Vacinar: com quais? e quando?

por Fabio Sakita — publicado 18 set 2012 - 10:26

VACINAR: COM QUAIS E QUANDO?
Profa. Dra. Mary Marcondes Feitosa.

Cães neonatos possuem capacidade de responder imunologicamente a numerosos antígenos, mas essa resposta é muito mais lenta e inferior do que aquela de animais mais velhos. Os anticorpos maternos recebidos da mãe bloqueiam uma imunização adequada em filhotes por um período de tempo após o nascimento e o desmame. Quanto maior o título de anticorpos maternos maior será o dos filhotes, e a duração da imunidade passiva encontra-se na dependência tanto do título quanto da meia vida das imunoglobulinas específicas.

A quantidade de anticorpos maternos no filhote capaz de bloquear um vírus vacinal é menor que a necessária para prevenir uma infecção. Isso leva a crer que, em uma determinada fase da vida, a quantidade de anticorpos maternos circulantes é capaz de bloquear uma vacina, mas não é capaz de bloquear um vírus de campo, ou seja, o animal é sensível a uma infecção e insensível a uma vacinação. Esse período é denominado de janela de suscetibilidade e é variável de acordo com o agente infeccioso e o tipo de vacina. Cepas vacinais mais imunogênicas ou menos atenuadas são capazes de sobrepujar mais precocemente a imunidade residual transferida pela mãe.

Em alguns filhotes a imunidade materna ainda está presente por volta de 14 semanas de idade. Por isso os veterinários utilizam múltiplas vacinas, dadas em intervalos de duas a quatro semanas, fazendo-se a primovacinação entre seis e oito semanas de vida e continuando até 14 ou 16 semanas, numa tentativa de sobrepujar a imunidade materna antes da exposição a cepas virulentas.

Durante muitos anos veterinários têm recomendado a proprietários de cães e gatos que façam reforços anuais de vacinas contra raiva, cinomose, parvovirose, panleucopenia e assim por diante. Esses reforços anuais certamente exerceram um papel importante na prevenção de doenças em cães e gatos. Entretanto, surge a seguinte questão: Essas vacinas necessitam realmente de reforços anuais? E uma segunda e também importante questão é: Estamos vacinando cães e gatos em demasia? Podemos causar danos por vacinar os animais em excesso?

A duração da imunidade é importante para a determinação do momento em que se deve repetir o estímulo antigênico ou a vacinação de reforço. Após uma única vacinação, os filhotes nem sempre desenvolvem imunidade. Por esta razão, mesmo que não haja interferência de anticorpos maternos, devem-se realizar ao menos duas vacinações em neonatos que não mamaram colostro, ou em cães com mais de quatro meses de idade.

De um modo geral o protocolo vacinal para filhotes de cães prevê uma série de três doses de vacinas. Posteriormente é feita a revacinação anual. A duração da imunidade é variável para cada um dos componentes vacinais, sendo de longa duração, de anos, para cinomose, parvovirose, adenovirose e panleucopenia, e de curta duração, de apenas alguns meses, para a leptospirose. Assim o grau de proteção não é o mesmo para todas as doenças.

Esquemas alternativos de protocolos vacinais podem ser estabelecidos pelo veterinário levando-se em consideração o estilo de vida e os hábitos dos cães e gatos. Desta forma, o veterinário poderia montar o esquema de vacinação para o animal baseado em seu estado de saúde, em seu estado imune, sua idade, no risco de exposição à doença em questão e nas probabilidades de ocorrência de reações de hipersensibilidade. É desaconselhável recomendar um programa padrão de vacinação para todos os indivíduos.

Vacinar um mesmo animal menos vezes reduz o risco de reações adversas. Alguns estudos demonstraram que não existiu benefício em revacinar anualmente animais contra parvovirose, cinomose e adenovirose em um período de sete anos quando comparado com animais que foram vacinados quando filhotes e depois desafiados aos sete anos de vida. Ambos os grupos estavam protegidos contra o desafio. Desta forma, as revacinações devem ser feitas apenas para as doenças que realmente necessitam de reforços e nunca com vacinas contendo múltiplos componentes. Por outro lado, a vacinação anual ou periódica possibilita a avaliação clínica do animal e a detecção e a prevenção de doenças incipientes.

As vacinas podem ser constituídas pelo microorganismo inteiro, vivo e atenuado; pelo microorganismo inativado ou sua fração; ou podem ser recombinantes, produzidas através de engenharia genética.

