Parvovirose em cães

Saiba tudo sobre a Parvovirose em cães: Transmissão, sintomas, diagnóstico, tratamento e como evitá-la.

por George Augusto — publicado 27 jan 2014 - 1:39

A Enterite Canina Parvoviral, mais conhecida como Parvovirose é uma enfermidade que acomete os cães e tem levado milhões a óbito todos os anos. Existem dezenas de subtipos do parvovírus, que causam doenças em várias classes de mamíferos, inclusive o Homem e o cão. Apesar disso, não se trata de uma zoonose, já que os vírus que atingem essas duas espécies, são distintos e específicos. Ela é causada pelo vírus que pertence à família Parvoviridae.

A Parvovirose canina pode atingir animais de diferentes idades, porém os cães mais novos (filhotes) são os mais acometidos por conta do seu baixo desenvolvimento imunológico. O parvovírus atinge principalmente o trato gastrointestinal do animal, como também, nos filhotes, afeta seriamente o músculo cardíaco, levando rapidamente a óbito.

 

Parvovirose em cães. Foto: Reprodução

Parvovirose em cães. Foto: Reprodução

 

Transmissão da Parvovirose

A forma de transmissão da Parvovirose pode se dar no ar (ao animal inspirar) ou também no contato do animal sadio com as fezes do animal infectado. O cão tem o hábito de lamber-se, como também aos outros, fazendo com que seu hábito seja uma porta de entrada para a famosa Parvovirose.

O vírus da Parvovirose é extremamente resistente no meio externo, sobrevivendo na maioria das vezes por até 6 meses. A erradicação dele no meio externo é praticamente impossível, já que o mesmo reside na superfície de plantas, solos e objetos, como: brinquedos de pet, sandálias e até mesmo na pata do animal. Um jeito bastante utilizado por proprietários para fazer a limpeza de casas e de canis é utilizando lixívia, porém não é totalmente eficaz para a erradicação do vírus da parvo.

 

Sintomas da Parvovirose

Os principais sintomas da Parvovirose, são: Vômito intermitente; diarréia bastante fétida e com presença de sangue; febre; falta de apetite; desidratação e depressão.

Na maioria das vezes, os cães chegam a óbito após 72 horas, por conta da forte desidratação devido ao vômito e a severa diarréia.

 

Diagnóstico da Parvovirose

O diagnóstico da doença só pode ser feito por um médico veterinário, pois o mesmo irá avaliar o caso, passando assim, exames laboratoriais, como: hemograma e exame de fezes para avaliar se há ou não a presença do vírus no bolo fecal.

 

Tratamento para Parvovirose

Infelizmente, atualmente não há tratamento eficaz que mate o vírus da Enterite Canina Parvoviral, a Parvovirose, entretanto, existem tratamentos de apoio escolhidos pelo médico veterinário na tentativa de uma melhora do animal. A melhora ou não do animal, depende principalmente do seu sistema imunológico, sabendo que, mesmo havendo uma melhora significante, o animal irá ainda ser portador do vírus da Parvo.

 

Como evitar Parvovirose

O melhor jeito de combater a Parvovirose é prevenir a mesma, fazendo a vacinação anualmente do seu cão. É bastante importante vacinar as fêmeas antes da cobertura, evitando assim, que seus filhotes contraiam a parvo ainda na barriga na mãe. Também é aconselhado que se um animal apresentar algum sinal clínico semelhante à o da parvo, isolar o mesmo e, chamar um médico veterinário para avaliar o caso e, se necessário, começar com a terapia medicamentosa.

Jamais tome decisões precipitadas medicando seu cão, pois com uma terapia errada pode piorar o quadro clínico levando rapidamente o seu animal a óbito. Procure sempre a opinião de um médico veterinário.

