Epilepsia em cães

Essa patologia acomete em grande escala os caninos, principalmente nos cães de raça pura, tendo uma menor incidência em cães sem raça definida (SRD)

por George Augusto — publicado 6 dez 2014 - 16:35

Diferentemente do que muitos pensam, os cães tem doenças muito semelhantes ou, muitas vezes, iguais as dos seres humanos. Um exemplo disso é a epilepsia. Essa patologia acomete em grande escala os caninos, principalmente nos cães de raça pura, tendo uma menor incidência em cães sem raça definida (SRD). Para um melhor entendimento por parte dos leitores, o nome epilepsia vem do grego que significa: Possuir, capturar, portar. Essa com neurológica que podem ter duração curta ou até longa. É importante ressaltar que, não necessariamente por o animal apresentar um quadro convulsivo, ele é portador de epilepsia. Normalmente, é esperado que ele tenha, pelo menos, 3 convulsões para ser classificado como epilepsia. Existem doenças que levam a um caso isolado de convulsão.

A causa da epilepsia pode ser de origem primária (genética) ou secundária (adquirida). A causa primária, ou também chamada de origem genética, é manifestada normalmente no cão na sua fase adulta, variando entre 2 anos a 5 anos de idade. Nesse caso, pode ser decorrente de um gene herdado dos pais ou também devido à consangüinidade. A de causa secundária, ou chamada também de origem adquirida, é a mais comum nos cães. Normalmente é devido à presença de tumores cerebrais, ingestão de substâncias tóxicas, doença bacteriana, como também traumatismos na cabeça, ocorridos, principalmente, em atropelamentos.

Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Os sinais clínicos da epilepsia são bem clássicos e de fácil percepção pelo tutor. Normalmente começa com a alteração de comportamento e humor. Nesse caso os animais tendem a ficar mais agressivos com as pessoas de casa e apresentar agitação. De um modo geral, os cães apresentam as seguintes sintomatologias: O animal começa a salivar bastante; Ocorre caso esporádico de desmaio; O animal cai inconsciente no chão e começa a ter tremores fortes e movimentos de pedalagem dos membros; Normalmente quando voltam da crise não reconhecem o dono e tendem a atacá-lo; Pode apresentar pequenos espasmos durante o dia.

O diagnóstico é de acordo com a anamnese feita pelo médico veterinário. Ele irá se informar dos episódios, assim como da sintomatologia que o animal apresentou, e com isso, conseguirá fechar um diagnóstico correto. Em hospitais veterinários e em grande clínicas, pode ser utilizado como apoio ao diagnóstico mais preciso, a tomografia computadorizada.

O tratamento é feito com medicamentos específicos para que seja controlada a crise epilética. É importante pontuar que, na maioria dos casos, o medicamento tem que ser administrado pra vida toda do animal. O cão leva uma vida totalmente normal com os medicamentos, não o impossibilitando de nada.

Existem certas prevenções e cuidados que os tutores tem que saber quando se tem um animal epilético em casa. Primeiro ponto é jamais deixar de administrar o medicamento do animal. O tratamento tem que ser rigoroso. Em caso de crises convulsivas, evitar que o cão fique em local que pode o machucar, como pedras, arames, próximo a objetos pontiagudos e etc.

Faça um acompanhamento rigoroso com o médico veterinário. Os cães epiléticos precisam dessa consulta de rotina para uma avaliação total do animal, conseguindo assim uma melhor qualidade de vida.

 

Por: George Augusto von Schmalz Portella de Macedo

Ocupação: Acadêmico de Medicina Veterinária

Contato: [email protected]

Sharon Stone aumenta a família com um novo filhotinho

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 13:23

Coisa boa é aumentar a família e levar um cachorrinho novo para casa. Além de todo o amor que eles sempre estão prontos para nos dar, esses animais conseguem trazer ainda mais luz, vida e alegria para o lar.

Quem está vivendo esse momento de muita alegria com um novo cãozinho em casa é Sharon Stone.

Joe and I welcome his new pal Bandit. #JoeStone #BanditStone #family ❤️

 » Read more about: Sharon Stone aumenta a família com um novo filhotinho  »

Cadela surfa com crianças com Atrofia Muscular Espinhal e proporciona muita felicidade aos pacientes

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 9:23

A Atrofia Muscular Espinhal, bastante conhecida também como AME, é uma doença degenerativa genética que afeta o sistema nervoso e leva à redução das funções motoras. Ela resulta em fraqueza e atrofia muscular caracterizada por problemas nos movimentos voluntários.

A AME afeta os movimentos das pernas e braços, muitos pacientes perdem esses movimentos, e afeta também os músculos que atuam na deglutição de alimentos e na respiração.

Por conta disso tudo, pessoas com Atrofia Muscular Espinhal acabam não vivendo uma série de experiências que para aqueles que não sofrem com a doença seria tão simples. 