As vacinas inativadas podem ser compostas do agente em sua totalidade ou somente de frações antigênicas dele. O mais importante nas vacinas inativadas é a manutenção da similaridade antigênica da amostra vacinal ao agente patogênico natural. Dentre as vantagens de uma vacina inativada temos o fato dela ser estável ao armazenamento, de não apresentar virulência residual, de não apresentar agentes contaminantes e de ser segura em fêmeas prenhes. Entretanto, como não mimetiza a infecção natural, pode não induzir suficiente imunidade celular ou de mucosa. Produtos inativados geralmente contêm adjuvantes que podem causar reações alérgicas.

Nas vacinas atenuadas o agente infecta as células do hospedeiro e replica-se, induzindo imunidade humoral, mediada por células e de mucosas. Essas vacinas tendem a quebrar a imunidade materna em um período mais precoce e induzem imunidade mais rapidamente do que os produtos inativados uma vez que, se não houver mais imunidade materna, induzem imunidade com uma única dose. As principais vantagens de uma vacina atenuada são: a necessidade de um menor número de aplicações, o fato de não necessitarem de adjuvantes, o menor risco de desenvolvimento de hipersensibilidade, a indução do interferon, a baixa massa antigênica e o baixo custo. Entre as desvantagens de uma vacina atenuada está o fato de que se a atenuação for feita de forma incorreta podem causar a doença (reversão à virulência). Outro problema é que, por se tratarem de organismos vivos, podem sofrer inativação se forem estocadas ou administradas de forma incorreta, necessitando de condições especiais de armazenamento. Vacinas atenuadas podem causar danos fetais, desta forma, não podem ser administradas em fêmeas prenhes. Dentre as desvantagens de uma vacina atenuada está ainda a possibilidade de perpetuação do organismo no meio ambiente.

Tanto a resposta celular quanto a humoral são importantes para a proteção contra a infecção. As vacinas possuem um importante papel em estimular os dois mecanismos. Entretanto, por questões práticas e diante da dificuldade de se realizar o desafio dos animais vacinados, tem-se em geral avaliado apenas a resposta humoral, considerando-a sinônimo de proteção contra a infecção. A correlação entre os títulos de anticorpos e a proteção contra doenças pode ser boa quando se trata de infecções sistêmicas como cinomose, parvovirose e panleucopenia. Em contraste, a proteção contra as infecções respiratórias e das superfícies mucosas gastrentéricas é baseada na resposta secretória mais que na resposta imune humoral, que na maioria das vezes não é avaliada.

Apesar de existir possibilidade de se determinar o título específico de anticorpos para determinadas doenças, existem vários fatores que devem ser considerados. Em primeiro lugar está o fato de que o título de anticorpos não se correlaciona necessariamente com a proteção contra determinada enfermidade. Outro fato é de que nem sempre é viável ao proprietário realizar tal determinação. Finalmente, os métodos para determinação sérica de anticorpos ainda não estão totalmente padronizados e podem ocorrer diferentes títulos da mesma amostra enviada para diferentes laboratórios. Um título negativo não significa necessariamente que o animal seja suscetível à infecção. Da mesma forma a presença de anticorpos em altos níveis não garantem imunidade subseqüente a uma exposição.

Nos anos de 1998 e 2003, respectivamente, a American Association of Feline Practitioners e a American Animal Hospital Association apresentaram algumas recomendações para protocolos de vacinações em cães e gatos. As indicações para filhotes continuam as mesmas, entretanto para adultos foram considerados três grupos de vacinas: o das essenciais, o das opcionais e o das não recomendadas.

Vacinas essenciais são aquelas recomendadas a todos os filhotes com história desconhecida de vacinação. As doenças envolvidas possuem uma significante morbidade e mortalidade e são distribuídas amplamente e, de modo geral, a vacinação resulta em uma proteção relativamente boa. As vacinas consideradas essenciais para cães são: raiva, cinomose, parvovirose e adenovírus 2.

Vacinas opcionais devem ser consideradas de acordo com o risco de exposição do animal baseando-se na distribuição geográfica da doença e no estilo de vida do animal. Entre elas estão: bordetella, parainfluenza, leptospirose (quatro tipos) e vacina combinada de cinomose e sarampo.

