Cabine ou Carga Viva?

por Samantha Kelly — publicado 26 ago 2012 - 1:13

Cabine ou Carga Viva?

 

Levando Animais Como Bagagem Acompanhada

Levando seu pet como bagagem acompanhada, ele irá junto com você, necessariamente no mesmo vôo, podendo ir na cabine ou não. Neste método, você faz o check-in normalmente com o animal de estimação e a companhia aérea cobrará uma taxa como bagagem especial, e chegando ao destino, você precisará passar pelas autoridades sanitárias do país no desembarque, onde apresentará toda a documentação que foi preparada no país de origem. Algumas companhias aéreas não fornecem esta opção, é importante se informar antes de comprar sua passagem.

Existem duas formas de levar seu animal de estimação como bagagem acompanhada: na cabine, e no porão de carga.

 

Levando Seu Pet Como Bagagem Acompanhada Na Cabine

Para que você possa levar seu pet na cabine junto com você, cada companhia aérea tem seus próprios critérios. Uma coisa é certa, ele precisa ser de pequeno porte. Algumas companhias aceitarão animais pesando até 5kg, outras até 7kg, 8kg e até 10kg (sempre incluindo o peso do animal e da caixinha de transportes). Algumas companhias simplesmente não aceitam animais na cabine.

Quase todas as cias aéreas possuem um limite de animais na cabine por voo, portanto é importante reservar o lugar do seu pet assim que sua passagem for emitida.

As taxas cobradas pelas companhias aéreas para pets na cabine variam de US$120 a US$240 por animal.

É importante salientar, que embora seja um pouco mais reconfortante ter o seu pet junto de você durante a viagem inteira, em alguns casos, viajar na cabine não é recomendado. Animais muito agitados, ansiosos, que latem ou uivam muito, não devem ir na cabine. Além disso, é importante considerar que ele demorará mais para se acalmar, por causa de vários fatores, como a luz, as conversas, os cheiros de comida etc.

 

Levando Como Bagagem Acompanhada No Compartimento De Carga

Se o seu pet tem mais de 10kg (ou em algumas cias aéreas a partir de 5kg), ele precisará ir no compartimento de carga do avião. Não se desespere! Lá não é tão ruim quanto parece. O compartimento de carga é pressurizado e climatizado igualzinho à cabine. A única diferença são as luzes apagadas (ou reduzidas) e o fato de que ele ficará sozinho durante a viagem.

Neste caso, você faz o check-in junto com ele, da mesma forma como se fosse na cabine. Entretanto, ele é entregue aos funcionários da companhia aérea, e levado para que seja acomodado no compartimento de cargas do avião.

Embora pareça um contra-senso, animais que viajam no compartimento de cargas do avião tendem a viajar mais confortáveis. Isso porque sua caixa de transporte pode ser bem mais espaçosa (já que não há limites tão restritos de tamanho), ele tem água disponível durante toda a viagem através de um bebedouro especial, e pode ter até um comedouro anexado ao kennel.

Eles não serão sedados ou tranquilizados, como muita gente pensa que funciona. Vão acordados e seguros. São os últimos a entrarem e os primeiros a saírem do compartimento de carga. Ou seja, ficam bem perto da porta, separados das cargas.

Chegando ao destino, o passageiro desembarca e vai até a esteira esperar suas malas, enquanto isso um funcionário da companhia aérea buscará seu animal de estimação e entregará a você em mãos (ele não virá na esteira junto com as malas). Na saída, é necessário passar pelas autoridades sanitárias do país, apresentando a documentação preparada no país de origem.

 

Levando Animais Como Carga Viva (Manifest Cargo)

Caso você esteja fora do Brasil, e queira que enviem o seu animalzinho desacompanhado, o método usado é o manifest live cargo.

Alguns países, geralmente os que apresentam uma maior rigidez em suas regras, não permitem que o seu pet viaje como bagagem acompanhada. O método de carga viva, por apresentar um maior controle durante todo o processo, é o único aceito em certos países.

Quando seu pet viaja como manifest live cargo (ou carga viva), a viagem é considerada uma transação de comércio exterior, mesmo que o remetente e o destinatário sejam a mesma pessoa. Por esta razão, toda a documentação exigida é muito mais complexa, e é impossível de ser feita por um cidadão comum. Por lei, é preciso contratar um despachante aduaneiro para realizar o embarque por você. Ele se encarregará de emitir todos os documentos necessários para o voo, agendar e acompanhar a vistoria veterinária realizada por um veterinário oficial do Ministério da Agricultura, pagar todas as taxas e efetivamente entregar o animal aos cuidados da cia aérea.