 » Read more about: Cadela surfa com crianças com Atrofia Muscular Espinhal e proporciona muita felicidade aos pacientes  »

Cachorros da raça Galgo Italiano são encontrados vivendo em terríveis condições em São Paulo

por Andrezza Oestreicher — publicado 25 abr 2018 - 13:00

Mais uma vez, a ganância do ser humano, chamado de racional, transformou seres tão amáveis como os cachorros em máquinas de reproduzir filhotes e em fonte de lucro e de dinheiro. É exatamente isso o que criadouros clandestinos fazem.

Na última sexta-feira, dia 20 de abril, a Polícia Militar Ambiental (PMA) encontrou em uma residência em Praia Grande, no litoral de São Paulo, cachorros da raça Galgo Italiano, considerada rara no Brasil, em um estado terrível e em visíveis condições de grave negligência.

 » Read more about: Cachorros da raça Galgo Italiano são encontrados vivendo em terríveis condições em São Paulo  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Sharon Stone aumenta a família com um novo filhotinho

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 13:23

Coisa boa é aumentar a família e levar um cachorrinho novo para casa. Além de todo o amor que eles sempre estão prontos para nos dar, esses animais conseguem trazer ainda mais luz, vida e alegria para o lar.

Quem está vivendo esse momento de muita alegria com um novo cãozinho em casa é Sharon Stone.

Joe and I welcome his new pal Bandit. #JoeStone #BanditStone #family ❤️

A post shared by Sharon Stone (@sharonstone) on

Já tutora de um cachorro da raça Buldogue Francês chamado Joe, a atriz decidiu aumentar sua família e levou para casa um fofo filhotinho. O cãozinho também é da raça Buldogue Francês, porém em cores diferentes do seu irmão canino mais velho, e recebeu o nome de Bandit Stone.

Goodnight. ❤️ #BanditStone

A post shared by Sharon Stone (@sharonstone) on

Sharon apresentou o novo membro de sua família para seus fãs e seguidores através de seu perfil oficial no Instagram. Em uma série de duas fotos, uma em que ela aparece muito feliz segurando o novo filhote e outra em que Joe aparece debaixo das pernas da tutora, a atriz escreveu: “Joe e eu demos boas-vindas ao seu novo amigo Bandit”.

Depois da apresentação, Sharon Stone já começou a encher seu perfil na rede social de fotos do novo filhote, assim como toda tutora apaixonada e mamãe coruja.

Joe and Bandit! ❤️ #puppylove #JoeStone #BanditStone #bigbrother

A post shared by Sharon Stone (@sharonstone) on

A atriz também compartilhou um vídeo em que aparecem os dois cachorros, onde o pequeno Bandit tenta chamar a atenção de Joe, que prefere se coçar um pouquinho.

Entre as fotos que mostra o fofo filhote dormindo, Sharon postou uma em que aparece com Bandit no colo e confessou que Joe parece estar com um pouquinho de ciúmes do novo irmãozinho. Porém, apesar disso, ela afirmou que eles estão se dando bem.

Bandit é realmente uma fofura de cãozinho.

Fonte: People

Cadela surfa com crianças com Atrofia Muscular Espinhal e proporciona muita felicidade aos pacientes

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 9:23

A Atrofia Muscular Espinhal, bastante conhecida também como AME, é uma doença degenerativa genética que afeta o sistema nervoso e leva à redução das funções motoras. Ela resulta em fraqueza e atrofia muscular caracterizada por problemas nos movimentos voluntários.

A AME afeta os movimentos das pernas e braços, muitos pacientes perdem esses movimentos, e afeta também os músculos que atuam na deglutição de alimentos e na respiração.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Por conta disso tudo, pessoas com Atrofia Muscular Espinhal acabam não vivendo uma série de experiências que para aqueles que não sofrem com a doença seria tão simples. Porém, um grupo de pacientes nos Estados Unidos contou com uma ajuda para lá de especial para ter uma experiência diferente e muito feliz.

Juntamente com o Cure SMA, um grupo que financia pesquisas relacionadas à doença, a cadelinha surfista Ricochet proporcionou muita diversão a esses pacientes, que tiveram a oportunidade de entrar no mar e surfar com a peluda.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Ricochet é o único SURFice dog® do mundo que fornece assistência terapêutica enquanto cria experiências únicas de surfe e outras atividades que reduzem a ansiedade social e capacitam crianças com necessidades especiais, pessoas com deficiências, soldados feridos e veteranos com TEPT.

As crianças eram as mais animadas do grupo de pacientes, todas queriam ser a primeira a surfar com Ricochet, cadela que tem treinamento extensivo como cão de serviço.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Como muitas das crianças que participaram da atividade não conseguem manter a cabeça erguida sozinha, uma cadeira de banho foi adaptada e fixada na prancha de surf para deixar os pequenos seguros e confortáveis.

O passeio contou com a participação e ajuda de uma incrível equipe de voluntários qualificados que fez com que a experiência fosse um sucesso e muito feliz para todos.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Apesar de todas as dificuldades e trabalho que deu colocar a ideia do surf com os pacientes em prática, todos, tanto crianças quanto adultos, se divertiram bastante e não queriam que aquele dia acabasse.

Fonte: 3 Million Dogs / Diário Catarinense