Via Dr. Pet: Cuidados e preparativos para viajar de avião com o cão

por Samantha Kelly — publicado 4 set 2012 - 23:46

 

Este é um assunto que gera muitas dúvidas. Primeiramente, existem diversas regras a serem seguidas, dependendo do destino de sua viajem e das regras da companhia aérea que você pretende utilizar. Vamos focar, aqui, os cuidados e preparativos referentes ao bem estar do cão. Mas antes de fazer as malas, lembre-se de averiguar alguns detalhes importantes: alguns países têm regras rígidas com relação a hóspedes de quatro patas. O Reino Unido, por exemplo, exige que o animal fique de quarentena, seja microchipado e apresente o resultado de teste de anticorpos. Outros países não aceitam animaisvindos do Brasil. Pesquise o assunto cuidadosamente para não ter surpresas desagradáveis.

Se o seu cão é de porte pequeno, você poderá dar preferência a vôos que permitam que o bicho viaje na cabine. Cães de porte maior provavelmente irão viajar em outro compartimento do avião, em uma caixa de transporte. Nos dois casos devemos realizar um treino para que o cão considere essa caixa um ambiente muito seguro e agradável.

O treino é muito interessante, pois consiste em resgatar o instinto de se entocar do animal. Criamos uma toca para ele, na qual ele deverá se sentir extremamente confortável. Trabalharemos de forma gradual. O primeiro passo visa apenas a entrar na caixa: podemos estimulá-lo com comida (jogar petiscos para ele busque lá dentro), colocando um pano ou cobertor que ele esteja familiarizado. Quando o cão adentra, pode-se acariciá-lo ou promover uma interação com seus brinquedos. Nunca force o animal a entrar na caixa, nem brigue com ele quando estiver lá dentro. Lembre-se: esse deve ser o lugar mais confortável e protegido possível na mente do animal.

Com essa dinâmica estabelecida, começa-se a pedir comandos de “fica” dentro da caixa (com a portinhola inicialmente aberta), graduamos de maneira que possamos inicialmente permanecer no cômodo olhando para o cão, depois sem que ele seja capaz de nos observar, até conseguirmos sair do cômodo e o cão continuar na caixa. É o momento, então, de começar a fechar a portinhola e prosseguir com o mesmo treino (nesse caso, como ele já esta habituado a permanecer na caixa, provavelmente não ficará estressado se fecharmos a portinha. No entanto, fazer isso de uma hora para outra pode trazer um grande desconforto e gerar ansiedade).

A caixa de transporte deve ter um tamanho suficiente para que o bicho possa se levantar e conseguir rodar, porém determinadas companhias irão determinar um tamanho especifico, pesquise isto. Lembrete: passeie com o cão para que faça suas necessidades antes da hora do embarque. O uso de sedativos e calmantes deve ser prescrito por um veterinário: há uma série de cuidados a serem tomados nesse caso. O efeito do sedativo em determinados cães pode ser o oposto do desejado: ao invés de relaxar, alguns medicamentos excitam o animal, o que pode ser extremamente perigoso.

Resumindo: informe-se a respeito de legislação para entrada de animais em outros países; pesquise diversas companhias aéreas e seus regulamentos; tenha um bom médico veterinário para orientação; e faça o treino recomendado. Considere a complexidade do caso e, se necessário, peça auxílio de um profissional. Tenha uma boa viajem!

Texto: Daniel Svevo (Consultor de Comportamento da Equipe Cão Cidadão)

Revisão e Edição Final: Alex Candido

Via Dr. Pet

deixe seu comentário: