Doença do carrapato – Erliquiose Canina

Doença do Carrapato - Saiba mais sobre a Erliquiose Canina, doença transmitida pelo carrapato

por Samantha Kelly — publicado 12 fev 2013 - 1:04

Muito conhecida como doença do carrapato, a Erliquiose é uma doença infecciosa transmitida pela mordida do carrapato contaminado pela riquetsia Erlichia sp.

erliquiose canina

Erliquiose canina – Doença do Carrapato. Foto: Reprodução

Erlichia sp. é um microorganismo do grupo das bactérias (riquétsia). Existe várias espécies de Erlichia, sendo a Erlichia canis a que mais comumente  afeta os cães.

Erliquiose (tanto em homens quanto em cães) geralmente é transmitida através do carrapato-vermelho-do-cão, porém, pode acontecer a transmissão através da transfusão sanguínea.

Depois que a Erlichia entra no corpo através da mordida do carrapato, ele afeta as células na corrente sanguínea do cachorro. As células brancas (preciosas na luta contra infecções), células vermelhas (necessárias para o transporte de oxigênio no corpo) e as plaquetas (necessárias para ajudar a formar coágulos sanguíneos) podem ser afetadas.

É importante salientar que apesar de homens e cachorros poderem ser afetados, não é conhecida nenhuma transmissão entre o cão e o humano, o carrapato sempre é o transmissor.

Todas as raças caninas são passíveis de adquirir a bactéria, porém algumas raças, principalmente o Pastor Alemão, são mais propícias a desenvolver uma infecção crônica séria.

 

erliquiose doença do carrapato

Doença transmitida pelo carrapato: Erliquiose. Foto: Reprodução

 

Fases da Erliquiose:

 

Aguda – Erliquiose pode ter três fases. Sinais da fase aguda da doença geralmente se desenvolvem de 1 à 3 semanas após a picada do carrapato infectado. A fase aguda da doença geralmente dura de 2 à 4 semanas. A Erlichia entra nas células brancas do sangue e se reproduzem dentro delas. Além do sangue, são encontrados nos nódulos linfáticos, baço, fígado e na medula óssea. Plaquetas, que ajudam na coagulação do sangue, são frequentemente destruídas. Como resultado da infecção, os nódulos linfáticos, o fígado e baço são frequentemente aumentados. Anemia, febre, depressão, letargia, perda de apetite, falta de ar, dor e rigidez nas articulações, contusões e são muitas vezes vistos. Muitos cães serão capazes de combater a infecção. Se não, eles entram na fase subclínica.

Subclínica – Na fase subclínica o animal pode aparentar estar normal ou ter apenas anemia leve. Durante esta fase, a Erlichia vive no interior do baço. Esta fase pode durar meses ou anos. Em última análise, o cão ou elimina a Erlichia do corpo ou a infecção pode progredir para a fase crônica.

Crônica – A fase crônica pode ser leve ou grave. A perda de peso, anemia, perturbações neurológicas, a hemorragia, inflamação do olho, edema (acumulação de líquido) nas patas traseiras, e febre podem ser vistos. Os testes de sangue mostram que um ou todos os diferentes tipos de células no sangue são reduzidas. Um tipo de células, os linfócitos podem aumentar e ser anormal na aparência. Isto pode por vezes ser confundido com certos tipos de leucemia. Se um cão se torna cronicamente infectado, a doença pode voltar, especialmente durante períodos de estresse. Em alguns casos, a artrite ou uma doença do rim chamada glomerulonefrite pode desenvolver-se.

Uma diminuição do número de plaquetas (plaquetas ajudam a coagular o sangue) é a evidência mais comum em todas as fases da doença. Alterações nos níveis de proteínas no sangue são comuns. A proteína mais comum, albumina, é reduzida e outro tipo de proteína, denominada globulina, é aumentada.

Uma vez que um carrapato pode estar infectado com mais de uma doença (ex.: babesiose), não é de todo incomum ver um cão infectado com mais de uma dessas doenças ao mesmo tempo, o que geralmente provoca sintomas mais graves.

 

 

Sintomas de Erliquiose em cães – Doença do Carrapato

  • Apatia
  • Falta de apetite
  • Febre
  • Corrimento Oculonasal
  • Vômitos e diarreia
  • Dispnéia (respiração ofegante)
  • Sangue pelo nariz
  • Dor e rigidez (devido à artrite e dores musculares)
  • Sintomas neurológicos (por exemplo, coordenação motora comprometida, depressão, paralisia, etc)
  • Hematomas pelo corpo
  • Mucosas pálidas (sinal de anemia)
  •  

    Diagnóstico de Erliquiose em cães

     

    O diagnóstico é baseado nos resultados laboratoriais e sinais clínicos.

