Displasia Coxofemural

A Displasia Coxofemural é a má formação da articulação que liga o osso coxal ao osso fêmur, ocasionando dores muito fortes no pet.

por George Augusto — publicado 15 abr 2014 - 2:43

A displasia coxofemoral, ou  conhecida popularmente por “descadeiramento”, é uma doença que acomete, principalmente, cães que andam diariamente em piso liso. Essa enfermidade é hereditária, ou seja, pode passar para os descendentes, sendo os cães de porte grande e gigante os mais acometidos. Temos como exemplos os cães pastores alemães, filas brasileiros, rottweiler, labrador retriever, golden retriever, entre tantos outros. A displasia coxofemoral é a má formação da articulação que liga o osso coxal ao osso fêmur, ocasionando dores muito fortes no pet.

 

Displasia Coxofemural em cães. Montagem: Portal do Dog.

Displasia Coxofemural em cães. Montagem: Portal do Dog.

 

Principais causas da Displasia Coxofemural

Displasia Coxofemural em cães. Foto: Reprodução

Displasia Coxofemural em cães. Foto: Reprodução

Podemos citar inúmeras causas que influenciam no aparecimento dessa moléstia, porém as principais observadas, são:

– Primeiramente, o piso  em que os animais permanecem o dia inteiro. Isso é um ponto muito importante, pois em pisos escorregadios, os cães tendem a “patinar” com os membros posteriores, acarretando uma sobrecarga na articulação.

– Outro ponto bastante importante é a questão da obesidade. Animais muito acima do peso, tendem a sobrecarregar os membros, sendo isso péssimo para as articulações. A nutrição e o desenvolvimento rápido também são de suma importância, pois influenciam no crescimento e na formação óssea.

 

Sinais clínicos da Displasia Coxofemural

Os principais sinais clínicos aparecem no animal por volta dos 5 meses até 1 ano de vida . Em animais que possuem displasia coxofemoral, é comum encontrarmos sintomatologias, como:

– O cão sente dificuldade de andar, subir escadarias, se apoiar só com os membros posteriores e correr;

– Ocorre a manqueira;

– O quadril apresenta um nível visivelmente mais baixo que o anterior, o pet tende a sentir bastante dor; e em casos mais graves, prostração do mesmo.

 

Diagnóstico da Displasia Coxofemural

O diagnóstico só pode ser feito por um médico veterinário. Baseia-se no exame clínico do animal, sendo avaliados os sinais clínicos que o animal apresenta. Para a confirmação do diagnóstico, normalmente é feito um raio X do animal. É importante que o animal seja levado imediatamente a um profissional, tão logo se perceba alguma alteração.

 

Tratamento da Displasia Coxofemural

O tratamento consiste em terapia medicamentosa escolhida pelo profissional. Normalmente os profissionais indicam uma fisioterapia e um manejo diferenciado do animal. Em casos mais graves, a intervenção cirúrgica é a opção mais eleita, sendo feita a retirada da cabeça do fêmur e posta no lugar uma prótese, deixando assim o animal livre de dores e desconforto.

 

Prevenção da Displasia Coxofemural

Displasia Coxofemural em cães. Foto: Reprodução

Displasia Coxofemural em cães. Foto: Reprodução

A prevenção consiste num manejo correto do animal, procurando não permitir o aumento do seu peso, além de introduzir a prática de exercícios que não sobrecarreguem as articulações. É também interessante atentar para a colocação de pisos que não sejam escorregadios. É importante que diante de qualquer anormalidade no animal, o mesmo seja levado a um profissional para uma avaliação. Animais com displasia coxofemoral levam uma vida relativamente normal, apenas não sendo indicada a sobrecarga nas articulações do pet. Quando o cão é portador  da displasia, não é aconselhável ser posto para a reprodução, pois, como dito anteriormente, é uma doença hereditária. É importante que na hora da compra de um animal de pedigree, o tutor seja informado se há relatos de pais, avós ou ancestrais com a moléstia. Mas, lembre-se: não é porque o animal porta a doença que será considerado inválido. Ele poderá viver normalmente e desempenhar funções rotineiras de forma satisfatória.