A vacina contra leptospirose é a mais importante vacina opcional para cães, uma vez que a infecção pode causar doença branda a severa e trata-se de uma zoonose. A pergunta é, por que então a vacina não é incluída nas vacinas obrigatórias? A principal razão diz respeito à eficácia da vacina: uma grande porcentagem de cães vacinados não desenvolve imunidade ou desenvolvem apenas por um curto período de tempo. Além disso, as bacterinas estão entre os componentes mais reactogênicos das vacinas. Elas não previnem a infecção ou a eliminação do microrganismo pela urina, mesmo quando reduzem ou eliminam os sintomas da doença. Finalmente a vacina contra leptospirose não é considerada obrigatória porque a leptospirose é rara em muitas regiões geográficas.

Vacinas não recomendadas rotineiramente são aquelas contra doenças que não possuem significado clínico importante ou que respondem prontamente a tratamento, quando existe uma mínima evidência da eficácia da vacina ou quando os riscos de efeitos colaterais são maiores que os benefícios. Entre elas destacamos a vacina contra coronavirose, giárdia e adenovírus-1.

A natureza e a severidade da infecção pelo vírus da panleucopenia, da rinotraqueíte viral, da calicivirose e da raiva justificam a vacinação de todos os gatos contra essas doenças. Vacinas contra clamidiose, leucemia felina e peritonite infecciosa felina são consideradas opcionais. O uso dessas vacinas deve ser restrito a gatos com real risco de exposição a esses agentes patogênicos. Já as vacinas contra giardíase e dermatofitose (Microsporum canis) são vacinas não recomendadas para uso de rotina em felinos.

O aspecto mais importante de um programa de vacinação é ter a certeza de que a última dose de vacina da série seja administrada quando não houver mais a presença de anticorpos maternos na circulação.

O objetivo de um programa de vacinação deve ser vacinar o maior número possível de animais na população de risco, não vacinar nenhum indivíduo mais do que o necessário e vaciná-lo apenas contra os agentes infecciosos a que ele realmente tem risco de se expor com subseqüente desenvolvimento da doença.

CINOMOSE CANINA:

A vacinação contra cinomose pode ser iniciada entre seis e oito semanas de idade. A maioria das vacinas é capaz de sobrepujar a imunidade materna ao redor de 12 semanas. Em filhotes com menos de 16 semanas a recomendação é a administração de três doses. No caso de animais com mais de 16 semanas o ideal é que se apliquem duas doses na primovacinação. Embora a imunidade desenvolvida após a vacinação seja bastante eficaz, com título de anticorpos após 24 meses praticamente idêntico ao título mensurado logo após a imunização, a imunidade pode diminuir ao longo do tempo, principalmente quando se empregam vacinas menos potentes e naqueles animais que não entram em contato com o agente infeccioso. Recomendam-se, em geral, doses de reforço da vacina contra cinomose em anos alternados ou em intervalos de três anos, durante toda a vida do animal. Em casos de cinomose deve-se tomar cuidado com revacinação a intervalos maiores que três anos, porque lapsos no esquema de vacinação vão inevitavelmente resultar em um declínio da imunidade populacional e em surtos da doença.

Uma vacina recombinante encontra-se atualmente no mercado. Esta vacina é segura para filhotes imunocomprometidos e carnívoros silvestres. Por ser incerta a imunidade mais prolongada com esta vacina recomenda-se a revacinação anual. Ela não produz imunidade estéril e pode demorar mais para proteger os animais, por este motivo não é recomendada para animais que ficam em locais de grande exposição, tais como canis ou abrigos. Uma opção para seu uso é fazer a primovacinação com vacinas contendo vírus vivos modificados e os reforços com a recombinante.

HEPATITE INFECCIOSA CANINA:

A vacinação é feita em combinação com a de cinomose e outras doenças, iniciando-se entre seis e oito semanas de vida. As vacinas, em geral, contêm vírus vivo modificado homólogo (CAV-1) ou CAV-2, vírus respiratório que possui estreita relação antigênica com o primeiro. A maioria das vacinas contém o segundo tipo de vírus. A imunidade desenvolvida é de longa duração.

Um efeito colateral indesejável do CAV-1 é o desenvolvimento de uveíte em pequena porcentagem de cães. A utilização de vacinas contendo CAV-2 resulta em menor número de efeitos colaterais. Também têm sido utilizadas vacinas com vírus inativado, entretanto a imunidade resultante é baixa e de menor duração. Nessas condições recomenda-se revacinação anual. Não há eliminação viral com esse tipo de vacina.

