratos feitos pelos médicos veterinários para a polícia devem conter relatório assinado com algumas informações mínimas específicas como:
– nome, endereço e contato do acompanhante do animal no momento do atendimento;
– informações do atendimento prestado, contendo a espécie, raça e características físicas do animal, descrição de sua situação de saúde na hora do atendimento e os respectivos procedimentos adotados.

(Foto: Reprodução / Animal Lawyers)

Porém, foi retirada do texto a pena que previa interdição do estabelecimento para quem descumprir a medida.

A proposta será analisada, em caráter conclusivo, pela Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania.

Esperamos que esse passo ajude a diminuir os casos de violência contra animais de estimação no Brasil.

Fonte: Agência Câmara Notícias