Ao contrário do método de bagagem acompanhada, neste método, o pet não faz check-in pelo terminal de passageiros do aeroporto, e sim pelo terminal de carga.

Cada cia aérea tem suas próprias tarifas para o embarque, cobrando valores diferentes para cada destino, com o preço do frete aéreo sendo calculado por um conjunto de fatores que incluem peso do animal, volume do kennel, distância até o destino, litros de combustível gastos, entre outros.

No desembarque, o processo de liberação é um pouco mais complicado, porque não envolve apenas autoridades sanitárias, mas também autoridades alfandegárias. Normalmente é necessário o pagamento de uma pequena taxa para a liberação. E dependendo do país, algum imposto (geralmente os países mais onerosos são os sulamericanos). Pode ser uma boa ideia, contratar um profissional para a liberação nocustoms do país, e entrega em domicílio.

Quase todas as cias aéreas que transportam animais como manifest cargo, possuem um sistema de rastreamento (tracking), em que você acompanha os estágios do processo numa página da internet em tempo real. Dá para saber se o animal já foi liberado pela alfândega ou se o voo de escala já decolou ou não. Muito útil para os proprietários, que possuem uma sensação de controle um pouco maior, tendo um pouco mais de tranquilidade.

 

Fonte

Cadela surfa com crianças com Atrofia Muscular Espinhal e proporciona muita felicidade aos pacientes

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 9:23

A Atrofia Muscular Espinhal, bastante conhecida também como AME, é uma doença degenerativa genética que afeta o sistema nervoso e leva à redução das funções motoras. Ela resulta em fraqueza e atrofia muscular caracterizada por problemas nos movimentos voluntários.

A AME afeta os movimentos das pernas e braços, muitos pacientes perdem esses movimentos, e afeta também os músculos que atuam na deglutição de alimentos e na respiração.

Por conta disso tudo, pessoas com Atrofia Muscular Espinhal acabam não vivendo uma série de experiências que para aqueles que não sofrem com a doença seria tão simples. 

 » Read more about: Cadela surfa com crianças com Atrofia Muscular Espinhal e proporciona muita felicidade aos pacientes  »

Cachorros da raça Galgo Italiano são encontrados vivendo em terríveis condições em São Paulo

por Andrezza Oestreicher — publicado 25 abr 2018 - 13:00

Mais uma vez, a ganância do ser humano, chamado de racional, transformou seres tão amáveis como os cachorros em máquinas de reproduzir filhotes e em fonte de lucro e de dinheiro. É exatamente isso o que criadouros clandestinos fazem.

Na última sexta-feira, dia 20 de abril, a Polícia Militar Ambiental (PMA) encontrou em uma residência em Praia Grande, no litoral de São Paulo, cachorros da raça Galgo Italiano, considerada rara no Brasil, em um estado terrível e em visíveis condições de grave negligência.

 » Read more about: Cachorros da raça Galgo Italiano são encontrados vivendo em terríveis condições em São Paulo  »

Conheça a grande paixão de Anajú Dorigon, o cachorrinho de estimação Woody

por Andrezza Oestreicher — publicado 24 abr 2018 - 17:32

A atriz Anajú Dorigon, que está no ar atualmente como a personagem Cecília na novela “Orgulho e Paixão”, é uma das nossas, apaixonada por animais.

Tutora de uma cadela vira-lata chamada Betty, que foi adotada pela família em uma feira de adoção em uma praça localizada perto da casa dos seus pais, Anajú queria um cãozinho pequeno para ela cuidar. Foi aí que surgiu em sua vida o pequeno Woody.

Minha vida !

 » Read more about: Conheça a grande paixão de Anajú Dorigon, o cachorrinho de estimação Woody  »

deixe seu comentário:
Siga o Portal do Dog
Últimas notícias

Cadela surfa com crianças com Atrofia Muscular Espinhal e proporciona muita felicidade aos pacientes

por Andrezza Oestreicher — publicado 26 abr 2018 - 9:23

A Atrofia Muscular Espinhal, bastante conhecida também como AME, é uma doença degenerativa genética que afeta o sistema nervoso e leva à redução das funções motoras. Ela resulta em fraqueza e atrofia muscular caracterizada por problemas nos movimentos voluntários.