    Através de exames bioquímicos e urinálise procura-se alterações precoces em outros órgãos, principalmente nos rins.

    Outros exames mais específicos, como sorologia e PCR, também são comuns na busca de um diagnóstico.

    O PCR testa a presença do próprio organismo, não anticorpos contra ele. Infelizmente, não faz distinção entre os organismos vivos e mortos. Por esta razão, recomenda-se geralmente realizar PCR, juntamente com um dos testes de anticorpos para fazer um diagnóstico.

     

    Cuidados e Tratamento – Doença do Carrapato

     

    Na ausência de cuidados, a erliquiose torna-se crônica e pode evoluir a morte. O tratamento exige a aplicação de antibióticos durante várias semanas. A Doxiciclina geralmente é usada e mostrou ser efetiva no tratamento para a doença. Se a erliquiose causar outras complicações, estas deverão ser tratadas separadamente, usando outros medicamentos e terapias para alcançar questões secundárias causadas pela presença da Erlichia.

    Em um animal com forte anemia, uma transfusão de sangue pode ser necessária.

    OBS: Os sintomas da Erliquiose podem ser facilmente confundidos com outras doenças, por isso é primordial que ao notar algo errado você leve o seu cão ao veterinário. Somente o veterinário poderá fazer os exames necessários, diagnosticar o problemas e a partir daí começar o tratamento adequado.

     

    Como prevenir a doença do carrapato

     

    A infecção da Erlichia não dá ao seu cão uma imunidade protetora, ou seja, se o seu cão já foi infectado uma vez, e acontecer dele ser mordido novamente por um carrapato infectado, ele poderá desenvolver novamente a doença.

    Atualmente não há uma vacina contra erliquiose. A maneira de se prevenir contra as doenças provenientes do carrapato é um controle apropriado (ex.: remédios e banhos carrapaticidas) combinado com testes periódicos.

    Limitar o máximo possível a exposição do cachorro ao carrapato é sempre algo que o dono deve manter em mente. Principalmente no verão e em áreas de grande risco de infecção, o dono deve manter uma rotina diária de inspeção.

     

     

    Fonte Online

    VetStreet

    VetMedicine

    PetEducation

    AnaQuevedodicasvet 

     

    Fonte Impressa

    Larousse – Do cão ao cãozinho

    Dr. Rousselet-Blanc

     

    Cachorrinho não sai de perto de irmã morta e nem deixa ninguém se aproximar

    por Andrezza Oestreicher — publicado 18 dez 2017 - 9:31

    A fidelidade dos cães é algo impressionante, eles sempre ficam do lado daqueles que amam, independente de serem humanos ou outros animais.

    Em Palmas, um caso que prova essa enorme fidelidade tocou o coração de muitas pessoas que passavam pela Avenida Palmas Brasil.

    Os irmãos caninos Bebel e Bob aproveitaram o momento em que seu tutor estava com a garagem aberta saindo com o carro para fugir de casa. A tutora Ana Paula Rodrigues não se desesperou,

     » Read more about: Cachorrinho não sai de perto de irmã morta e nem deixa ninguém se aproximar  »

    Cachorro que teve as patas cortadas com uma espada ganha próteses

    por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 18:39

    A cada caso de violência que tomamos conhecimento ficamos mais impressionados em como os cães são seres evoluídos e como eles são capazes de se adaptar. O cachorro Cola é uma prova disso.

    Cola é um cão SRD (sem raça definida, vira-lata) que vivia nas ruas de Bangkok, rodando sempre pela mesma região. Um dia, o cão teve suas patas dianteiras cortadas com uma espada por um homem que morava no mesmo bairro em que o cão costumava ficar.

     » Read more about: Cachorro que teve as patas cortadas com uma espada ganha próteses  »

    Cadelinha adotada é seguida por ovelhas da família e se torna a líder dos animais

    por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 9:30

    A cadelinha Lady é da raça Basset Hound, que foi resgatada por um abrigo e adotada por sua família há três anos. Por conta de seu passado, que não é tão conhecido, a cadelinha tinha muito medo e chegava até a ser agressiva com outras pessoas, porém, as companhias certas fizeram com que Lady se abrisse mais para a sua nova família e ficasse mais tranquila e leve.

    Na nova casa, os tutores Michael Jobson e Fiona Morton não conseguiam levá-la para passear no parque,

     » Read more about: Cadelinha adotada é seguida por ovelhas da família e se torna a líder dos animais  »

    deixe seu comentário:
    Siga o Portal do Dog
    Últimas notícias

    Cachorrinho não sai de perto de irmã morta e nem deixa ninguém se aproximar

    por Andrezza Oestreicher — publicado 18 dez 2017 - 9:31

    A fidelidade dos cães é algo impressionante, eles sempre ficam do lado daqueles que amam, independente de serem humanos ou outros animais.