 

Atualização 07/12/2014, 22:57

 

Por: George Augusto von Schmalz Portella de Macedo

Ocupação: Acadêmico de Medicina Veterinária

Contato: [email protected]

Patrick Stewart não poderá ficar com cadelinha que pretendia adotar após dar lar temporário

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 set 2017 - 9:38

Há cerca de seis meses, o ator Patrick Stewart, que participou de vários filmes, mas é mais conhecido por seu papel como Professor Charles Xavier em X-Men, encantou ainda mais seus fãs ao abrir as portas de sua casa nos Estados Unidos para dar lar temporário para uma cadelinha resgatada.

Ginger, que é da raça Pit Bull, logo ganhou o coração de Patrick e o de sua esposa com toda a sua doçura, apesar do passado difícil que teve antes de ser resgatada.

 » Read more about: Patrick Stewart não poderá ficar com cadelinha que pretendia adotar após dar lar temporário  »

Homem salva cão de redemoinho no interior de São Paulo

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 set 2017 - 9:10

Uma forte ventania que tomou formas de redemoinho assustou a todos que estavam na rua e próximos do local onde a corrente de ventos se deu no município de Cerqueira César, em São Paulo. O fato aconteceu na última segunda-feira, dia 18 de agosto.

Apesar de não causar grandes estragos, o redemoinho deixou muita gente preocupada, incluindo Antônio Ferreira, que arriscou sua vida para resgatar um cachorro que estava muito perto da forte ventania.

 » Read more about: Homem salva cão de redemoinho no interior de São Paulo  »

Cadela abandonada passa pela rua certa na hora certa e recebe proteção contra furacão Irma

por Andrezza Oestreicher — publicado 19 set 2017 - 18:28

Uma fofa cachorrinha abandonada estava vagando pelas ruas da Flórida Central bem perto da passagem do furacão Irma. Por sorte, ela apareceu na porta da casa certa na hora certa e conseguiu abrigo para se proteger.

O número de cães abandonados em épocas de desastres naturais, como os furacões que atingiram os Estados Unidos e outras regiões do Norte há pouco tempo, nos causam muita indignação. Porém, felizmente, ainda existem pessoas que se preocupam com os animais e fazem o que podem para ajudar.

 » Read more about: Cadela abandonada passa pela rua certa na hora certa e recebe proteção contra furacão Irma  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Patrick Stewart não poderá ficar com cadelinha que pretendia adotar após dar lar temporário

por Andrezza Oestreicher — publicado 21 set 2017 - 9:38

Há cerca de seis meses, o ator Patrick Stewart, que participou de vários filmes, mas é mais conhecido por seu papel como Professor Charles Xavier em X-Men, encantou ainda mais seus fãs ao abrir as portas de sua casa nos Estados Unidos para dar lar temporário para uma cadelinha resgatada.

Ginger, que é da raça Pit Bull, logo ganhou o coração de Patrick e o de sua esposa com toda a sua doçura, apesar do passado difícil que teve antes de ser resgatada. Logo o casal percebeu que seria difícil ser apenas um lar temporário para Ginger e a vontade de ficar com ela para sempre foi grande.

‪Fostering #GingerGurl is one of the best things I've ever done. @ASPCA @WagsandWalks #AdoptDontShop #fosteringsaveslives #pibbles ‬#pitbullsofinstagram

A post shared by Patrick Stewart 💩 (@sirpatstew) on

O ator publicou diversos momentos de diversão e carinho que teve com a cadela enquanto estava nos Estados Unidos e começou a ver o que seria necessário para levar Ginger com ele para o Reino Unido, local onde Patrick nasceu e vive.

Ao chegar nessa fase, o casal percebeu que uma legislação britânica de raças não iria permitir que eles continuassem com aquela fofa cadelinha. A tal legislação, que foi chamada de antiquada e trágica por Sunny Ozell, esposa de Patrick, proíbe certas raças específicas, e uma delas é a Pit Bull.

Patrick e sua esposa ficaram completamente arrasados ao saberem que não poderiam continuar com Ginger, porém, mesmo de longe, seguem cuidando da cadelinha da forma que podem.