TRAQUEOBRONQUITE INFECCIOSA CANINA:

Vários são os agentes infecciosos envolvidos no desenvolvimento da doença. Entre eles os mais importantes são o vírus da parainfluenza canina, o adenovírus respiratório (CAV-2) e a Bordetella bronchiseptica. Recomendam-se três doses da vacina para filhotes com menos de 16 semanas, iniciando-se entre seis e oito semanas de idade. Para animais com mais de 16 semanas uma dose pode ser suficiente (vacina viva), mas normalmente recomenda-se a aplicação de duas doses. O primeiro reforço é feito um ano após a última dose da primovacinação e os outros podem ser feitos a cada três anos. Existem dois tipos de vacinas para a proteção de cães contra as doenças respiratórias. A vacina de aplicação parenteral e a de aplicação intranasal.

A duração da imunidade produzida pelas vacinas respiratórias contra os principais patógenos primários não foi ainda bem estabelecida. Sabe-se que o título de anticorpos séricos permanece alto por um longo período de tempo (mais que 48 meses), porém essa imunidade tem um papel apenas relativo na proteção contra os agentes infecciosos da mucosa respiratória ou de outras mucosas. Anticorpos secretórios e outros mecanismos locais de defesa têm um papel muito mais importante. Apesar das pesquisas indicarem que a duração dos anticorpos é maior que três anos, a revacinação com intervalos maiores do que esses não deve ser recomendada, pois se trata de um risco desnecessário. As vacinas intranasais foram desenvolvidas com o objetivo de proteger contra a doença e reduzir a eliminação de microorganismos após a exposição ao agente infeccioso virulento. A proteção pode ocorrer 72 horas após a aplicação da vacina, sendo útil na prevenção da doença em casos de surtos em canis ou na proteção dos cães antes de serem hospitalizados ou de serem abrigados em pensões ou hotéis. Os cães suscetíveis devem receber pelo menos duas doses da vacina parenteral antes da possível exposição. A vacina intranasal pode ser utilizada como alternativa prática imediatamente antes da exposição. A revacinação anual é recomendada apenas para aqueles animais altamente expostos ao risco de infecção em locais onde a prevalência é grande.

PARVOVIROSE:

O parvovírus é tão contagioso quanto o vírus da cinomose, com o agravante de que é muito mais estável no meio ambiente. Isto significa que 90 a 95% da população canina necessitam estar imunizados para que possa ser quebrada a cadeia ou interrompida a disseminação. As vacinas contêm o parvovírus isolado de cães, atenuado ou morto. Como em outras doenças, as vacinas atenuadas induzem imunidade mais prolongada. Em condições naturais, animais vacinados com vírus inativado são parcialmente protegidos e quando subseqüentemente expostos ao vírus virulento adquirem a infecção que serve de reforço à imunidade desenvolvida. A primovacinação com vacina viva pode ser iniciada com seis a oito semanas de idade. Em cães com menos de cinco semanas deve-se aplicar preferencialmente vacinas inativadas. Pode-se utilizar vacina viva com quatro semanas de idade desde que se utilize produto monovalente. Quanto mais atenuada e menos potente a vacina, maior é a janela de suscetibilidade. As vacinas foram melhoradas, havendo na atualidade vacinas mais potencializadas, em que foram usadas linhagens mais imunogênicas, com aumento do título de vírus por dose de vacina (maior massa antigênica) e diminuição da passagem em cultura celular (menor atenuação). Vacinas com parvovírus morto são mais suscetíveis à interferência de anticorpos maternos em filhotes com até 16 ou 18 semanas de vida. Apesar da alta eficiência desses produtos, recomenda-se completar a vacinação de filhotes a cada três ou quatro semanas até as 16 semanas de vida. Geralmente três doses. Em cães com mais de 16 semanas pode-se utilizar apenas duas doses. Algumas raças são mais suscetíveis à infecção por parvovírus canino. Entre elas citamos o Doberman, Rotweiller e Pastor Alemão. Os reforços devem ser feitos um ano após a última dose da primovacinação e depois a cada três anos.