    Em Palmas, um caso que prova essa enorme fidelidade tocou o coração de muitas pessoas que passavam pela Avenida Palmas Brasil.

    Cachorro não sai de perto de cadelinha que morreu atropelada. (Foto: Reprodução / G1 / Nice Regina)

    Os irmãos caninos Bebel e Bob aproveitaram o momento em que seu tutor estava com a garagem aberta saindo com o carro para fugir de casa. A tutora Ana Paula Rodrigues não se desesperou, pois isso já tinha acontecido antes e os cachorros logo voltaram para casa.

    Porém, dessa vez algo muito triste aconteceu. Bebel, cadelinha que já fazia parte da família há 10 anos, foi atropelada e acabou falecendo no canteiro central da Avenida Palmas Brasil, em Palmas, no Tocantins.

    Bob, como um ótimo exemplo de cão fiel e companheiro, não saiu de perto de sua irmãzinha e também não deixava ninguém se aproximar.

    Tocada com a situação, gerente comercial Nice Regina Santos ficou por cerca de 10 minutos tentando se aproximar dos animais e chamando o cão que estava vivo, ela ainda fez um vídeo mostrando que Bob não se afastava de sua irmã.

    “O que mais me emocionou foi ele não abandoná-la, proteger e não querer sair de perto”, contou Nice, que publicou o vídeo nas redes sociais.

    Além de não abandonar a irmã canina, o cãozinho não deixava ninguém se aproximar. (Foto: Reprodução / G1 / Nice Regina)

    Foi através da publicação do vídeo que Ana Paula descobriu o motivo pelo qual seus cães não tinham voltado para casa. “O atropelamento aconteceu à tarde, quando foi às 22h30, eu estava nas redes sociais e vi o vídeo. Já vi que eram eles. Eu entrei em desespero, peguei o carro e fui buscá-la para fazer o enterro”, contou a tutora, explicando que Bob tinha voltado sozinho para casa apenas um pouco antes disso.

    “Tudo o que ele fazia era com ela. Depois da morte da Bebel, ele ficou triste, fica uivando à noite chamando ela. Durante o dia, fica só deitado na cadeira. A família também sentiu muito. Na minha casa eu nunca estava sozinha, porque onde eu ia, a Bebel me acompanhava”, disse a tutora emocionada afirmando que os animais eram muito companheiros e viviam grudados.

    Fonte: G1

    Cachorro que teve as patas cortadas com uma espada ganha próteses

    por Andrezza Oestreicher — publicado 16 dez 2017 - 18:39

    A cada caso de violência que tomamos conhecimento ficamos mais impressionados em como os cães são seres evoluídos e como eles são capazes de se adaptar. O cachorro Cola é uma prova disso.

    Cola é um cão SRD (sem raça definida, vira-lata) que vivia nas ruas de Bangkok, rodando sempre pela mesma região. Um dia, o cão teve suas patas dianteiras cortadas com uma espada por um homem que morava no mesmo bairro em que o cão costumava ficar.

    Cachorro teve suas patas dianteiras mutiladas com uma espada. (Foto: Reprodução / Lillian Suwanrumpha / AFP)

    Cola foi mutilado depois que mordeu os sapatos do responsável pela violência.

    O cão foi resgatado e cuidado por um britânico, chamado Johm Dalley, que vive na Tailândia há alguns anos. Cola foi levado para viver com seu salvador em Phuket, um balneário localizado no sul do país, onde o homem decidiu criar uma associação dedicada aos cães de ruas chamada “Soi Dogs” (soi significa rua em tailandês).

    Hoje, um ano depois, Cola já consegue correr e se divertir bastante novamente. O cachorro recebeu próteses parecidas com as utilizadas por atletas paraolímpicos. O cão ganhou o aparato depois que Johm recorreu a uma empresa é especializada em próteses humanas e tudo foi feito sob medida para Cola.

    Hoje, o cão está bem adaptado e muito feliz com suas novas próteses. (Foto: Reprodução / Lillian Suwanrumpha / AFP)

    “Queríamos conseguir uma prótese que não fosse muito pesada, um pouco flexível ao nível do pé”, contou Teddy Fagerstrom, diretor do laboratório de ortopedia responsável pelas próteses de Cola.

    Essa foi a primeira prótese feita pela empresa para cães e, segundo Teddy Fagerstrom, Cola é o primeiro animal a usar próteses parecidas com as de atletas paralímpicos.

    Johm garante que Cola se adaptou muito bem com as suas novas próteses e hoje é um cão muito feliz.

    Fonte: Correio Braziliense