Dias depois de saberem que não poderiam levar a cadela para o Reino Unido, o casal foi informado pelo treinador de Ginger que tinha algo errado com suas patinhas e ela foi imediatamente levada para um veterinário, que descobriu que ela estava com uma grave lesão nos ligamentos das patas dianteiras.

“Patrick e eu não hesitamos; com apenas dois anos, Ginger foi uma excelente candidata para a cirurgia, e decidimos arrumar nossa garota. Nós não queríamos passar esse fardo para a próxima família … queríamos dar-lhe a melhor chance de um futuro mais brilhante possível”, escreveu Sunny Ozell em uma publicação no Facebook.

The swimming lesson that wasn't. Our foster pibble Ginger is perfect afternoon company. @ASPCA @WagsandWalks #AdoptDontShop #pitbullsofinstagram #pitbull

A post shared by Patrick Stewart 💩 (@sirpatstew) on

A cadelinha segue em recuperação, fazendo fisioterapia após a cirurgia, e está com o treinador, com quem ela sempre se deu muito bem e teve uma ótima relação. Assim que estiver completamente recuperada, Patrick e Sunny, que estão sempre por dentro de tudo o que acontece com a cadela e já fizeram uma visita para ela, irão ajudar a encontrar um lar para sempre para Ginger.

An update on Ginger Gurl from Sunny and me…

Posted by Patrick Stewart on Monday, September 11, 2017

Apesar de saberem que a cadela está sendo muito bem cuidada e que certamente terá um futuro brilhante com toda a sua doçura, o casal está bastante triste que uma lei que proíbe certas raças tenha impedido de que eles formassem uma linda família.

Em um evento, Patrick falou sobre o caso e disse que os cuidados que se devem ter são com os tutores de animais e disse que: “Na maioria dos casos, e certamente no caso de Pit Bulls, não é o cão que é o problema, é sempre o dono”.

Fonte: I Heart Dogs

Homem salva cão de redemoinho no interior de São Paulo

por Andrezza Oestreicher — publicado 20 set 2017 - 9:10

Uma forte ventania que tomou formas de redemoinho assustou a todos que estavam na rua e próximos do local onde a corrente de ventos se deu no município de Cerqueira César, em São Paulo. O fato aconteceu na última segunda-feira, dia 18 de agosto.

Apesar de não causar grandes estragos, o redemoinho deixou muita gente preocupada, incluindo Antônio Ferreira, que arriscou sua vida para resgatar um cachorro que estava muito perto da forte ventania.

Homem correu para pegar o cachorro, que estava muito próximo do redemoinho. (Foto: Reprodução / G1 / Murilo Mantovani)

O homem contou para o G1 que assim que viu aquele fenômeno tão forte, seu primeiro pensamento foi o cachorrinho Xodó, um animal de rua que vive pelo posto de gasolina em que Antônio trabalha.

“Quando eu vi aquele vendaval como se fosse um tornado, a primeira coisa foi saber onde o meu ‘xodó’ estava. Vi que ele ficou perdido e com risco de vida. Então corri e peguei ele no colo para sairmos do local o quanto antes”, disse Antônio, que ficou bastante preocupado com o cão.

Ainda segundo o homem, que trabalha há cinco anos no posto, a ventania que aconteceu naquele dia foi mais forte do que as que costumam acontecer por lá e realmente assustou muita gente.

“Eu já tinha visto algo parecido outras vezes, mas sempre com intensidade fraca. Como foi hoje não tinha visto não. Então, corri pra pegar o cachorro porque ele ficou perdido olhando e quase que entrou na ventania”, explicou ele.

De acordo com funcionários do posto, essa foi uma das ventanias mais fortes vistas pela região. (Foto: Reprodução / G1 / Murilo Mantovani)

Segundo informações de outros funcionários do posto, durante a forte ventania, que foi descrita como um “vendaval com formato de tornado”, foi possível ver entulhos e objetos voando.

O fenômeno chegou a danificar o telhado do lava-rápido do posto, mas não causou maiores estragos e nem deixou ninguém ferido, nem o cachorrinho Xodó.

Fonte: G1