CORONAVIROSE:

A infecção pelo coronavírus sozinha tem sido associada a uma doença discreta e somente em cães com menos de seis semanas de idade. A coronavirose ocorre de duas formas: uma como enterite clinicamente aparente e outra como externamente assintomática que se expressa através de lesões no intestino delgado. Embora tais lesões causadas pela forma assintomática possam ter cura espontânea, outros patógenos entéricos que possuem forte afinidade pelas células altamente mitóticas podem aparecer como infecções sinérgicas geralmente graves e às vezes até fatais. A infecção assintomática por coronavírus pode afetar cães de qualquer idade. Os anticorpos séricos não se correlacionam com a resistência à infecção e a duração da imunidade é desconhecida.

Existe algum significado na vacinação de cães contra a coronavirose no sentido de prevenir os cães contra uma infecção mais grave pelo parvovírus. O protocolo recomendado é de aplicação de uma dose a cada duas ou quatro semanas até que o animal tenha 12 semanas de idade. Se o cão tiver mais de 16 semanas pode-se aplicar uma única dose de vacina viva ou duas doses de vacina com vírus morto. A proteção dada pela vacina inativada não é completa, havendo apenas redução do grau de replicação viral e da eliminação fecal do coronavírus, quando ocorre a infecção natural, o que resultará na proteção do animal. Em contraste, quando se usa a vacina viva atenuada ocorre proteção contra infecção, não havendo desenvolvimento de sintomas clínicos e diminuindo a eliminação fecal. As vacinas inativadas em geral produzem pouco ou nenhum anticorpo secretório ao contrário daquelas com vírus vivo modificado que parecem estimular sua produção e promover a imunidade mediada por células. No meio acadêmico questiona-se a aplicação destas vacinas já que não representam uma forma confiável de impedir a infecção, nem a replicação ou excreção de vírus patogênicos.

Muitos autores recomendam o uso dessa vacina somente em situações em que os cães apresentam grande risco de infecção, por exemplo, aqueles mantidos em canis. Normalmente não se recomenda a vacinação de cães adultos, pois nenhum estudo demonstrou benefícios com essa prática. Os reforços são recomendados apenas devido ao uso de vacinas polivalentes. Essas vacinas encontram-se entre as não recomendadas porque a prevalência de casos clínicos não justifica seu uso.

LEPTOSPIROSE:

Muitos sorovares de leptospira podem causar doença em cães e há uma mínima proteção cruzada induzida por cada sorovar. As vacinas contra leptospirose contem bacterinas inativadas. A vacinação não é recomendada em animais com menos de 12 semanas de idade por causa da natureza alergênica dessas vacinas e pela supressão da resposta humoral a outros antígenos nos cães vacinados com até seis semanas de idade. Para animais com menos de 16 semanas de idade recomenda-se a administração de uma dose com 12 semanas e outra com 16. Para animais com mais de 16 semanas também são aplicadas duas doses.

As bacterinas de leptospira não produzem imunidade de longa duração. A revacinação a cada seis meses deve ser feita apenas para animais com elevado risco de adquirir a doença. A administração arbitrária não deve ser feita. A prevalência da doença varia para cada sorovar. Desta forma a recomendação da vacinação é difícil de fazer devido à falta de informações sobre qual sorovar é mais prevalente em determinado local. Como a vacina de leptospirose é a associada às mais severas reações pós-vacinais (anafiláticas), a vacinação em cães que vivem em áreas urbanas com uma mínima exposição a animais selvagens ou de fazendas não é recomendada. A combinação da vacina com outras não infecciosas adicionadas a adjuvantes aumenta o risco de anafilaxia.

A bacterina de leptospira é comercializada sob a forma líquida, sendo normalmente utilizada para reconstituir os componentes liofilizados nas vacinas combinadas. Pode ser substituída por diluente estéril quando não houver razão para seu uso. A maioria dos cães vacinados não adquire a infecção simplesmente pelo fato de não serem expostos ao contato com as leptospiras patogênicas em seu meio ambiente.

Nenhuma das vacinas existentes protege o estado de portador, que pode se instalar após a exposição ao agente infeccioso. Contribuem apenas para diminuir o desenvolvimento da doença clínica. Em algumas áreas onde a leptospirose tornou-se uma doença rara, discute-se a real necessidade do uso da vacina contra leptospirose, levando-se em conta a curta duração da imunidade e o risco de reações de hipersensibilidade pós-vacinal.