 

Por: George Augusto von Schmalz Portella de Macedo

Ocupação: Acadêmico de Medicina Veterinária

Contato: [email protected]

Cãozinho tem mudança incrível após ser resgatado e fica irreconhecível

por Andrezza Oestreicher — publicado 24 fev 2018 - 18:33

Muitos cachorros que vivem abandonados nas ruas sofrem preconceito por serem sem raça definida e por questões estéticas. Porém, o estado em que esses animais se encontram é resultado do abandono e da falta de cuidados, coisas que estes animais não têm culpa.

Além de não lembrarem que o que realmente importa é o amor que estes cãezinhos estão sempre prontos para dar, os animais que vivem abandonados podem passar por uma grande transformação ao receberem um pouco de cuidado,

 » Read more about: Cãozinho tem mudança incrível após ser resgatado e fica irreconhecível  »

Livre após passar 38 anos preso injustamente, homem reencontra cachorro que conheceu na prisão

por Andrezza Oestreicher — publicado 24 fev 2018 - 9:32

Em 1980, quando tinha 21 anos de idade, Malcolm Alexander foi acusado e condenado por um crime grave e pegou prisão perpétua.

Porém, desde o dia de sua prisão, Malcolm se disse inocente e continuou afirmando isso durante todo o tempo em que esteve preso. Até que o Innocence Project (Projeto de Inocência), uma organização legal sem fins lucrativos dedicada cuidar de casos de pessoas que podem ter sido condenadas injustamente, resolveu,

 » Read more about: Livre após passar 38 anos preso injustamente, homem reencontra cachorro que conheceu na prisão  »

Aluno manda cartinha fofa para professora que acabou de perder o cachorro

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 fev 2018 - 9:34

Perder um cachorro é sempre muito triste e quem passa por esse momento sabe como é importante receber conforto e carinho das pessoas que amamos e também dos outros animais da família.

Pensando nisso, um aluno decidiu mandar uma cartinha para confortar uma professora quando soube que o cãozinho dela tinha acabado de falecer.

A cartinha era tão fofa, que a filha da professora decidiu fotografar e publicar no Twitter.

 » Read more about: Aluno manda cartinha fofa para professora que acabou de perder o cachorro  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Cãozinho tem mudança incrível após ser resgatado e fica irreconhecível

por Andrezza Oestreicher — publicado 24 fev 2018 - 18:33

Muitos cachorros que vivem abandonados nas ruas sofrem preconceito por serem sem raça definida e por questões estéticas. Porém, o estado em que esses animais se encontram é resultado do abandono e da falta de cuidados, coisas que estes animais não têm culpa.

Além de não lembrarem que o que realmente importa é o amor que estes cãezinhos estão sempre prontos para dar, os animais que vivem abandonados podem passar por uma grande transformação ao receberem um pouco de cuidado, um bom banho e tosa e carinho. E é isso o que mostra a história do cachorrinho Frodo.

O pequeno cachorrinho foi encontrado em uma situação bastante crítica. (Foto: Reprodução / Klaudija Sigurnjak)

Em uma situação bem ruim, o cãozinho Frodo estava coberto por sarna, tinha poucos pelos e os que restaram estavam bem desgrenhados, estava faminto e com um de seus olhos com uma infecção grave.

Apesar de estar bem assustador, sinceramente falando, as pessoas que o encontraram na Croácia pouco se importavam com a sua aparência. O que eles viram foi um pequeno cachorrinho que precisava de ajuda urgente. Então, eles nem pensaram duas vezes antes de socorrer o animal.