A AME afeta os movimentos das pernas e braços, muitos pacientes perdem esses movimentos, e afeta também os músculos que atuam na deglutição de alimentos e na respiração.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Por conta disso tudo, pessoas com Atrofia Muscular Espinhal acabam não vivendo uma série de experiências que para aqueles que não sofrem com a doença seria tão simples. Porém, um grupo de pacientes nos Estados Unidos contou com uma ajuda para lá de especial para ter uma experiência diferente e muito feliz.

Juntamente com o Cure SMA, um grupo que financia pesquisas relacionadas à doença, a cadelinha surfista Ricochet proporcionou muita diversão a esses pacientes, que tiveram a oportunidade de entrar no mar e surfar com a peluda.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Ricochet é o único SURFice dog® do mundo que fornece assistência terapêutica enquanto cria experiências únicas de surfe e outras atividades que reduzem a ansiedade social e capacitam crianças com necessidades especiais, pessoas com deficiências, soldados feridos e veteranos com TEPT.

As crianças eram as mais animadas do grupo de pacientes, todas queriam ser a primeira a surfar com Ricochet, cadela que tem treinamento extensivo como cão de serviço.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Como muitas das crianças que participaram da atividade não conseguem manter a cabeça erguida sozinha, uma cadeira de banho foi adaptada e fixada na prancha de surf para deixar os pequenos seguros e confortáveis.

O passeio contou com a participação e ajuda de uma incrível equipe de voluntários qualificados que fez com que a experiência fosse um sucesso e muito feliz para todos.

(Foto: Reprodução / Killer Surf Pix / Ionis Pharmaceuticals)

Apesar de todas as dificuldades e trabalho que deu colocar a ideia do surf com os pacientes em prática, todos, tanto crianças quanto adultos, se divertiram bastante e não queriam que aquele dia acabasse.

Fonte: 3 Million Dogs / Diário Catarinense

Cachorros da raça Galgo Italiano são encontrados vivendo em terríveis condições em São Paulo

por Andrezza Oestreicher — publicado 25 abr 2018 - 13:00

Mais uma vez, a ganância do ser humano, chamado de racional, transformou seres tão amáveis como os cachorros em máquinas de reproduzir filhotes e em fonte de lucro e de dinheiro. É exatamente isso o que criadouros clandestinos fazem.

Na última sexta-feira, dia 20 de abril, a Polícia Militar Ambiental (PMA) encontrou em uma residência em Praia Grande, no litoral de São Paulo, cachorros da raça Galgo Italiano, considerada rara no Brasil, em um estado terrível e em visíveis condições de grave negligência.

Os animais estavam sendo extremamente negligenciados. (Foto: Divulgação / PMA)

A PMA foi chamada depois que vizinhos começaram a sentir um mau cheiro muito forte vindo da residência. Como o proprietário da casa não aparecia há cerca de duas semanas, os vizinhos começaram a achar que o homem estava morto no local.

Porém, antes mesmo de entrarem na residência os policiais já puderam perceber que o odor que vinha do local era dos cachorros e da situação deplorável em que eles estavam vivendo. Os animais estavam sendo muito negligenciados e visivelmente desnutridos.

Com imagens do local, os policiais conseguiram permissão para arrombar os cadeados e entrar no local, para verificar a parte de dentro da casa.

Os cães estavam desnutridos e vivendo em meio a muita sujeira e fezes. (Foto: Divulgação / PMA)

O lado de dentro estava muito pior do que os policiais imaginavam. Seis cachorros, todos da raça Galgo Italiano, eram mantidos na casa sem nenhum tipo de cuidado e em meio a muita sujeira, incluindo as próprias fezes.

Os cães estavam sem nem um tipo de alimentação e completamente sem água, extremamente magros e desidratados.

Além dos cachorros vivos, também foi encontrada a ossada de um animal em um corredor e um cão em estado de decomposição foi encontrado dentro de um cômodo que estava trancado.

A situação de negligência em que os animais estavam vivendo foi comprovada por equipes da Vigilância Sanitária e do Departamento de Zoonoses que foram chamadas no local.

Os cachorros vivos foram apreendidos e resgatados pela polícia. (Foto: Divulgação / PMA)

Os cachorros vivos foram apreendidos e resgatados pela polícia e encaminhados para receber os cuidados e tratamentos necessários em um centro especializado na cidade.

De acordo com informações da polícia, o proprietário da casa, que não tinha sido localizado até sábado, vai ser multado em R$ 30 mil pela Polícia Militar Ambiental e também irá responder a um inquérito sobre crime ambiental.

A suspeita é de que a residência funcionava com um criadouro ilegal e a polícia está investigando o local.

Fonte: G1