RAIVA:

Em geral recomenda-se a vacinação anti-rábica concomitantemente à última dose de séries de vacinas do protocolo. Deve-se repetir a vacinação após um ano.

Embora a imunidade seja de longa duração, possibilitando a revacinação trienal, deve-se seguir a recomendação da legislação sanitária local que é a de revacinação anual.

GIARDÍASE:

A vacina contra giardíase encontra-se no grupo das não recomendadas. Apesar de a giardíase ser o parasita intestinal mais comum em humanos nos EUA, a maior fonte de infecção em humanos é a água contaminada. O potencial zoonótico da giardíase permanece incerto. Outro fator a ser considerado é que cerca de 90% dos cães respondem ao tratamento para giardíase e a maioria dos cães infectados é assintomática.

Esta vacina também não é recomendada rotineiramente nos EUA porque não previne a infecção apesar de poder prevenir a eliminação de oocistos e reduzir os sintomas. A vacina tem sido utilizada como imunoterapia no tratamento de giardíase em cães. A vacina parece ser efetiva em cães com sintomatologia crônica e que não responderam ao tratamento. Normalmente recomenda-se uma dose inicial com oito semanas de idade e uma segunda dose duas a três semanas depois. Se o animal tiver mais que 16 semanas também se recomenda a aplicação de duas doses.

Artigo: VACINAR: COM QUAIS E QUANDO?
Fonte: Sociedade Paulista de Medicina Veterinária – clique aqui.
Autora: Profa. Dra. Mary Marcondes Feitosa, médica veterinária – UNESP, Campus de Araçatuba.
Currículo da autora: clique aqui.

Gregório Aparecido, mais uma celebridade canina para você ficar de olho nas redes sociais

por Andrezza Oestreicher — publicado 25 set 2017 - 9:20

Pesquisa aponta que brasileiros gastam quase R$ 200 por mês com animais de estimação

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 set 2017 - 18:22

De acordo com uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com usuários da intenert, cerca de 76% dos internautas brasileiros possuem um animal de estimação em casa. Destes animais, 79% são cães.

A pesquisa, que buscava saber o comportamento dos tutores em relação ao gasto financeiro com seus animais, mostrou que as famílias brasileiras gastam uma média de R$ 189 por mês com seus animais de estimação.

 » Read more about: Pesquisa aponta que brasileiros gastam quase R$ 200 por mês com animais de estimação  »

Câmeras flagram momento em que cadela é abandonada por tutor, mas história tem final feliz

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 set 2017 - 9:27

A cidade de Dallas, no Texas, Estados Unidos, sofre com o grave problema de abandono de animais. Os abrigos locais fazem tudo o que podem. Resgatam, cuidam e encontram lares para os bichinhos, mas o abandono continua.

Pensando em minimizar ao máximo isso, autoridades locais colocaram câmeras de segurança em um ponto da cidade conhecido por ser um local onde muitos animais são abandonados. E parece que essa ajuda já está trazendo efeitos.

O primeiro caso flagrado pelas câmeras,

 » Read more about: Câmeras flagram momento em que cadela é abandonada por tutor, mas história tem final feliz  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Gregório Aparecido, mais uma celebridade canina para você ficar de olho nas redes sociais

por Andrezza Oestreicher — publicado 25 set 2017 - 9:20

No dia 2 de setembro do ano passado, nós contamos para vocês a história de Pérola Carolline, cadelinha brasileira que faz muito sucesso nas redes sociais e que é nossa musa fitness do Instagram.

Nós contamos como Pérola foi adotada por sua família, que foi muito bem escolhida por ela mesma.

Agora, a família da cadelinha está maior, e hoje nós vamos contar a história de Gregório Aparecido, irmãozinho de Pérola que na última sexta-feira, dia 22 de setembro, comemorou um ano de adotado com sua nova família.

De acordo com Neila Caputo, tutora da Pérola, em setembro do ano passado ela estava mexendo nas redes sociais da cadelinha quando viu algumas fotos de cachorros para adoção. Ao ver as fotos do Gregório, que na época se chamava Fred, Neila e seu marido imediatamente se encantaram, mas eles não estavam pretendendo aumentar a família.

Como os perfis de Pérola nas redes sociais possuem um grande número de visualizações, ela tem mais de 14 mil seguidores no Instagram e mais de 900 amigos no Facebook, Neila também usa essas páginas para divulgar animais que estão precisando de ajuda e de adoção. Assim, ela entrou em contato a protetora que havia feito a postagem daquele cãozinho que encantou sua família.

Segundo informações da protetora, uma mulher que trabalhava próximo ao local onde o animal estava contou que um carro passou pela rodovia e abandonou o cachorrinho lá. No local já havia duas outras cadelas, e Gregório, por ser o macho, passou a agir como o protetor do pequeno bando. Ele começou a avançar em outros cães que passavam por ali no intuito de defender as cadelas. Essa moça, então, pediu ajuda para que os animais fossem resgatados.

Esse resgate demorou para acontecer, pois pois a protetora estava sem espaço para novos cães. Por conta da falta de espaço, Gregório acabou tendo que ir para o sítio, onde outros cachorros viviam. Lá, o pequeno novato estava apanhando muito dos outros cães, maiores do que ele.

Ao saber da história, Neila e seu marido não resistiram e foram buscar o cachorro, que então recebeu o nome de Greório, já no dia seguinte. Ele estava desnutrido, fraco e todo machucado e foi rapidamente levado ao veterinário, onde recebeu todos os cuidados que precisava, inclusive teve que tosar o pelo todo para tratar as feridas.

Os irmãozinhos se dão muito bem e até aprontam juntos. (Foto: Reprodução / Instagram @perolacarolline)

Aos poucos ele foi melhorando, porém apresentava crises asmáticas com frequência. Foi aí que Neila decidiu começar a levá-lo para as suas corridas pela manhã junto com nossa musa fitness Pérola.

Gregório está quase chegando pertinho de sua irmã peluda, que corre 6 km. Ele já completa 4 km de exercícios, sendo 2 km caminhando e 2 km correndo. Com isso a asma está bastante controlada e ele nem precisa mais de medicamentos.

E como Pérola se comportou com a chegada do irmãozinho? “Ah! a Pérola amouuuu, recebeu muito bem o irmãozinho”, nos contou Neila.

Hoje, as fotos das redes sociais de Pérola são ainda mais divertidas, pois contam com a participação do levado e divertido Gregório Aparecido, que além de não deixar a cadelinha em paz, apronta todas em casa e até rouba comida da mesa se derem bobeira.

Pesquisa aponta que brasileiros gastam quase R$ 200 por mês com animais de estimação

por Andrezza Oestreicher — publicado 23 set 2017 - 18:22

De acordo com uma pesquisa feita pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) com usuários da intenert, cerca de 76% dos internautas brasileiros possuem um animal de estimação em casa. Destes animais, 79% são cães.

A pesquisa, que buscava saber o comportamento dos tutores em relação ao gasto financeiro com seus animais, mostrou que as famílias brasileiras gastam uma média de R$ 189 por mês com seus animais de estimação.

Quando falamos de famílias das classes A e B esse gasto sobe para de R$ 224 mensais.

A maioria dos tutores tem seus animais com membros da família. (Foto: Reprodução / Porticopharmacy)

O fato de serem considerados como membros da família por grande parte dos tutores, cerca de 61% dos entrevistados pensam assim, faz com que as pessoas não pensem em seus animais como gasto e tentem oferecer os melhores produtos para os seus pets.

Ainda de acordo com a pesquisa, entre os principais serviços que os tutores buscam seus pets estão rações (88%), shampoos e condicionadores (57%), petiscos (52%), medicamentos e vitaminas (50%) e brinquedos (44%). Mais da metade dos tutores entrevistados, 52%, afirmaram que buscam sempre a melhor ração para seus animais e que as mais escolhidas são as chamadas premium.

Apesar da crise financeira, a pesquisa mostrou que 21% dos tutores não deixam de comprar algo para seus bichinhos por falta de dinheiro.

Entre os principais gastos com os animais está a ração. Boa parte dos tutores busca oferecer a melhor ração para o seu pet. (Foto: Reprodução / Pet MD)

Também pôde ser vista na pesquisa a preocupação dos tutores (99%) quanto à saúde de seus animais de estimação. Prova disso é que o item que a maioria dos tutores respondeu ser um desejo oferecer para o seu animal é um plano de saúde específico. 33% dos tutores afirmaram que, apesar de terem muita vontade, não fizeram plano de saúde para o seu animal por conta do dinheiro.

Os peludos merecem ser muito amados e ter tutores tenham sempre um cuidado especial com sua saúde.

Fonte: G1