O animal ficou sob a responsabilidade da Klaudija Sigurnjak, protetora animal já conhecida no local onde o animal foi encontrado. “Fiquei atordoada. Eu mal podia acreditar que era realmente um cachorro”, disse ela ao site The Dodo.

Após conseguir ganhar a confiança do cãozinho, com a ajuda de comida, Klaudija pôde ver melhor sua real situação e dar todo o cuidado que ele precisava. Porém, o caso era mais grave do que ela protetora imaginava. “Ele estava cheio de pulgas e carrapatos, e morrendo de fome. Não tínhamos certeza se ele sobreviveria ou não”, confessou.

Apesar das dúvidas e de perder um olho, o cãozinho deu a volta por cima e conseguiu se recuperar. (Foto: Reprodução / Klaudija Sigurnjak)

Com o tempo, o cachorro foi se mostrando um verdadeiro guerreiro e mesmo perdendo o olhinho que estava infeccionado, ele deu a volta por cima. O cãozinho ganhou saúde, peso, teve seus pelos de volta e recuperou também seu espírito e sua personalidade. Com tudo isso junto, ele foi ficando cada vez mais bonito.

Em cerca de oito meses Frodo teve uma transformação fenomenal. “Nós nunca sonhamos que ele seria tão lindo”, disse Klaudija. Quando já estava bem recuperado e pronto para adoção, o cãozinho rapidamente conseguiu uma nova família e está recebendo muito amor no novo lar.

Fonte: Bored Panda

Livre após passar 38 anos preso injustamente, homem reencontra cachorro que conheceu na prisão

por Andrezza Oestreicher — publicado 24 fev 2018 - 9:32

Em 1980, quando tinha 21 anos de idade, Malcolm Alexander foi acusado e condenado por um crime grave e pegou prisão perpétua.

Porém, desde o dia de sua prisão, Malcolm se disse inocente e continuou afirmando isso durante todo o tempo em que esteve preso. Até que o Innocence Project (Projeto de Inocência), uma organização legal sem fins lucrativos dedicada cuidar de casos de pessoas que podem ter sido condenadas injustamente, resolveu, em 1996, lutar por este homem.

Malcolm Alexander reunited with puppy

Malcolm Alexander, who was freed after nearly 38 years, will be joining us for a Facebook Live today at 4 p.m. ET. __Get started by leaving a question for him below and learn more about his case here: owl.li/i2Bu30i5VOE

Posted by Innocence Project on Tuesday, February 20, 2018

No dia 30 de janeiro deste ano, 2018, Malcolm Alexander foi liberado da penitenciária de Louisiana. Ele foi absolvido graças a provas que envolviam evidências de DNA.

38 anos depois e com 58 anos de idade, Malcolm, finalmente estava livre e pôde voltar para a sua família, sua mãe, filho e neto. Mas, estava faltando algo na vida dele. Algo muito importante que tinha ficado na penitenciária.

Era a cadelinha Innocence, também chamada de Inn, uma Labrador preta de nove meses de idade que nasceu na penitenciária e foi cuidada por Malcolm.

Felizmente, uma advogada do projeto que ajudou Malcolm cuidou também para que a cadela pudesse ficar com ele fora da prisão. “Você não tem mais nada com que se preocupar … Eu disse que eles iriam nos tirar”, ele disse para Inn quando a encontrou pela primeira vez após ser solto.

(Vídeo: Reprodução / YouTube NOLA.com)

A cadela, e mais nove irmãos, nasceu na penitenciária e vivia nos locais onde o homem trabalhava lá dentro, a loja de metais e a loja de madeira. Ele cuidou dela e a alimentou durante todo esse tempo e teve o direito de ficar com ela do lado de fora.

Ter um cão é um privilégio. Isso faz o mundo diferente”, afirmou Malcolm ao TODAY.

O homem, que aprendeu carpintaria, marcenaria e fabricação de joias durante seu tempo na prisão, espera encontrar trabalho em breve.

Fonte: Life With Dogs