11 dez 2016 - 14:59

Clark

Tutor(a): Bruno Bertolin

Hoje você me deixou, Clark.
Mas não como quem deixa alguém abandonado. Deixou- me com a ternura de um anjo, pronto para ascender a um lugar melhor. Um lugar em que não há o câncer, que limitou sua vida. Um lugar em que não há seres ruins, como tantos seres humanos que pudemos presenciar. Um lugar livre, em que há muita brincadeira e nenhum cansaço. Lembrar de você é lembrar de momentos tão bons, de tanto companheirismo, como nenhum amigo humano nunca me ofereceu na mesma medida. Hoje tenho certeza que os cães vivem tão pouco porque já nascem sabendo amar de um jeito que levamos a vida inteira para aprender, ou que algumas pessoas simplesmente nunca aprenderão. Sei que te deixar partir foi a melhor decisão, mas vai explicar isso pro meu coração, não tão racional assim! Só tenho a agradecer a Deus os bons momentos e as lições aprendidas. Eu e minha família demos nosso melhor, e na nossa limitação como humanos, em que não temos o poder de Deus sobre a vida, fizemos o máximo. Deixo você ir, mas não suas lembranças, suas brincadeiras, sua imagem… Agora, em lágrimas, digo que uma das lições que fica é que temos que valorizar todos os segundos com nossos animais e seres humanos, o futuro é simplesmente incerto e nunca sabemos até quando vamos ter sua presença mundana. Agora, em lágrimas, encerro esse pequeno texto, tendo a certeza de estar prestando uma homenagem, muito humilde claro, em que para alguns constam só palavras, mas que na verdade há tanto sentimento que simplesmente não podem ser traduzidos! Obrigado por tudo e até logo, amigo!